História MITW - Picture - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Gabieby, Linnyker, Mike, Mikhael Linnyker, Mitw, Pac, Tarik, Tazercraft
Exibições 147
Palavras 1.616
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Escolar, Lemon, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


[LEIA AS NOTAS FINAIS]

Capítulo 4 - Transtornado


Era a última e a mais demorada sessão. Tarik trocaria de roupas e maquiagem várias vezes, então provavelmente demoraria muito mais. Mike resolveu chegar quinze minutos mais tarde, porque Tarik sempre atrasava praticamente uma hora.

Bom, pelo menos tinha sido assim das outras duas vezes. Era a semana de halloween, e a equipe de Mike não o acompanhou. Equipe, no caso, se tratava de Leo, porque Rob não gostava muito de Linnyker. E Leo assegurou que não viria, ou seja: Estava sozinho. A sorte é que Liz provavelmente estaria junto, para acalmar os ânimos. Mike paga o taxista em frente ao prédio do estúdio. O elevador estava estranho, dando estalos, então Mike resolveu ir pelo lance de escadas, calmamente.

-Essa não...

-Alguém havia arrombado a porta, porque esta estava entreaberta. Mike deixa a maleta na porta sem fazer nenhum ruído. Ele entra lentamente no estúdio.

-Mas o que? ....

Tarik estava se levantando e fechando o zíper da calça, enquanto a modelo que trabalharia com ele se vestia também. Linnyker se virou de costas, com uma das mãos na testa. O que diabos ele estava fazendo? Ela se vestia rapidamente, olhando para Tarik que apenas colocou as mãos nos bolsos.

A mulher estava totalmente sem jeito, mas  ele  agia como se nada tivesse acontecido, com uma expressão neutra.

-O que você pensa que está fazendo? –Mike perguntou elevando a voz.

-Você fica na sua, fotógrafo de merda! Foi você quem atrasou!

Mike partiu pra cima dele, segurando a gola de sua blusa, com punhos  e dentes cerrados.  Estava cansado de ser tratado daquela forma. Tarik tinah que aprender o que era passado, por bem ou por mal.

-por favor, parem...

-Você não se meta! –Tarik falou de volta. Ela recuou assustada com o grito, enquanto ele voltava a encarar Linnyker. Ele estava furioso.

-Sorte que hoje é o último dia. Estou cansado de lidar com uma criança feito você! –Mike o soltou, recuando e voltando a colocar uma mão na cabeça.

Nesse instante, Liz chegou com o maquiador, pedindo desculpas. Os três dispersaram, tentando disfarçar.  Tarik apenas olhava para a janela e a moça se mantinha quieta.

-O que aconteceu? –Ela perguntou.

-Nada. –Mike respondeu num tom ríspido, montando um dos tripés, enquanto o maquiador se aproximava de Tarik que sorria. Era ridícula a forma como ele mudava de humor, ou conseguia encobrir como realmente se sentia.

Mas sua expressão estava tão tranquila, que parecia mesmo real. Mike evitou troca de olhares, fitando apenas a câmera. Primeiro, Tarik foi maquiado com uma cor bem branca na pele, e usava lentes vermelhas. Seu cabelo foi eriçado com gel e vestiu um terno branco manchado de vermelho na linha do peito. A mulher se vestiu com uma langerie preta, e havia maquiagem vermelha em sua pele também. Não demorou muito e Linnyker começou a tirar as fotos.

Os flashes e ângulos captavam cada movimento de Tarik. Um quase beijo na modelo, uma simulação de mordida em diversos lugares. Mike só queria que aquilo acabasse logo. Ele repetia em sua mente que não teria que fazer isso de novo, e isso o tranquilizava. Mas era inegável que Tarik ficava bem em qualquer roupa, em qualquer estilo. Ele tinha uma personalidade marcante nas fotografias.

As roupas e maquiagens foram trocadas, e meia hora depois, Voltaram a fotografar.

-Intervalo. –Mike falou simplesmente, se afastando da câmera. Teve que fazer isso,  pois não suportava mais olhar para aquele cara. Linnyker saiu para a sacada, bebendo toda a água em sua garrafa. O estúdio parecia estar quente, estava incômodo demais continuar ali.

Várias lembranças antigas e recentes colidiam na mente de Mike, e ele não conseguia ligar o que conheceu antes, com aquele modelo que via naquele momento. Era como se fossem duas pessoas totalmente diferentes. Mas isso não era da sua conta. Ele respirou fundo antes de voltar.

-Onde a Lety foi?

-A parte dela acabou, Mike... –Liz argumentou, mostrando a caderneta onde tinha tudo anotado. Tarik saiu de dentro da sala anexa, e limpava a marca de batom da garota em seu rosto. Se jogou na poltrona, enquanto o maquiador fazia seu trabalho. Liz foi buscar água, parecia mesmo estar calor ali. O estranho era que o ar estava ligado.

-Ele não pode suar. –O maquiador argumentou, passando pó. –Mas ele não precisa de muita coisa agora.

Mike tentou desviar o olhar, mas não o fez. Observava cada movimento das mãos do homem sobre o rosto de Tarik. Mas quando o mesmo abriu os olhos para se levantar, Linnyker se virou de costas voltando para as câmeras. Queria que as coisas fossem diferentes.

-Só temos mais essa parte. –Falou num tom calmo, como que para se desculpar pelo ocorrido. Mesmo sendo Tarik o errado, se sentia mal por quase ter batido nele. Tarik assente uma vez, voltando para o foco. Mike trouxe o sofá, o empurrando novamente para o local iluminado.

