História Miraculous: O poder de um miraculous! - Capítulo 63


Escrita por: ~ e ~BunnyNoir

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabrina, Tikki
Tags Ladychat, Miraculous
Exibições 414
Palavras 2.120
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


To pensando em fazer outra fic pra continuar essa... Acredito que se ficar mt grande isso vai afastar novos leitores :/
O que acham?

Capítulo 63 - Me conte mais


Fanfic / Fanfiction Miraculous: O poder de um miraculous! - Capítulo 63 - Me conte mais


- Você está linda! -Disse  sua Kwami.
- Estou com um frio na barriga...

Mary, Gabriel, Tom e Sabine estavam sentados  em uma mesa comendo  e se divertindo. Mary não  parava de olhar para porta  ansiosa.
- Tá  tudo  bem, meu amor? - Perguntou Gabriel  ao notar  a angústia  de sua parceira.
- Oh, sim... - Respondeu  ela ao notar que foi chamada.
- Você  acredita  que ela virá?  - Perguntou Gabriel.
- Eu... Acredito...

A conversa  fou interrompida por uma voz vinda do palco. Um garoto havia pego o microfone nas mãos  e começou  a falar. Diferente  de todos ali, ele não  estava nem um pouco formal. Ele usava camisa, calças  jeans  e tênis surrados. Sem contar seus acessórios  chamativos como correntes  e braceletes. Em sua camisa uma caveira chamava muita atenção  e o jovem  ainda tinha os cabelos pintados  de verdes e lápis  escuro em baixo de seus olhos. Era o que chamavam de Punk,  gótico, emo, rockeiro, entre outros  adjetivos  que não eram bem vistos pelo pessoal da época.
- A E! SEUS LIXOS! ESCUTEM AQUI!  ESSE PAÍS  É  UM LIXO E VOCÊS  SÃO  A PARTE MANIPULADA DELE! - Ele parecia  estar sob o efeito  de álcool.

- Quem é  ele... ? - Perguntou Sabine confusa.
- Não  faço  idéia! - Respondeu Tom.
- Que cara idiota! Ninguém  vai tirar ele de lá não?  - Reclamou Gabriel.
- Calma... Já vão  fazer  algo... Criticar  a ação  dele não  vai mudar nada! - Disse Mary.
- Você  acha isso legal? Ele tá  estragando o baile! Por que essas pessoas fazem isso? Ele so tá querendo chamar atenção!
- Eu não  achei legal a atitude dele, mas não  sei o motivo que o levou  a toma-la, então  não  devo me precipitar no julgamento...
- O motivo?  Drogas e álcool! É  só mais um drogado e bêbado do ensino médio! 
Antes que Mary pudesse retrucar  alguns professores e seguranças  da festa foram até o palco onde o jovem estava.
- ISSO, VENHAM ESCÓRIA!  VOCÊS  NÃO  SUPORTAM A VERDADE, NÃO  É  MESMO? !
Eles o pegaram a força  e o arrastaram  para fora dali.
As pessoas começaram  a aplaudir quando o garoto foi retirado do palco.
- Isso ai! - Gabriel começou  a aplaudir também, mas foi o único  entre seus amigos, os mesmos o olhavam com indiferença  enquanto Mary o olhava com decepção.  - Que? Que foi?
- Nada... - Mary suspirou fundo.

O garoto  foi levado  para o lado de fora.
- Ei! Me solta!  - Ao chegar na porta  eles o empurraram  para rua e fecharam  a porta imediatamente. O garoto que havia caído  com o empurrão  se levantou  irritado  e começou  a rir da própria desgraça.
- IDIOTAS!  VOCÊS  VÃO VER!  EU VOU MANDAR NESSA CIDADE!  E TODOS  VÃO PAGAR! 
Os gritos e gestos ofensivos  foram  interrompidos  por um carro que parou na entrada. Era um carro luxuoso e caro. O garoto ficou observando curioso. De dentro dele saiu Louise. O rapaz a olhou de cima  a baixo enquanto ela caminhava até  a porta.
- O que ta olhando? - Perguntou  Louise  em tom grosseiro. O garoto não  respondeu, apenas levantou  as mãos  para o alto e revirou os olhos. Louise deu de ombros  e entrou no salão  logo em seguida.  O garoto tirou  um cigarro  do bolso e saiu dali.

Agora que as coisas estavam  mais calmas  o dj da festa havia colado uma música  romântica  para os casais e muitos foram para a pista  de dança .
Tom se levantou  e foi até  a frente  de Sabine, se curvou e estendeu  sua mão  para moça.
- Me permite, Lady? - Sabine riu com atitude do namorado e entrou na brincadeira  pegando na mão  dele.
- Será  um prazer, Cherry !
Eles se levantaram  e foram  até  a pista.
Gabriel  olhou para Mary que ainda estava séria. Meio sem jeito ele tentou falar com ela assim mesmo.
- Er... Se você  não  estiver  mais zangada comigo... Podemos... Quer dizer... Se você  quiser... - Gabriel  estava enrolado com as palavras. Mary não  pode conter  a vontade de rir e acabou  cedendo.
- Vamos logo! - Ela se levantou  e o puxou  para a pista.

