História Missão: Virar uma Cheerleader - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho
Tags B_nish, Baekyeol, Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Sulay, Yaoi
Visualizações 19
Palavras 2.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Cheguei <3 u.u

Já ouviram Ko Ko Bop hoje? <3
Eu fiz mais ou menos um prólogo aqui, caso tenha erros, me desculpem. Essa fanfic foi lançada em 2016, mas resolvi excluir ela e respostar agora. Eu não corrigi muita coisa não, apenas alguns erros na escrita, fora isso, continua igual <3

Boa leitura~

Capítulo 1 - Obrigado mãe, mas virei mulher



Meus dedos se encontravam doloridos de tanto mexer no celular. A viagem que duraria seis horas, parecia que ia durar dias. Eu estava me sentindo uma puta, mesmo não tendo motivo ou sentido, eu me sentia como uma.

— …… Vai fazer bem para você, me entende querido? — Minha amada mãe, havia virado a cabeça para me olhar naquele carro. Eu estava mal por não ter uma irmã, assim meus pais poderiam se preocupar mais com ela, mas como era costume que eu fosse destinado a me ferrar, sou filho único.

— Super entendo mãe.. — A única coisa que eu “Super” entendia, era a música Super Fly, do 24K. — Entendo tanto que.. mãe, pode me explicar de novo?

— Você não tinha entendido LuHan? — Papis maravilhoso se interferiu, olhando para mim pelo espelho do carro. Eu odiava quando muita gente me olhava.

— Eu entendi, mas não faz mal entender mais, não é? — Perguntei fazendo a melhor cara de “anjinho" que eu tinha. Mas mãe, eu não entendi porra nenhuma.

— Tudo bem Lu. Eu estava comentando, que você vai ter mais companhia nesse internato. Lá tem muitos meninos rebeldes e irresponsáveis como você, além das garotas.. enfim querido, você vai aprender a se comportar bem. Prometemos te tirar de lá ano que vem. — Pelo que conhecia dela, pude sentir que estava sorrindo. Mamãe sempre dava sorrisos com as desgraças alheias de seu filho; Eu mesmo, LuHan de Mello.

— Mas mãe.. olha só! — Assim que tive uma das melhores ideias de minha vida, comecei a cutucar seu ombro freneticamente, até ela dar um jeito de me olhar. Quando ela se virou, me disse um “O que?”, foi aonde comecei meu plano para me salvar do internato. — 1+1 = gwiyomi, 2+2 = gwiyomi

Aegyo idiota que eu não sei fazer.

— LuHan, para de fazer isso, você fica muito estranho. — Ela foi breve, logo se virando rapidamente, apoiando-se na porta do carro. Puta que pariu, até minha mãe me acha feio, não que eu seja na verdade.

— Mãe? — A chamei pela última vez. — Pode pelo menos me deixar na cidade? Preciso comprar algumas coisas, assim que eu estiver no internato, eu dou um jeito de te avisar. — Pedi juntando as mãos, eu queria comprar roupas novas e mudar algumas coisas antes de ir.

— Aish, tudo bem. Vamos para a cidade primeiro. — Ela sorriu para meu pai, que entendeu e mudou o caminho. Os dois eram lindos juntos, podiam ter filhinhos e parar de pegarem tanto no meu pé. 

A viagem até a cidade foi rápida, porque eu acho que minha mãe no lugar da água, me deu chá de camomila e eu dormi. Quando acordei, meu pai já havia estacionado seu carro em uma cafeteria aleatória de Seul.

— Luh, reparando bem, você está mais bonito ultimamente. — Minha mãe me acha bonito com cara de zumbi? Poxa, vacilou. 

— Obrigado mãe, pelo elogio — Dou um sorriso falso e desço do carro, olhando para o pessoal na cafeteria. Mãe, obrigado por tudo, mas vou virar mulher agora.

— Iremos deixar suas malas no colégio, e voltaremos para Daegu. Não se meta em encrenca filho. — Meu pai veio até eu, me envolvendo em um forte abraço que quase, quebrou todos os meus ossos.

