História Miraculous Ladybug: Os novos super-heróis - Interativa - Capítulo 8


Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Chat Noir, Fanfic Interativa, Interativa, Miraculous Ladybug, Super Herois, Vagas Abertas
Exibições 41
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Fantasia, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Power, Universo Alternativo
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii meus Babys :3
Aqui não é a @LittleKittyNoir, sorry ;-;
MAS É A QUERIDA DE VCS (eu acho)
@ViiCat ~yaaaaay~
Chega de enrolação e #Partiu
~~~~{<>}~~~~
Personagem = Ashley Mitchell Lamartine.

BONNE LECTURE MES AMOURS

Capítulo 8 - Frio da Neve


Catredal Notre-Dame - 4:32 pm - Terça-Feira.

No meio daquela pouca movimentação, estava uma certa loira voltando da academia. O suor transbordava pelo rosto pouco moreno considerado normal. Resolveu tirar as luvas pretas que, antes protegiam suas mãos do escorregadio peso que levantara à poucos minutos atrás. 

Sua expressão era normal, como qualquer outra pessoa estaria naquele exato momento. Mas por dentro caía-se em lágrimas quentes e pesadas. Como ela sentia saudades de seus pais, que estavam à mais de 5000 km dela. E a idéia de ligar para Gisele - sua mãe em que lhe restava caminhões de saudade.

Abriu a tela do celular e procurou o número da mãe, e em 8 segundos e meio, achou o número da mesma. Não pensou em mais nada e telefonou.

Tuuu...

Tuuu...

Tu-

- Hello?

- Mom! Hi!

- Oh, hello my dear! Como vão as coisas aí? 

- Nada de interessante, mas e aí? Algo diferente aí em Vancouver? - perguntou com um certo nervosismo.

- Que eu saiba não, dear. Mas a mamãe tem que desligar agora! - a mãe dizia com a voz pouco enjoada. A filha, logo se preocupou.

- M-Mom? Tá tudo bem? 

- Está sim filha, mas e-eu preciso desligar, e não tente insistir em saber, Goodbye.

- Au Revoir! - e a chamada, eventualmente encerrada. - Eu queria estar em casa! Com a mamãe e o papai!  - se segurou para não deixar uma gota de lágrima escorrer. Odiava quando isso acontecia. E logo agradeceu pois a tentativa não foi em vão. 

Continuou caminhando em direção ao seu apartamento, e por incrível que pareça, ainda não havia saído da Notre-Dame. Irritou-se. Queria chegar em casa e comer os cupcakes dos Dupain-Cheng. Mas, ao passar por um local pouco iluminado, viu um senhor com poucos cabelos crespos e uma blusa havaiana vermelha, sendo vítima de risadas de meros adolescentes rebeldes da sua idade. Não se segurou e foi até eles.

- Vocês não tem vergonha na cara não? Idiotas! - gritou com eles, se pondo em frente ao senhor baixinho, comparado à altura dela. Pois a mesma tinha 1,87 de altura.

Um jovem ruivo deu uma risada sarcástica, na tentativa de irritar Ash. - Ah, que medo! Salve-se quem puder! A princesa cor-de-rosa virou a super heroína! Ha Ha Ha. Se toca garota. Somos melhores que você.

- Ah é? - ela correu até o suposto ruivo e o levantou pela gola da camisa. - Então se eu te dar uma surra, você não liga?

- P-Por favor, desculpe a gente! - sua expressão recordava o desespero. Ela o soltou, dando um breve "Não voltem mais", vendo os babacas correrem feitos "princesas cor-de-rosa".

Ela retomou o olhar de cor indecifrável ao senhor. Que apenas disse um "obrigado" e saiu, com um sorriso irreconhecível no rosto.

Rua Avenue des Champs-Élysées, 5:12, terça-feira.

Finalmente, estava em frente ao apartamento médio, em que era perfeito para terminar o intercâmbio. Abriu a porta rústica e deu de cara com a recepcionista, parecia ocupada demais, então Ashley passou direto, sem ao menos um aceno. Mas isso já era normal, aquela recepcionista parecia com problemas, talvez a qualquer momento livre, Ash pode tentar ajudá-la.

Pegou o elevador, que naquele momento, estava solitária ali, o silêncio era constrangedor. O único som que se ouvia era os fios do elevador que o sustentava sendo bambeados pelo peso. Naquele momento de constrangimento, lembrou-se do silêncio e pavor do hospital. 

FLASHBACK

As lágrimas escorriam sem parar, seu pai estava ali no mesmo estado que a filha. O silêncio ajudava no medo e pavor. A mãe deitada na maca que estava sendo sustentada por fios e máquinas. 

- Mom... - disse com a voz trêmula e chorosa. - Acorda por favor!

NOW

Balançou a cabeça em forma negativa, tentando espantar aquelas lembranças nada agradáveis. E percebeu após o transe que já havia chegado no seu andar. Deixou o elevador e já foi tirado a chave do bolso, foi até sua porta e a destrancou, dando de cara com a sala moderna com apenas cinco cores presentes: preto, cinza, branco, marrom e bege. A TV era moderna e o sofá marrom no formato de um perfeito L, e alguns criados mudos com decorações de luxo. Adentrou ao local e trancou a porta, sentido o oxigênio vazio.

Como sabia detalhe por detalhe como era o AP, direcionou o olhar para a mesinha central entre o sofá e a TV, uma caixinha hexagonal preta com detalhes simples vermelhos, não era sua com certeza, mas sua curiosidade falou mais alto.

Foi até a caixinha e a abriu, dando de cara com uma gargantilha azul, em vários tons do mesmo. Sem hesitar, colocou-o, achando que era apenas uma encomenda de alguém. Mas uma luz azul-pólvora surgiu em sua frente, mas, não surpreendendo a garota. E logo apareceu um bichinho semelhante à um urso polar.

- Não vai gritar e jogar almofadas em mim? - o ursinho surpreendeu-se com a inatutude da jovem. 

- Não! Por que eu faria isso? - falou como se aquilo fosse normal - Mas enfim, quem e o que é você? 

- Eu me chamo Nimmie, eu sou um kwami!

- Um Kiwi?

- K-W-A-M-I! - repetiu separadamente - Mas eu te concedo poderes, para ser uma super-heroína, igual à Ladybug e Chat Noir[...] - e continuou explicando tudo. - [...] E para se transformar é só dizer "Nimmie, começar a névoa!".

- Nimmie, começar a névoa! - e logo suas roupas acadêmicas foram substituídas por um uniforme de couro branco em detalhes azul-bebê. Um tipo de meia fofa e folgada até o calcanhar branca. Botas azuis marinhas, uma luva peluda que vai até a metade do antebraço. A parte-blusa é uma regata azul-pólvora. - Que massa, acho que vou chamar... Miss Polaire! "Nimmie, parar temporal!". - logo Nimmie apareceu novamente, fazendo Ashley voltar ao normal. 

- Você aprende rápido! - deu um sorriso amigável - Mas será que você tem marshmallows? Eu estou com fome. 

- Marshmallows? Acho que não, mas tem uma lojinha de doces aqui perto, vamos lá? - Ashley estava feliz, mas não sabia o motivo.

- Claro! - ela voou e se escondeu dentre o cabelo cacheado de Ash. - Sabe, achei você muito divertida! - Ash abria a porta, mas logo trancava a mesma.

- Igualmente! 


Notas Finais


GLÓRIA
Terminei u.u
Espero que tenham gostado :3
Bye bye
~ @ViiCat


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...