História Mischance - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Drama, Hoseok, Jimin, Jin, Kook, Lemon, Namjin, Namjoon, Romance, Taehyung, Vhope, Yaoi, Yoongi, Yoonmin
Exibições 203
Palavras 3.395
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLÁ GENTE.
VOCÊS TÃO BEM?
Espero que sim pq eu não estou :(
Gente! Essa semana foi muito corrida pra mim pq era a última semana de aula então foi uma loucura e dps aconteceram umas coisas doidas que se eu resolvesse escrever daria um livro. Pooor isso eu só tive dois dias pra escrever a fanfic :( muito pouco tempo, daí eu me formei a escrever pra não atrasar. Ficou um pouco menor que os capítulos anteriores, mas espero que curtam ♥
Boa leitura
(EU TO DE FÉRIAS. OBG DEUS)

Capítulo 12 - Hoseok


Fanfic / Fanfiction Mischance - Capítulo 12 - Hoseok

Jimin caminhava lentamente pelos corredores, se sentindo um tanto zonzo e sabendo que poderia tropeçar nos próprios pés a qualquer instante, mas mesmo assim continuou seguindo seu trajeto, olhando atento à sua frente e tentando desviar da grande massa de alunos que ocupavam os corredores.

Ainda faltavam bons minutos para o intervalo acabar e tudo que Jimin mais queria era ir embora dali e fingir que aquele dia nunca existiu, ou até mesmo tentar esquecer o beijo que flagrou entre Yoongi e Jungkook. Excluindo aquele momento de sua mente.

Mas era impossível esquecer-se daquilo e ele sabia muito bem disso, afinal aquela cena ainda martelava fortemente em seus pensamentos, o torturando dolorosamente.

O ruivo então cobriu a cabeça com o capuz negro de seu moletom adentrando o refeitório movimentado e caçando com os olhos um rosto conhecido. 'Namjoon’. Necessitava sentir o calor de seus braços o apertando e escutar suas palavras acolhedoras. Precisava de forças e sabia que Namjoon era o único em que deveria se apoiar e confiar. E precisou passar por muito para enfim perceber isso…

Encontrou Namjoon escorado contra a parede no fundo do refeitório, lanchando em pé e totalmente sozinho, e Jimin se sentiu mal por isso, afinal ele sabia que o ódio que todos sentiam por si também acabou atingindo seu amigo. Ou seja, os dois estavam sós e teriam de se apoiar um no outro caso quisessem continuar fortes. E para Jimin, aquilo bastava.

Namjoon bastava… E assim não precisaria de mais ninguém, nem de Yoongi e muito menos Jungkook.

— Tá tudo bem? — Namjoon indagou um tanto risonho ao encarar o corpo estático de Jimin a sua frente, sem esboçar nenhuma reação e com claras marcas de choro ao redor dos olhos. O Kim sabia que algo havia acontecido, afinal Jimin não tinha nem mesmo ido assistir às aulas, e o motivo de tudo estava bem claro: aqueles malditos alunos fúteis (como Jay Park e seus seguidores) haviam declarado guerra a Jimin pelo simples fato do Park não pertencer mais a “realeza” daquele colégio e sabia também que eles não iriam deixar Jimin em paz tão cedo e atormentá-lo viraria o novo hobby daqueles populares. Mas Namjoon jurava que não deixaria nada acontecer ao 'seu’ Jimin, afinal teriam de passar sobre si primeiro.

— Eu só quero um abraço. — Jimin sussurrou com a voz totalmente embargada, avançando então dois passos e se jogando contra os braços de Namjoon num aperto tão forte que chegava a esmagar o maior e a sufocar a si mesmo. Mas do que importava? Afinal dentro daquele abraço ele encontrava sua salvação. E Namjoon sabia que precisava protegê-lo, precisava salvá-lo e libertá-lo de todo mal. O porém era que ele não fazia ideia de qual 'mal’ era esse que tanto assombrava Jimin. Namjoon não fazia ideia de como Yoongi e Jungkook haviam brincado com os sentimentos de Jimin.

