História Miraculous: Civil War II - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Personagens Originais, Plagg, Tikki
Tags Adrinette, Chat Noir, Civil War, Ladrien, Ladybug, Ladynoir, Marichat, Miraculous, Peacock, Queen Bee, Tortue, Volpina
Exibições 203
Palavras 1.291
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Já já respondo os comentários, prometo ^^
Boa Leitura!!!

Capítulo 14 - Paris in Chaos


Fanfic / Fanfiction Miraculous: Civil War II - Capítulo 14 - Paris in Chaos

 Marinette, você...

— Por favor, não me dê um sermão ou algo do tipo, Tikki. Descobri que quanto mais você cai de prédios, mais vai se acostumando com a dor.

— Eu não ia dar um sermão. – a kwami soltou uma risadinha fofa – Na verdade, eu ia dizer que apesar se não concordar com sua luta com o Adrien, fiquei muito orgulhosa por ter conseguido lutar sem estar transformada. Não são todos os portadores que conseguem isso.

— Como assim?

— Quando você se transforma, sua força aumenta e tudo mais. Mas isso é separado, entende? Sou eu quem te dá os poderes, sem eles você não conseguiria fazer isso.

— E então como eu fiz?

— Porque você adquiriu sua força sozinha. Agora você pode pular de prédios e dar uma surra em alguém sem estar transformada.

— Achei que antes eu pudesse. E aquele discurso todo que você dizia pra mim de ser a Ladybug com e sem a máscara? Era mentira?

— Parcialmente. Você era ela, mas não podia fazer as mesmas coisas que ela. Todos os kwamis falam isso aos seus portadores, para que eles melhorem sozinhos e não dependam apenas de nós para lutar.

— Isso é uma revelação e tanto.

*

— Você tomou uma bela surra da sua namorada.

— Aham Plagg. – Adrien sentou-se na cama e suspirou. O kwami estranhou que não foi xingado pelo loiro e se aproximou.

— Porque está tão distante?

— Fiquei pensando naquilo que a Marinette disse, sobre ela ser a Ladybug com e sem a máscara.

— E o que tem isso? Você também é o Chat Noir com e sem a máscara e pode fazer tudo que ele faz, pelo menos agora.

— O que quer dizer com “pelo menos agora”?

— É uma longa história...

— Que você vai me contar toda, mas antes, me diz por que eu quebrei o teto do prédio só usando meu bastão?

— Como aconteceu?

— Uma luz branca saiu dele e quando eu o bati, o chão rachou todo e nós caímos lá de cima. O que a propósito, doeu muito.

— Talvez tenha sido uma das suas melhorias. Digo, a Ladybug tinha poder no ioiô e agora tem na mão também, já você tinha na mão e agora tem no bastão também.

— Quer dizer que o Cataclysm foi para o bastão também? – Plagg assentiu – Maneiro! Mas como minha transformação não acabou rápido se eu usei meu poder especial?

— Porque foi a primeira vez que você usou sua melhoria.

— Entendo.

*

Alya foi até a cafeteria perto de sua casa e quando fez o pedido no caixa, avistou Chloé Bourgeois conversando com alguém que ela não conseguiu ver, pois o acento da mesa era alto e cobria a pessoa. A morena franziu a testa ao notar que a loira aparentava estar cochichando.

A garota aproveitou que não tinha sido vista por Chloé e após pegar o café, se esgueirou até a mesa do lado da delas, ficando de costas para a pessoa misteriosa que Chloé conversava.

— Daqui a pouco nós vamos sair para encontrar o prefeito. E não pode passar de hoje, a cidade está um caos. – era Chloé.

— Exato. – ouviu uma voz familiar, mas não conseguiu identificar já que elas falavam muito baixo.

— E o que tem pra me dizer sobre a pasta que eu te entreguei?

— Já dei fim naquilo. Você e o Nino não precisam se preocupar. – Alya sentiu seu sangue ferver. E uma vontade de levantar da mesa e tirar satisfações com a loira invadiu seu corpo, no entanto a mesma se controlou e permaneceu escutando a conversa.

— Muito obrigada.

— Não há de quê. Agora sobre o plano, está indo bem?

— Não muito. Aconteceram alguns imprevistos, mas eu pretendo consertá-los hoje quando formos procurar pelo prefeito.

— Certo, eu também. Não deixe a Ladybug desconfiar.

— Bem, se me der licença eu preciso ir.

