História Miraculous: Heróis e Anti-Heróis (Interativa) - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Jalil Kubdel, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Exibições 10
Palavras 770
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Self Inserction, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey Nekos desculpem a demora, mais ai está o capitulo boa leitura, arigato sayonara

Capítulo 38 - 2 Temporada: Capitulo 23 (bonus)


-No capítulo Anterior-

 

Balancei minha cabeça em sinal negativo.

Eu: foi só a Alice me avisar que a Gisele iria vir aqui para me ver, que eu já tive essas lembranças.

Logo após eu dizer isso ouço a campainha tocar, vou até a mesma e a abro me deparando com uma garota loira de olhos verdes, muito fofa.

XxX: olá mãe. –Ela diz e eu a olho pasma, será que ela é a...

 

-Capitulo Atual-

(N/A eu desisto de tentar fazer suspense, por que sempre fica uma bosta, então né, bom cap. p:)

Gisele- Minha mente gritava esse nome.

Mais é obvio que é ela Diana. Após dizer isso a mim mesma eu a abracei, como se fosse a última coisa que eu faria em minha vida, espero eu que não seja, mas caso for, eu a fiz.

Ficamos conversando por muito tempo, tanto tempo que eu nem percebi se passaram segundos, minutos ou até mesmo horas, mas de uma coisa eu sei, foi ótimo a reencontra-la.

Eu perguntei a ela se, a mesma queria que eu a acompanhasse, no início ela recusou, mas de muita insistência minha, ela aceitou, eu a levei até sua casa, com ela guiando-me, quando chegamos a sua casa -Bem não era uma casa, isso com certeza não era, e sim uma mansão -Eu imagino a vida que ela deve levar –O maior luxo, coisa que eu acho que mesmo que eu trabalhasse minha vida inteira não conseguiria pagar nada que via só da entrada – A minha reação? Foi ficar olhando para o portão da enorme mansão com a boca entre aberta, o que fez a Gisele rir.

Gih: é bem quer entrar mãe? –Ela falou meia sem jeito e coçando sua nuca.

Eu: se não for incomodo. –Eu falei ainda olhando para a enorme mansão.

Gih: Jamais seria. –Ela falou me puxando para fora do caro, e ao mesmo tempo me levando mansão a dentro.

Como eu imaginei, a mansão aera ainda maio por dentro, cheia de empregadas, mordomos, etc. Ela me levou até a sala, aonde se encontrava a Alice, e uma garota que eu nunca havia visto em minha vida, ela tem cabelos pretos e olhos verdes, aparentemente tem uns 13 anos, por ai.

Gih: bem mãe essa é a Alice, que acredito que a senhora já conheça e essa é a Voog, eu a considero tecnicamente uma irmã.

Voog: olá, a senhora deve ser a Diana, estou certa?

Eu: está sim, é um prazer lhe conhecer.

Ficamos um bom tempo conversando, eu gostei bastante da Voog, e percebi que ela e a Gisele se dão muito bem, a Alice cuida de ambas como se fosse sobrinhas dela, e cuida muitíssimo bem, é bom saber que minha filha ficou em boas mãos, mesmo sendo triste saber que eu não consegui vê-la crescendo, e nem cuidar dela, mas é realmente muito bom rever a Gisele e a Alice.

Como estava ficando tarde eu voltei para minha casa, quando cheguei fui para meu quartos fiz minhas higienes me vesti e dormi.

-Gisele ON-

Foi muito bom reencontrar minha mãe, mesmo sentindo algo sombrio vindo dela, eu gostei de tecnicamente conhece-la, ela é bem simpática, além de ser muito bonita, ela e a Voog parecem que se deram bem, o que também é bom, mas eu sei que a Voog sentiu o mesmo que eu, o passado sombrio, uma áurea meio negra vindo dela.

Eu estava perdidas em meios aos pensamentos, e nem percebi que alguém batia na porta, para falar a verdade eu só percebi, quando esse alguém arrombou a porta, eu cai da cama com o susto que eu levei, e quando eu olhei para a porta, vi a Voog me olhando com raiva.

Voog: PORRA SE TA SURDA??

Eu: *segura o riso* é.. não, só estava perdida nos pensamentos mesmo.

Voog: você vive perdida no mundo da lua, sinceramente, você podia ter abrido a porta né? Eu to a 2 horas batendo na porta.

Eu: serio?

Voog: não foi só modo de dizer mesmo.

Eu: *ri* ok né.

Ficamos conversando até tarde, bem não até muito, por que minha tia pediu para a Voog voltar para o quarto dela, já que amanhã tem aula, sinceramente, as vezes dá vontade de explodir a escola, mais ai eu lembro que eu teria que explodir as escolas do mundo inteiro, e só de pensar nisso me dá preguiça, então é melhor eu deixar a escola como está mesmo.

Eu acordei para o mundo real e fui para o banheiro, tomei banho, escovei os dentes, me vesti, voltei para o quarto, deitei na cama e adormeci.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...