História MITW - Cyber Love - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~1Langerzinha

Exibições 96
Palavras 1.622
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


🌟Capítulo de transição
🎀passe nas minhas outras fanfics
👑Obrigada pelo fav/comentário

Capítulo 8 - Timing


  Tarik abria seus olhos mas o sono continuava forte insistindo em fechá-los novamente. Ele via tudo à sua volta mas seu cérebro cansado não fazia questão de guardar nada. Em algum momento se viu ao lado de Linnyker na cama. O mesmo o emcarava sorrindo sem mostrar os dentes. Tarik tentou se manter acordado mas ele só conseguia voltar a dormir. 

  Ele acordou assustado. Seu coração estava acelerado, em função de uma ritimia. Ele não tinha nenhum problema no coração, aquela sensação ruim era passageira. Ele sentou na cama. Usava apenas sua calça e meias. Ele se levantou. Ainda não havia amanhecido totalmente mas a grande cidade já estava acordada. Sua arma e roupas estavam á sua frente na cadeira. Assim que conferiu ambas, foi ao banheiro. Estava com um gosto ruim na boca então usou o enxaguante bucal rapidamente. Assim qie ouviu um barulho na casa retornou ao quarto ficando próximo á cadeira. Mike chegava cheio de sacolas. Ele caminhou até a cozinha sem ver Tarik no canto do quarto. Ele assoviava uma melodia qualquer, que estava presa à sua mente.

   Assim que guardou as compras foi em direção ao quarto. Tarik não sabia como reagir a aquela situação. Não se lembrava de muito da noite anterior depois da primeira garrafa de cerveja. Seu coração ainda estava um tanto quanto acelerado e piorou quando seus olhares se cruzaram. 

   -Já acordou, então. -Mike constatou, passando por ele e começando a arrumar a cama. Tarik encarava cada atitude sua ainda assustado. Onde estava sua postura, e coragem para perguntar? Ele não sabia dizer. 

   -Eu faço isso... -Tarik pegou o lençol na cama puxando também para esticar. 

  -ah... OK. -Mike recuou observando a cena de seu corpo se inclinando sobre a cama, ele colocou um dos joelhos epoiado na mesma esticando até o outro lado com os braços. Para Mike, uma visão bastante agradável. Ele terminou voltando á sua posição normal. Mike ainda o olhava, só que dessa vez nos olhos. Tarik colocou as mãos nos bolsos olhando para o lado. 

  -Se a sua preocupação é o fato de ter dormido aqui, fique tranquilo. Esteve seguro a noite toda. Parecia cansado e não precisou de muita bebida pra apagar. Espero que esteja se sentindo bem agora. 

  Tarik quase suspirou de alívio. Tinha um certo medo de si quando bebia, acabava tomando atitudes inconsequentes. 

  -Me desculpe por isso. Eu sequer devia ter vindo aqui invadindo sua casa desse jeito... Acho que estou sobrecarregado demais com tudo isso. 

  -Sim mas lembre que eu fiz o mesmo. Acho que estamos quites. -Mike lembrou com um sorriso nos lábios. Não pode deixar de aproveitar a desconexão dos olhares para ver Tarik de cima a baixo. Era realmente uma visão agradável. 

  -Bom, eu preciso sair. Você pode ficar à vontade tem toalhas limpas no banheiro e comida para o café. A chave fica embaixo do vaso de plantas. -Mike disse saindo. Tarik o parou segurando seu braço. 

  -Não pode esperar um minuto? Eu já vou também. 

  -Tem certeza que não quer tomar um café? Ou um banho? A água está muito boa. -Tarik assentiu sentindo o cheiro de limpo vindo dele. Tinha realmente que sair já dali. É uma pena... Porque ele mesmo não queria. 

   Ele era totalmente contra ações feitas de forma impulsiva. Adorava estar no controle, dentro das regras. Mas algo dentro de si estava sempre buscando mais e mais adrenalina e perigo. Ele sentia seu peito arder pela ansiedade quase incontrolável. 

  Todos tomamos atitudes sem pensar nas consequências. E aquela foi uma atitude assim. 


 ***

  Marco Tulio estava em seu quarto sozinho. Os outros garotos se ocupavam jogando bola do lado de fora da casa. Ele estava desenhando e escrevendo em folhas aleatórias, mas seus pensamentos eram bastante objetivos. Ele tentava juntar pistas sobre a identidade de L19, mas não para causar problemas. 

  Estava extremamente entediado e curioso. E quando ficava assim só sossegava ao chegar em seu objetivo. 

  Então ele achou no meio de seus papéis do orfanato, alguns prontuários e listas. Haviam uma série de nomes incluindo os de Batista, Spok e Alan. Eles estavam no mesmo orfanato em prédios e pontos diferentes do país. 

  Era uma peculiaridade interessante esta. Porque tudo ligado ao mentor deles tinha algum significado mesmo que encoberto. Mas Marco passou essas listas para a gaveta quando. Ouviu Batista gritar seu nome. Ele ajeitou sua cama antes de sair. 

  De acordo com suas contas e divisões casa um deles tinha cerca de vinte mil dólares em dinheiro vivo, fora a propriedade em Manhatan, que era extremamente cara. Era um bom dinheiro para começar longe. Do zero. 

O ponto era que ele não tinha nenhuma intenção de fazê-lo. Queria ficar acerca dos amigos. E principalmente do homem misterioso fonte de todo aquele dinheiro. 

