História Mírame - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Christopher Uckermann, Maite Perroni, Rebelde (RBD)
Personagens Alfonso Herrera, Anahí, Christian Chavez, Christopher Uckermann, Dulce Maria, Maite Perroni
Tags Christopher, Maite, Rbd, Ucker, Uckerroni
Visualizações 19
Palavras 2.227
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Se quiserem um toque a mais no capítulo preparem a playlist com Sinfonia do Christopher....
Besos... Sz

Capítulo 3 - Show



"Mírame, 

Tan sólo mírame"



Eu mal podia acreditar que o grande dia havia chegado, eu finalmente conheceria o meu ídolo Christopher Von Uckermann. Eu estava tão contente de poder ir naquele show que nada poderia estragar o meu dia, foi o que eu imaginei.

Eu acordei cedo, tomei banho e fui fazer minhas higiene matinal. Fiz minhas tarefas de manhã, fiz almoço e fui me arrumar para o show da noite. Alfonso chegou e se arrumou. Eu estava de calça jeans, sapatilha e uma blusa preta com mangas compridas com brilho, meus cabelos soltos, uma maquiagem leve e o colar que Dulce me deu.

Chegamos ao local em que seria o show e estava lotado, era um lugar aberto e bem amplo. Chegamos lá uma hora antes do show começar e infelizmente Alfonso começou a beber, mesmo eu pedindo para que não o fizesse. Ele estava já na terceira cerveja quando me decidi ir mais para frente.

Poncho para de beber por favor! Você já bebeu três cervejas, já deu. — Falei já brava com as atitudes dele.

Meu amor eu só estou aproveitando a noite. Agora eu não posso nem mais beber? Vai ficar regulando minhas cervejas? 

— Não quero ficar regulando nada, mas eu sei bem o que você faz depois de algumas cervejas, quem paga o preço sou eu. — Falei imponente e quando parei de falar ele me segurou pelo braço o apertando.

Acho que você tá começando a falar demais Maitê. Fica quietinha e aproveite o seu show que é o melhor que você faz. — Falou Poncho e eu apenas me mantive calada então ele me soltou, provavelmente aquilo ficaria marcado.

Ok! Já que você veio só pra beber fique aí bebendo sozinho. Eu vou lá pra frente para aproveitar melhor o show.

— Vai lá mesmo. Pode ir, até que fim. — Falou Alfonso.

Eu me virei e saí, quando Alfonso bebesse mais algumas cervejas eu não queria estar perto. Fui passando entre as pessoas até chegar o mais próximo possível do palco e agora estava a só alguns metros. Em menos de quinze minutos depois o show começou e era incrível poder estar ali, poder ouvir as músicas de Christopher ao vivo. Ele começou o show cantando Revolutionary love , depois cantou The revolution of the blind, Sueño surreal, Light up the world tonight, Somos e Sueles Volver quando fez uma pausa e eu senti uma pessoa tocar no meu ombro. Quando virei vi uma mulher que parecia ser da produção, ela estava com um rádio comunicador, uma prancheta e um fone.

Oi! — Falei sem entender o que estava acontecendo.

Me acompanhe por favor! — Pediu ela e eu fiquei nervosa. 

Só faltava Poncho ter aprontado alguma e agora estragaria minha noite. Eu a acompanhei e nós passamos por uma corrente de segurança, passamos por trás do palco e então ela mandou eu seguir sozinha o corredor.

O que está acontecendo? — Questionei confusa.

Caminhe por esse corredor e quando chegar ao final irá entender. — Falou ela.

Não tive outra opção a não ser obedecer o que ela estava falando. Comecei a caminhar pelo corredor escuro, depois de algum tempo apareceu uma escada, comecei a subir quando ouvi o show mais de perto.

Eu estou muito feliz de estar essa noite aqui com vocês. Cidade do México muito obrigado por essa maravilhosa recepção. Para a próxima música quero convidar uma fã pra subir ao palco, alguém aqui na pista. A minha produção já escolheu uma fã e vão a trazer ao palco agora. — Informou Christopher.

Quando terminei de subir as escadas estava ao lado do palco, mas ao fundo. Então seria eu? Eu era a fã convidada? Seria eu a ficar do ladinho de Christopher na frente de todos? Eu mal podia acreditar que aquilo estava acontecendo e justo comigo. Meu coração disparou e estava quase saltando pela boca, meu estômago revirava, minhas mãos transpiravam, não conseguia mover meus pés e meus olhos estavam cheios d'água. Eu fiquei lá imóvel, paralisada no mesmo lugar até que senti alguém me empurrando.

Vai lá garota! 