Louise foi caminhando  pelo salão. Ela não  de usar roupas chamativas  e muita maquiagem, mas naquele noite ela estava  muito destacável. Ela não  sabia o que a esperava e nem se quer tinha mais certeza do que estava fazendo ali. Por onde passava arrancava os olhares  das pessoas, alguns estavam impressionados com a aparência  tão  bela da jovem e outros inojados simplesmente  por ser ela.
Louise estava  nervosa, para ela aquilo era um ambiente extremamente  hostil. Mas ela estava tão  perdida em seus pensamentos que ela precisaca achar o que estava procurando.
De longe ela pode ver Mary, e isso fez seu coração  acelerar e deixa-la ofegante. Ela engoliu  seco  antes de começar  a acelerar o passo, mas foi interrompida ao esbarrar  em alguém  e quase cair.
- AI! - Reclamou Louise.
- Ai... Me desculpe, eu não  queria esbarrar  em você!  - Era a garota que trabalhava no jornal da escola.
- Tudo bem... O que você  quer?  - A menina começou  a mexer em sua bolsa. Diferente de todos  ela usava suas roupas normais, até  porquê  ela ainda não  estava se formando, ela era um ano mais nova que todos ali. No caso  ela estava lá  apenas para fotografar a festa e os formandos.
Ao terminar  de mexer na sua bolsa ela tirou uma fotografia da mesma e a entregou  para Louise.
- PEGUE! - Gritou ela por conta  do som alto da festa.
Louise pegou a foto. Era a foto que a menina tirou delas no dia anterior.
- POR QUE VOCÊ  TÁ  ME DANDO ISSO?
- SUAS AMIGAS COMPRARAM A FOTO ADIANTADO PARA DAR DE PRESENTE A VOCÊ , MAS COMO EU ACHO VOCÊS  LEGAIS EU TO DANDO DE PRESENTE PRAS TRÊS!  - Ela piscou  e saiu dali. Louise  corou. Normalmente  ninguém  daquela  escola tirando  suas amigas eram legais com ela.  Ela olhou com muito carinho  pra foto. Ela a dobrou com cuidado e a colocou em seu bolso do vestido.
Ela voltou a caminhar até  a pista, mas de longe ela pode ver Mary de novo e dessa vez ela a viu abraçada  com Gabriel. Eles dançavam  uma música  lenta. Eles se olharam por um segundo antes de se beijarem profundamente.
Louise fechou os punhos e ficou tremula.
Ela segurou- se para não chorar  colocando a mão  em sua própria  boca.
Os comentários  em volta que ela estava ignorando ouvir, vieram todos de uma vez como tiros pelo seu corpo.
" Por que essa coisa veio? ", " Ela sabe que a festa é  pra casais normais? ", " Ela vai querer pegar o rei ou a rainha da festa ? ", " Legal, se livram de um lixo e o outro aparece ".
Mesmo com a mão  na boca, as lágrimas  vinham sem parar... Louise acumulou  coragem e saiu correndo dali. Ao passar pela porta a mesma fez um barulho muito alto.
Esse barulho  chamou a atenção  de Mary que estava aos beijos com seu namorado e soltou o mesmo para olhar para a porta. Mas ninguém  estava lá.
- Louise... ?

