História Miraculous – Uma História Diferente - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrinette, Alyno, Humor, Plakki
Visualizações 558
Palavras 2.590
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Esporte, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha eu aqui de novo.
Com o capítulo que alguns se vocês tanto pediram.
"Faz hentai Adrinette", "Eu quero hentai Adrinette", "CADÊ O HENTAI"..
AQUI ESTÁ, AGORA PAREM DE ME PEDIR....... Toddybrinks! Vocês vão me cobrar o hentai Plakki agora que eu sei. Kkkk
Bom espero que gostem.
Boa leitura, seus pervertidos!!!

Capítulo 40 - Tão minha – Adrinette


— Me faça sua Adrien!

Após ouvir a frase ser dita pela garota, a mente do loiro passou a se nublar com o desejo que estava sentindo. Ainda tinha um pouco de controle, o que mandava mensagem para seu corpo, tentado de todo o jeito não ser domado por seus instintos, pois acreditava que essa seria a primeira vez da sua garota e não queria se apressar. Afinal, tinham tempo.

A ideia de esconder o pijama dela funcionou tão bem que até ele ficara impressionado. Não que a sua intenção tenha sido estar do jeito que estavam agora, ele só queria fazer uma brincadeira, o que vinha agora era apenas um bônus. Como dizem por aí, o feitiço virou contra o feiticeiro, pois assim que viu sua garota sair do banheiro apenas de lingerie, perdeu totalmente a razão. O efeito dela sobre o mesmo era assustador. Apenas a imagem dela desfilando pelo seu quarto de calcinha e sutiã o deixou louco e imaginando as coisas que faria com o corpo bonito da namorada.

Só isso foi o bastante para anima-lo. Então, pararam do jeito que estavam agora. Aquela não seria sua primeira vez, em hipótese alguma. O garoto já era bem experiente nesse assunto. Afinal, antes de conhecer Marinette, era o típico garoto galinha e mulherengo. Conquistar mulheres era uma de suas atividades preferidas. Ver o quanto deixava elas sedentas apenas com uma boa conversa e toques sutis de dedos pelo corpo. Mas quando Marinette apareceu, tudo isso parecia ser tedioso, e a única que passou a querer era a própria azulada. Provar dela virou sua sina. E ele iria segui-la sem reclamar.

O desejo que sentia por Marinette aumentava a cada dia. E depois daquele episódio no sofá, onde fora atrapalhado, sua vontade por ela só cresceu ainda mais. Sempre imaginava situações inusitadas com a azulada, onde ele a tornava dele de todas as maneiras, e isso sempre acontecia em algum lugar público. Onde o mesmo se via em uma situação um tanto constrangedora, afinal, não era nada legal andar com uma ereção nas calças, aquilo incomodava. E ele parecia um adolescente entrando na puberdade, e isso o irritava. Culpava Marinette por ser tão irresistível. Por ter um corpo que o enlouquecia e agora, ele poderia finalmente desfrutar de tudo que a sua namorada estivesse disposta a lhe oferecer. Achava que esse fogo crescente iria diminuir assim que ele a tivesse por completo.

Assim que ela lhe autorizou avançar o sinal, virou-a de frente para o mesmo e a beijou selvagem e intenso. Estava queimando de desejo ao te-la mole em seus braços. Ao ver o corpo dela reagindo aos seus toques. Ao ouvir os sons de gemidos que ela soltava. Seu ego estava nas alturas ao ver que ele a deixava daquele jeito. As suas línguas se encontravam em uma batalha excitante, enquanto ele a empurrava para trás. Ela sentiu seu quadril bater em algo, que deduziu ser a mesa de estudos que tinha encostada em alguma parede.

Ainda sem parar se beija-la ele a pôs sentada na mesa e abriu suas pernas, se pondo entre elas. Aproveitou que a garota estava com grande parte do corpo desprovido de roupas e passou as mãos pela silhueta da mesma. A azulada sentia seu corpo queimar em cada parte que ele tocava.

Ela entrou com as mãos dentro da camiseta que ele estava usando e puxou-a para cima. Desgrudaram seus lábios para poder passar a camisa pela cabeça do loiro, aproveitando para recuperarem o ar. Sem ter a boca dela, ele desceu seus lábios pelo pescoço da mesma, deixando beijos, mordidas e chupões pelo lugar, não ligando em marcar a pele branca da garota, deixando a azulada arrepiada ao respirar pelo local. Enquanto beijava o pescoço da garota, uma das suas mãos estavam nas coxas da azulada enquanto a outra subia pela lateral do corpo da mesma até seu ombro esquerdo.

