História Mistakes Of Love - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Ação, Aventura, Comedia, Drama, Família, Fantasia, Mistério, Novela, Policial, Revelaçoes, Romance, Suspense
Exibições 7
Palavras 1.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, desculpe se eu demorei a postar, mas eu estava muito atarefada e ainda estou, mas me deu muita inspiração hoje, então resolvi escrever, tanto que escrevi 2 capítulos, só preciso revisar o próximo e logo ele estará aqui.
* Outra coisa, percebi também que não posso esperar por leitores para a Fic, mas se você que está lendo desejar compartilhar eu agradeço.
* Não tenho data para postar, depende de quando as ideias surgem, ademais quero contar com a sua compreensão.
* Perdão pelos erros e quebras de pensamento no decorrer da história até aqui, estou me esforçando para deixar tudo direitinho. Qualquer erro, não deixem de avisar.
* Boa leitura e leiam as Notas Finais.

Capítulo 6 - Proteção


Fanfic / Fanfiction Mistakes Of Love - Capítulo 6 - Proteção

Arline

Acordo com leves raios de sol atingindo meu rosto através da janela com cortinas abertas, o céu está cinzento. Percebo que adormeci sobre o peito de Justin. Ah, como é bom estar aqui, ouvindo as batidas de seu coração, ritmado, vivo, a salvo, levanto rapidamente para vê-lo.

Meus cabelos me acompanham  envolvendo meu rosto em ondas lisas de fios castanhos meio aloirados. Percebo, que ele está dormindo, seu rosto está sereno, sua mão repousa em minha cintura e o outro braço, o machucado, repousa ao lado de seu corpo, enfaixado. Seus cabelos de um loiro atrativo, estão bagunçados sobre o travesseiro, suas roupas estão rasgadas, seus braços arranhados. Pego em sua testa para sentir a temperatura, Graças a Deus, a febre cedeu, meu maior medo me acometeu ontem, quase o perdi pela infecção do seu ferimento, o remédio estava funcionando. O soro continuava escorrendo para sua corrente sanguínea. Minha mão que pousava em sua testa, desceu, trilhando um caminho até sua bochecha, acariciando-a com o polegar. Céus, como fui me meter nessa história?! Pior que isso, como posso me importar com alguém que conheço a apenas 24 horas, nas quais eu quase morri 2 vezes.

Mesmo assim, enquanto lhe acaricio, percebo que existe algo em Jay, que me mantêm fixa, estática, presa a ele, necessidade de cuidar, não sei explicar, esse desejo, essa vontade, essa emoção, mas tenho que tomar cuidado, o passado pode estar para trás mas nunca esquecido, ele sempre volta para ensinar uma lição ou mesmo para assombrar.

Retiro a mão de seu rosto sereno, solto um suspiro:

- Ah, Jay... que vida complicada... - deito minha testa em seu peito, com os olhos fechados. Imediatamente ouço um gemido, levanto o rosto alarmada e encontro os olhos castanhos quase mel fixos em mim.

Justin

Estava entorpecido pelo sono, até que sinto um peso em meu peito que atinge meus hematomas, instintivamente solto um gemido e abro os olhos. Porra! Podia ter continuado dormindo... Abro os olhos e dou de cara com Arline, seus olhos mais vivos que nunca e tão próximos, seu rosto está levemente rosado pelo sono, seus cabelos bagunçados e lisos, deslizam ao redor de seu corpo e rosto, um castanho meio aloirado, que quando iluminado pela luz tem uma tonalidade mel, um visão de tirar o fôlego.

Suas curvas pressionam meu corpo, seus lábios entreabertos chamam minha atenção, mas logo me dou conta da realidade da situação.

Tenho diversos machucados, meu braço está enfaixado e com soro escorrendo por minhas veias, sinto um gosto ruim em minha boca. Olho novamente para Arline e percebo que a mesma ainda está com as roupas rasgadas e com os arranhões e ferimentos a mostra com manchas de sangue seco ao redor. Um arranhão maior marca sua bochecha rosada. Instintivamente elevo a mão de sua cintura e a deposito em sua bochecha para examinar e afagar.

- Arli... porque ainda está assim? - Pergunto rouco.

- Oh Jay... Não se preocupe... Ontem você estava tão mal, pálido, desabou em febre e perdeu muito sangue. Minha preocupação era com você, mantê-lo vivo. - Diz, olhando em meus olhos.

- Mas você também está machucada. - Digo olhando para seus vários ferimentos. - Deveria se preocupar com eles, eu estou bem.

- Bem, com certeza não é um adjetivo para você, Jay. - Diz, sorrindo levemente, mas logo o sorriso se desmancha dando lugar a uma careta.

- O que houve? - Pergunto preocupado.

- Nada, só o arranhão da minha perna dói um pouco. - Diz.

Arli se levanta e me oferece uma bela visão, seu corpo marcado por arranhões está meio exposto pelos rasgos das roupas, e mais uma vez estou hipnotizado pela pele branca, pelas curvas, pelo cheiro que toma conta de tudo nesse quarto. Ela sai da cama e caminha até o meu lado, checa minha temperatura e confere os curativos espalhados pelo meu corpo.

- Eu vou procurar roupas e comida pra você. Toma um banho e cuidado com os curativos, volto depois para ver como você está. - Dizendo isso, ela retira a agulha do soro da minha veia e leva consigo enquanto se retira do quarto.

Não me resta opção, se não levantar e ir até o banheiro. Com certa dificuldade devido aos cortes, tiro as roupas e entro no banheiro, ligo a ducha e deixo a água morna escorrer por meu corpo, clareando minha mente. Termino o banho, enrolo uma toalha na cintura e saio do banheiro com outra toalha enxugando os cabelos.