— E não se esqueça de levar sua carteira de identidade até a diretoria. — Minha mãe se aproximou, passando a mão pelos meus cabelos, depositando um rápido beijo em minha bochecha.

Sorri para os dois, concordando com a cabeça, logo os vendo entrar no carro e desaparecer pelas ruas. Corri até uma loja de roupas femininas que eu conhecia e que ficava perto, comprei mais de quinze peças de roupas; todas sendo saias e vestidos. Saí com várias caixas bonitinhas, com as roupas dentro. Aproveitei para ir até uma loja de perucas ali perto, saindo de lá com uma peruca média, preta. Passei apenas em uma loja de perfumes e maquiagem, e assim que tinha tudo, fui até um estúdio de fotos, perguntando se eu poderia tirar apenas uma foto, vestido de garota, e o carinha, concordou.

Fui até o banheiro, e retirei minhas calças, e minhas outras roupas. Peguei uma mini-saia e uma blusa fofinha, vestindo as duas. Aproveitei para colocar uma meia ¾, acompanhada de um par de sapatinhos pretos. Depois coloquei a peruca e passei apenas um blush, batom e lápis, para deixar-me mais parecido com uma menina. 

Sai do banheiro, me sentindo gostoso, porque era assim que eu estava. O moço ficou me encarando com um sorriso, enquanto tirava aquela pequena foto para minha identidade.

— Obrigado moço — Disse com uma voz suave, enquanto tirava uma nota para o pagar. Depois eu fui até um daqueles negócios que tiravam o RG, sua identidade e tal, pedi apenas para “renovarem” a minha carteira de identidade, pois já estava bem velha. Como eu havia “esquecido” os documentos, implorei para eles preencherem com meus novos “documentos” que havia improvisado agora.

— Nome? 

— Ah, Luhannietta de Mello. — Sorri olhando para a senhora que me encarava de cima para baixo.

— Idade?

— Dezessete anos.

Continuamos preenchendo aquilo, até ela pedir a foto. Assim que entreguei a que tinha tirado, demorou apenas mais alguns minutos e eu tinha minha nova identidade ali. Agradeci a mulher e sai daquele lugar, pedindo um táxi, que me levaria ao colégio. 

O lugar era no meio do mato, e demorou apenas vinte minutos para chegar no lá. O moço do táxi disse que seria de graça, só não entendi o motivo dele me levar a um lugar, e ser de graça, mas enfim, melhor não reclamar.

Desci do carro e passei pelo portão, encontrando algumas pessoas andando por ali. A maioria eram garotas, sentadas na grama, estudando. Havia alguns meninos, mas pareciam distraídos olhando para algumas garotas tentando formar uma pirâmide de putas.

Eu andava rebolando um pouco, para tentar dar na cara que eu era sim uma garota, e não o contrário. Entrei no hall de entrada e virei o primeiro corredor, que indicava ser a área dos professores e diretores. Continuei andando, até achar uma porta com uma estrelinha em cima e do lado escrito diretoria. Bati na porta, e logo ouvi uma voz dizendo “Entra”.
Havia uma mulher conversando ( Brigando ) com um garoto. Ele parecia ser a própria porta em pessoa, era assustador. 

— No que posso lhe ajudar querida? — Ela perguntou, deixando o garoto de lado, se virando apenas para me olhar.

— Eu vim mostrar minha identidade, sou a nova aluna daqui. — Abri um pequeno sorriso, puxando minha bolsa e retirando a identidade que eu fiz hoje a tarde. Estendi a mão, até a mulher pegar ela.

— Luhannietta de Mello? — Ela perguntou, me olhando. Reparei que o garoto direcionou seu olhar para minhas pernas, o que me fez ter uma vontade de atirar minha bolsa em sua cabeça.