Ele afastou um pouco a alça do sutiã para o lado, deixando-a cair pelo braço dela e distribuiu mais beijos e mordidas leves fazendo a garota suspirar e segurar firme em seus cabelos. suas mãos foram para a cintura da garota, a puxando mais para si. Ela adorou sentir o peitoral quente em contato com a sua pele e ele mal podia esperar para tirar aquela pequena peça rosa claro de renda do corpo dela. E foi isso que fez. Querendo senti-la mais, levou suas mãos para as costas dela, se irritando ao não achar o feixo.

— Na frente. – ela sussurrou baixinho em seu ouvido. Ele entendeu e se apressou em levar as mãos para o local certo, abrindo o sutiã e o jogando em qualquer lugar do quarto.

Não que Marinette tivesse vergonha do seu corpo, mas não corar diante do olhar que o seu namorado lhe mandava era difícil, por isso, cobriu a área com os braços. Ele nada disse, apenas olhou em seus olhos intensamente e tirou os braços dela do lugar e ainda olhando para a mesma, começou a beijar sua clavícula, descendo em direção aos seios dela. Assim que chegou abocanhou o direito enquanto levava sua mão para o outro.

A azulada soltava arfares e pequenos gemidos de prazer enquanto prendia os cabelos do loiro entre seus dedos, o puxando mais para si. Enquanto isso, a língua do garoto rodeava o mamilo dela, em seguida sugava e mordia de leve. Ele se deliciava com os sons que a sua namorada soltava, alternando o estímulo entre os dois seios dela.

O desejo queimava dentro da garota. Sua mente parecia estar sobre efeito de alguma droga e se nublava a cada estimulo que recebia do loiro. Inconscientemente, puxou os cabelos do garoto fazendo-o se afastar e enfim o beijou intensamente, colando seus seios no peito dele, sentindo a pele quente do mesmo. O loiro amou vê-la ali, buscando por ele e querendo se satisfazer. Ele aproveitou a atitude da garota para dar mais um passo e desceu uma mão para o meio das pernas dela, pressionando seus dedos na intimidade dela, por cima da calcinha, quase gemendo ao sentir o quão molhada ela estava.

Ele passou a movimentar seus dedos pelo ponto de prazer dela, que soltou sua boca para gemer. Ele afastou a calcinha da mesmo para o lado moveu seu polegar pelo local. E mais gemidos foram deixando a boca dela.

— Vou fazer uma coisa, só relaxa ok? – falou rouco no ouvido dela, que assentiu nem prestando atenção realmente no que ele falou. Sua mente só pensava no enorme prazer que estava sentindo e no quanto queria mais.

Ele sabia que ela ia se assustar, mas mesmo assim continuou. Logo ela arregalou os olhou e seu corpo ficou tenso ao sentir um dos dedos dele a invadindo. O desconforto por ter um intruso dentro de si foi evidente. E ela só pensou em tira-lo dali.

— A-Adrien… O-O que… – ele a interrompeu com um selinho.

— Relaxa princesa! – ele desceu os lábios para o pescoço dela, voltando a beijar naquela área. Aos poucos o corpo dela foi relaxando e ela se deixou novamente se levar pelo desejo, ao sentir o dedo se movendo dentro de si. Era algo muito maior do que estava sentindo. Seu corpo voltou a aquecer e começou a soltar gemidos novamente. Como aquilo era bom. Pensou prendendo os cabelos dele com uma mão enquanto a outra ia para suas costas, arranhando-as de leve.

Ele movia um de seus dedos dentro daquele lugar apertado, imaginando como seria por seu membro ali e se sentir ser esmagado. Uma descarga de prazer passou pelo seu corpo em direção à um único lugar. Seu membro pulsou só em imaginar. Estava tão duro que chegava a doer. Resolveu que era hora de adicionar mais um dedo e assim fez. Sentiu a azulada o arranhar mais forte mas não parou de movimentar os dígitos dentro dela.

