História Missão Rafa - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Morte, Vida
Visualizações 6
Palavras 1.058
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


vou tentar postar mais ainda hj <3

Capítulo 8 - Dias de chuva


     Aquela musica, aquela musica ... é a musica que meu pai costumava cantar para minha mãe, aquilo me trouxe tantas lembranças, Mari tocou muito bem, do jeito que meu pai costumava tocar nas tardes domingo em casa, e a voz dela me fez sentir tão tranqüilo, pela primeira vez na vida sinto como se não tivesse nenhum problema com o mundo, merda o que ta acontecendo comigo? Dirijo ate a minha casa como um maníaco, ao chegar em casa percebo o quanto eu desejei estar com ela naquele momento, merda ...

    Começo a andar em círculos nervoso, tento me concentrar em qualquer coisa ... nada, nada prende minha atenção, me sento na minha mesa e começo a desenhar, começo com traços finos e mais suaves ate que meus traços ganham formas, faço sombreados e dou luz em certos pontos, apago alguns pequenos erros e levanto o desenho na minha frente, é um desenho da Mari, dessa vez é um desenho dela com um violão, eu não planejei desenhar o rosto dela, mas ele cravou na minha mente, ela ficou muito bonita no jantar, mas eu realmente prefiro o jeito natural dela, sem maquiagem para esconder as sardas, sem nada que tire destaque de seus grandes olhos verdes, nem batom para deixar aquela boquinha diferente, ela é o que é, e é do jeito dela que gosto. Garotas como a Vanessa se encontram aos montes mas uma como a Mari são raras, uma que não liga para os padrões, que pouco se importa com o que vão pensar e ao mesmo tempo tem uma boa vontade e uma alegria que não cabe dentro de si, eu realmente gosto dela assim, daquela cabeleira vermelha colorindo tudo todo bagunçado ou preso em um coque bagunçado.

      Eu odeio admitir, mas parece obra do destino, se ela não tivesse aparecido eu estaria morto agora, e estou estranhamente feliz por não ter morrido, foi como se deus tivesse me mandado um anjo ruivo e teimoso para me impedir de fazer a maior loucura do mundo, ela realmente se tornou uma amiga e ate agora tem me feito muito bem, espero que continue assim.

***

     Acordo, e vejo a chuva, droga, significa que hoje não vamos correr, eu realmente queria correr com ela. O interfone toca e vejo que é ela.

     Ela aparece com varias sacolas na minha porta com um sobre tudo e um guarda chuva vermelho.

_o que é tudo isso? – pergunto vento tudo que ela trouxe nas sacolas.

_meu kit de anti dieta para os dias de chuva, eu ia te chamar para ir na minha casa mas, minhas amigas estão de ressaca, bom , uma ta a outra dormiu na casa do vizinho, agora vamos temos muito o que fazer

      Mari se apossou da minha cozinha, ela fez uma panela gigante de brigadeiro, e ainda me obrigou a ajeitar a sala enquanto ela ficava na cozinha, ela trouxe alguns DVDs na maioria filmes melosos de romance, nenhum que me agrade, abri o sofá em forma de cama e espalhei alguns travesseiros com dois cobertores sobre.

_prontinho – ela disse com uma panela na mão e me passando uma colher.

_que filme vamos ver?

_um pacto de amor

_fala serio , você não tem um filme bom por aqui

    No final me rendi e deixei o tal filme meloso, eu não prestei atenção em nada, mas comi muito e fiquei observando ela o tempo todo, ela se acomodou no meu ombro e me senti tenso, aos poucos os olhos dela se fecharam e ela dormiu, ela parece tão calma, assim que a respiração dela se regulou eu a aninhei sobre meu peito e pela primeira vez me senti em paz com a vida.

   Meu braço ficou dormente e não me importei com isso, era uma dor boa. Peguei ela no colo e a carreguei até o meu quarto, acariciei o rosto dela e deixei o quarto, ouvi a porta da sala ser aberta e minha mãe aparece vestida como uma arvore de natal.

_Rafael, vejo que finalmente arrumou o apartamento

_o que faz aqui?

_eu vim ver como está o meu filho, não posso?

_quer dizer que o Drácula deixou você sair de casa, isso é uma novidade e tanto

     Depois de alguns anos estando viúva, minha mãe se casou novamente com um senador rico e miserável, sujo, corrupto e tudo de ruim que se possa imaginar, ele era um homem frio, sempre foi, sempre tratou a mim e ao meu como lixo, pode ate ter bancado meus estudos, mas tirando isso ele sempre nos via como se não fossemos nada, sem contar que ele é um homem muito mais velho que minha mãe, na frente das câmeras ele diz que somos tudo na vida dele, mas atrás delas ele mal trata ate minha mãe, a controlando como se ela fosse uma boneca.

_escute aqui mocinho espero que tenha mais respeito com ele, ele pode ter seus defeitos como todo mundo mas, é uma boa pessoa 

_fala serio

_deveria ser mais como seu irmão, tinha um emprego tão bom e uma namorada porque abriu mão disso tudo?

_eu odiava meu emprego, e eu sempre soube que meu namoro com a Ludmila não teria futuro

_ela me daria ótimos netos

      Revirei os olhos e ouvi uns passos no final do corredor, Mari pareceu confusa ao ver minha mãe de pé na frente dela a examinando como um cão farejador.

_mãe essa é a Mari – disse apontando para a ruiva acanhada do meu lado

_olá

_ela é bonita pelo menos sei que não vou ter netos feios

_somos amigos – ela disse completamente sem graça.

_amigos? Você realmente é uma decepção garoto, bom eu já vou indo, vejo que não tenho mais motivos para ficar

***

     MAIS QUE ODIO, a minha mãe não aprende  mesmo, claro é que na cabeça dela sou apenas o filho fracassado que não deu certo, eu nunca fui perfeito nem mesmo ao olhos da minha mãe, e as vezes queria, só uma vez que ela voltasse a ser aquilo que costumava ser quando meu pai era vivo, ele a amou tanto, e ela também o amou, meu pai podia não ter dinheiro, sempre pegava dois turnos para trazer comida pra mesa e mesmo assim vivia com um sorriso no rosto, nunca conquistou o que queria, mas amava tudo o que tinha. 


Notas Finais


..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...