História Minhas Teorias - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescência, Adolescente, Amizade, Amor, Aventura, Colegial, Colégio, Conversas, Emoção, Escola, Família, One, Oneshot, Original, Romance, Teorias
Exibições 8
Palavras 1.153
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Yay, já temos 10 favs e eu nem divulguei direito!
Finalmente atualizei kkkk
Não se preocupem com o título do capítulo... aliás, podem se preocupar sim.
Vejo vocês nas notas finais, até logo e boa leitura!

Capítulo 3 - Atropelada


- Por que não me disse que estudava aqui? - Perguntou como se fosse a coisa mais normal do mundo. Talvez fosse.

- Talvez porque 1, eu não estudava aqui, e, 2, eu não achava algo necessário, tipo, interromper uma conversa interessante para falar o nome de uma escola? - Disse sarcástica revirando os olhos.

- Então você gostou de conversar comigo? - Ele arqueou uma sobrancelha em sinal de "te peguei" e sorriu de lado, um sorriso debochado porém sincero.

- Eu não disse isso! - Disse na defensiva.

- Você disse sim, achou a conversa interessante, Mile? - Deu ênfase no "Mile" quando percebeu que estava incomodada com essa intimidade imaginária que ele criou.

- Não, sim, não, eu... - Me perdi e sua feição se tornou séria.

- Por que você tem que me tratar assim? Você... eu pensei muito em você desde aquela noite! Nas suas teorias imperfeitas que se tornam perfeitas pelo seu modo de falar delas; pensei muito no jeito como você era uma pessoa legal, uma pessoa destas que você faz questão de ter ao lado para o resto da vida; e quando eu acho que posso conseguir sua companhia ao descobrir que estudamos na mesma escola e podemos levantar uma boa amizade você desfaz da minha pessoa e me trata como um lixo? - Ele afirma mas logo cria um ponto de interrogação na cara fazendo a afirmação parecer mais com uma pergunta. - Por quê? - Ele fala finalmente, depois de longos minutos agonizantes. - Eu só quero saber isso: por quê?

Nos fitamos por segundos que pareceram horas.
Me sinto mau por tratá-lo assim, mas eu tenho meus motivos, minhas... teorias..!
A forma como ele falou de seus dias depois da festa lembrou-me dos meus dias depois da festa.
Pensando e pensando nele e sua companhia; sua conversa paciente, como se eu fosse uma criança, mas de modo bom, ouvindo atentamente cada detalhe, e como outra criança, perguntando os porquês de tudo.

Sem perceber, eu dava passos para trás, ainda o encarando, sendo ignorada inutilmente por ele, que agora já fitava o chão com os punhos cerrados.
Eu estava fugindo e não estava indo contra este meu feito.
Talvez fosse melhor assim, talvez o melhor fosse realmente fugir.

E foi isso que eu fiz; sem mais nem menos, virei-me e corri, ignorando os olhares sob mim, até porque, a única doida correndo no ambiente era eu, e eles nem sabiam o porquê; era como se eu fosse presa e começasse a cantar uma música alegre; sem motivos convincentes, aliás, sem nenhum mero motivo.

Cheguei em casa e me joguei na cama de uniforme, sem me preocupar em me trocar, sem me preocupar em arrumar meu material, sem me preocupar em checar minhas mensagens, sem me preocupar com nada, exceto algo que me infernizava sem pausas. Este algo? Claro que tinha nome, e claro que o nome era Teodoro.

Peguei n'um sono pesado e inesperado, acordei com um som repetitivo e irritante em meu celular; eram mensagens, e eram 4:23 da manhã.
Quem eu mato?
Peguei o celular n'uma tremenda preguiça, talvez por ter sido acordada, talvez por uma parte de mim já saber quem era.

Desbloqueio a tela e me deparo com um número desconhecido com 13 mensagens recebidas por mim, clico receosa e começo a ler uma por uma; como eu já disse, claro que tinha nome, e claro que o nome era Teodoro. E todas as 13 mensagens eram "Milena?" repetidas.
Chega, não estou mais com dó dele, agora estou com raiva, e se esse guri não parar de me mandar  men... ELE ESTÁ ME LIGANDO??

- Milena, você... - Ignorei o tom desesperado de sua voz e interrompi-o.

- Okay, Teodoro, você quer desculpas pelo modo que te tratei? DESCULPAS! - Quase gritei o desculpas, na verdade, acho que gritei sim. - Mas não me enche, por favor, eu estava dormindo e você... - Ele me interrompe falando alto, nervoso, me encolho e presto atenção no que o mesmo diz.

