História Miraculous - As aventuras de Lady Bug - Amor revelado - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Lady Bug, Miraculous, Romance
Visualizações 187
Palavras 4.243
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite meus queridos! Segue mais um capítulo feito com carinho pra vocês. Boa leitura!

Capítulo 33 - Novo ciclo


Fanfic / Fanfiction Miraculous - As aventuras de Lady Bug - Amor revelado - Capítulo 33 - Novo ciclo

A vista da Torre Eifel estava espetacular naquela noite. Paris estava enfeitada pelas luzes de natal. Marinette amava aquela época do ano. Tinhas boas recordações das comemorações em família e com os amigos. A padaria presenteava todos os clientes com um delicioso panetone e ela ficava ajudando os pais até fecharem o estabelecimento e se reunirem para a ceia e troca de presentes. Esse ano ela teria mais um presente para dar...

- Boa noite my lady! – sentiu os braços de Chat envolver sua cintura e uma mordida leve no ombro direito. Mas que gatinho atrevido!

- Boa noite Chat! – ela continuou olhando a vista da cidade e pousou as mãos nos braços que a rodeavam, recostando-se em seu tórax, sentindo a rigidez dos músculos trabalhados pelos intensos exercícios que ele fazia.

- Está tudo bem? – Ele sussurrou no ouvido da joaninha e isso sempre a fazia se arrepiar.

- Está sim. Eu só estava admirando esta vista... É linda!

Chat a virou delicadamente para si e fitando os olhos azuis brilhantes murmurou extasiado

- Linda mesmo... – Ele falou sem sequer desgrudar os olhos do rosto da sua Lady, indicando que estava se referindo a outro tipo de paisagem. Ele tocou-lhe os lábios com os seus em um beijo suave, quase um roçar de lábios, deixando Lady Bug ansiosa por mais.
No entanto, logo ele se afastou e lhe lançou aquele sorriso ladino. Provocador!

- E então my lady, vamos trabalhar? Afinal foi para isso que viemos não é?

Aquele gato atrevido a estava provocando! Ela lembrou-se do que ele havia lhe dito mais cedo. "Primeiro trabalho e depois prazer". Um tremor a percorreu e ela sentiu aquela sensação de asas se debatendo dentro do estômago ao olhar para o gato mascarado que lhe sorria sedutoramente.

A joaninha sorriu também.

- Primeiro eu quero te contar uma coisa. – Ela recostou-se nas barras de ferro do alto da torre. Ele se aproximou, ficando a seu lado - Queria ter contado mais cedo mas... Ficamos muito distraídos com outras coisas...

Diante do olhar curioso do loiro ela começou a lhe explicar tudo que Tikki havia lhe contado sobre a importância do equilíbrio e sintonia dos portadores dos miraculous e como a força e as habilidades deles poderiam aumentar e melhorar dali em diante.

- Nossa, isso é sério Bugboo? – ela assentiu sorrindo. Sabia que ele ficaria empolgado com aquilo. - Então quer dizer que quanto mais equilíbrio e sintonia mais força e poder?

- Basicamente foi isso que entendi. Claro que teremos que falar com o Mestre Fu para entendermos melhor como essas novas habilidades virão. Mas o fato é que ficaremos mais fortes sim, desde que possamos nos manter sempre em sintonia e equilíbrio.

- Mas porque o Plagg não me contou nada disso? Aquele kuami sem noção! Vamos ter uma conversinha mais tarde...

- Não brigue com ele Chat. Vocês não devem ter tido tempo para conversar sobre o assunto.

Ele revirou os olhos

- Ele é que é um preguiçoso isso sim. Desde o início ele deixa de me explicar coisas importantes.

- Talvez seja porque você é um tantinho impulsivo e precipitado gatinho...

- Talvez... – ele a fitou – Você me conhece muito bem chérie.

Ela sorriu

- O mais importante é que conforme o que a Tikki me contou, em breve nossos poderes aumentarão.