Comecei a me mover lentamente, a cada vez que chegava mais perto mais meu coração acelerava. Quando finalmente entrei no palco o público gritou, em poucos segundos eu já estava na frente de Christopher que nem me olhou e apenas me abraçou. Foi o melhor abraço da minha vida, um abraço apertado, aconchegante e com muito carinho, eu sentia até um calorzinho na barriga. Quando estávamos nos afastando eu lhe dei um beijo na bochecha e ele fechou os olhos. Quando saímos do abraço Christopher me olhou no fundo dos olhos sem desfazer totalmente o abraço. Ele me olhou profundamente como se pudesse enxergar dentro da minha alma, como se sentisse a mesma conexão que eu. Eu me perdi em seu olhar, me senti completamente segura naquele abraço e mesmo somente com as mãos dele ainda me segurando, eu me sentia totalmente segura e protegida. Nós continuávamos nos olhando no fundo dos olhos, ele não disse nada, nem eu. Eu já era fã do Christopher a algum tempo e o achava bonito, mas agora eu estava apaixonada. Ficamos daquela forma por cerca de um minuto, estávamos hipnotizados, completamente perdidos no olhar um do outro. Mas acho que o público e a organização percebeu porque de repente Christopher me soltou e voltou a falar.

Como você se chama? — Perguntou ele sussurrando parado na minha frente já sem me segurar.

Maitê! Maitê Perroni! 

— Prazer! — Falou ele baixinho. — MÉXICO! Com vocês Maitê Perroni! — Falou ele para o público que gritava.

Enquanto Christopher falava com o público um homem da produção chegou até mim com um banquinho de metal, colocou no chão e ordenou que eu me sentasse. Eu obedeci e então começou a canção Sinfonia.

Entregate con todo tu ser

Podemos el destino juntos componer

Y sin limites llegar

Dime que lo ves y vendrá. — Cantou Christopher ainda no lugar que estava olhando para o público e eu viajava ao som da sua voz.

Creeme, sólo no estás

Cada alma tiene su oscuridad

Búscame y llegaré

Yo seré el espejo de tu fé. — Cantou Christopher agora se movimentando em cima do palco indo para o lado direito e depois para o esquerdo. O público gritava cantando a música e eu estava ficando cada vez mais nervosa.

Tú con tu voz y yo los acordes tocar

Vamos a crear el futuro juntos en armonía

Ya vámonos a buscar cada posibilidad de lanzar y gritar

Que resuene siempre nuestra sinfonía de amor. — Cantou Christopher se virando e olhando pra mim, então minhas mãos começaram a soar, meu estômago revirava e meu coração acelerou. Christopher foi aos poucos se aproximando de mim cantando e antes de chegar perto parou na metade do caminho.

No hay poder que nos va a parar

Se llenarán las calles con nuestra música

Y la ciudad vibrará

Y nuevas melodías cantaran... si! — Cantou ele para o público andando para trás de costas até que parou ao meu lado. Antes de recomeçar o refrão Christopher se virou pra mim e eu o olhei.

Tú con tu voz y yo los acordes tocar

Vamos a crear el futuro juntos en armonía

Ya vámonos a buscar cada posibilidad de lanzar y gritar

Que resuene siempre nuestra sinfonía de amor. — Christopher então pegou no meu rosto no primeiro verso e no mesmo instante um arrepio percorreu o meu corpo. Depois Christopher passou por trás de mim e parou do meu outro lado. Ele então terminou de cantar o refrão me olhando.

Habrá canciones por escribir y emociones de amor por compartir... — Christopher pegou na minha mão e se afastou um pouco olhando pra frente, mas sem soltar minha mão.

Tú con tu voz y yo los acordes tocar

Vamos a crear el futuro juntos en armonía

Ya vámonos a buscar cada posibilidad de lanzar y gritar

Que resuene siempre nuestra sinfonía de amor, de amor, de amor. — Christopher então voltou a me olhar e foi se aproximando sem soltar minha mão. Christopher foi chegando cada vez mais perto. No último verso Christopher foi aproximando seu rosto do meu chegando muito perto até que nossos narizes se encontraram e quando ele acabou de cantar, eu em um impulso espontâneo e impensado o beijei.

Eu beijei Christopher sem pensar em nada, sem pensar nas consequências que aquilo teria, sem me lembrar do meu marido, sem lembrar que estava na frente de uma multidão. Christopher não resistiu, não tentou impedir e nem se assustou. Christopher retribuiu o meu beijo, ele desejou aquilo tanto quanto eu, ele me beijou também. Eu ia apenas dar-lhe um selinho, mas a conexão que envolveu nós dois foi maior e com o consentimento dele aquilo se transformou em um verdadeiro beijo, um beijo com troca de emoções, um beijo íntimo e romântico. Após alguns segundos nós nos afastamos e nos encaramos sem dizer nada, não sei o que se passava no público porque a única coisa que eu via era Christopher ali na minha frente. O mirei por alguns segundos até o cara da produção que havia levado o banco ir lá para agora me levar. 