Os dois estavam tão absortos ali, naquele abraço, que nem notaram quando a bandeja que Namjoon segurava fora parar no chão, ou quando grande parte dos alunos passaram a encará-los com atenção e até mesmo desdém e muito menos perceberam quando Yoongi finalmente reapareceu, aproximando-se dos dois. 'Como se nada houvesse acontecido…’. Iniciando seus passos lentos enquanto encarava aquela cena com atenção e sentia seu coração se apertar a cada vez que chegava mais perto dos amigos, afinal Jimin estava claramente mal e Yoongi se encontrava desesperado, desejando saber quem ou o que havia o deixado assim. Mal sabia que o único culpado daquilo era ele mesmo. O loiro então apertou os passos e apenas os cessou quando estava de frente para os dois. Tocou então o ombro de Jimin com delicadeza e sorriu esperando ele virar-se para si. Namjoon encarou o Min e suspirou aliviado ao ver que o 'namoradinho’ de Jimin havia finalmente chegado. Não que ele estivesse cansado de cuidar de Jimin, ele apenas achava que Yoongi poderia fazer aquilo bem melhor que ele.

Mas a reação de Jimin quanto a aproximação de Yoongi foi algo que ambos, tanto o Min quanto o Kim, não esperavam. Ele simplesmente largou o corpo de Namjoon com agressividade e encarou Yoongi com raiva transbordando em seu olhar e subitamente a única vontade do Park era jogar umas verdades na cara daquele idiota, mas ele se manteve firme, respirando fundo e cerrando os punhos.

Bom, ao menos ele conseguiu permanecer calmo por aproximadamente cinco segundos.

Mas foi inevitável não explodir numa situação como aquela onde Yoongi continuava a fingir, como se Jimin fosse um bobo e não soubesse de nada. Mas agora ele sabia, e não deixaria, nunca mais, Yoongi brincar com seus sentimentos. Não só Yoongi como ninguém mais. Haviam sido duas decepções amorosas em apenas um dia, e o Park começava a acreditar que definitivamente o amor não havia sido feito para si.

— Eu descobri a verdade. — Jimin falou e riu sarcástico, encarando o olhar de Yoongi com atenção, analisando toda e qualquer reação do loiro, tal que parecia estatístico. Namjoon em contrapartida passava a encarar a ambos sem entender nada. — Por quanto tempo achou que iria me enganar? — Aproximou-se perigosamente e então a ponta de seu nariz resvalou sobre a de Yoongi. Mas diferentemente das outras vezes ele não sentia mais seu estômago embrulhar, seu coração bater acelerado ou seu rosto esquentar. Ele apenas sentia ódio, e a vontade extrema de extravasar tudo o que guardava dentro de si.

— Espera. O que está acontecendo? — Namjoon tentou intervir e entender a situação que se estendia a sua frente, mas foi terrivelmente ignorado. Jimin e Yoongi pareciam absortos um no olhar do outro.

Em instantes uma multidão se formou ao redor deles, todos pareciam curiosos e também muito ansiosos para descobrir o que iria acontecer. Era o de sempre, eles apenas queriam ver luta. Sangue. Algo que entretecem eles, ainda mais se o ferrado da história fosse Jimin. Ele já apanhou de Yoongi uma vez e todos esperavam, ansiosos, para que a cena se repetisse.

— Do que está falando? — Yoongi se afastou a curtos passos, o olhar banhado em preocupação e medo. — Eu não entendo… — Ah, ele entendia e muito bem, mas fingia-se de desentendido. Afinal não queria aceitar o fato de que Jimin havia descoberto tudo.

Mas o que martelava mesmo a cabeça do loiro era como… De que maneira Jimin havia descoberto tudo?