- Isso faz muito sentido. – Chat colocou a mão no queixo enquanto completava seu raciocínio – Os poderes da destruição e da criação precisam estar em harmonia, a balança não pode pender apenas para um lado. Sempre juntos, mas de uma forma harmônica, que respeita a individualidade de cada portador. É diferente do poder absoluto, incontrolável, que Hawk Moth tanto deseja.

- Sim, isso mesmo chaton – Lady Bug suspirou – Hawk Moth quer todo esse poder apenas para ele, para seus planos obscuros. Mas nós não permitiremos isso.

 - Sim e faremos isso juntos my lady.

Ela sorriu determinada

- Então vamos começar nossa ronda. Quem sabe não encontramos alguma pista do esconderijo dele. Ainda temos umas continhas para acertar.

Chat viu o olhar sombrio no semblante da sua joaninha. Ele entendia. Há poucos dias o último ataque de akuma havia sido aquele contra Governant e quase tirara sua vida. As imagens do pesadelo horrível em que vivera por algumas horas antes dela o curar ainda estavam vívidas da sua memória e algumas vezes ainda atrapalhava seu sono.

- Ei ma petite... – Ele segurou-lhe o queixo, fazendo com que seus olhos se encontrassem. Sua expressão era de amor, mas havia um pouco de preocupação nas íris felinas - não deixe sentimentos negativos entrarem no seu coração puro. Nós vamos derrotar Hawk Moth e tomar de volta o miraculous que ele está usando para seus propósitos malignos. Ele não poderá ferir mais ninguém!

Lady Bug assentiu. Ainda era difícil banir da mente as imagens de Chat Noir desacordado, gemendo, sofrendo com o coma, em um pesadelo terrível que ela tinha certeza que ele ainda podia se lembrar.
Ela não queria deixar que a raiva e sede de vingança entrassem em seu coração e lutava a duras penas pra isso. A razão pela qual seu coração ainda se mantinha em paz e equilíbrio estava bem ali na sua frente. O amor que há um ano a vinha salvando e continuava fazendo isso.

- Está bem. Vamos começar!

 

A dupla de heróis poderia ser vista por alguns enquanto pulavam sobre os prédios da cidade luz. Estavam concentrados, atentos a qualquer movimento suspeito. Os olhos passeavam por toda a extensão do território que já conheciam como a palma da mão. Deles emanava a força e o poder dos miraculous ativados. Suas respirações eram controladas, seus movimentos calculados. Naquele momento as demais emoções estavam suprimidas, deixando apenas o instinto e a conexão incontestável entre eles.
Lady Bug e Chat Noir eram dois heróis magníficos, mas naquele momento eram apenas um, tamanha a sintonia entre eles. Enquanto corriam, pulavam, analisavam rotas e caminhos, os olhares eram o único meio de comunicação. Provavelmente poderiam ler a mente um do outro se existisse alguma possibilidade de tal façanha. Suas mentes e corpos pareciam conectados. Nunca haviam se sentido tão próximos antes, tão ligados! 

A ronda durou cerca de uma hora. Paris estava segura naquela noite. Nenhum sinal dos akumas de Hawk Moth, mas também nada de pista sobre o covil do inimigo. Os pequenos crimes haviam sido coibidos pela própria polícia Francesa e os heróis agora estavam em um prédio qualquer ao norte da torre Eifel.

Estavam em um silêncio profundo. Apenas as respirações ofegantes podiam ser ouvidas. Cada um refletindo sobre aquela última hora em que, apesar de haverem cumprido uma rotina, sentiam-se como se houvessem feito aquilo pela primeira vez, tamanho o impacto que sentiram com todas aquelas novas sensações que experimentavam.

- Você também sentiu não foi? – Chat foi o primeiro a quebrar o silêncio. Sua voz refletia surpresa e também satisfação.

- Sim – A joaninha respondeu com um sorriso – Foi maravilhoso! Não imaginei que iríamos sentir essas mudanças assim tão rápido e tão intensamente.

