História Mitw-Monte Castelo - Capítulo 86


Escrita por: ~

Postado
Categorias Felipe "Febatista" Batista, Felipe Z. "Felps", João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Felipe "Febatista" Batista, Felps, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "LubaTV", Lucas Olioti, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellps, Drama, Escola, Jvtista, L3ddy, Mistério, Mitw, Romance, Youtubers
Exibições 282
Palavras 3.119
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ecchi, Escolar, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Fala galera!
caralho que cap trabalhoso da porra...
ter que postar de madrugada é o uó...
mas aqui está,como prometido um cap bem cheiroso pra quem quer ler...
vocês perceberam que o número de caps diminuiu correto?
não?
bem,diminuiu,esse era pra ser o cap número 90,porém é o 86.
por quê?
bem,eu tive que excluir os #drops que eu havia escrito,afinal não fazia sentido mantê-los lá se o recado já havia sido dado...
só isso...
e atenção que o cap tem música então já vá para as notas finais e clique no link ok?

boa leituraS2

Capítulo 86 - Operação L.3.D.D.Y parte final-O garotinho...


~~~~(POV LUCAS)~~~~

 

Depois daquela discussão com os viadinhos eu decido sair dali, acho que não seria boa ideia entrar numa briga no início da minha estadia aqui, ainda mais se eles disserem que foi por homofobia...

Então eu percebo que há um grupo de garotos me seguindo, nunca é bom sinal ser seguido por um grupo de pessoas...

Eu decidi então apertar o passo tentando não parecer nervoso, mas eles continuam me seguindo.

"O que eles querem!?"-eu penso enquanto tento despistar eles sem sucesso...

Então eu chego num beco sem saída...

Eu me viro e vejo aquele grupo de pessoas parados no final do corredor...

Lucas-o-o que v-vocês querem d-de mim...?-eu pergunto tentando não transparecer o meu nervosismo.

???-nós ouvimos a sua conversa agora a pouco,então você acha que Gays são aberrações não é? Acha que é isso que somos hm?-ele pergunta cruzando os braços e me encarando,eles estavam em quatro pessoas,e eu sabia que não havia como gritar por ajuda,estava muito longe de qualquer um...

Lucas-não acredito que vocês também ficaram putinhos por eu ter falado isso....

???-acontece que nós não gostamos de quem nos chama de aberração...- ele diz se aproximando...

Lucas-não é problema meu...agora se me dão licença preciso voltar ao meu quarto...-eu digo tentando passar por eles,porém um deles me pega pelos ombros e me joga no chão me fazendo cair com tudo.

Lucas-filho da...-sou interrompido pelo soco de um deles enquanto tentava me levantar,o soco me faz ir ao chão novamente,dessa vez aturdido pela potência do soco.

Logo todos começam a me bater conjuntamente me fazendo perder a noção dos sentidos,tudo o que eu podia fazer era tentar,em vão,proteger a cabeça e o rosto dos golpes,tudo doia...

De repente eu sinto eles me pegarem e me lançarem perto de algum lugar,e então tudo fica escuro...

 

~~~~(POV LUBA) ~~~~

 

Luba-ai meu Deus o que houve com ele...?-eu pergunto chegando mais perto do corpo de Lucas estirado no chão...

"Pelo menos ele está respirando..."-eu penso enquanto checo os sinais vitais dele...

Pac-deixa ele aí,se apanhou foi por um bom motivo...-pac diz olhando friamente pro Lucas que ainda jazia desacordado...

Luba-pac ele está machucado! Não podemos simplesmente deixa-lo aqui desse jeito!-eu digo indignado pelo o que ele me sugeriu.

Cellbit-Karma é uma merda...aqui se faz aqui se paga...

Jv-ele nos xingou Luba,nos chamou de aberrações! Como você pode ajudar ele depois disso?-jv pergunta e eu pego ele no colo.

