História Minhas profundezas - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Bebidas, Choro, Drama, Drogas, Escola, Fases, Feels, Fuck, Romance, Sentimentos
Exibições 4
Palavras 647
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Poesias, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Mutilação
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpem pelos erros que eu tenho cometido ao escrever a história mas é o corretor...💘 recomendo que voltem no Capítulo anterior e leiam um pouquinho do final para assimilar as coisas...

Capítulo 4 - As dores do chifre


   Finalmente eu cheguei em casa, pra minha surpresa, não encontro ninguém, ou seja, estou sozinha, uhuu, qualquer adolescente normal pensaria em dar uma festa e chamar todos os amigos, Mas para isso é necessário ter amigos, quem eu poderia chamar as little Queens? Não obrigada.

          Então eu acho que vou ligar pro Nick, a proposta dele não é tão ruim.

-Alô

-Oi amor, meus pais saíram, quer passar aqui? 

-Ah tá, então é que...Não tô afim de conversar, eu te adoro, mas você fica muito chata quando eu faço algo errado

-É claro, por que é patético, que saber Tchau. 

-Então por que ligou?

-Pensei que você se importasse comigo.

-Liga pra July, ela não é um doce de pessoa.

-Tchau Nick

              Desliguei o celular, e tive vontade de chorar, nem meu namorado me suporta, minha amiga só liga pro Brendy, não sou uma boa aluna, muito menos uma boa filha, e nem sei como ser, o que faz de mim uma péssima pessoa.

        Me dirigindo a cozinha, peguei a chave que guardo em cima da geladeira, seria a chave pro jardim secreto? Absolutamente não.  Lentamente fui tremendo até a gaveta, destranquei,  e lá estava ela, a minha velha e boa amiga, a única coisa que me acalmava, onde minha alma se encaixava, e sentia estar fazendo o certo, peguei ela em minhas mãos, fui até o banheiro, e enfiando ela lentamente em meu pulso, senti uma sensação de que eu nunca deveria ter nascido, e puxando para o lado lentamente, escuto a campainha tocar.

-Aaah mais que merda. 

                Contei 3,2,1 tirei o pano que eu estava estancando o sangue de minhas mãos, e atendi a porta, então era minha mãe. 

-O que você está fazendo?

-O que mãe? 

-Por que ainda não foi pegar as compras no carro, sua inútil, toma a chave.

-e como eu ia adivinhar? Você é meio estranha adivinhar as vezes. 

-fala comigo com respeito, eu te desejei tanto pra nascer e fazer isso.

-Eu nunca pedi pra nascer, e toma sua chavezinha, que eu tô vazando.

-Onde você pensa que vai?

-Pra longe daqui.

         Imediatamente peguei meu celular e desci no elevador chorando.

-Alô, July? 

-Oi amiga, você tá bem? 

-Tô indo pra sua casa.

-A pé????

-Voando que eu não vou

-Mas pera aí eu tô numa festa.

                Meu pé colou no chão e eu disse:

-Não acredito que você tá na festa das Little Queens.

-Sim a festa é delas, eu ia te chamar mas...

-O que?

-O Nick tá aqui e ele não está nada bem com você, digo, vocês terminaram né? 

-O que? Digo, não. 

-Ele já transou no mínimo com 4 meninas.

-Tô indo para aí agora.

             Desliguei o celular, e percebi que não sabia o local, mas fui no meu extinto, as festas sempre ocorrem na casa da Milene, aquela vagabunda, ops falei demais. 

          Subindo no elevador, estou suando frio, bati na porta, 3 vezes e ninguém atendeu, então mandei uma mensagem pra July

📩: estou aqui, atende a porta.

                 Imediatamente,  a porta se abriu.

-Oi Luna, tudo bem?

-Oi Milene, por que não me avisaram que ia ter essa festa depois da aula.

-Pois é querida, é que foi de última hora, mas pode entrar fofinha.

-tá. 

             Vi uma piriguete, descendo olhar vi que estava sentada em cima das pernas de um rapaz, então foco no rosto dele e percebo que conheço aquele rosto.

-Niiiiiiiiiiiccccck (dei um tapa no rosto dele)

-Quem te convidou? 

-Não sei, acho que foi a fada do chifre mágico. 

-ah eu não te disse, nós terminamos.

-Mas o que????

            Não acredito no que estou ouvindo, todos começam a gritar:

-Chifrada! Chifruda! ! Chifruda. 

              Caindo aos prantos saio imediatamente do lugar, e a July vem atrás, ela diz:

-O que houve?

-O que houve não te interessa, já não basta o desastre do dia 22, e entre outras coisas que você me fez, e hoje, sai de perto de mim.

-Luna...

-sai. 

          Saio correndo, e me encontro sem saída, olho pros lados, não tenho pra onde ir, o que eu faço? Nem eu sei.




Notas Finais


Alguns segredos serão revelados aos poucos, não seja curioso😂💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...