História MITW - Picture - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Gabieby, Linnyker, Mike, Mikhael Linnyker, Mitw, Pac, Tarik, Tazercraft
Exibições 146
Palavras 1.390
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Escolar, Lemon, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


DESCULPA
tive q resumir minahs ideias pq tenho aula amanhã
BEIJOS AKISEEE
não é romantização, vcs vão entender tudo depois.

Capítulo 3 - Like a stranger


Tarik acordou em sua cama. Ele olha em volta, e estava sem roupas, sob um lençol fino e branco. O sol lá fora provavelmente estava alto, apesar de que quase nenhuma claridade penetrava pelas cortinas negras.

Não se lembrava de ter subido, mas ao sentar, sentiu a dor de cabeça, presente da ressaca. Tarik se levanta, puxando de leve a cortina que dava para a vista privada do andar inferior, onde a piscina ficava.

Lá estava ele. Não demorou muito para que Pac se lembrasse. Muitas horas depois de começar a beber, quando já era quase manhã,  quando ele chegou.

Não disse uma palavra, apenas o levou praticamente carregado até o andar de cima, enquanto Pac tagarelava sobre ele finalmente estar ali, e perguntar o que fariam de bom, comentar que sentiu sua falta.

Mas não obteve nenhuma resposta. Apenas uma pergunta foi feita.

-Você tirou as fotos, como eu mandei?

Tarik balançou a cabeça positivamente. Mas ao se lembrar de cada momento, que foi obrigado a passar perto de Linnyker, ele se irritou profundamente, falando coisas sem nexo e num tom bem alto.

-É necessário...

-Não.. –Choramingou, ao ver a seringa diante de seus olhos. Mas ainda estava alterado, mesmo já deitado na cama.

-Sim querido.... Mas vai passar... Tudo isso vai passar...

Tarik sentiu a agulha penetrar em seu corpo. Foram questão de minutos para que a reação ocorresse. Ele já via alguns objetos levemente duplicados. Sentiu o peso do corpo do homem sobre o seu, enquanto cada peça de roupa sua era retirada.

Uma lágrima saiu de seu olho esquerdo, enquanto sua consciência estava cada vez mais fraca.

Ele volta a si, olhando o andar de baixo. Aquele homem nadando em sua piscina. Tarik saiu do quarto, com seu roupão apenas, que não escondia muito de seu corpo nu, aberto como estava.

Tarik bebe um copo de água na cozinha, saindo pela porta de vidro que daria na piscina.

O homem olha para ele.

-Bom dia, Stev.

Tarik não responde. Apenas entra na piscina, mesmo com roupão. Ele beija aquele homem que o afasta no mesmo instante.

-O que foi isso? –Tarik não responde. Apenas continua o encarando. Sua mão vai até o cós da sunga dele. O homem segura sua mão por um instante. Mas depois deixa que Pac faça o que queria.

Sem dizer mais nenhuma palavra, os dois fazem sexo juntos na piscina.

E os remédios, somados á ressaca, já não deixavam Pac tonto e enjoado como antes.

 ***

-Alô.

-Tarik são quase seis da tarde. Você não pode mais se atrasar tanto par as fotos!

-Eu tô no carro Liz. -fala para o celular no viva voz.

-Vem logo. Se ele marcou esse horário, provavelmente é por causa da iluminação.

-Qualquer fotógrafo de esquina sabe editar uma foto pra ficar iluminada como ele quer.

-Que seja. Você tem que andar logo.

-Estou a quase 200 por hora. –Tarik responde.

-Ótimo.

Alguns minutos se passaram e Tarik chegou, saindo do carro. Os óculos escuros escondiam sua cara de sono. Ele não queria estar ali.

Não demorou fechar sua expressão, ao ver Linnyker que esperava escorado num carro, com todos os aparelhos prontos para as fotos.

-Eu pedi pra estar aqui ás...

-Que se dane. Vamos logo com essas malditas fotos. Eu estou cansado.

Ninguém respondeu. Tarik apenas entrou em seu próprio carro, para vestir as roupas e os sapatos da marca para a qual estava modelando.

Liz se aproximou de Mike.

-Me desculpe, eu não sei o que está acontecendo com ele, ele geralmente não é assim.

-Sim ele é, eu conheço a reputação que ele tem.

Liz desviou o olhar.

-Mas sim, comigo parece ser pior. Normalmente ele leva as pessoas com quem trabalha pra cama. –Mike fala dando um sorriso. Mas percebendo sua própria fala, fica sério novamente. E pela cara de Liz, com ela não tinha sido diferente.

Dois minutos depois Tarik sai trocado do carro. Ele sorri para Mike, como se nada tivesse acontecido. Nunca.