Luba-simples,ele precisa de ajuda,e eu vou ajudá-lo...-eu digo e começo a carregá-lo para o quarto deixando-os lá.

No quarto eu o coloquei delicadamente sobre a cama,observando de perto ele é até bonitinho...

Eu retiro o moletom de cima dele junto com o boné que ele usava, então eu fui até o banheiro e peguei a maletinha de primeiros socorros embaixo da pia.

Eu vi que por debaixo da camiseta que ele usava haviam alguns cortes em aberto,eu levantei a camisa dele e meu deus! Ele era bem gostoso...mas também haviam vários ferimentos no abdômen dele,ferimentos de cortes...muito estranho...eu limpei tudo o que consegui e fechei algumas feridas com curativos.

Eu percebi que ele também tinha vários cortes nos braços,mas esses eram menores e ja estavam cicatrizados...

"O que será que aconteceu com ele?"

~~~~(POV LUCAS)~~~~

 

Eu acordo com uma grande dor de cabeça...eu não me lembro direito o que aconteceu...

Vejo que estou sem meu moletom e estou coberto de curativos...curativos bem em cima dos meus machucados...

"Porra será que alguém descobriu...?"-eu penso enquanto tento me levantar da cama,logo sinto uma mão quente me empurrar de volta.

Luba-é melhor você descansar,seus cortes abriram então é melhor não fazer nenhum movimento brusco...- ele diz secando as mãos numa toalha.

Lucas-o que houv...-eu acabo sendo interrompido por uma massa de sangue que invade a minha garganta me fazendo virar e vomitar uma considerável quantia de sangue...

Luba-merda,deve haver danos nos orgãos vitáis...-ele diz pegando a toalha e limpando a minha boca de sangue.

“por que ele está me ajudando...?”-eu penso enquanto ele termina de me limpar.

Lucas-por que está me ajudando?-eu pergunto com a voz fraca por causa dos ferimentos.

Luba-você está machucado,não podia simplesmente deixar você lá...às vezes eu acho que sou idiota de mesmo depois de tudo ainda ajudar você...

Lucas-mas por que me ajudar depois de tudo o que eu fiz? Se eu fosse você teria me deixado lá...-eu digo com o olhar cabisbaixo.

Luba-essa é a diferença entre nós Lucas,eu acredito que no dia que nós pararmos de nos importarmos uns com os outros,esse será o dia em que perderemos a nossa humanidade...portanto,eu sempre ajudarei aquele que precisar sem discrimar a raça,o credo,o sexo e principalmente,sem discriminar aquele que foi ruim comigo...se alguém nos machuca devemos dar a outra face,devemos perdoar aqueles que nos fizeram mal...é nisso que eu acredito...

Lucas-me responda uma coisa luba...do fundo do seu coração...você acredita que até a pessoa mais malvada é capaz de mudar...?-eu pergunto e olho ele estranhar a pergunta.

Luba-sim...até a mais malvada pessoa pode mudar...pelo motivo certo...-ele me responde com seriedade,não havia um pingo de dúvida nas suas palavras.

Lucas-você acha que EU poderia mudar?-eu pergunto e ele mais uma vez se assusta.

Luba-mais uma vez,sim...até mesmo você pode mudar...

Lucas-e qual seria o meu “motivo certo”-eu digo fazendo aspas com os dedos.

Luba-talvez uma nova amizade...um novo amor...eu não sei...isso só cabe a você...por que irá mudar,por QUEM irá mudar,só você pode decidir...

Lucas-entendi...-eu digo desviando o olhar,ele se levantan voltando ao banheiro com a toalha-luba...?-eu digo e ele se vira antes de entrar no banheiro-obrigado por acreditar em mim...-eu digo e tento esboçar um sorriso que ele responde.

Luba-obrigado por tentar mudar...-ele diz e fecha a porta do banheiro,eu apenas me deixo levar pelo sono e acabo dormindo...

~~~~(POV LUBA)~~~~

####QUEBRA DO TEMPO####

Depois de um tempo eu percebo que o Lucas acabou dormindo,bom,assim ele pode descansar...