— Eu mesma, prazer. — Acenei com a mão, me sentando na cadeira ao lado do garoto. Olhei para a mulher, ignorando a presença daquele ser humano safado. — Ah, eu ví algumas meninas formando uma pirâmide ali fora…

— Você está falando das Cheerleaders.. — Ela suspirou, arrumando uma foto em sua mesa. — O que tem elas?

— Eu quero ser uma. — Pedi abrindo um enorme sorriso, apoiando minhas mãos na mesa, aguardando a resposta daquela mulher. Tá, tudo bem que eu tinha falado que era uma pirâmide de putas, mas aquilo havia sido interessante, seria legal participar.

— Primeiro você precisa tentar entrar no time, por meio de audições que elas fazem. — Ela sorriu, me entregando um formulário. — Só me preenche isso que irei entregar a uma delas.

Peguei o formulário e uma caneta, comecei a preencher todos os espaços, até estar tudo pronto. Logo estendi a mão e entreguei o papel para a mais velha.

— Para de olhar para minha perna caramba. — Murmurei audível apenas para o garoto, que ficou me encarando assustado. O LuHan ainda não morreu!

— Ótimo, irei entregar a elas. — A diretora abriu um pequeno sorriso, até reparar os olhares da porta, direcionados a mim. — Oh Sehun, o que acha que está fazendo?!

— Me desculpe diretora, mas quando temos garotas assim.. não podemos desperdiçar. — Ele deu um olhar safado para mim, mordendo o lábio inferior, enquanto colocava uma mão em cima da mesa.

— Olha meu amor, se você acha que eu sou uma qualquer, você está muito errado. Eu sou Luhannietta de Mello e ninguém mexe comigo. —  Disse sério, olhando para o maior sem desviar o olhar. Se ele achava que eu iria me render a seu charme, estava muito enganado.

— Por favor, os dois devem parar. Oh Sehun, acredito que uma advertência não lhe fará mal, já que deve ter se acostumado. E Luhannietta, caso Oh te incomode, basta vir me falar. Já pode se retirar por favor. — A diretora não parecia ter se irritado comigo, mas se “Oh Sehun” estava ali, é porque devia ter aprontado alguma coisa na escola. Ela apontou para a porta, e eu fiz uma reverência antes de sair daquele lugar.
Vou andando pelos corredores, achando uma enorme porta de vidro no final de um deles. Passei pela mesma, vendo várias prateleiras de livro por ali, vou até uma delas, e pego um livro aleatório “Romeu e Julieta”, a história era bonitinha. Fico olhando para a capa, até sentir a presença de um garoto em meu lado.

— Esse livro é muito bonito, a história de amor dos dois é incrível. — O menino tinha um sorriso encantador, era muito fofo, mas ele me lembrava muito uma menina também. 

— É verdade. Mas gosto de cidades de papel, é bonito. — Sorri devolvendo o livro em seu devido lugar. — Oh, nem me apresentei, meu nome é LuHan.. Luhannietta. 

— Prazer, Luhannietta. — Ele disse um tanto estranho. Se eu o conhecesse bem, diria que ele se travesti também. — Meu nome é Baekhyun, cuido da biblioteca na maior parte do dia. — Baekhyun arrumou alguns livros, deixando que um sorriso fofo cuidasse de seus lábios. Ele não tinha cara de ser aqueles meninos responsáveis, que dariam bons representantes de classe e tal.

— Ah, Legal.. Você sabe mais alguma coisa sobre os grupos da escola? — Perguntei começando a ajudar o mesmo a arrumar os livros, eu precisava de arrumar um jeito de entrar para as Cheerleaders. 

— Não sei quase nada sobre os grupos da escola, sei que temos o time de torcida, basquete, futebol.. mas eu conheço apenas os líderes deles. — Ele foi rápido ao falar isso, parando de arrumar os livros para ficar me encarando. — Porque? Tem interesse em algum?

— Na verdade, tenho sim. — Disse sorrindo, e olhando pela janela da biblioteca. Talvez aquela escola fosse legal, bastava apenas arrumar uma maneira para me divertir. — Eu queria ser uma Cheerleader, acho que elas são divertidas e sexys. — Coloquei a mão na cintura, parando na frente de Baekhyun, vendo o mesmo olhar para os lados.