  Ele estava apenas aguardando um próximo contato. Então pensaria em algo para acalmar todas as suas dúvidas. 


   ***


  Tarik se aproximou de Mike abruptamente segurando seus cabelos com uma mão e passando o outro braço por seu ombro. Mike segurou firme sua cintura o conduzindo até a parede. 

  Tarik apertou os olhos levemente, sentindo o impacto que não foi tão forte. 

O que começou com um selinho, demorado, se tornou um tocar de lábios. Ele queria isso. E muito, era inegável que a aproximação com Linnyker o fazia estremecer, pelo menos naquele presente momento. 

  O coração de Tarik pulsava cheio de adrenalina, enquanto Mike estava tranquilo e contente consigo mesmo. Os dois pararam por um segundo se encarando. Mike olhou naqueles olhos tão expressivos, e Tarik encarou aquela expressão calma e calculista. Os braços do menor se encontravam ambos envolvendo o pescoço de Linnyker. Mike jogou seu óculos de lado, milésimos de segundos antes que Tarik voltasse a puxá-lo. O beijo foi extremamente intenso e ficou ainda mais quando Mike tocou com sua língua nos lábios do policial. 

  Um simples diálogo resultou naquela cena cheia de desejo e tentação. Tarik não costumava pensar muito a respeito de relacionamentos e afins. Sempre focado em seus estudos e trabalho, e obtinha muito sucesso dessa forma. Mas aquela sensação maravilhosa a qual ele apreciava poucos momentos eram capazes de trazer. Mike começou a distribuir beijos em seu pescoço. Não demorou até começarem a caminhar até a cama. Tarik sentiu as costas de seus joelhos tocarem a mesma. Mike voltou a beijá-lo com voracidade e Tarik não parava de apertar suas costas e braços com bastante força. Mike retirou sua camisa e Tarik gemeu ao sentir suas peles quente e fria se tocarem. Mas tudo fugiu do controle quando Linnyker segurou o passa cinto se sua calça com os polegares e indicadores puxando seu corpo para si. Seus membros se tocavam, mesmo que sob os tecidos de ambos. Mike continuou segurando aquele mesmo lugar assistindo a reação de Tarik, que dava pequenos e quase inaudíveis gemidos a cada toque. Mike já conseguia sentir a excitação do outro, junto a sua, começando. Quando Tarik ameaçou abrir os olhos Mike agiu rapidamente. O que era para evitar que o outro parasse para pensar. Quanto menos pensasse, melhor seria. 

  Linnyker segurou o passa cinto com firmeza trocando as posições. Tarik pensou que ficariam na cama, mas o moreno só parou quando sentou na cadeira, fazendo com que o outro viesse junto. Mike segurou cada uma das coxas do outro fazendo com que passassem de lado, assim, Tarik estava sentado de frente para si. Mike elevou suas mãos apertado a cintura dele, pressionando o corpo de Tarik no seu. Suas mãos deslizaram até a bunda dele, puxando seu quadril ao máximo. 

  Tarik abriu a boca deixando o ar sair numa lufada. Com os olhos fechados recebia os beijos e chupões de Mike em sua clavícula. Não conseguia ficar parado recebendo todos aqueles toques. Seu quadril começava a se mexer levemente indo e voltando, ora pressionando e ora não, em direção ao pênis de Linnyker. Ele rebolava devagar, e bem pouco, mas foi o suficiente para enlouquecer Mike. 

  Exceder limites. É tudo que ambos estavam fazendo desde que se conheceram. Mike se expunha, para ganhar o tempo e a atenção do policial. E por mais desculpas que arranjasse, se tratava basicamente disso. E Tarik... Ia além do que devia, perdendo atenção por conta da constante memória relacionada ao moreno. 

  Mike voltou a beijar seu rosto. Ele mantinha o corpo firme na cadeira sustentando o peso de ambos. 

  Tarik delirava de prazer apenas por sentir aquela fricção de corpos, e toda a sensação que envolvia aquele momento. Ele já sentia seus lábios quentes e até mesmo levemente doloridos. Apoiou suas mãos no parapeito da janela segurando firme ali. Mike seurava seus cabelos por cortar com uma certa força com uma das maos e a outra manteve em sua coluna, como apoio. Ele adorava o cheiro wie vinha de Tarik. Era de sua propria pele e era incrível. 

  -Tarik... Se eu te colocar naquela cama... -Mike começou, falando baixo proximo ao ouvido de Tarik. Seus olhos não se encontravam por conta da posição. -eu vou te foder até esquecer seu nome. 

  Tarik tentava processar aquela informação. Aquilo estava realmente acontecendo? Ele encarou a propaganda do telão no prédio á frente. Uma de suas mãos estava bos cabelos de Mike. E que cabelos... Eram macios, suaves. Bons de se pegar. O cheiro do xampu que saia deles era agradável também. Tinha que tomar uma decisão. Ele iria mesmo transar com Mike? Ele queria. Mas sempre que parava ora pensar em alguma questão, dava atenção para as consequências. 

  Poderia nunca mais ver aquele rapaz. Poderia vê-lo de vez em quando. Poderia acabar cruzando com ele todos os dias. Iria depender de sua sorte, e é claro. Decisão. 

   Mas dentro de tudo isso havia um timing. Que era bem curto, por sinal. 


Notas Finais


Opaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...