As cicatrizes no corpo dele...não consigo para de pensar em como ele pode tê-las conseguido...

“não quero forçar nada a ele,mas isso acabou me deixando preocupado...”-eu penso enquanto observo a calma e a serenidade dele dormindo...

“nem parece que há algumas horas atrás ele me chamou de aberração...”-eu penso rindo por dentro...

Luba-espero que você realmente mude Lucas...mude pra melhor...-eu digo baixinho enquanto faço um cafuné de leve nos cabelos dele...

Ele começa a se mexer e acaba acordando.

Luba-desculpa,não queria te acordar...

Lucas-não faz mal...que horas são?-ele pergunta coçando os olhos.

Luba-cinco da tarde...-eu digo olhando pra tela do meu celular.

Lucas-...-ele não diz nada,apenas fica olhando pro teto,pensativo...

Luba-lucas...?-eu pergunto olhando pra ele que desvia o seu olhar pra mim-por que você está todo cortado?Esses ferimentos não foram da sua briga com certeza,então como você conseguiu se cortar todo...?-eu pergunto e vejo algumas lágrimas se formando nos olhos dele.

Lucas-eu posso confiar em você...?-ele pergunta ainda olhando pro teto.

Luba-claro...

Lucas-posso confiar um segredo que você jamais deve contar a ninguém?Nem mesmo pra quem você gosta?-ele pergunta sério,aparentemente não vem coisa boa daí...

Luba-sim...pode confiar a sua vida a mim...

