História Miss President - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bastian Schweinsteiger, Manuel Neuer, Marco Reus, Mats Hummels, Miranda Kerr, Thomas Müller
Personagens Bastian Schweinsteiger, Miranda Kerr
Exibições 333
Palavras 1.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Leitura!

Capítulo 23 - Capitulo 23


Fanfic / Fanfiction Miss President - Capítulo 23 - Capitulo 23

Três dias depois:

Pov. Joana Zacherl:

Minha vida parecia ter acabado eu não vivia mais, eu sobrevivia. Três malditos dias separam o céu do inferno, a minha alegria da mais profunda tristeza, a três dias me separaram de Peter.

- Come Jô... você precisa se alimentar. – Bastian insiste.

- Eu não quero Basti, obrigada. – digo.

Ele coloca o prato na cômoda ao lado da cama e se senta ao meu lado.

- Amor... não vai adiantar nada ficar sem comer, sem querer sair... parar sua vida desse jeito vai ser ruim para você. – ele diz.

- Eu sei Bastian, mais eu não consigo seguir quando um pedaço de mim foi arrancado. – digo.

A cada segundo eu lembrava das risadas de Peter, do quanto nos divertíamos, dos planos que eu estava fazendo para a nossa vida.

- Não chora... – Basti pede e passa o polegar no meu rosto.

- Parece que tudo acabou, Basti... tudo por causa daquela maldita festa... – digo sem segurar o choro.

- Shiu... não fala isso... – ele diz e me abraça.

O aperto contra mim e desato a chorar.

- Seu pai está tentando controlar tudo, ele já deu explicações e... – o interrompo.

- Eu sei que nada disso vai funcionar... – digo.

Doía mais ainda saber disso, porque as possibilidades de ficar com Peter estavam escapando das minhas mãos.

Pov. Bastian Schweinsteiger:

Ver todo o sofrimento que Joana estava passando, estava acabando comigo. Cada vez que ela apertava o abraço ou chorava era como se ela anunciasse o seu fim.

- Eu sei que nada disso vai funcionar... – ela diz.

Infelizmente eu também sabia que as coisas não estavam funcionando.

- Eu não deveria ter bebido daquele jeito... – ela se culpa.

Isso que é estranho, eu não vi ela enchendo a cara, o que eu vi foi ela bebendo algumas canecas mais nada que fizesse aquilo.

- Jô, me diz uma coisa... – peço.

- Hum...

- Você acha que alguém teria motivo para fazer alguma coisa contra você? – pergunto.

Ela se afasta de mim rapidamente.

- Muita gente. – ela diz.

Será que alguém teria essa coragem?

- Por que perguntou isso Basti? Você pensou em alguma coisa? – ela pergunta.

Não quero alarmar nada.

- Foi besteira. – minto.

- Basti, me fala, por favor... qualquer possibilidade é valida... eu preciso ter Peter de volta. – ela diz nervosa.

Ela tinha razão.

- Será que alguém batizou sua bebida? Quer dizer... eu vi você bebendo, mais não acredito que tenha sido o suficiente para você ficar daquele jeito. – digo.

Ela parece pensar no que eu disse.

- Basti, me empresta seu celular. – ela pede apressada.

Ele estava na cômoda e eu o pego e entrego a ela.

Ela disca e depois coloca no ouvido.

- Pai, me escuta. – ela diz.

Será que ela vai contar isso a ele?

- Bastian estava conversando comigo e ele levantou uma possibilidade... alguém pode ter colocado alguma coisa na minha bebida. – ela fala.

Ela batuca os dedos sem parar.

- Claro que eu não sei quem... até porque se soubesse essa pessoa já teria pedido para morrer. – ela diz.

Ela não pareceu brincar.

- Tenho algumas ideias mais prefiro não falar com você.

Ela olha para cima.

- Levante os nomes dos funcionários que trabalharam na festa e peça para Leticia trazer aqui na casa de Bastian. – ela diz e finaliza a ligação.

Ela levanta da cama, pela primeira vez sem nenhuma insistência.

- Basti, você não tem noção do quanto isso que você me disse vai me ajudar. – ela diz.

Ela parecia ter ganhado um sopro de vida com essa possibilidade mais isso não me deixa mais tranquilo, porque caso não seja isso o tombo será enorme.

- Se botaram alguma coisa na minha bebida deve ter substancia no meu sangue... – ela fala mais para ela do que para mim.

- Podemos chamar uma equipe e fazer um exame daqui mesmo. – sugiro.

- Isso Basti. – ela diz animada.

- Eu posso solicitar com o Bayern.

- Não, eu quero sigilo. – ela diz.

- Mais o Karl é seu amigo... – ela me interrompe.

- Não vamos colocar os carros a frente dos bois...

- Eu não acho que ele faria isso. – opino.

- Quem eu acho que tentou me ferrar deve ter seus métodos para saber de tudo, então vamos manter isso em completo segredo. – ela pede.

- E quem seria? – pergunto curioso.

- Klaus... um acionista minoritário que quer assumir a empresa. Meu pai não se toca da cobra que criou e foi por isso que eu não contei a ele. – ela fala.

Esse cara só pode ser louco.

- Eu só preciso desse exame de sangue para ter certeza... ah... e no momento que isso se confirmar... Klaus está fodido. – ela diz séria.

Ela mudou completamente em apenas alguns minutos.

Meu celular toca e eu vejo o numero de Leticia, então já sei que é para Joana.

- Oi Leticia. – ela atende.

Ela anda de um lado para outro.

- O que o Klaus anda fazendo? Eu preciso de algo comprometedor contra ele... tenho um plano em mente. – ela diz e roí a unha.

- Já conseguiu os nomes? Você é demais. – ela diz sorrindo.

Apesar de sorri, não é aquele sorriso que eu estou acostumado.

- Traz aqui e coloca alguém para seguir aquele infeliz... ele com certeza deve ter uma amante e a mulher deve vai adorar saber disso.

Agora eu estou conhecendo um lado de Joana que eu nunca imaginei que ela tivesse.

- Não comenta isso com ninguém, nosso plano tem que está bem seguro. – Joana fala.

Ela se despede de Leticia mais continua elétrica.

- Jô... você não acha que pode está se precipitando? – pergunto a ela.

- Não Basti, eu tenho certeza disso... isso tudo é a cara do Klaus, essa não é a primeira vez que ele apronta para cima de mim. – ela diz.

- Se você diz...

Ela vem até mim e segura o meu rosto.

- Eu irei lembrar disso para sempre capitão e sempre serei grata a você. – ela diz e me beija.

Me surpreendo com tal ato, já que ela estava acabada até cinco minutos atrás e já que ela teve uma melhora eu decido perguntar o que estava me deixando curioso.

- Jô... já que agora você está um pouco melhor... – começo.

Ela espera eu concluir.

- Você disse que essa é a segunda vez que perde um filho, que história é essa? – pergunto.

O semblante dela muda na hora.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado...
Muita coisa vai acontecer.......a presidente tá com sangue nos olhos...
Bjsss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...