-Sentado de novo. Depois em pé, de costas e teremos acabado. Podemos fazer uma como se estivesse escorado numa parede, eu edito tudo e envio no fim da semana ou no início da próxima.

-No fim da semana. –Tarik falou, sentando no sofá. Abrindo um pouco as pernas e apoiando os cotovelos nas coxas, de uma forma relaxada. Ele tinha realmente um estilo próprio e marcante. Mike trocou as câmeras, indo em cada uma para as fotos. Ele fazia o trabalho com o máximo de atenção e seriedade possível, para que saísse perfeito e ele se livrasse logo. Sua festa de formatura o aguardava em breve. Ele aproveitaria com tudo e esqueceria facilmente que voltou a cruzar com Pacanhan.

Liz e o homem se manteram afastados, e o ambiente parecia mais descontraído a cada sugestão de Mike para posicionamento.

-Vira mais pra direita Pac.

Tarik parou no mesmo instante, o encarnado por chamá-lo assim.

-Desculpa.

-Não estávamos quase no fim?

-Temos mais dois tipos de angulação e acabaremos... Nós só.... –Mike foi interrompido em sua frase, por uma queda de energia. Todos os aparelhos foram desligados.

-O que foi isso?

-Eu não sei, Liz. Talvez algum problema nos fusíveis, no exaustor.... Eu vou conferir.

-Então acabou por aqui? –Tarik perguntou se levantando.

-Não, temos que terminar hoje.

Tarik se escorou na parede puxando a gravata. O calor parecia ter aumentado para ele. Linnyker foi na parte de trás do estúdio, puxando a caixa do padrão elétrico. Ele entendia um pouco sobre.

-Acho que foram os fusíveis, Liz.

-E agora?

-Não dá nada. Na rua atrás do prédio tem uma venda, deve estar aberta ainda. É de um morador local, ele fecha as nove. Eu vou comprar.

-Não, eu vou, por favor tenta ajeitar o ar-condicionado, ou vamos morrer aqui dentro antes de terminar. O Brian vai comigo, ele precisa ir embora, tem horário marcado com uma noiva...

-Só não demore, precisamos acabar isso logo.

-Liz... Eu não estou...

-Calma, Tarik, eu volto em dez minutos. –Ela disse abrindo a porta e saindo. Com a porta aberta, a luz externa iluminou um pouco o estúdio. Tarik havia tirado o colete e puxado a gravata, ele não aprecia bem.

-Algum problema?

-Eu... Não consigo lidar com esse escuro... o calor...

-Senta no sofá, ela já vem. –Mike falou, subindo numa cadeira e alcançando o ar.

-Acho que encontrei o problema. É uma má conexão dos cabos, o ar estava ligado mas não estava com potência. Vem, fica aqui embaixo, senta no sofá, seu mal estar vai passar.

Tarik continuava a puxar a gola, enquanto andava até lá. Mike desceu, parando em frente ao sofá.

-Aqui está meio claro também. –Tarik assentiu, ele parecia suado, e tinha a testa franzida e olhos fechados.

-Me desculpe por hoje mais cedo.

Tarik não respondeu, se escorando recebendo o vento frio.

-Eu não ia bater em você.

-Eu estava esperando que vacilasse, pra eu te colocar atrás das grades.

Mike se irritou novamente.

-Você invadiu o estúdio pra transar com sua colega de trabalho e eu sou o errado?

-Não invadi. Estava aberta. Algum idiota apenas fechou a porta.

Mike parou para pensar. Talvez tivesse se esquecido de trancar, estava tão apressado...

-Não importa. Aqui não é hora nem lugar.

-Eu não costumo obedecer esse tipo de regra. –Tarik arregaçou as mangas olhando para Mike por um segundo.

-O que é isso? –Mike perguntou apontando para seu braço.

-Nada. –tarik voltou a puxar a manga.

-É algo sim, eu vi um igual ontem nas fotos. Parece que alguém errou a sua veia.

-Eu fui doar sangue.

-Não estou vendo o curativo.

-Eu tirei.

-Foram duas vezes seguidas?

-Isso não é da sua conta! –Tarik gritou.

O silencio se manteve por alguns segundos, que pareceram longos demais.

-Tem razão. –Mike deu dois passos, se sentando no sofá. Tarik se afastou, olhando para o outro lado. Eles ficaram assim por um bom tempo.

-O que aconteceu?

-Também quero saber, ela está demorando demais, mal posso esperar pra sair daqui de uma vez por todas.

-Não estou falando da sua assessora. Estou falando de você.

-Já disse que não é da sua conta.

-Porque, porque você ficou assim?

-É melhor você calar a boca...

-Foi depois do que aconteceu?

-Eu mandei calar a boca! –Tarik gritou, se virando para ele e segurando seu braço com força.

-Mas esse é o problema. Você não tem poder nenhum sobre mim. –Mike respondeu num tom calmo. Tarik estava transtornado. E ele estava determinado a descobrir porque.  Seu comportamento era totalmente instável, não o de uma pessoa qualquer.

E isso foi ainda mais comprovado, quando ele passou uma das pernas pelo outro lado das de Mike, montando em seu colo. E o beijando como se fosse a última coisa que faria no mundo.


Notas Finais


Gente, de inicio parece aqueles clichês de ódio gratuito. MAS GARANTO que não é. Vocês vão entender quando a historia inteira for contada, e vão começar a gostar do Pac.
ou não kkjkj
O fato é que ele tá piradão, então por enquanto ele vai continuar agindo estranho sim, sorry. Depois vou trazer explicadinho sobre o transtorno dele e os motivos. Mas coloquem na cabeça de vocês, não é um clichê de amor e ódio
bom, espero que não seja kkk

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...