- A Alissa foi atropelada, Milena! - Ele diz direto, n'um tom de voz desesperado e nervoso e eu entro em choque, fico congelada com os olhos arregalados que logo aguam. - Milena, você está acordada ainda? A SUA AMIGA FOI ATROPELADA, CARAMBA! - Ele berra do outro lado da linha fazendo com que a espécie de transe em que eu estava fosse quebrada.

- Na onde ela 'tá?! - Pergunto desesperada já levantando e calçando meu tênis.

- Milena, o que está acontecendo, com quem você está conver... - Interrompo minha mãe já sentindo minhas bochechas esquentarem com o líquido expelido de meus olhos, logo sentindo a mesma esfriar por estar molhada.

- Mãe, a Lis sofreu um acidente! - Ela arregala os olhos e pega o celular da cama, que gritava meu nome sem respostas.

- Alô, quem está falando? - Minha mãe pergunta tentando manter a calma mas quase falhando, Alissa é um grude com ela!

- Aqui é o Teodoro, amigo da Milena e da Alissa, - Minha mãe estreita os olhos para mim deixando um sorriso de canto escapar, mesmo com este acontecimento, ela sabe de Teodoro. - A Alissa mora perto de mim e eu vi quando aconteceu e vim ver se está tudo bem, mas ela está desacordada, eu preciso de ajuda. - Ele diz tudo muito rápido n'um desespero só e tudo que minha mãe diz é:

- Estamos indo p'ra'í.

Seguimos o caminho todo conversando com Teodoro, tentando tranquilizá-lo; na verdade, minha mãe fazia isso, porque eu estava n'um estado igual ao dele, se não pior, murmurando repetidamente que Lis iria morrer.
N'um momento de silêncio (da parte deles), Teodoro ouviu meus delírios e disse que ela estava bem, que não ia morrer, que era para eu me acalmar para não ser internada e ficar longe dela, dito isso, me calei instantaneamente fazendo com que os dois soltassem risos fracos, mas eu nada.

Quando chegamos disseram que ela tinha batido a forte com a cabeça e que estava em observação. A partir d'aí comecei a bolar minhas teorias sobre o que tinha acontecido e o que iria acontecer; estava apavorada, morrendo de medo que ela não ficasse bem ou que pior: esquecesse de mim.
Perdida em meus pensamentos, mal notei a presença de Teodoro, muito menos sua fixação no olhar em mim.

Um médico chegou dizendo que ela havia acordado e sem dizer nada, entrei no quarto; corri até ela é com os olhos aguados perguntei:

- Você lembra de mim? - A voz de choro foi a única coisa que tive certeza naquele momento.

Alissa estreitou os olhos no local e logo parou em mim; me encarou e respondeu:

- Não. Q-quem é você? - Perguntou com dificuldade. Naquele momento, senti meu mundo desabar. Não, não, não. Não era possível que minha melhor amiga tinha esquecido de mim. Não era!


Notas Finais


Olá!
O capítulo está meio pequeno mas é porque escrevi pelo celular e porque quis parar nesta parte.

Bom, os avisos:

Oneshot's
Estou postando várias Oneshot's. Já tenho duas. A Cama e o Caixão que é uma one meio pesada e doente, e uma poesia, um poema bem self inserction kkkkkkk

Cinco Anos
Essa one foi postada em julho após o falecimento de minha professora de língua portuguesa.
Quando o período das Olimpíadas da Língua Portuguesa chegou, eu reescrevi esta one e guardei o rascunho (já que eram no máximo 4.200 palavras e a reescrita ultrapassava), eu passei na primeira etapa das Olimpíadas da Língua Portuguesa com esta minha one reescrita e irei postar este capítulo reescrito dela.

Trip To Love, Just Dreams or Reality

Para quem acompanha estas fics, estou aqui para avisar que eu FINALMENTE vou atualizá-las, as duas amanhã mesmo.

A Cabana
Estou com um projeto de fanfic do livro A Cabana. Nas minhas idéias quero fazer uma história para o Matador de Meninas e no final o perdão, com várias conversas com Sarayu, Jesus e Papai, pois no caso do Matador de Meninas, ele não vai perdoar a outra pessoa, ele vai perdoar a si mesmo, então isso será trabalhado em mais de um final de semana. Não vi nenhuma história com esta idéia, aliás, fiquei bem triste por perceber que mal tem histórias com o tema d'A Cabana, apenas várias coisas sobre o mackenzie, até mesmo a história d'A Cabana com nomes diferentes, isso me matou. Mas voltando ao rumo divulgações... Se você leu, esta lendo ou pretende ler A Cabana, fique ligado no meu perfil pois além das one's e atualizações, postarei logo está minha fanfic d'A Cabana, que creio eu, terá por volta de dez capítulos ou menos.

Bom, espero que tenham gostado do capitulo, até mais, fiquem ligados no meu perfil, estarei postando várias Oneshot's e atualizando fics.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...