— Para de me enganar! — Gritou empurrando o corpo de Yoongi com força, seus punhos eram pesados e ágeis, Yoongi estava surpreso, havia se esquecido de que antes dessa confusão toda Jimin era um ótimo lutador e que sempre se metia em brigas, e no final ganhava todas. Mas ele não queria que briga nenhuma acontecesse ali, ele apenas desejava fechar e abrir os olhos como se estivesse acordando de um terrível pesadelo e então perceber que seu Jimin ainda estava ali, e que ele não sabia de nada…

Mas a realidade não era tão fácil assim…

— Jimin, por favor me escute. — Ergueu ambas as mãos frente ao seu corpo, num pedido silencioso por calma. — Eu posso explicar tudo, mas por favor não deixe isso nos separar. — O pesar em sua voz era tamanho que Jimin cogitou a hipótese de Yoongi estar realmente arrependido. Mas se ele ligava? Óbvio que não, Yoongi havia cometido seu erro e não tinha mais como reparar isso. O passado já havia sido escrito, e borracha nenhuma seria capaz de apagá-lo.

— Não fale mais comigo. — Outro empurrão. Yoongi sentiu seu olho lacrimejar, no entanto ele se manteve firme. — Nem mesmo olhe na minha cara! — A raiva presente em Jimin era palpável. — Eu não quero ver você nunca mais! — Yoongi tentou proferir algo, entretanto o punho de Jimin fora mais rápido e então o loiro foi atingido por um forte e certeiro soco na lateral do rosto, fazendo o Min cambalear para trás, totalmente atônito. — Filho da puta. — Jimin tentou aproximar-se novamente, afinal queria acabar com a raça de Yoongi e fazê-lo pagar por tudo o que tinha feito até não ter forças para se levantar do chão, no entanto o Park fora interrompido por Namjoon que o segurou, e alguns amigos de Yoongi (e consequentemente de Jungkook) que se aproximaram, e o olhar que eles lançavam para Jimin era totalmente intimidador. O Park então engoliu em seco e se soltou de Namjoon, resolvendo por vez não se aproximar mais. Sua vingança contra Yoongi teria de ficar para mais tarde.

— Acho melhor você vazar. — Um dos caras (um muito grande por sinal, rodeado de músculos e carregando em face uma carranca horripilante) ameaçou, intimidando Jimin. O ruivo estranhou até, nunca havia visto aqueles garotos pelo colégio.

Yoongi que ainda estava atordoado sequer teve tempo de pestanejar ou pronunciar algo, e ele nem mesmo percebeu quando dois daqueles garotos o seguraram, o levando em direção a enfermaria.

E longe dali Jungkook apreciava aquela confusão toda com um brilho satisfeito no olhar. Havia finalmente dado um fim ao seu plano e tudo terminara perfeitamente bem ao seu ver, o que o deixou muito satisfeito.

Jimin estava fora de seu caminho, totalmente destruído, e agora Yoongi era só seu.

Seu namorado, e de mais ninguém…

— Se você encostar um só dedo no Yoongi de novo seu castigo vai ser bem… — O amigo grandalhão de Yoongi aproximou-se de Jimin sussurrando-lhe em seu ouvido. — … torturante. — E então riu, medonhamente, lançando um último olhar ameaçador para Jimin e se afastando logo após.

O Park então se sentiu entrar em uma crise mental onde sua cabeça se tornou uma grande confusão de pensamentos e lembranças enquanto seus ouvidos eram atacados por mais e mais vaias dos alunos que o rodeavam e de palavras — que ele nem mesmo sabia do teor — que Namjoon proferia em seu ouvido, provavelmente tentando amenizar a situação ou até mesmo procurando entender o que acontecia.

E Jimin apenas sentia que iria explodir.

E foi num ato impensado que ele saiu dali, correndo como se sua vida dependesse disso e deixando todos para trás, até mesmo Namjoon.

E então ele fez algo que já não fazia a muito tempo, e que parecia revigorar seu espírito: escalou e pulou o muro da escola, fugindo daquele campo minado.

Temendo que pudesse pisar em mais uma bomba.



O celular de Jimin vibrou.

6 chamadas perdidas de Yoongi.