— Eu converso muito com a líder delas, posso tentar te ajudar a entrar. — O moreno cruzou os braços e tocou em meu pulso. — Você quer ir lá? — Perguntou-me olhando fixamente para meu olhos. Concordei com a cabeça, mordendo o lábio inferior assim que fui puxado pelo mesmo. Estávamos andando devagar para o terceiro andar da escola, conhecido por ser os dormitórios femininos. Tem muita mulher aqui, meu deus. 

Ele foi até o final do corredor e bateu em uma porta, que foi aberta por uma garota de cabelo preto, baixinha e com os olhos enormes 

— KyungMin, posso conversar com você? É sobre a novata. — Novata eu sou só no colégio, em outras coisas eu sou veterana amor.

— Hum, claro. — A garota me encarou e abriu a porta para mim e Baekhyun passar.

— A Luhannie, queria entrar para as Cheerleaders, e talvez, você pudesse a ajudar.

— Eu não posso ajudar. Eu trabalho nesse horário, apenas com a minha bundinha e com coisas góticas. — Que? Você não era a tal líder? — Não tenho tempo para isso no momento, me dêem licença por favor, irei atender o Jongin daqui a dez minutos. — Ela nos pediu, empurrando - me para o lado de fora de seu quarto. Assim que ela bateu a porta em nossa cara, cerrei os olhos e fiquei encarando Baekhyun. 

— Ela é difícil.. Você vai ter que tentar com Oh Sehun, ele é bem famoso com as meninas, talvez ele te ajude. — Baekhyun coçou a nuca, pegando seu celular, vendo alguma coisa no mesmo.

— O-Oh Sehun? — Perguntei arregalando os olhos. — Tudo bem, irei tentar pedir ajuda daquele prédio. — Sorri de canto, apertando as bochechas de Baekhyun, e logo, me afastando do mesmo. 

Outra coisa estava em minha cabeça. KyungMin não parecia nem um pouco com uma garota. Ela tinha uma cara de azeda e ficava fazendo poses estranhas. Tenho certeza de que tem alguma coisa por trás disso.

— Obrigado Baekhyun, já sei exatamente o que fazer. — Sorri para o chão, deixando Baekhyun ali, e começando a correr na velocidade da luz, pelos corredores. Minutos depois, me encontrava no chão, com a saia toda desajeitada e com minha peruca bagunçada.

— Filho da mãe! — Exclamei me arrumando, quando senti duas mãos quentes em meu braço, me fazendo ficar em pé. — Seu trouxa, não enxerga por onde ta andand.. — Sorri malicioso ao ver aquela pessoa ali.

— Agora eu que não enxergo? Você que estava correndo Luhannietta. — Oh Sehun, me ajudava a arrumar meus cabelos, que se encontravam em um estado deplorável. 

— Não me chama assim, diga apenas Luh. Me desculpe, eu estava procurando você e acabei te achando, não da maneira adequada mas pelo menos achei. — O encarei, arrumando minha saia, e puxando minhas meias um pouco mais para cima.

— O que você queria falar comigo? — Ele pergunta com um sorriso de canto, colocando as mãos no bolso de sua calça. 

— Será que tipo.. Você poderia me ajudar? — Fiz um biquinho, mexendo meus dedos um no outro. Não sei direito quem é esse boy, mas ele parece ser ativo.

— Seja lá o que for.. Não. — O moreno se inclinou e tocou em meu nariz, me deixando com um ponto de exclamação na cabeça. Como ele pode não ajudar Luhannietta de Mello? Eu sou a rainha daqui, e ninguém na face da terra deve me desprezar, ainda mais esse bad boy falsificado que é Oh Sehun. Custe o que custar, ele vai ter que me ajudar a realizar meu sonho de ser uma Cheerleader.


Notas Finais


Espero que ela não flope huahua~~
Deem amor á ela :3

Próximo capítulo sai em breve :3

Chu~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...