A garota estava alucinada de prazer, nunca podia imaginar que aquilo era tão bom, e olha que era só uma amostra do que estava por vir. Puxou a cabeça do rapaz para si, o beijando novamente, enquanto rebolava inconscientemente nos dedos dele. As bocas quase não se encostavam, graças aos gemidos e as grandes puxadas de ar que ela dava. Adrien aumentou a velocidade dos seus dedos, fazendo movimentos de tesoura, tentando deixar a garota pronta para recebe-lo. Enquanto Marinette começou a sentir algo se aproximar. Sua mente entrava em um tipo de transe enquanto sentia algo crescer em seu baixo ventre. Os gemidos aumentaram assim como a procura de mais contato com os dedos do loiro, que passou a pressionar seu polegar no clitóris da azulada ainda movimentando seus dedos rapidamente.

E então ela sentiu seu corpo pesar e logo em seguida levitar. Era um sensação de liberdade e alívio que ela nunca conseguiria explicar. Sua cabeça pendeu para frente, encostando no peito do loiro enquanto tentava respirar. Logo viu quando ele tirou seus dedos de dentro dela e levou para a boca lambendo os mesmos.

— Seu gosto é delicioso Princesa! – ela corou com a visão erótica e provocante que era Adrien chupando seus dedos. Ele avançou sobre seus lábios fazendo-a provar do seu próprio gosto. Alguns poderiam dizer que aquilo era nojento mais naquela hora ela não ligou para isso. Naquela hora aquilo foi erótico, excitante, lascivo.

Ele tirou sua própria calca, ficando apenas com uma boxer branca de elástico cinza e pegou-a no colo, levando mesma para a cama e deitando a mesma delicadamente no colchão. Sentia seu membro pedir por alívio dentro da cueca, tinha chegado no seu limite e precisava mais que tudo estar dentro dela agora. Por isso, levou as mãos até a lateral da sua calcinha e segurando firme, puxou o tecido para o lado, arrebentando a mesma. Para ele aquele pedaço pequeno de pano nem poderia ser considerado uma calcinha. Não cobria nada e não faria falta. Pelo menos para ele.

— Hey! Eu gostava dela. – Marinette reclamou ofegante.

— Depois eu compro outra, quantas você quiser. Apenas para ter o prazer de rasgar todas elas novamente. – ele falou se levantando e caminhando até a mesa de cabeceira. Viu alguns pacotes prateados dentro da mesma. Parece que a sua mãe planejou tudo mesmo. Tirou um de lá e se desfez da boxer. Vestindo a camisinha logo em seguida. Voltou a andar até a garota nua deitada na sua cama. Parou ao pé da mesma, observando cada pedaço do corpo perfeito da sua namorada. Cada mordida e marca que deixou pelo corpo dela – Tão linda e tão minha!

Já ela estava vermelha. Era a primeira vez que via um garoto pelado na sua frente e não pode não olhar o corpo inteiro do mesmo. O peitoral levemente definido, lhe dava vontade de passar a língua em toda a extensão. Seu olhar desceu mais um pouco e viu o membro dele em toda sua glória, com a cabeça rosada expelindo pré gozo, revestido com o látex. Sentiu sua intimidade pulsar e seu ego feminino aumentar ao perceber que ele estava assim por causa dela.

— Gosta do que vê M'Lady? – ouviu a voz do garoto e olhou para o rosto só mesmo. Ele carregava um sorriso de lado, malicioso e cheio de promessas impuras. Sentiu o rosto arder novamente – É tudo seu! – a afirmação a deixou ainda mais vermelha.

O garoto deitou-se por cima dela e a beijou lascivo. Assim que se encaixou no meio de suas pernas, ele pressionou seu membro por cima da intimidade dela, fazendo ambos gemerem abafado por causa do beijo. Continuou a movimentar o quadril simulando estocadas. A garota estava ansiosa pelo o que viria e passou a mover seu quadril junto ao dele. Era tão certo para ela se entregar para ele que nem ficou tão nervosa.

Cansado se brincadeiras e cheio de tesão, Adrien se posicionou, preparando para entrar nela. Marinette levantou as pernas e cruzou as mesmas no quadril dele. Se separaram do beijo e ele se manteve apoiado em um dos braços enquanto levava a outra mão para a dela, cruzando seus dedos ao lado da cabeça da mesma. Ele aproveitou o momento em se olhavam intensamente para invadir o interior da azulada por inteiro. Ela fechou os olhos com forca e apertou a mão dele, sentindo uma fisgada e logo um enorme desconforto e um pouco de dor. Ela apertou as pernas ao redor dele, mantendo o mesmo parado por um tempo.