7 mensagens não-visualizadas de Namjoon.

2 notificações do Kakao Talk.

O Park suspirou, realmente não estava com animação para rede sociais e muito menos com paciência para aturar a cara de pau de Yoongi.

Já havia chegado em casa há mais de duas horas, e nesse momento Namjoon ainda estava em aula e o Park agradecia por já estar em casa, longe daquele campo de concentração que outros gostavam de chamar de “escola”.  Ele sentia que em casa, apesar da solidão e as reclamações do avô tudo era estranhamente melhor e mais leve.

E nem mesmo sabia se iria continuar frequentando a escola depois daquilo. Talvez sim, afinal ele não queria que Yoongi saísse como o vitorioso naquela história, no entanto seu lado medroso só almejava se esconder em um buraco fundo e escuro e ficar ali por quem sabe pra sempre.

Ele realmente não sabia que rumo tomar. Só sabia que seu coração doía, muito mais do que ele podia suportar e o cheiro de Yoongi que impregnava seu travesseiro não ajudava em nada. Pior, só bagunçava ainda mais seus sentimentos.

Por que em meio a tanto caos ele ainda sentia seu coração acelerar ao simplesmente citar o nome do loiro?

Revirou os olhos, se sentia um caso perdido.

Agarrou o travesseiro em que estava deitado e o tacou longe, mas resmungou derrotado ao perceber que até a fronha da cama tinha o cheiro de Yoongi. É, talvez o jeito seja mudar de quarto… Ou de casa.

Se pudesse ele mudaria até de país.

Afinal ele sempre foi melhor em fugir do que em enfrentar seus problemas… E isso era um péssimo hábito que o perseguia, mas que não conseguia se livrar.

— Eu sou um péssimo ser humano. — Afundou o rosto contra o colchão e soltou um grito abafado, tentando procurar em suas entranhas uma mínima vontade de continuar respirando. Mas realmente não a encontrou.

Contudo como um prévio aviso de salvação seu celular, sobre o criado mudo ao lado de sua cama, vibrou anunciando uma nova mensagem. E preguiçosamente o ruivo esticou a braço alcançando o aparelho e sentando-se sobre a cama enquanto acendia a tela do mesmo visualizando uma nova mensagem de Namjoon.

11:39

Namjoon:

“ONDE VOCÊ TÁ? EU QUERO TE MATAR. TO PUTO DE PREOCUPAÇÃO E AGORA O YOONGI SUMIU TAMBÉM, VOU PÔR A CABEÇA DOS DOIS NUMA BANDEJA E FAZER UMA EXPOSIÇÃO NO MUSEU. VOCÊS ME ABANDONARAM, ISSO NÃO SE FAZ. ÓTIMO AGORA O JIN FICA ONLINE E NÃO FALA COMIGO. O QUE EU FIZ DE ERRADO @ DEUS?”

Incrivelmente Jimin havia conseguido soltar uma risada breve e divertida em meio a tanto sentimento mórbido. E agradeceu mentalmente ao — desesperado — Namjoon. Tratando de logo o responder e tranquilizá-lo.

11:40

Jimin:

“Calma cara… Credo, que desespero. Enfim, estou em casa, totalmente vivo e bem, não fui sequestrado e acho que ainda tenho dois rins intactos. Então respira fundo e se acalma. Agora sobre Yoongi… A gente brigou, mas por favor não me pergunte o porquê. Apenas se afaste dele, ele não é boa pessoa. Não fale com Jungkook também, é só o que tenho pra dizer. Bom, preciso me arrumar pra ir pro trabalho, se cuida. E aliás, como anda você e o Jin?’

Ele então largou o celular sobre a cama e rumou para o banheiro. Precisava tomar um bom — e longo — banho, pois necessitava estar inteiro para ir ao trabalho mais tarde. Afinal não podia se dar ao luxo de faltar ao emprego, além do mais aquele lugar era o único capaz de distraí-lo.