Lucas-...havia um garotinho...esse garotinho vinha de uma família milenar de religiosos...mas não eram qualquer tipo de religiosos,eram religiosos flagelistas...religiosos que acreditavam na expiação dos pecados através da auto-mutilação...os pais desse garotinho eram muito devotos a esse culto...mas o garotinho não...o garotinho tinha um pensamento diferenciado...e por mais que ele tivesse argumentos,os pais nunca o deixaram explorar o mundo...eles diziam que o mundo era cheio de pecado...e o garotinho não queria ter que expiar os pecados dele...não daquela forma tão brutal...com o passar do tempo o pequeno garotnho cresceu...virou um belo adolescente de quatorze anos...esse garotinho começou a ter desejos...não qualquer tipo de desejo...desejos sexuais...os pais do garotinho sabiam disso,eles explicaram tudo que o garotinho precisava saber sobre relacionamentos...porém,diferentemente do que os pais ensinaram,o garotinho não tinha desejos sexuais por uma garota...não...era algo bem mais perigoso...algo bem mais perigoso pra ele...Vitor Hugo...esse era seu nome...um belo rapaz,o melhor amigo do garotinho,era um rapaz de cabelos longos e sedosos que ele fazia questão de deixar ao vento,olhos castanhos claros e uma lingua meio presa que ele detestava,mas que o garotinho achava extremamente fofo...eles eram mais próximos do que casca e árvore,sempre faziam tudo juntos e os pais do garotinho aprovavam essa relação,mesmo ele não seguindo tecnicamente a mesma ceita,Vitor Hugo era um garoto esperto,bonito e acima de tudo,obediente...conhecia a bíblia de cór e salteado e era um amante do saber,adorava ler e interpretar grandes volumes da literatura pro garotinho,era a atividade favorita deles,pro Vitor Hugo pois ele gostava de ler e interpretar e pro garotinho porque ele adorava ver como Vitor Hugo ficava feliz cada vez que faziam isso...era benéfico para os dois...um dia,Vitor Hugo e o garotinho estavam debaixo da sombra de uma árvore observando a paisagem enquanto o garotinho fazia uma massagem e cafuné no couro cabeludo de Vitor Hugo que já havia deixado escapar que adorava isso...estava tudo perfeito...era o momento perfeito...o garotinho já planejara há meses fazer isso...já inclusive chegara a sonhar com esse momento...era a hora do tudo ou nada...num movimento rápido o garotinho rouba um beijo do Vitor Hugo que de início fica com medo e chega a ameaçar sair do beijo,mas logo se entrega ao sentimento que ele tanto tentara esconder por medo do que poderiam fazer com o garotinho caso eles realmente levassem aquilo em frente...e ele tinha razões de querer fazer isso...cinco meses se passaram e eles apenas ficavam mais unidos a cada dia,os pais do garotinho nem desconfiavam da relação entre os dois,não havia sequer um dia que se passasse sem a casa do garotinho receber a visita de Vitor Hugo,para os pais do garotinho ele era apenas um amigo que ajudava o garotinho a não se sentir sozinho,já que o filho era um garoto muito reservado,mal sabiam eles que por trás da sempre fechada porta do quarto os dois se beijavam e aos poucos descobriam o corpo em transformação um do outro...por medo,eles nunca chegaram as vias de fato,mas sempre imaginavam como seria ser tocado pelo outro,porém eles não podiam deixar ninguém saber...Vitor Hugo havia lhe dito que seus pais haviam lhe dito que fazer o que faziam era errado...mas como poderia? Como isso poderia ser tão errado se parecia tão certo?Mas é como dizem,o fruto proibído é sempre o mais gostoso...numa noite de sexta-feira,com a lua a iluminar o céu noturno sem nenhuma nuvem,o garotinho via o momento perfeito para chegar às vias de fato com o seu amor...os pais do garotinho haviam viajado para uma vigíla e o Vitor Hugo foi aceito para passar a noite na casa do garotinho...eles ficariam sozinhos a noite toda...a noite toda só para eles...tudo ia bem,como sempre eles se deliciavam da boca um do outro enquanto algumas carícias eram trocadas,dessa vez o garotinho estava determinado a avançar,nada o faria negar aquela vontade e aquele desejo que parecia vir do fundo da sua alma...ele estava preparado...secretamente havia feito várias “pesquisas” sobre esse tipo de coisa...sexo gay...parecia algo tão estranho de se falar...imagina fazer...ah sim,fazer sexo com o Vitor Hugo era algo que ele queria faz tempo...depois de tantos meses de pesquisa aquela parecia a única coisa que ele queria fazer com ele...os gemidos,o prazer,tudo o que a mente dele pode absorver nesse tempo ele