História MITW - Mundos Opostos - Capítulo 29


Escrita por: ~

Visualizações 50
Palavras 2.339
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieeee gente, tudo bom com vocês?
Sentiram falta?
Isso mesmo, CAPÍTULO NOVÍSSIMO E MARAVILHOSO
ESTAMOS DE VOLTA E DESTA VEZ VAMOS CAUSAR, PQ SE FOR PRA SAIR, TEMOS QUE CAUSAR.
Espero de coração que gostem deste capítulo
Desejo a todos uma ótima leitura e...
VÃO LER!

Capítulo 29 - O garoto misterioso


P.O.V Pk

Uau, o Alan se deu muito bem agora. Ganhou o campeonato de melhor Cosplay e ainda ganhou um beijo de quem quer que seja aquele garoto. Queria ter alguém para beijar também. Quem sabe eu não consiga algo com o Calango? Depois de tudo que rolou entre mim e o guaxinim... Ah, não quero lembrar dele.

-Pk! - Ouço alguém me chamando. Olho para trás no mesmo instante. - Pac? O que foi? - Pergunto.

-A gente tem que descobrir quem é aquele garoto que estava com ele rápido! Siga eles e não perca a visão, vou procurar os outros. - Ele me diz e corre para meu lado direito, se desviando das centenas de pessoas que estava ali.

Ok, Pk, não os perca de vista. Prenda seus olhos neles como se eles fossem o... Calango.

P.O.V Cellbit

Eu tô chocado com a quantidade de produtinhos baratos que têm neste lugar. Olhas só essas blusas de Tokyo Ghoul. Eu necessito delas. 

Quando pego o dinheiro do meu bolso, alguém me puxa pelo braço. Vou ser assaltado no Japão? Impossível!

-Ei! - Digo olhando para trás e, para minha surpresa, era só o Pac. 

-O que você está fazendo? -Pac me pergunta ofegante.

-Ah, comprando umas blusa de recordação né? Não é todo dia que vamos no Japão! - Digo tirando a mão dele do meu braço.

-Cellbit, será que você não percebe que estamos aqui para buscar o Alan e não para comprar blusa? - Ele me pergunta furioso.

-Ah, por favor! Só essa! - Mostro a blusa para ele. Seu olhar parece queimar a roupa e logo entendo seu recado.

Saímos daquele estande de roupas.

-Aonde a gente vai agora? Falando em "a gente", cadê o resto do povo? Evaporaram? - Pergunto cruzando os braços, estava começando a ficar frio neste local.

-Vamos reunir todo mundo e sair atrás do Alan e daquele garoto que estava com ele no palco. Você viu algum dos garotos ou sabe onde eles estão? - Pac me pergunta olhando para os arredores.

-Todos eles foram ver o resultado do vencedor de melhor Cosplay. Eles devem estar ali dentro ainda, ou já saíram. - Digo batendo meus dentes uns contra os outros. - Você não está sentindo frio não? - O pergunto.

-Ali! Eles estão ali, vamos! - Pac puxa meu pulso e quase tropeço. Corremos na direção deles tentando desviar da multidão de pessoas que estão na nossa frente.

-Gente, não precisa apressar. E aí, você viram quem foi o vencedor? - Pergunta Felps.

-Vimos sim. Eu vou ligar para o Pk e perguntar aonde ele está. - Pac diz com as mãos nos bolsos.

P.O.V Pac

Abro os meus contatos e seleciono o contato do Pk. Ligo e o espero atender. Rápido, rápido, rápido...

-Pac, aonde você está?

-Eu que te pergunto. Aonde você está?

-Eu estou aqui fora. Acho melhor você vir aqui logo. Acho que eles estão se preparando para voar.

-Estou indo! 

Desligo o celular e o boto de volta em meu bolso. 

-Anda gente, não temos muito tempo. Temos que ir lá para fora imediatamente antes que o percamos. - Digo para todos do grupo.

Corro para a saída e todos me seguem. Olho para os lados e não vejo nada. 

-Ok, Eu, Calango e Cellbit vamos por aqui. MIke e Felps, vão por ali. Se acharem algo nos liguem. - Aponto as nossas direções e continuamos a correr. 

Nossa Alan, você se mete em cada uma, viu?! Estar aqui nesse país do outro lado do mundo. Ai ai, só você mesmo. Espero que você esteja bem e que esse garoto não esteja fazendo mal a você.

Depois de tanto correr, escutamos uns barulhos e o que parece ser um pedido de desculpas vindo de um beco. Chegamos lá e vemos Pk no chão, todo machucado no rosto e implorando para viver. Isso podia se tornar em algo mais horrível ainda: Alan estava com a espada apontada para Pk e queria finca-la nele. Seu olhar é assassino e o garoto que estava com ele está desacordado ao lado de uma lixeira. O que está havendo com você?

-Alan, por favor, não faça isso comigo! Eu te imploro! - Pk implora já no chão.

-Meu nome não é Alan! - Ele dá um grito e elevada sua espada, colocando mais pressão para que o impacto fosse maior.

-Alan, pare! - Me meto no meio e paro a espada dele bem no ato. Empurro Pk para trás de mim.