-Vamos?

Mike apenas assente. Não conseguia olhar em seus olhos por mais que... dois segundos? Talvez menos. Era bem pouco.

Tarik cruzou os braços abrindo um pouco as pernas posando para a primeira foto, contra a luz do por do sol. , Mike começou a tirar as fotos enquanto ambos mudavam de lugar e posição. As outras pessoas faziam um comentário ou outro, ficando em silêncio ou conversando apenas entre si. Mas Mike não ouvia nada. Para ele, só existiam a câmera, e Tarik. Aqueles sorrisos, aqueles olhares, ele não podia deixar de imaginar que fossem pra ele, não para uma revista de uma marca famosa.

Sua mente conseguia voltar no tempo e imaginar, que tudo estava bem. Não que não estivesse. Ele tinha se dado bem na prova, estava se formando, tinha muito bem como se manter e era independente. Do que mais ele precisava? Nada.

Mas quando basta o olhar de alguém, para fazer você querer se esconder do mundo, fazer o próprio trabalho normalmente parece cada vez mais difícil. O que ele faria depois da sessão? O que tinha feito antes? Ele gostava de jogar alguma coisa? Sua cor favorita ainda era azul? Quais planos ele tinha pro futuro?

Se fossem bons amigos, ele ainda poderia perguntar isso. Como se voltasse a ver alguém que não via a muito tempo. Eles trocariam abraços e tomariam alguma coisa juntos, rindo dos casos antigos.

Mas nada disso aconteceu. Tarik apenas posava para as fotos, trocava as roupas e se mantinha voltado para a câmera. Não olhou uma vez sequer para Mike. Olhou, claro. Mas não parou pra fazer isso. Era como se fossem completos estranhos.

Mike se sentia incomodado sobre isso. Depois de conviverem tanto, olhar no que se tornaram. Pessoas totalmente alheias a existência um do outro.

E Mike sabia da raiva de Tarik. Isso era o pior. Estava estampado em seu rosto, suas expressões e suas atitudes. Não era nenhum ódio, inimizade mortal. Mas agir como se a existência dele fosse indiferente, desimportante.

As fotos acabaram. E enquanto Liz conversava com Tarik, que não dava muita atenção para a mesma, ainda atento ao celular, Mike foi conversar com Leo.

Eles falaram pouco, Mike alegou estar cansado. Uma chuva começou, e eles entravam no carro de Leo, enquanto Tarik arrancava com seu carro.

Muita lama veio na direção dos dois amigos e do carro.

Leo xingou um palavrão enquanto Mike ainda olhava surpreso para a própria roupa.

-Porque esse cara é tão filho da puta, yo?

-Vamos embora Leo.

-Na próxima sessão, você vem sozinho. Sei que disse que ia te apoiar, mas posso fazer isso de longe, certo? Eu não aguento mais esse metido a besta reclamando assim. A próxima vai ser sobre halloween. Eu não tô afim yo.

-Só, vamos embora, tá? –Mike disse num tom um pouco alterado. Leo assente, entrando no carro. Passou o caminho todo reclamando, enquanto Mike apenas olhava pela janela, devaneando.

Eles pararam na porta do apartamento de Mike.

-Caramba, Leo! Eu esqueci de uma coisa. Tenho que levar o material do estúdio de volta. Você pode me dar uma carona?

-Foi mal, mas eu teria de contornar tudo de novo, e o trânsito tá um inferno.

-Ok... Você não vem mesmo, depois de amanhã?

-Não, me desculpe, mas meu sangue porto-riquenho ferve, eu sinto vontade de bater na cara dele.

-Tudo bem... Dirija com cuidado.

Leo sorriu. Mike correu na chuva tentando proteger a si e á mala. Um taxi passou e ele acenou.

Era madrugada quando conseguiu voltar pra casa. Ele estava molhado e cansado demais para qualquer coisa.

Mike coloca seu material no canto da mesa e foi tomar um banho. A água quente era relaxante.

Ele ia para o quarto, mas resolveu secar a mala retirando tudo.

-Porque não? –Perguntou a si mesmo, enquanto começava a checar as fotos. Uma foi sem querer enquanto Tarik tirava a blusa. Havia uma mancha roxa, pequena em seu braço que Mike notou por meio do zoom. O que era aquilo?

Mike deixou a câmera de lado. Não devia olhar nada, estava tudo certo. Depois excluiria as que não forem selecionadas.

Agora tinha que focar apenas em descansar e relaxar. Isso até o dia seguinte, onde encontraria Tarik mais uma vez.

A sorte é que tudo aquilo estava no fim, e eles voltariam a ser estranhos.


Notas Finais


comenta? kajsijaid


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...