absorvera...era a hora da glória...os beijos foram ficando mais e mais selvagens com as investidas do garotinho cada vez mais insinuantes e quentes,ambos estavam fervendo de ansiedade...o garotinho tirava a camisa do Vitor Hugo recuperando o ar que eles perderam,logo o garotinho foi tentando se lembrar de tudo que ele havia visto nos ultimos meses,tudo deveria ser utilizado alí...aos poucos os gemidos tímidos do Vitor Hugo deixavam o garotinho excitado vendo ele às vezes tendo alguns espamos de puro prazer...estava indo tudo bem naquela noite,o que o garotinho desejava durante tanto tempo finalmente aconteceria...mas a vida,a vida é uma caixinha de surpresas...mal sabia o garotinho que a vigília dos pais havia acabado mais cedo do que o previsto,então eles voltavam pra casa muito antes do que imaginavam,tudo para encontrar o garotinho debruçado e sem camisa em cima do Vitor Hugo enquanto chupava seus mamilos,não havia como esconder...não havia como mentir...estava tudo acabado,bem alí...vitor hugo foi expulso da casa do garotinho fadado a nunca mais chegar perto da casa,os pais simplesmente sentiam nojo do garotinho...ficavam o comparando o tempo todo com seu irmão mais novo,que,de acordo com eles,era “um garoto certo”...por que ele era o certo?Por que pros pais dele era tão errado?O garotinho nem havia demorado muito e já pensava em como seria pular do décimo andar de sua casa...sem Vitor Hugo vindo visitá-lo as coisas serião ruins de novo...ele não queria voltar a isso...mas não havia acabado...os pais do garotinho eram fanáticos religiosos,e consideravam que havia apenas uma maneira de expiar os pecados...o menino se recusara a praticar tal ato consigo mesmo...ele,ingênuo, achou que seus pais nunca fariam nada com ele se ele se negasse,afinal, a alma era dele,e se ele estava disposto a pagar o preço pelos pecados dele os pais nada tinham a ver com isso...porém não foi isso que aconteceu...o pai do garotinho,temeroso por sua alma,o amarrou a um poste num galpão abandonado perto de onde moravam,o garotinho chorava e esperniava pedindo clêmencia ao pai implorando para que ele não fizesse...a mãe,em prantos,apenas pedia pro filho se arrepender dos pecados e voltar à luz,o garotinho não conseguia compreender o porquê de eles estarem fazendo aquilo...ele apenas teve tempo de ver o chicote vindo na direção das suas costas...dor,esse era o mundo dele agora,a cada chicotada um grito novo surgia na boca do garotinho que gritava de dor,em cada parte do tronco havia uma marca diferente de chicote que, de acordo com o pai,serviria para guiá-lo na próxima vez que ele penssasse em pecar novamente...uma tortura...parecia uma eternidade,quando não havia mais lugares onde chicotear os pais do garotinho finalmente o desamarraram,uma coisa eles podiam ter certeza,o garoto que entro naquela tortua não era o mesmo que havia saído dela...depois de um ano ele finalmente havia tido uma notícia de Vitor Hugo,ele soube que ele se atirou da janela do quinto andar...e em sua carta de suicídio estava escrito tudo o que ele queria dizer pro garotinho...a falta da presença do garotinho era demais pra ele...ele prefiriu acabar com isso de uma vez...prefiriu a saída fácil...agora sim a vida do garotinho estava oficialmente arrinada...ele começou a se cortar secretamente e começou a pecar propositalmente só pra poder sentir as chicotadas de novo e de novo...de alguam forma ele achava que a cada chicotada que recebia ele ficava mais próximo do seu amor...como se a cada chicotada ele pedisse desculpas pela morte dele...com o tempo ele assimilou todo o sofrimento dele a uma única fonte...algo que se ele não tivesse experimentado jamais teria sofrido...homossexualismo...essa foi a fonte de todo o mal pro garotinho...aquela tristeza e luto se transformaram em ódio e rancor...ódio...o opiótico natural...era tão bom...se ver livre daquela tristeza era libertador,mesmo que pra isso ele precisasse usar o ódio dele...e então,nesse mesmo ano,o garotinho finalmente conseguiu escapar de tudo...ele fugiu pra bem longe...pra distante o bastante pra suportar tudo...mas o rancor o seguia...onde ele via um casal gay feliz ele tinha raiva...inveja...ele sempre pensava que talvez...só talvez...se ele não tivesse escolhido apressar as coisas,se ele tivesse escolhido esperar um pouco mais,talvez hoje o garotinho pudesse estar aqui...aqui com o Vitor hugo...-ao fim dessa história eu já estava em lágrimas...era mais que óbvio quem era o garotinho dessa história...