- Eu também fiquei surpreso. Era como se estivéssemos conectados por uma rede de informações invisível em que apenas eu e você temos acesso. Foi demais!

Ela ria da empolgação dele.

- Foi mesmo. Parece estranho, mas... – ela exitou, não sabia se ele conseguiria entender aquilo – Parecia que éramos apenas...

- Um? – Ela assentiu e seus olhares se encontraram. Aquela conexão parecia ter sido ativada novamente. Ele entendia... Sabia exatamente do que ela estava falando. Eles pareciam ter os mesmo pensamentos, as mesmas idéias e estratégias. Era como se um soubesse do próximo passo que o outro daria. Extraordinário!   

Não tinha outra forma de selarem aquele momento, senão com a união dos lábios em um beijo intenso. As bocas se buscavam de forma desesperada, como se quisessem se fundir, alcançado na forma física aquilo que só haviam experimentado interiormente. Quando o beijo acabou, permaneceram abraçados, as frontes coladas uma na outra, os olhos cativos um do outro. Verde e azul intensos, brilhantes como pedras preciosas recém lapidadas.

- Eu estou com medo... – Ela admitiu fechando os olhos – É a primeira vez que estou lidando com sentimentos tão intensos. É um pouco... Assustador...

Ele sabia o que ela queria dizer. Algo tão forte assim poderia gerar certa dependência um do outro. Estariam sempre ligados e isso também aumentava o medo de se perderem um do outro. Eram como duas metades agora e se perdessem uma delas, ficariam incompletos.

- Eu sei mon amour... Eu também tenho medo. Olhe pra mim – Ela voltou a abrir os olhos e encarou as íris verdes esmeralda – Se estivermos sempre juntos venceremos qualquer coisa. Porque o amor afasta todo medo.

Ela assentiu.

Chat a abraçou mais uma vez, para depois se afastar e lançar um sorriso desafiador

- E agora que tal uma corrida até o ponto inicial?

Ela riu suavizando a intensidade daquele momento. Chat era bom em fazê-la rir e aliviar a tensão.

- Desafio aceito gatinho. Mas o que eu vou ganhar?

- Você quer dizer eu vou ganhar Bugboo! – o sorriso que a levava a loucura estava bem ali. – E o meu prêmio será levá-la para casa e colocá-la na cama... – o rosto da joaninha adquiriu um tom carmesim quando sua mente encheu-se de imagens impróprias dos dois em sua minúscula cama de solteiro – Para dormir. – Ele completou a frase e deu-lhe um beijo rápido fazendo-a corar mais ainda, se é que fosse possível.

- A não ser que você queira...

- Chega de papo chaton!  - ela o cortou sentindo o rosto queimar cada vez mais - Vamos à corrida, afinal eu já sei quem vai vencer. – Ela declarou convencida, arrancando uma gargalhada do loiro.

- Está passando tempo demais comigo My lady...

Os dois se olharam e a um sinal mútuo de concordância dispararam a correr pelos telhados da cidade rumo a Torre Eifel.

Ela era boa, Chat pensava enquanto tentava aumentar a distância entre ele e sua joaninha que estava colada em seus calcanhares. Ela era rápida sim, ágil e na maioria das vezes em que disputavam uma corrida, ela vencia. Mas não daquela vez! Ele já começava a sentir o poder inundar-lhe o corpo, dando-lhe uma força surpreendente nas pernas que o impulsionavam pra frente. Sempre mais veloz a cada segundo. De repente um brilho verde começou a emanar dos seus pés e a velocidade que ele atingiu foi indescritível, humanamente impossível. Ele estava quase voando! Em poucos minutos ele avistou a Torre Eifel. Escalou o monumento como se fosse uma árvore qualquer, muito rápido. Quando chegou ao topo teve um pouco de dificuldade em parar, mas usou de todo seu autocontrole sentindo o poder retroceder e a velocidade diminuir até parar na grade de proteção. Olhou para trás com um sorriso gigante, mas não viu sua Lady.