Jogo a espada dele no outro lado do beco e ele me encara furioso. Ele corre até mim.

-Parece que seu pai o ensinou bem a como usar esses poderes, não é? - Alan se joga para cima de mim e fica de joelhos. - Vamos ver se você aprendeu algo com isso. - Ele me dá socos consecutivos no rosto.

-Alan, pare com isso! - Cellbit diz. Ele e Calango vão para cima de Alan, mas o esforço é inútil, já que Alan os joga contra as paredes do beco. Eles ficam desacordados, o que só aumenta minha raiva.

-Meu nome não é Alan! Eu sou o Deus de todos os Anjos! E vocês são apenas mais uns mortais no meu caminho! - Alan diz com toda a raiva e abre suas asas, que eram de um metal prateado.

Suas asas apontam para mim. Sou mais rápido e consigo usar meus poderes mais um vez.

-Alan, não me obriga a fazer isso, por favor! - Eu imobilizo o corpo dele com meus poderes. Sinto uma leve tontura, mas ela passa.

-Ande logo! Me mate e me tire desse sofrimento! - Ele pede.

-Eu não quero fazer isso...

Eu o controlo e o jogo contra as duas paredes e o deixo cair de uma altura mediana. Pego a lixeira e a faço de uma espécie de corda de ferro extremamente forte, para que pudesse tentar prende-lo. Caio no chão com a fraqueza que meus esforços deram. Quando respiro ofegante, começa a chover e ouço um barulho de ferro sendo partido. Oh, não, a corda não deu certo. Ele se levanta com mais fúria e corre em minha direção. Coloco meu braço em frente ao meu rosto e espero levar a pancada que possivelmente me mataria. Felizmente, algo acontece. Abro meus olhos e percebo que ele esta preso em uma espécie de bolha roxa. Um campo de força? Levantando, eu vejo Alan aprisionado ali e posso ver que seus olhos estão completamente negro e umas veias negras saem deles. Oh, não.

-Fujam! - Uma voz fraca vinha de de trás do campo de força. Caminho até a voz, enquanto Alan tenta escapar do campo. Era aquele garoto que estava com ele. - Vocês não têm muito tempo! Fujam! - Ele diz mais uma vez, já com a voz mais fraca.

Ouço passos de corridas e olho para trás, Vejo Mike e Felps assustados.

-Nos ajudem! Peguem eles. Vamos sair daqui antes que Alan consiga escapar do campo de força! - Digo.

Os garotos me obedecem e ficam com os outros apoiados em seus ombros.

-Aonde você vai, Pac? - Mike grita.

-Não vou deixar esse garoto morrer! - Pego ele nos braços o mais rápido que posso. 

Ele estava com um ferimento, o que deixou tudo mais difícil. Tropeçamos no chão e, por azar, o escudo se rompe e o garoto desmaia do meu lado. Ah, não, não, não!

-Rápido, os dois, peguem na minha mão agora! - Grito e eles me obedecem.

Penso logo no nosso quarto e lá aparecemos. 

Eu, Mike e Calango ficamos ofegantes, enquanto os outros estavam desacordados. Que não estejam mortos.

-Coloquem eles nas camas, agora! - Dou a ordem aos garotos e eles me respondem no mesmo instante.

Eles tiram aquele garoto do meu ombro e o colocam na cama. Eu levanto e respiro fundo. 

-Pac, vem dar uma olhada nisso daqui! - Mike diz aterrorizado com o que vê.

Eu olho e vejo uma coisa horrível. A carne dele parecia, podre. Seu sangue era preto e ele estava ficando de cor branca. O que está acontecendo com ele?

-Mike, vá curar Cellbit e Calango. Eu e Felps vamos analisar isso daqui com mais cuidado. 

-Ele voltou. - Felps diz aterrorizado e se afasta devagar do corpo do garoto.

-Quem Felps? O que está acontecendo? - Pergunto em pânico.

-Sanfity, ele voltou. - Felps diz se assentando no colchão. - O que eles fizeram de errado? - Felps diz com as mãos no rosto já chorando.

-Ei, Felps, o que aconteceu? - Pergunto me chegando perto dele.

-Essa entidade já foi aprisionada uma vez.. essa maldita entidade. Mas ela conseguiu escapar, como isso é possível? 

-Olha Felps, eu não sei, mas temos um problema maior aqui para resolver. Vem, me ajuda a socorrer esse garoto. - Digo tentando o animar.

-Não podemos ajuda-lo, Pac. Não aqui. - Ele diz.

-Então o que vamos fazer? - Pergunto já impaciente.

-Temos que ir para minha casa para pegar alguns ingredientes. Será que você pode me levar lá? 

-Rápido! - Digo o oferecendo minha mão. - Mike, já voltamos. Cuide bem deles. 

-Eu vou! - Mike diz enquanto lança seu poder nos três meninos.

-É só você pensar na sua casa e lá aparecemos. Seja preciso e se concentre. - Aviso a Felps.

Fechamos nossos olhos e sinto que o teletransporte aconteceu. Estamos aqui.