Assim que ele saiu do banho, já devidamente vestido e perfumado pode avistar seu celular que vibrava furiosamente. Era Namjoon, de novo.

11:45

Namjoon:

“Eu contei tudo pro Jin… Sobre quem eu sou e tals.”

Jimin se viu surpreso e também incrivelmente curioso.

12:15

Namjoon:

“MENINO ME RESPONDE. TO NERVOUSER”.

12:16

Jimin:

“Calma menino kkk eu tava no banho. Mas me conta, o que aconteceu depois?”

12:18

Namjoon:

“ELE DISSE QUE TAVA ME CRUSHANDO A UM TEMPO E EU LITERALMENTE MORRI, A GENTE SE ENCONTROU NUM CAFEZINHO AQUI PERTO E ELE ME ABRAÇOU! SABE AQUELE ABRAÇO GOSTOSO E APERTADO? E AINDA ROLOU BEIJO. MEU DEUS ACHO QUE GOSTO DE ROLA.”

12:19

Jimin:

“Okay. Chega de detalhes.”



Jimin guardou o celular no bolso traseiro da calça e continuou seu caminho em direção ao estabelecimento onde trabalhava, havia saído um pouco mais cedo de casa, pois não aguentava mais aquele ambiente solitário — era incrível como seu avô ainda conseguia morar ali — e por isso Jimin não se importava de andar em passos lentos e preguiçosos. Chegaria pontualmente de qualquer forma, e aquele tempo frio da cidade fazia seus músculos congelarem o impedindo de muito esforço.

Suspirou fraco sentindo o ar branco ultrapassar seus lábios e escondeu parte de seu rosto sobre o cachecol vermelho e quentinho, afundando as mãos gélidas no bolso do casaco e tremendo levemente por conta do vento forte e frio.

As ruas estavam vazias e o céu nublado ameaçava uma tempestade.

Tudo estava tão calmo e tranquilo que Jimin até mesmo se permitiu respirar fundo e sentir-se bem por ao menos alguns instantes.

Mas esses instantes duraram pouco demais, pois num curto espaço de tempo Jimin sentiu o chão sob seus pés sumir e então seu corpo inteiro colidiu contra o asfalto da calçada, seu rosto deslizando pelo cimento, causando arranhões profundos e uma dor agonizante. O Park resmungou em aflição e antes de tentar se levantar foi recebido com um chute. Alguém havia o empurrado e não parecia ter sido apenas um esbarrão acidental. Essa pessoa não estava para brincadeira.

Jimin conseguiu girar seu corpo, ficando de barriga para cima e podendo encarar o céu acima de si e consequentemente avistar os que estavam à sua frente. Eram três garotos. Aqueles mesmos que haviam o impedido de bater em Yoongi mais cedo.

O coração de Jimin bateu acelerado em puro medo.

— Nós até iríamos deixar você passar ileso. — Um dos garotos se aproximou erguendo o corpo de Jimin do chão pela gola do casaco. — Mas Yoongi não está muito conformado com o soco que recebeu e achou que deveríamos puni-lo por ser tão malcriado. — Riu em escárnio sendo acompanhado pelos amigos, Jimin então o encarou com ódio e soltou-se brutalmente do aperto do outro, se mantendo de pé com um pouco de lerdeza e dificuldade.

— Yoongi nunca seria capaz disso. — Murmurou com a voz trêmula, seu cachecol havia caído no chão e agora o frio atingia seu rosto violentamente. — Eu o conheço. — A certeza em sua voz falhou.

Ele realmente não conhecia Yoongi por inteiro e era isso o que mais temia.

Mas… Os momentos que passou com ele foram tão intensos e verdadeiros que era difícil realmente acreditar que o Min era um babaca.

Um dos garotos — o que usava camiseta e boné de um time qualquer de beisebol — se aproximou de Jimin. Um ódio crescente estampado em seus olhos.

— Você realmente acha que conhece Yoongi?

Jimin não respondeu.