 

Lady Bug não podia acreditar no que estava vendo. Logo quando começou a corrida ela estava bem atrás de Chat, ainda nem tinha dado tudo de si e sabia que em poucos minutos ela conseguiria ultrapassá-lo. Afinal ela sempre ganhava dele nas corridas. Mas então a distância entre eles começou a aumentar consideravelmente. Chat adquiriu uma velocidade incomum, surpreendente até mesmo para um herói.
Ela ficou tão sem reação, que parou em cima de um prédio olhando o parceiro sumir de vista deixando para trás um rastro de brilho verde que saía dos seus pés. Era lindo de se ver! Ela sorriu. Ele acabava de receber uma espécie de upgrade em sua habilidade de velocidade.

Vários minutos depois Lady Bug chegou ao topo da torre e encontrou Chat esperando por ela. Quando ele a viu, soltou um bocejo e gracejou

- Está atrasada Ladyprincess! Muito atrasada e eu ganhei a aposta.

Ela cruzou os braços e fitou o loiro. Ele sequer estava ofegante e ela ainda tentava controlar a respiração. Estava exausta, enquanto ele parecia ter saído de um spa.

- Meu Deus Chat! O que foi aquilo?

Ele a abraçou levantando-a do chão, rindo como uma criança que acabara de ganhar um brinquedo novo. Colocou-a no chão e deu-lhe um selinho antes de contar

- Você viu Bugboo? Eu estava muito rápido! Senti o poder inundar todo o meu corpo, parecia vir de dentro sabe... Não sei explicar, saía do meu interior e se espalhava pelo resto do corpo...

Ela riu

- Eu sei... Foi assim que me senti quando recebi o poder de curar. Uma força que vem do interior e se espalha por todo corpo até chegar à extremidade de onde irá emanar o poder. Você deixou um rastro de brilho verde impressionante!

- Nossa, isso foi muito maneiro my lady!

- Foi sim. Estou muito feliz por você gatinho – ela fez um carinho na parte de trás das orelhas de gato

- Obrigado, mas... Não acha que tudo isso foi um pouco rápido demais? Quer dizer, nossa sintonia mais cedo e agora essa habilidade nova, tudo em apenas um dia?

- Talvez. Teremos que conversar com o mestre a esse respeito.

Ele deu de ombros e puxou-a novamente para seus braços. Era impossível ficar longe dela.

- Faremos isso então. Mas agora eu quero minha recompensa...

- Não tão rápido gatinho. – Ela apoiou as mãos no peito do loiro - Acho que essa corrida não foi muito justa, afinal você usou uma habilidade especial que eu não tenho, então... – Ele a beijou no intuito de silenciá-la.

- Corta essa joaninha. As regras eram correr e quem chegasse primeiro seria o vencedor. Eu nem sabia que receberia essa nova habilidade, então não pode me culpar. Eu corri, venci e você perdeu, simples assim. E agora meu prêmio – Ele a pegou no colo, como no dia em que ela caíra do telhado do galpão abandonado.

- Ei! O que você está fazendo? Eu posso muito bem ir para minha casa sozinha...

- Te levar faz parte do meu prêmio esqueceu? Pare de reclamar Bugboo... Apenas relaxe, eu sei que está cansada da corrida.

Ela estava mesmo, mas não iria admitir aquilo pra ele.

- Não estou cansada nada. Ainda teria forças para lutar contra um akuma se quer saber! – ela mentiu, mas passou os braços ao redor do pescoço do parceiro.

Ele riu e a apertou ainda mais contra seu peito

- Teimosia irresistível! – Ele desceu a torre e preferiu correr ao invés de saltar pelos prédios. Queria testar a super velocidade novamente e deixar sua lady sentir um pouquinho daquela gostosa sensação.
Quando conseguiu ativar o poder, sentiu os braços dela apertarem mais ao redor de seu pescoço. Em questão de segundos já estavam na sacada da casa dela. Ele a colocou no chão com cuidado. Os olhos dela brilhavam e as faces estavam coradas pelo vento frio.