-Anda, vai pegar o que você precisa. Vou te esperar aqui. - Digo a ele.

Felps sai do quarto correndo. Estava de dia, obviamente. Olho ao redor do quarto dele e vejo algumas coisas. Ele tinha muitas fotos de família e muitos posteres também nas paredes. Ele tinha uma mini biblioteca em sua parede, recheada de livros. Parece que alguém gosta mesmo de literatura.

-Já peguei tudo que preciso e um pouco mais. Vamos? - Diz Felps chegando cheio de potinhos de vidro em suas mãos.

-Vamos! 

Coloco minha mão nos ombros dele e voltamos para o quarto. Mike ainda está curando eles.

-Eu vou preparar a poção. Não toquem, em hipótese alguma, no sangue desse garoto. É corrosivo. - Ele nos adverte.

Vou para mais perto do garoto e percebo que a ferida dele está pior. 

-Felps, se der para apressar as coisas, seria bem melhor. 

-O que aconteceu? - Ele diz saindo da cozinha com um copo de água na mão e um frasco na outra.

-Ele está pior. Olha só. - Dou espaço para Felps o enxergar melhor. 

-Ah, não, eu esqueci! - Ele se vira para Mike - Mike, não cura ele. Sua cura é como um veneno para ele. Quanto mais o cura, pior ele fica. Só se concentra nos dois mesmo, eu cuido dele. - Ele volta para a cozinha em passos rápidos.

-Mike, acho que pelo tempo que você está os curando e pela potência do seu poder, eles já devem ter ganhado um corpo novo. - Digo a Mike.

-Essa situação me deixou nervoso. Quero me garantir que não vou perder meus únicos amigos. - Ele diz cessando seus poderes. 

-Você não vai nos perder, eu prometo. - Digo indo até ele.

De repente, o garoto começa a ter uma convulsão e a espumar pela boca. 

-Ah, não. Mike me ajuda! - Vou em de volta ao garoto e Mike vem junto.

-Se acalme! A gente tem que deixar ele de lado e o mais confortável o possível. Pega esse travesseiro para mim e tira essa faca daqui! 

Faço tudo que Mike pede e, graças a Deus, Felps chega na hora. 

-Muito bem pelo que fez, Mike. Agora, me deem licença. - Ele coloca o copo com a poção do lado da cama.

Damos espaço a ele e o mesmo começa a dizer algumas palavras estranhas, como se recitasse algum feitiço ou coisa parecida. De repente, símbolos circulares e triangulares aparecem em suas mãos de cor verde, como se fossem os do Doutor Estranho. Ele passa sua mão pela superfície do corpo do garoto ainda falando as palavras estranhas. Ele eleva suas mãos e as joga no corpo do garoto. O garoto fica imobilizado na hora e Felps, rapidamente, levanta levemente as costas do garoto e o dá a poção. Depois, o deita normalmente. 

-Você é um feiticeiro? - Pergunto me aproximando.

-Não, apenas leio livros. - Ele diz com um sorriso de canto no rosto. - Vamos ter que deixá-lo assim até que ele acorde naturalmente. Ou seja, façam a menor quantidade de barulho possível.

-Nossa, - Mike se joga no sofá. - Esse dia foi louco. Primeiro o Alan que ataca vocês sem mais nem menos, depois esse garoto misterioso e agora essa entidade ai? Acho que vou chamar a nossa vida de Stranger Things. - Mike nos olha a fim de quê riamos da piada dele.

-Ai Mike, só você para quebrar o clima desse jeito. - Felps diz com um sorriso de canto.

-Gente, vamos dormir? - Digo bocejando. - Esse dia foi muito cansativo. 

-Vamos, mas antes, acho que a gente deveria tomar um banho e tirar essas roupas de Cosplays. Estamos fedendo igual carniça.  - Felps diz. - Eu vou primeiro.

P.O.V Mike

Depois que todos nós tomamos banho, eu e Pac fomos nos deitar. 

-Ah, antes que eu me esqueça. - Felps diz indo em minha direção. 

-Expectus, Expectus..... - Ele diz isso e dá estalos em cima de nossas testas. 

-Para quê isso?- Pac pergunta estrahando. 

-É para livrar nossas mentes das garras de Sanfity. - Ele diz fazendo nos outros garotos. - Expectus...

-Vem cá, quem é esse Sanfity que você falam? Algum sugador de mentes? - Mike pergunta.

-Ele é a pior entidade que você pode imaginar, mas amanhã a gente explica melhor. - Felps diz. - Protectus Expecti - Diz Felps para o quarto inteiro. - Pronto, agora podemos dormir tranquilos. 

-Boa noite. - Diz Pac.

-Boa noite. - Diz eu e Felps juntos.

Desligamos as luzes e fomos dormir. Cellbit estava gemendo na outra cama. Deve que está tendo algum sonho. 

 

 

Continua????


Notas Finais


É gente, mais um capítulo.
Quem é esse garoto misterioso? Algum chute?
Bom, eu não sei de nada.
Espero que tenham gostado do capítulo.
Bjus com Cupcakes de (Não tenho mais ideias para sabores de Cupcakes)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...