— Tudo bem, tchau Chloé. – a loira levantou e Alya se enfiou de baixo da mesa para não ser vista pela garota. A morena ficou esperando para ver quem era a garota traiçoeira que estava conversando com Chloé. Quando a garota saiu do local, Alya saiu de baixo da mesa e a viu pelo vidro da cafeteria.

A garota estava de costas, esperando alguém. Logo um carro preto para na sua frente, ela abre a porta, olha para os lados e entra. Quando ela olhou para os lados, Alya viu seu rosto e identificou quem era, entretanto não acreditou no que tinha visto.

— Que vadia. – murmurou antes de sair correndo do local e ir direto para sua casa.

*

Ladybug e sua equipe andavam por toda Paris à procura de algum sinal do prefeito. Falaram com os policiais, alguns moradores e nada.

— Detesto ser estraga prazeres, mas aqueles vigilantes idiotas estão criando pânico bem ali. – Tortue apontou. Marinette respirou fundo, não acreditando que depois de tantas brigas seguidas e mais a preocupação de achar o prefeito, ainda teria que se meter nessas lutas novamente.

— O que faremos? – Queen Bee questionou – Nossa prioridade é achar o prefeito.

— Vamos lá. – a joaninha respondeu apontando com a cabeça.

— Tem certeza? – assentiu. A equipe se locomoveu até o local, onde tentava separar as brigas. E pela infelicidade deles, a equipe do Chat Noir teve a mesma ideia.

Quatro garotas cercaram Marinette. A primeira que atacou com um soco, Ladybug segurou o punho da mesma e acertou um chute forte em seu rosto. Em seguida se abaixou desviando de um golpe e acertou vários socos na barriga da garota. Porém as outras duas vieram por cima da heroína a fazendo cair.

A joaninha sentiu alguém chutando uma delas. Em seguida a pessoa segurou a outra, ergueu e atirou para longe. Quando estendeu a mão para Marinette, a azulada pode ver que era Alya.

— Precisamos conversar.

— Sobre o quê? – a joaninha ficou de pé com a ajuda de Alya e deu batidinhas no próprio ombro para tirar o pó.

— Queen Bee.

— O que ela fez?

— Na verdade é o que ela vai fazer. E não é só ela.

— Chat Noir sabe disso?

— Não, ainda não sei se posso confiar nele. – Marinette franziu a testa.

— O que é tão sério?

— Hoje à tarde eu fui à cafeteria e vi algo que você não vai acreditar. – as duas viraram de costas uma para outra e começaram a acertar quem se aproximava, trabalhando como uma verdadeira dupla. Marinette não podia negar que estava feliz de ter Alya por perto novamente, mas o fato de o motivo ser algo misterioso, a incomodava um pouco.

— O que era? – Alya deu um sorriso de canto e contou tudo que viu para Marinette, enquanto as duas lutavam, deixando a joaninha de boca aberta.

Demorou um pouco, mas os heróis conseguiram conter os vigilantes.

— Queria saber de onde saem tantos? – Tortue questionou – A cada vez que derrotamos alguns vigilantes, parece que vem o dobro depois.

— Estranho mesmo. – Volpina comentou.

— Na verdade, sabe o que é estranho? – Peacock deu um passo à frente e Ladybug ficou ao lado dela, observando atentamente a amiga.

— O quê? – Chat Noir perguntou, estranhando a aproximação de Ladybug e Peacock, já que eram de equipes diferentes.

— Hoje à tarde eu fui até a cafeteria e vi nossa querida Queen Bee lá. – Chloé endireitou a postura, já imaginando o que Alya diria.

— E o que tem de estranho nisso? – Tortue perguntou.

— Até aí nada, só o fato de que ela e mais alguém... – percorreu os olhos pelos heróis - Estavam comentando sobre um certo plano. Não quer nos dizer nada, Queen Bee?

— Você estava me espionando? – Chloé questionou.

— Pode-se dizer que sim. Eu ouvi sobre sua armação contra a Ladybug. E ainda vi com quem você se encontrou. Sinceramente, eu não esperava por essa.

— Isso é verdade, Queen Bee? – a azulada se aproximou e questionou – É verdade que você se encontrou com a Volpina?


Notas Finais


E AÍ, ESPERAVAM POR ESSA? A CHLOÉ SE ENCONTRAVA COM A LILA WOOOW!
Me siga no twitter: @theladycatt ou @madethirlwall
Espero que tenham gostado <3 Kittykisses xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...