- Prontinho. Devidamente entregue, rápido e seguro!

Ela riu. Aquilo parecia propaganda dos correios.

- Oh meu Deus! Isso foi demais Chat! Nem acredito que já estamos aqui. Confesso que me deu um pouquinho de medo, mas depois senti como se estivesse voando em seus braços. Foi maravilhoso! – ela deu-lhe um selinho - Obrigada pelo passeio.

- O prazer foi meu, princesa. Agora preciso te colocar na cama. Está muito frio aqui fora, vem! – Ele a pegou pela mão e desceram para o quarto. Desligaram suas transformações. Plagg e Tikki estavam exaustos, mas ainda precisavam se alimentar.

- Esperem aqui sem fazer muito barulho. Meus pais já devem estar dormindo. Vou trazer algo pra gente comer.

Adrien assentiu e sentou-se na cadeira em frente o computador, enquanto Plagg e Tikki sentaram-se na espreguiçadeira.

- Ótimo desempenho hoje Adrien – Plagg elogiou mesmo estando exausto

- E porque você não me contou sobre toda a história do equilíbrio, mais poder... etc?

- Garoto, muitas coisas aconteceram esses dias. Não deu muito tempo de falarmos sobre o assunto.

Tikki revirou os olhos

- Você sempre deixa as explicações para depois Plagg... Você sabe que quando se atinge o equilíbrio as mudanças acontecem rapidamente. Eles precisavam estar pelo menos cientes do fato.

Plagg bocejou dando de ombros e Adrien provocou

- Eu disse que ela era mais inteligente que você!

Plagg bufou, mas não conseguiu revidar porque Marinette entrou no quarto. Ela trouxe uma bandeja onde havia algumas fatias de torta de salmão, croissants, queijo camembert, cookies e chocolate quente.

- Ah Mari... Eu sou seu fã! – Plagg veio flutuando e tascou-lhe um beijo na bochecha assim que viu o camembert. Pegou o pedaço enorme de queijo e comeu de uma só vez.

- Gatinho folgado – Adrien murmurou fitando o kuami com cara feia.

Marinette riu

- Eu gosto dele – Entregou os cookies a Tikki e colocou a bandeja com as fatias de torta e os croissants na mesa do computador. Adrien a puxou para que ela se sentasse em seu colo.

- Isso é porque você não passa muito tempo com ele. – O loiro comentou antes de comer um pedaço da torta – Hum... Não acredito que estou comendo essa maravilha de novo!

- Você deu sorte que sobrou do almoço.

-Está deliciosa! Sua mãe é a melhor!

- Ela vai ficar feliz em saber.

Enquanto comiam ficaram conversando sobre amenidades.

- Acho que eles se cansaram bem mais que a gente – Adrien apontou para os kuamis que dormiam na espreguiçadeira, aninhados um no outro.

- Awnnn que fofinhos...  – Vê-los daquele jeito trouxe uma idéia na mente da garota – Você acha que eles... sei lá.... poderiam ser uma casal?

Adrien sorriu com a idéia

- Não sei se kuamis se relacionam dessa forma, mas bem que Plagg está precisando... Ele é muito rabugento!

- Então você acha que uma namorada pode curar um rabugento é? E um convencido, tem cura?

- Haha... Se for uma namorada linda como você o sujeito só vai ficar mais convencido!

Ela sorriu sem deixar de ficar corada

- Gatinho bobo! – Deu-lhe um selinho – Eu preciso tomar um banho antes de dormir...

Adrien sorriu

- Isso é um convite?

Ela o encarou fingindo espanto

- Quem é você e o que fez com o Adrien?

- Isso nada mais é do que o efeito que você causa em mim.