Luba-e...e o que o garotinho faz hoje...?-eu pergunto.

Lucas-hoje, o garotinho tenta viver a vida como pode...afinal é a única coisa que lhe restou...é a única coisa que não tiraram dele...pois talvez se ele fosse menos covarde teria acabado com a merda da própria vida...-ele diz com raiva de si mesmo...e por impulso eu o abracei...

Luba-nunca mais diga isso...o garotinho é um sobrevivente...e talvez,se ele estiver disposto a mudar,talvez ele tenha um novo amigo...e então,ele está pronto pra tal?-eu pergunto com as mãos nos ombros dele.

Lucas-acho que sim...acho que talvez ele esteja pronto pra ter o seu “motivo certo”...-ele diz e me abraça novamente...-você pode me fazer um favor...?-ele diz e eu assinto com a cabeça.

Luba-claro!O que?

Lucas-pode pegar a minha guitarra na mala por favor...?-ele pede e eu pego a sua guitarra na mala e o entrego.

Luba-vai me fazer uma serenata?-eu pergunto fazendo-o rir.

Lucas-eu escrevi uma música sobre tudo isso...ninguém nunca ouviu isso antes...e eu não sou muito bom então por favor não ria...-ele diz com um sorriso.

Luba-prometo não rir...

Lucas-ok,lá vai...

Longe aqui-Jay Vaquer (link nas notas finais)

Os pais de sua namorada exigiram o fim daquela relação

que já durava cinco meses de muito carinho e reprovação

 

Sempre que se chateava cortava os braços com gilete pra chamar atenção

Tinha carência afetiva, achava que seus pais gostavam mais do irmão...

 

Um dia olhou pela janela, imaginou como seria o seu vôo até o chão

Mas quando pensou na sujeira que ela causaria..

desistiu, foi ver televisão

 

Tinha que engravidar, criar, envelhecer, morrer... Como todos esperavam!

Tinha que renunciar, agradar, obedecer, vencer... Como todos desejavam!

 

Até que ela partiu, ela partiu pra bem longe

Pra distante o bastante pra suportar

 

Ela partiu, ela partiu pra bem longe

Tão distante parada no mesmo lugar

 

Ela partiu...

Ela partiu ao meio

 

Ensaiou o que diria se um dia fosse artista homenageada no Faustão

Enxugaria as lágrimas, abraçaria amigos e a mãe teria o seu perdão

Voltando a realidade, ela encontrava um quadro que não tinha muita solução

Se achava velha, muito nova, gorda ou muito feia

Sempre inadequada pra situação...

 

Tinha que engravidar, criar, envelhecer, morrer... Como todos esperavam!

Tinha que renunciar, agradar, obedecer, vencer... Como todos desejavam!

 

Até que ela partiu, ela partiu pra bem longe

Pra distante o bastante pra suportar

 

Ela partiu, ela partiu pra bem longe

Tão distante parada no mesmo lugar

 

Ela partiu, ela partiu pra bem longe

Pra distante o bastante pra suportar

 

Ela partiu, ela partiu pra bem longe

Tão distante, onde nunca deixou de estar

 

Ela partiu... Ela partiu ao meio.

Lucas-e então...o que achou...?-Lucas me pergunta com um sorriso sincero.

Luba-achei muito boa...você escreve bem...mas por que todos os artigos são femininos ao invés de masculinos?-eu pergunto.

Lucas-eu quis colocar um pouco de licença poética...-ele diz me fazendo rir...

Luba-bem,agora você não precisa mais partir...agora você tem a mim...

Lucas-mas...e os outros?

Luba-se eles decobrirem esse Lucas que eu descobri não tardará até eles também perceberam a sua mudança...

Lucas-...luba...?-ele me chama meio cabisbaixo.

Luba-sim?

Lucas-posso te pedir uma coisa...?

Luba-claro...

Lucas-pode me perdoar...?-ele diz me olhando com os olhos meio marejados,eu apenas o abraço.

Luba-eu já te perdoei...-ele retribui o abraço.

Lucas-pode me ajudar a me desculpar com os outros...?-ele pergunta e eu prontamente respondo.

Luba-claro que ajudo... meu garotinho...

 

 

 


Notas Finais


então foi isso,espero que tenham gostado!Se gostaram não se esqueçam de favoritar!É de graça!

e então,gostaram de como o t3ddy virou um homofóbico?
comentem aí o que vocês acharam!

link da música:

https://www.youtube.com/watch?v=YF6seQuNJNA&list=PLA_zKTIJXWK-T0IDdCDdk9Kt32ZCn8zFH&index=32

Dúvidas,sugestões,elogios,críticas,dúvidas sobre o autor e a fic perguntem aqui nos comentários
Bjs com sabor se brigadeiro <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...