História Místicos - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Anjos, Dragão, Fallen, Fantasia, Fênix
Exibições 0
Palavras 855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção Científica, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 20 - Atenciosamente, R.P


Eles correram para fora daquele castelo com medo de Ariel e do que eles podiam fazer com eles. Eles não tinham como sair dali, não havia saída daquele mundo terrível onde Ariel tinha ressurgido. Miguel por um lado achou melhor treinar as asas. Ele pegou Isabela com abraço e começou a voar para alto.

Isabela soltou um grito de principio, mas Miguel disse para confiar nele. E foi isso que ela fez. Eles planaram por um oceano que não parecia ter fim. Miguel ouviu o som de vidro se quebrando quando estava saindo do castelo, e logo todas as janelas estava explodindo em cacos de vidros. Miguel pensou que algo poderia ter acontecido com Cameron, mas logo pensou que o irmão estaria bem.

Eles foram parar em uma ilha onde tinha uma vegetação densa envolta de uma montanha escura como piche. Eles aterrissaram ali por e adentraram a mata densa. Caminharam por alguns minutos até chegarem em uma entrada de caverna.

- Não foi onde o corpo de Kyara estava? – argumentou Miguel apontando para onde o corpo de Kyara poderia estar. Logo ouviram o som de algo se acendendo dentro da caverna. Eles resolveram entrar dentro da caverna para ver.

Eles depararam com um túnel comprido e largo com buracos nas paredes. Nesses havia caixões de vidro com pessoas dentro, os nomes que se seguiam com as ordens de nomes: Jenny Hart, Aemous Hart, Jayke Hart, Caleb Cornl, Florence Vita, Anael Morts, Rickel Jakeil.

Os corpos de Florence, Anael e Rickel estavam cobertos por um pano branco. Parece que ninguém quer ver feições, pensou Miguel. Tinha um vão bem no final do túnel. Lá também tinha outro buraco. Eles se aproximaram do buraco e notaram que lá havia um corpo feminino. Os cabelos vermelhos estavam caídos para o lado.

- Kyara?

Os caixões brilharam em ouro de uma hora para a outra, linhas verdes entrelaçavam-se nas paredes com raízes de uma planta. Miguel e Isabela ficaram maravilhados com aquilo e Miguel notou um papel de feito de folha verde jogado no chão abaixo do caixão de vidro de Kyara.

Miguel pegou o papel e viu que era uma carta

Querido (a) pessoa que encontrou essa carta,

Escrevo esta carta com enorme prazer de contar tudo o que aconteceu o que aconteceu com Kyara e Kaime, pois assisti tudo de longe sem interferir em nada.

Kyara Ignis e Kaime Mrak foram amaldiçoados por Caliban para que se amasse e cada quinze anos Kaime em sua forma de dragão e Kyara em sua forma de fênix irão batalhar. Kyara morreria em renasceria para recomeçar o ciclo da Maldição. Isto foi acontecendo por milhares de anos, séculos para ser mais exato e, eu assisti tudo de longe.

Caliban batalhou com Ariel, pois ele queria Alturas para si e não o Subterrâneo, ele queria Alturas pelos simples motivo: dar alegria para aquele lugar. Ariel era muito dura com Aliados e com qualquer que ela conhecesse. Caliban mesmo vivendo no lugar onde a morte tinha seu poder maior, ele queria trazer alegria para as pessoas. Ariel não.

Tudo começou quando dois Aliados roubaram o filho de Ariel dos braços dela, isto fez Ariel que já não era louca de pedra ficar ainda pior. Ela matou a Aliada que clamava pelo nome Amanda Spektrum. O nome do outro Aliado era Gabriel Griffen, ele em ato de coragem por ser torturado por Ariel com um veneno, cortou as asas de Ariel com Zkan. E assim ele levou a dor para todos os Aliados, as asas de todos foram queimadas instantaneamente. Pelo que ouvi pelo ouvi ao passar por perto, o bebê foi criado por tal de Maika que fez o bebê não crescer ou desenvolver-se por um século, com a ajuda de Caliban. Caliban meio que quis que o filho fosse roubado.

Este bebê recebeu o nome de Kaime Mrak quando foi adotado pelo Rei do Castelo de Reagan.

Não preciso contar o resto, pois vocês já devem saber o que acontece.

Mas vamos lá para a parte que eu mais gosto. A maldição tinha uma falha, uma própria falha feita por Caliban. Ele havia dito quando os amaldiçoou: Fogo para com sangue, fogo paga com fogo. Do sangue serão unidos por um fio que se partirá a cada ano da quinzena, a chama vai consumir seu amor. E amarás intensamente da mesma forma que morrerá também.

Estas foram ditas as palavras de Caliban enquanto criava a Maldição em frente ao Templo de Ariel. A falha está nas sentenças: "...serão unidos por um fio..."; "... a chama vai consumir o seu amor..."; Estas juntas formaram uma falha na Maldição. O fio (a Maldição) se partiria quando a chama (o amor e o ódio) consumir seu amor. Vocês não podem estar entendendo o isso, mas vou explicar.

Sempre a Maldição ocorria o ódio sempre prevaleceu e nunca o amor. Quando os dois se juntaram e um só pode quebrar a Maldição e assim dando uma brecha para Ariel e Caliban retornarem. E foi isso que aconteceu.

Espero que eu tenha explicado tudo para quem quer que estiver lendo esta carta.

Atenciosamente,

R.P.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...