- Tá mais para efeito Chat Noir de longa duração!

- Você está ficando engraçadinha princesa. Vai logo tomar seu banho. Eu te espero aqui.

Ela pegou algumas roupas no armário sob o olhar atento do modelo e dirigiu-se ao banheiro.

Adrien lembrou-se do dia em que viu Marinette apenas de toalha. Seu corpo começou a reagir com a lembrança. Balançou a cabeça tentando afastar os pensamentos impróprios. O que estava acontecendo com ele afinal? Nunca fora desse jeito com nenhuma garota antes. Tudo bem que não teve contato com muitas garotas, já que passou boa parte da vida preso em casa, mas também não era nenhum eremita. Estava sempre rodeado de fãs e das belas modelos da agência, mas nenhuma o fazia sentir-se como ele se sentia com sua princesa. Mari tinha razão, quando estava com ela, parecia sentir-se livre para ser ele mesmo. Sua timidez ia para o espaço e seu lado Chat vinha com toda força. Ela tinha esse efeito sobre ele.

Recostou-se na cadeira e fechou os olhos. Ela era tão linda, tão doce, apaixonante...

Marinette entrou no quarto e encontrou Adrien recostado em sua cadeira, de olhos fechados. Achou que ele estava dormindo. Ficou contemplando aquele rosto tão amado, com a expressão serena, as pernas esticadas, pés cruzados e os braços atrás da cabeça. Voltou a olhar Plagg e Tikki que continuavam a dormir.

- Que roupa mais comportada...

Ela virou-se e fitou os olhos verdes que a encaravam de cima a baixo. Ela estava usando um pijama de algodão rosa claro com uma estampa delicada de rosas. Era simples e bonito, mas nada que chamasse muita atenção para o que havia sob ele, pelo menos era o que ela pensava.

- Achei que estivesse dormindo gatinho – mudou de assunto fazendo Adrien rir

- Estava só pensando... – ele a puxou para seu colo de novo e aspirou o perfume dos seus cabelos soltos.

- Hum... Pensando em que? – as mãos de Adrien passeavam por suas costas em uma carícia suave, enquanto os lábios formavam uma trilha de beijos em seu pescoço.

- Em como você é linda, doce, quente e... – mordeu levemente o lábio inferior da garota – deliciosa.

Marinette arfou e sentiu uma fisgada no baixo ventre.

Adrien tomou-lhe a boca em um beijo calmo a princípio, terno, sem pressa, como se quisesse experimentar o gosto dos lábios rosados da garota. Ela sentiu mais algumas fisgadas, aquilo era uma deliciosa tortura, mas ela queria mais. Como se lesse seus pensamentos, Adrien aprofundou o beijo e as mãos do loiro desceram até a cintura dela, fazendo com que o corpo de Marinette se aproximasse ainda mais do seu. A garota correspondeu ao beijo ardente com prazer. As línguas se encontraram em uma dança erótica, sedentas por aquele toque cálido. As mãos dela foram parar nos cabelos dourados, acariciando-lhe a nuca e o pescoço, arrancando suspiros do loiro. As respirações se fundiam aceleradas. Novamente o beijo era intenso, profundo, como se quisessem deixar suas marcas um no outro. Separaram-se apenas para recuperar o fôlego, mas foi o suficiente para perceberem o quanto seus corações batiam descompassados e seus corpos reagiam a todas aquelas novas e deliciosas sensações. Adrien voltou a beijá-la, descendo os lábios vagarosamente pelo queixo e pescoço de Marinette. Distribuindo leves mordidas por toda sua extensão até o colo exposto pelo decote da blusa. As mãos desceram da cintura para as coxas da garota em uma carícia deliciosa, fazendo-a estremecer em seus braços.
Ela sussurrou o nome dele com a voz rouca pelo desejo

- Adrien...

Ouvir seu nome sair dos lábios dela daquela forma, só fez aumentar ainda mais o seu próprio desejo.