— Vai! Me responde! Viadinho. — Avançou contra Jimin com violência desferindo um soco no rosto dele, sua força era tamanha que fez o Park tropeçar contra o chão novamente.

— Seu gay imundo. — Outro garoto apareceu diante de si, desferindo fortes chutes em seu estômago. Jimin até tentava, mas era difícil revidar, ele ao menos conseguia se mover.

— Queima no inferno. — O último menino se aproximou debruçando-se sobre o corpo de Jimin e atacando seu rosto com golpes certeiros. O sangue já escorria por entre os lábios de Jimin de forma grotesca.

Os chutes e socos continuaram até um ponto em que os garotos pareciam ter se cansado, erguendo seus corpos e encarando o corpo ensanguentado do Park com orgulho em suas faces. Haviam feito um ótimo trabalho.

— Boa sorte pra andar agora. — O garoto de cabelo alaranjado riu. — Só não fique com raiva da gente. — Fez uma falsa expressão de inocência. — Saiba que quem comandou tudo isso foi Yoongi, a culpa é toda dele. — Deu de ombros. — Vamos meninos? — Encarou os amigos. — Deixa esse viadinho mofando no chão. — Os garotos se entreolharam, riram, e então rapidamente se afastaram afinal alguém poderia chegar ali a qualquer instante e a última coisa que eles queriam eram ser pegos.

Assim que os garotos se foram Jimin pode enfim respirar aliviado, sentindo fortes dores o atingirem por todo o corpo, mas enfim longe daqueles delinquentes malditos. Ele tentou então ergue-se, mas foi impossível, e seu braço simplesmente despencou ao chão.

— Droga. — Praguejou baixo sentindo sua respiração se tornar escassa. Precisava ir urgentemente para um hospital. Mas naquela situação como ele seria capaz?

E foi como um sinal atencioso dos céus que aquela rua solitária e rodeada de ventos frios finalmente deu algum sinal de vida e quando Jimin já pensava em fechar os olhos e desmaiar ali mesmo um jovem virou a esquina e ao perceber o garoto jogado sobre o chão e numa situação horrível ele se aproximou, correndo. O olhou preocupado e então arregalou os olhos.

— H-hoseok? — Sua voz saiu falha, mas mesmo com dificuldades ele se pôs a sorrir, pelo menos era alguém conhecido. — Por favor m-me ajuda. — Seus olhos pesavam e ele mal conseguia os manter abertos.

Tudo ia perfeitamente bem, finalmente teria ajuda e iria a um hospital, mas Hoseok conseguiu o surpreender grotescamente, virando o rosto friamente e continuando a andar, seguindo seu caminho sem se importar com Jimin.

O Park então o encarou incrédulo.

— Hoseok! — Gritou, usando o resto de suas forças para se arrastar contra o chão, não conseguia acreditar em como seu amigo era capaz. Não podia acreditar.

Como alguém conseguia ser tão frio e fútil? Nem o Jimin do passado era assim.

E gritou de novo e de novo, mas os passos de Hoseok não cessaram, e Jimin já não tinha energias para se arrastar e foi com pesar que viu as costas de Hoseok sumirem entre as ruas e a neblina.

Então uma lágrima silenciosa escorreu por seu rosto e suas forças se excederam.

Seu rosto tombou contra o chão frio e o sangue simplesmente continuou a escorrer, ele então viu tudo se tornar infinitamente negro.

Jimin desmaiou.

 


Notas Finais


EEEENTÃO?
To lokaaaa pra escrever os próximos capítulos ♥
(Desculpem pelo título, to tão esgotada mentalmente que a criatividade não veio)
Não gostei muito desse capítulo :( não sou de falar isso, mas realmente acho que dessa vez não caprichei, ficou tudo muito apertado pra mim, mas enfim ;-; com as férias aí acho que as coisas vão melhorar ♥ ou assim espero
Bom, como sempre vou deixar meus agradecimentos aos leitores lindos que comentaram e favoritaram e já já respondo vcs <3
Até a próxima semana sz
Bjsss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...