Logo afrouxou o aperto, concedendo que Adrien se movimentasse. A dor que sentiu não foi nada comparado ao prazer que estava se apossando do seu corpo ao passo que Adrien se movimentava. As estocada lentas mas ainda sim profundas estavam começando a leva-la as nuvens. Ele soltou sua mão para se apoiar melhor na cama, e a mesma seguiu para o cabelo dele puxando-os, enquanto a outra arranhava as costas dele, descontando o prazer.

Já ele estava ficando louco com o aperto em seu membro. As paredes internas dela se contraiam em torno dele o deixando fora de si e fazendo com que o mesmo aumentasse a velocidade e intensidade das estocadas. Os gemidos de Marinette aumentavam gradativamente, ela já estava a ponto de gritar de prazer, e ele descobriu que adorava ouvi-la chamar por ele naquele momento. Enlouquecia com aquela mulher que estava procurando pelo próprio prazer ao mover seu quadril junto ao dele. Como poderia ser tão certinha e tímida de dia e agora que estavam ali, se tornava uma mulher decidida a buscar por alívio da sua maneira? Estava amando descobri-la daquele​ jeito.

Ele levou as mãos para a cabeceira da cama, lhe dando mais precisão nas estocadas. Estavam em um ritmo louco. Ele a estocava com precisão e ela o arranhava e gemia, denunciando o enorme prazer. A fina camada de suor começou a se formar no corpo dos dois, estavam ainda mais ofegantes e o cansaço começava a aparecer. Mas eles não iriam parar até alcançarem o clímax. O que não demorou muito para acontecer.

Em pouco tempo já estavam sentindo a sensação de liberdade alcança-los aos poucos. Adrien aumentou os movimentos, se é que era possível e Marinette entrou no mesmo ritmo, gemendo alto e passando as unhas pelas costas do loiro mas forte. E então chegaram ao tão esperado alívio. A azulada gritou o nome do loiro sentindo novamente seu corpo pesar e logo ficar leve. E depois de mais duas estocadas, Adrien se desfez na camisinha chamando pela azulada. Se jogou em cima dela, com ambos ofegantes demais para falar algo.

Marinette ainda sentia os espasmos passarem pelo seu corpo como pequenas descargas elétricas. Sua mente ainda pouco nublada pelo orgasmo, apenas abraçou o corpo do loiro em cima de si. E Adrien enfiou seu rosto no pescoço dela. O loiro parou para pensar sobre todo o desejo reprimido destro de si antes e percebeu que ele não iria diminuir ao terem feito o que fizeram, ele concluiu que o seu desejo só cresceu mais, e agora seria mais difícil resistir ao mesmo.

Após se acalmarem mais e regularem as respirações, o loiro se levantou, saindo lentamente de dentro da azulada e foi se desfazer da camisinha. Assim que voltou para a cama, puxou a azulada para deitar-se em seu peito e os enrolou com a coberta. Ficou alguns segundos mexendo nos cabelos dela, que de tão cansada, não demorou para começar a fechar os olhos. 


— Eu te amo Adrien! – ela faliu antes de finalmente cair no sono, sem nem sequer esperar por uma resposta dele. 


— Eu também te amo Princesa! –falou baixinho no ouvido dela e lhe deu um beijo na testa. Se abraçou mais a mesma, dormindo logo em seguida.




Notas Finais


Mandy: Mais de duas horas para fazer esse capítulo e se vocês não gostarem vou jogar uma bomba na casa de vocês. Toddybrinks!!! Mas então, perceberam que eu mudei um pouquinho meu jeito de escrever hentai? Me digam se está melhor ou pior do que o antigo. Agradecida!
Clóvis: Eu gostei.. A gente bem que podia prátic...
~ Lê Clóvis desmaiado após levar sapatada.
Mandy: PERVERTIDO!!! HENTAI!!! Onde já se viu.. Falar isso para uma moça como eu... Hunf!!

Bom espero que tenham gostado.
Desculpem os erros.
Obrigada por ler.
Beijos amores, até o próximo!! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...