No momento seguinte, o jogo virou completamente. Marinette tinha os lábios colados no pescoço do loiro, sugando e mordiscando a pele branca enquanto as mãos passeavam por seu tórax e mesmo por cima do tecido da roupa pareciam queimar sua pele. Agora era ele que estava rendido nas mãos dela. Marinette mordeu de leve seu ombro do mesmo jeito que ele havia feito com ela na torre, depois voltaram a se beijar com volúpia.

Aquilo estava saindo do controle! Adrien pensou, buscando um resquício de sanidade que ainda poderia ter no meio de todas aquelas sensações alucinantes. Ele acariciou os cabelos negros e suavizou o beijo. As bocas se separaram e mais uma vez as frontes permaneceram coladas uma na outra, ambos tentando retomar o fôlego e o controle sobre si mesmos. As respirações se acalmando.

- Você me deixa louco Mari... Estou tentando me controlar, mas é difícil lidar com esse turbilhão dentro de mim quando se trata de você.

Ela sorriu

- O sentimento é recíproco gatinho.

- Eu te amo princesa e a última coisa que quero é magoar você de alguma forma.

Ela assentiu e se levantou do colo dele

- Eu sei disso. – suspirou – Acho que precisamos ir mais devagar...

Adrien riu, e pôs a mão na nuca em um gesto que demonstrava que sua timidez estava de volta. Era muito fofo.

- Tem razão mon amour... – Levantou-se da cadeira e a abraçou – Prometo ser mais cauteloso e não deixar meu lado Chat tão em evidência.

Ele fez uma careta e ambos riram desanuviando a tensão que havia se formado entre eles.

- Eu te amo ainda mais por isso sabia? Por você ser assim, compreenssivo e tão cuidadoso.

Ele acariciou o rosto dela e deu-lhe um beijo na testa

- É, mas não me torne um santo, porque eu não sou.

Ela engoliu seco diante do olhar desejoso que ele lançou por toda extensão do seu corpo

- Longe de mim pensar isso gatinho.

Ele sorriu sedutor. Era difícil manter o lado Chat afastado por muito tempo.

- Hora de te colocar pra dormir!

Ela revirou os olhos, mas obedeceu deitando-se na cama. Estava realmente exausta.

Adrien sentou-se a seu lado como havia feito na noite anterior. Acariciou sua bochecha e roçou os lábios nos seus em um beijo suave

- Boa noite mon ange... Tenha bons sonhos.

- Você vai ficar aqui até eu dormir?

- Se você quiser...

- Quero. – Ela pegou a mão dele, já fechando os olhos – Boa noite Adrien. Eu te amo gatinho.

Ele sorriu. Em poucos minutos ela já estava dormindo.

Adrien acordou Plagg e colocou Tikki na cama, ao lado de Marinette. Cobriu as duas com um cobertor. Transformou-se e saiu pela sacada, para que a janela não ficasse destrancada.
Correu pela noite fria, mas graças a seu novo poder de velocidade, chegou em casa em um piscar de olhos. Desfez sua transformação e Plagg já foi logo se acomodar em sua cama. Adrien ainda precisava de um banho, por vários motivos além de ficar limpo. Enquanto deixava a água quente cair pelo seu corpo, pensava em tudo que acontecera naquele único fim de semana. Descobriu que Marinette era Lady Bug e declarara estar perdidamente apaixonado por ela. Almoçou com os pais dela e a pediu em namoro. Recebera uma nova habilidade e descobrira mais sensações indescritíveis ao lado da sua ladyprincesa, inclusive que seu lado Chat sempre predominava quando estava com ela. Riu de si mesmo. Ele não tinha um lado Chat, ele era Chat Noir, sem dúvida! Mas era ela quem conseguia trazer sua verdadeira personalidade à tona. Eles eram incríveis juntos, em todos os sentidos, e ele queria que isso durasse para sempre!


Notas Finais


Me digam o que acharam amorecos! Beijokas e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...