Saí do palco sem dizer uma palavra se quer, apenas segui até onde me ordenaram e fui parar em uma sala ampla com TV, um sofá e muita comida. Fiquei nessa sala por aproximadamente uma hora assistindo pela TV que havia o restante do show ao vivo pelas câmeras que gravavam tudo, era exclusivo. Me autorizaram a comer o que quisesse, mas eu não quis comer nada apenas pensava no que eu estava fazendo ali. O show terminou e eu continuei lá mais uns trinta minutos e quando já estava decidida a ir embora Christopher apareceu. Eu estava de frente para a porta, já ia girar a maçaneta quando ele entrou na sala acompanhado pelo homem e pela mulher que havia me tirado da plateia.

Estava indo embora? Sem se despedir? — Questionou ele me olhando sorrindo, aquele sorriso que fazia qualquer mulher tremer as pernas.

É que eu já estava aqui a um bom tempo e ninguém me falou o porquê de eu estar aqui. 

— Ok! Eu vou te explicar. — Falou ele se virando. — Chris. Belinda. Dêem licença por favor? — Pediu ele e os dois saíram da sala, em seguida Christopher fechou a porta.

Olha mil desculpas pelo beijo, eu não devia... — Falava eu quando ele me interrompeu colocando um dedo na minha boca.

Calma! Você fica ainda mais linda assim. Não tem por que se desculpar. Eu amei aquele beijo. — Falou ele aproximando o rosto do meu, mas então me desviei e fiquei de frente para as costas dele. Era difícil resistir, mas era preciso.

É, mas eu não devia, eu não podia. — Falei e ele me olhou intrigado. — Eu sou casada. Eu não podia ter te beijando e a verdade é que preciso ir. — Falei andando pra trás.

Então por que me beijou? 

— Não sei. Por impulso, foi espontâneo. Ou porque você seja ainda mais gato pessoalmente. — Falei me derretendo toda, mas logo voltei a minha realidade. — Mas o que importa é que eu não devia ter lhe beijado e isso não pode voltar a acontecer. Me desculpa tá? Eu sou muito sua fã e isso não vai mudar nunca. — Falei e em seguida saí sem ao menos deixar ele dizer algo.

Corri para fora da produção indo até onde havia visto Alfonso pela última vez, mas ele não estava lá. Então o procurei por todos os lados. Com medo de que ele já tivesse ido embora liguei para o seu celular, mas ele não atendeu. Continuei o procurando até que cheguei ao lado de fora do local onde havia sido o show e encontrei Alfonso jogado no chão apoiado em uma grade de proteção, ao seu lado havia algumas latas de cerveja e ele parecia dormir. Quando vi aquela cena meus olhos se encheram d'água mais uma vez ele havia passado do limite. Me abaxei para o chamar pra que pudéssemos ir para casa.

Alfonso! Poncho! Meu amor, acorda! — Chamei abaixada ao lado dele o balançando enquanto as lágrimas corriam pelos meus olhos. 

Após algumas vezes que eu o chamei Alfonso acordou e antes de dizer qualquer coisa ele me deu um tapa na cara, o que me fez desequilibrar e cair pra trás. Alfonso então se levantou e me puxou pelo cabelo me levantando.

Sua vagabunda! Me fez passar vergonha na frente de toda a cidade. Puta! Você não presta, piranha. — Falou ele me puxando pelo cabelo, me levantou do chão, me deu um tapa e começou a me arrastar pelo cabelo até que me jogou no chão. — SUA VADIA! EU TE ODEIO! SUA PUTA! — Gritou ele comigo ainda no chão. Ele então me puxou pelo braço me levantando outra vez apertando bem forte meu braço.

SOCORRO! SOCORRO! — Gritei torcendo para que alguém passasse ali e me ajudasse.

Poncho ao me ouvir gritando me deu outro tapa na cara com ainda mais força, apertou meu braço e voltou a me xingar. Poncho então me empurrou, mas dessa vez eu não caí. Quando Alfonso ia voltar a ir pra cima de mim, eu senti uma mão forte me puxar pra trás. Depois disso Alfonso foi empurrado e em seguida levou um soco no rosto. Então aí eu consegui ver o meu salvador: Christopher Von Uckermann.



Notas Finais


Se entregue com todo o seu ser
Podemos o destino juntos compôr
E sem limites chegar
Me diz que o vê e verás

Acredite em mim, sozinho não está
Cada alma tem sua escuridão
Procure-me e chegarei
Eu serei o espelho da sua fé

Você com sua voz e eu os acordes tocar
Vamos criar um futuro juntos em harmonia
E vamos procurar em cada possibilidade de jogar e gritar
Que toque sempre nossa sinfonia de amor

Não há poder que vai nos parar
Se encherão as ruas com nossa música
E a cidade vibrará
E novas melodias cantarão... Sim!

Você com sua voz e eu com os acordes
Vamos criar um futuro juntos em harmonia
E vamos procurar em cada possibilidade de jogar
E gritar que toque sempre nossa sinfonia de amor

Haverá canções para escrever e emoções de amor para compartir...

Você com sua voz e eu os acordes tocar
Vamos criar um futuro juntos em harmonia
E vamos procurar em cada possibilidade de jogar e gritar
Que toque sempre nossa sinfonia de amor


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...