Louise correu para uma  pontizinha em cima de um lago que ficava  no terreno da escola.  Ela segurou no corrimão  da mesma e deixou as lágrimas  saírem  por completo.
- IDIOTA! EU SOU IDIOTA! POR QUE EU VIM PRA ESSE DROGA DE LUGAR! EU ODEIO TODOS AQUI! QUERO QUE MORRAM! EU SALVO ESSAS PESSOAS PRA QUÊ?  E POR QUE ?! - Ela cruzou  os braços  sobre o corrimão  e começou  a chorar.  Mas ao sentir  alguém  se aproximando ela deu uma volta pegando no braço  da pessoa  e o levando para costas da mesma.
- A-a-ai! - Reclamou  a pessoa.  Era o gaoroto de mais cedo da festa.
- Oh, desculpe!  Eu me assustei! - Disse ela. Em momentos  como esse Louise ficava  quase em seu auto-matico e era força  do hábito  atacar quem se aproximava de fininho.
- Nossa, você  é  bem fortinha!  - Disse o garoto se apoiando no corrimão  também.
Louise deu de ombros.
- Não  vai dizer que sou muito forte para uma garota?
- Nem! Já conheci muitas garotas mais fortes que eu! - Ele riu, mas Louise ainda estava  com o olhar vazio. - Você  veio pro baile?  - Perguntou ele tentando  puxar assunto.
- Não  da pra notar?
- Sei lá,  não  é  toda menina que usa vestido com tênis ! - Disse ele olhando para os pés  da menina. Louise corou. Ela odiava usar saltos então  foi de ténis  mesmo. 
- E isso te incomoda por que? - Disse ela olhando para os cabelos dele. O garoto  começou  a rir.
- Não  disse que incômoda. Na verdade  eu achei bacana !  Do mesmo jeito que eu sei  que você  gostou do meu cabelo!  - Louise não  pode deixar escapar  uma risada.
- E você?  Veio pro baile também? 
- Pior que vim! Mais falei umas verdades pra eles e me botaram pra fora! - Ele riu novamente.
- E no entanto você  não  se incômoda? 
- Eu não to nem aí!  São  um bando de idiotas manipulados!
- Mas o que? 
- Você  não  vê?  Eles são  ignorantes porquê  botaram na cabeça  deles que todos tem quer ser iguais!  Eles não  aceitam nada e ninguém!  Eu já perdi muita gente pra pessoas como eles! Eu vou conquistar esse lugar  e ninguém  mais vai fazer outra pessoa sofrer por ser diferente!  - Os olhos de Louise brilharam. As coisas que ele diziam era tudo que ela sentia.
- O que houve pra você  querer tanto isso? 
- Você  quer saber mesmo? 
- Me conte.
- Eu tinha uma amiga... Ela gostava dessas coisas que hoje eu uso... Ela tinha os cabelos coloridos, pincigns e tatuagens. Ela tinha uma auto estima baixa e isso a ajudou por um tempo... Mas o que era pra ajudar piorou tudo! A família , a escola e a rua... Todos a olhavam e a criticavam!  Ela... Ela não  suportou todos dizendo que ela era errada e estranha... Ela só queria ser ela mesma...  Eu nunca vou perdoar esse sistema lixoso! Quando eu estiver  no poder todos vão  poder ser quem quiserem!
- Nossa... Eu lamento  por ela...
- Tudo bem... Eu vou  seguir a diante por ela... Nunca vou deixar sua história  morrer...
- Você  a amava né  ?
- Sim... E eu nunca pode dizer isso à ela...
Louise suspirou.
- Vou te ajudar!
O garoto a olhou confuso.
- Eu já sofri muito nessa vida, e não  quero que ninguém  mais passe por isso! Então  eu vou te ajudar a chegar longe!
- Seu sofrer... É  por aquela outra menina, certo? - Louise que estava animada  desanimou.
- Você  sabe... ?
- Todos sabem! Mas não  se preocupe! Eu não  vejo mal em gostar  de outras meninas. 
- Eu não  gosto  só de meninas...
- Espera  o que? Como assim?
- Viu? Esse é  o problema!  Ninguém  me conhece  e falam de mim! Eu amo Mary, mas não  significa que eu não tenha interesse em rapazes! Isso que me dá  ódio!  As pessoas  acham que eu sou doente eu problemática!   Que sou indecisa! Mas não! Olha... Eu não  escolhi  sofrer por todos... Não  escolhi me apaixonar por ela...
O garoto começou  a rir.
Louise além  de vermelha ficou com raiva.
- VOCÊ  É  RIDÍCULO ! - Ela deu as costas  e começou  a andar mas ele a puxou para perto.
- Ei, calma! Eu não  tava rindo de você!  - Ele a soltou.
- Tava rindo do que?!
- De mim! Eu sou muito idiota! Eu... Nunca me aproximei de você  porquê  achei  que você so gostava  de meninas e que ia me achar ridículo... Bom nessa parte eu acertei!
Louise voltou a corar mas dessa vez não  era de raiva.  - Me permite te conhecer  melhor?  - Louise deu ombros envergonhada.
- Prazer... Louise...
- Prazer Louise, me chame de André... André Bourgeois!  - Eles apertaram suas mãos  e ambos coraram.



- Mari, por que você  tem uma foto  da minha mãe?  E quem são  essas moças  com  ela ?  - Perguntou Adrien confuso.
Mari sentou  ao lado do garoto.
- Ah! Minha  mãe  que me deu essa foto! É  ela, a mãe  da Chloe e a sua! Elas eram amigas  da escola...  Minha mãe  me contou muitas histórias  sobre elas...
- Se-sério?  Eu... Meu pai não  fala  muito sobre mimha mãe...
- Se você  quiser... Você... Pode... Ir na minha casa um dia e eu te conto tudo que eu sei...
- Eu ia adorar! - Disse ele sorrindo.


Notas Finais


~~ No próximo cap...
Mari e Adrien não conseguem segurar seus sentimentos.
Lila enlouquece, precisaremos de nossos heróis?
Nino conta sobre o sentimentos verdadeiros de Adrien por Ladybug a Alya.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...