Entro no quarto e dou de cara com Arli sentada na cama e uma pilha de roupas do seu lado, olho para ela que está com ar de cansada, olho em seus olhos que brilham com a luz da manhã e me aproximo.

- Trouxe umas roupas do meu cunhado Ethan pra você, acho que vão servir, já preparei o café, seus remédios estão no criado mudo ao lado da cama, se arruma, eu vou estar te esperando la embaixo. - Diz, se levanta e começa a caminhar em direção a porta, mas eu a seguro pelo braço.

- Arli... Olha pra mim... - Digo calmo. Imediatamente ela sobe seu olhar para encontrar o meu e vejo o quão preocupados eles estão. Não resisto e a abraço, depositando um beijo em sua cabeça, afagando seus cabelos.

- Está tudo bem... - Sinto soluços baixinhos e lágrimas que escorrem pelo meu abdômen.

- Eu fiquei com tanto medo, Justin. Essas sombras sempre rodeiam minha vida, aí eu te conheci da forma mais estranha do mundo e quase te perdi no mesmo dia.

- Não será uma bala ou uma infecção que irá deter Justin Bieber.Eu estou bem, Arli, vai tomar um banho e depois desce pra gente tomar café junto, vamos pra minha casa e resolvemos o que fazer.

- Na verdade, Jay, eu preciso trabalhar, podemos resolver tudo aqui¿

- Claro, vou ligar pro pessoal, não se preocupe, mas acho que você não vai trabalhar Arline.

- Resolvemos isso, daqui a pouco, vou tirar essa roupa e tomar um banho.

- Quer ajuda? - Digo sorrindo safado.

- Muito engraçado, Justin.

- Eu disse a você, que a gente ia sair daquela confusão e que a única coisa que íamos arrancar eram as roupas. - Digo e ela fica vermelha como um tomate.

- J.. Jus... Justin não brinca com isso, tá? - Diz e me dá as costas. Não me contenho e sorrio.

- Agindo assim, até parece virgem, Arli. - Digo brincalhão. Ela para na mesma hora e fica estática.

- B-Bem... Eu... sou... ou era... eu acho. - Diz gaguejando. Eu fico muito surpreso.

- Espera, Arli, você está me dizendo que o primeiro homem na cama com você sou eu? - Pergunto assustado.

- S-Sim... Eu tenho princípios, só depois do casamento, só isso. - Diz envergonhada. Eu não resisto e sorrio.

- Ok, agora entendi. Você casou comigo e não sabe se continua ou não ''intacta'' . - Digo rindo e fazendo aspas com os dedos.

- Não seja tão arrogante, eu tenho 99% de certeza que você já fez tudo que tem direito ... - Fala e logo arregala os olhos.

- Humm... Tudo que tenho direito né?! - Digo sorrindo e puxando-a de encontro ao meu corpo.

- É... ó-óbvio que eu não prestei atenção no que ia dizer... - Diz ,nervosa.

- É óbvio que você sabe que é minha, não é? - Digo, levantando seu queixo com um dedo para ver sua reação.

- P-Para ... - Não dou brecha para que ela termine de falar, meus lábios encontram os seus imediatamente, logo Arli passa de assustada para envolvida, suas mãos deslizam pelo meu pescoço e as minhas vão desde a sua nuca até sua cintura.

Apesar de todos os acontecimentos, seu cheiro é deliciosamente prazeroso, seu sabor doce mescla-se ao meu, a adrenalina toma conta de nós, suas curvas encaixam-se perfeitamente em mim e a temperatura  eleva-se ao máximo, é como estar muito próximo do sol, mas ao contrário do medo de se queimar, eu quero derreter com ela em meus braços.

Rapidamente, encosto-a na porta do banheiro, sem nunca finalizar o beijo, mas a necessidade de ar nos impede de continuar conectados assim. Bruscamente separados pela busca de oxigênio, olho para o rosto de Arline, está rosado, algumas mechas de cabelo aos redor de seus rosto, suas mãos repousam em meus ombros, seu corpo colado ao meu, seus olhos brilham e não consigo me mexer, minhas mãos não querem deixar sua cintura e seu rosto, sua pele, eu não quero nos separar, mas é necessário, afinal tudo o que eu quero dela, eu conseguirei em breve, uma noite, o divórcio e logo estarei rodeado de mulheres e perigo novamente sem me preocupar com nada como sempre.

Mas tenho uma sensação no peito, como se depois que me separasse de Arli nesse momento, que depois de descer as escadas e resolver essa confusão, um pressentimento de que depois de atravessar a porta dessa casa com Arline pelos próximos 6 meses... Não serei mais o mesmo homem que costumava ser.


Notas Finais


Obrigada, agradeço imensamente por você ter lido, é gratificante ver o trabalhando dando resultado.
* Não se preocupe, tentarei ao máximo utilizar meu tempo de folga para atualizar a história, estou rodeada de ideias e espero colocá-las logo no papel, antes que fujam.
* Sinto muito se fiz você esperar tanto pela continuação e espero compensar no próximo capítulo.
* Eu pensei seriamente em desistir, mas vi que o valor das coisas quem dá é o artista, então eu como escritora, gosto da história e mesmo que eu escreva para mim mesma não vou desistir.
* Pretendo escrever uma nova história, estou moldando alguns detalhes e pretendo focar nas histórias que já comecei também, espero estar com o início da história pronta antes do fim do ano, então aguardem.
Mias uma vez obrigada e até breve.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...