História Moments- O irmão da minha melhor amiga. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Ana, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Simón, Tamara, Tino, Yam
Visualizações 56
Palavras 1.335
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eie lindos! Desculpem a demora!

Capítulo 10 - Eu te...amo?


Fanfic / Fanfiction Moments- O irmão da minha melhor amiga. - Capítulo 10 - Eu te...amo?


Anteriormente em: Sou Nina Simonetti...

-Única! - Ouço a voz, de meus sonhos pervertidos, a que me extreme se- Se tornando forte, para suportar os pesos da vida, e o que você sempre achou que eram correntes te puxando para trás, a partir de quando perceber só se tornam laços para você mudar o mundo! Pode me chamar do que você quiser! Pode dizer que não me ama! Mas ama, e tudo o que quer é meu bem...Valentina Simonetti eu te...

 

Ao acreditar ouvir a próxima palavra que iria ouvir, me viro para traz, vendo que a pessoa que sempre roubou minha mente sem perguntar, não passava de uma ilusão, palavras jogadas ao vento por minha cabeça!

 

-Eu te odeio! - Grito.

Dizem que toda a vez que passamos por algo ruim, mudamos nossa imagem. Para cada vez ficarmos, mais e mais fortes. Como um vício. Como meu pai fala "vício do cambio". O dia estava sendo horrível! Em duas palavras Gastón Perida. A sexta-feira santa tinha se tornado sexta-feira demoníaca!

Acordar na grama molhada por causa do sereno, não é uma grande forma de acordar em um dia santo. Pois em muitos casos, isso é sinal de bobagem, vindas do outro dia. 

Era incrível como o azar se torna algo bem aparente em minha vida, as vezes me fazendo tontear e cair, é como me sinto fazendo essa atividade divertida de deitar na grama!

-Nina! - Sinto a voz doce de Luna, me chamar. Ao mesmo tempo que sinto a brisa fria de um bom...não sei a estação.

Mas tecnicamente essa pequena atividade de deitar na grama não é algo muito educativo. Como minha mãe sempre dizia! Outra frase que minha mãe sempre diz, é a males que vem para o nosso próprio bem...acho que é isso. Não sou muito boa para decorara frases.

Tremo, ao bater de mais uma brisa fria. Aquela sensação boa estava ficando um pouco...enjoativa! Talvez até azeda.

-Nina! - Luna grita outra vez. Deixando a coisa chata, se não quero ir me deixe em paz. Não iria conseguir levantar tão rápido ainda mais com essa ressaca. Que apresentava os primeiros sinais agora. Mas sabem como é que é, não posso reclamar de uma pontadinha (dor imensa do caralho). Tem gente passando muito pior.

Ri com meus próprios pensamentos. Estava precisando me descontrair, depois de tanto rolo, e de tanta "traição", em parte mentira em parte verdade.

Tinha mudado tanto naquele primeiro mês de aula, que nem mais me reconhecia, a única coisa que sabia bem de mim mesma, é que estava precisando urgentemente de meu frappuccino especial! Me deixaria com o maior sorriso no rosto..., mas não poderia negar que estava orgulhosa comigo mesma, por conseguir fazer uma mudança tão grande em mim.

 Minha Mãe se orgulhava igualmente por fazer novas amizades e um "namorado" (inexistente) bonito. Meu Pai por outro lado, estava desconfiado de minha "amizade" com Gastón. E é aí que os dois erram feio. Eu e o Gastón não somos amigos...pelo contrário somos...bom... não sei o que somos, mas amigos jamais! Nem que o mundo caia ao meu redor.

-Nina! - Luna grita mais uma vez fazendo meu sangue ferver, poxa ela é minha melhor amiga, deveria saber que eu demoro a levan...Pera aí essa não sou eu! Não demoro a levantar, não fico com ressaca, muito menos bebo, e também, não brigo com amigos, e durmo na grama do jardim da vó da minha melhor amiga e do cara que gosto. Quero dizer odeio! Rio frustrada!

-Essa não sou eu! -Grito.

-Tudo bem...nem todos são o que são! - De todas as vozes másculas...tinha que ser aquela.

-O que quer Gastón...?

-Muitas coisas...inapropriadas para esse momento! Ou para qualquer momento- reviro os olhos.

-Não cansa de tanta falta de respeito e duplos sentidos...?

-E você não cansa de tanta educação e mar de rosas, esqueci! Você é a puta da esquina que tentou ficar com três no mesmo dia, e a vadia que pediu para eu arrombar toda!

-Cala a boca!

-Vem calar- Uma coisa que não disse, mas vocês devem ter percebido que sou completamente, inesperadamente, acumuladamente, impulsiva quando estou a base de álcool! Mas nesse momento, não tinha nenhuma gota de álcool em meu sangue somente puro calor e adrenalina, e isso as vezes, ou quase sempre pode me deixar meio...

-Você que manda!

IMPULSIVA!!!

 O beijei como nunca, um beijo não comandado por mim, mas sim por ele, não sei como, mas ele tomava as rédeas muito, muito, rápido...

-Nina! - Luna não desistiu de me chamar. Então interrompo o beijo e olho para a baixinha e vejo ela desistindo, pois voltou para a casa.

Gastón voltou a me beijar dando uma forte mordida em meu lábio, o que fez o mesmo sangrar!

-Ai! - Ele abre um sorriso malicioso.

-Ah males que vem para o nosso bem!- Ele diz gargalhando maniacamente.

-Louco!

-Maluca!

-Sem noção!

-Bipolar!

-Idiota!

-Linda

-Eu te odeio!

-E eu te amo!

Meu mundo caio.

-Mas nunca vou ser seu.

Como assim!? Gastón dá meio volta e sai, me dando um choque.

-Ele me ama!

Assim que vi Gastón entrar na casa, começo a voltar lentamente.

-Ele me ama!

Entro na casa, recebendo muito olhares assustados, de todos, que estavam já tomando o café da manhã, fora Gastón que não estava presente ali.

-Querida vá tomar um banho quente está toda encharcada e suja! - A Vó de Luna diz com um sorriso aconchegante.

-Vem Nina! - Luna me puxa.

-Ni...- Xavi começa mas desisti ao ver eu e Luna já subindo as escadas!

Entramos no quarto, e eu já vou par o banheiro começar meu banho em qunto Luna deita na cama.

-Sabia que eu estou...NAMORANDO!!!- Ela grita animadinha.

-Quem!?- Digo assustada

-O Saci Pererê, obvio que o Matteo né!

-Serio! Obaaa, sempre shippei Lu...

-Lutteo! - Ela grita animadamente histérica.

-É Lutteo! - Digo desanimada.

-E eu quero ver Gastina...!!!

-Retardada! Isso nunca, nem que eu morra.

Tomo meu banho relaxante, me enrolo na toalha e saio do banheiro!

-Nananinanão! Não vou botar essa roupa está frio Luna! - Digo vendo a roupa minúscula, que Luna tinha escolhido- E isso nem é meu, é seu!


-A por favor! A casa tem calefação! - Luna acaba me convencendo, deixo meu cabelo secar naturalmente, sem secadores!
 

Evitar Xavier é muito mais difícil do que pensam...principalmente evitar o Xavi e o Simón. Mas é necessário.

Por outro lado, é impossível evitar Gastón Perida, com suas provocações repentinas, e suas provocações sexuais, além de indiretas e frases de duplo sentindo! Armando uma armadilha de auto grau em sua mente, capturando a presa de vagar, sendo calma mas depois dando uma rápido golpe no pescoço como uma velha história que minha Mãe costumava me contar...

A raposa caiu num poço fundo e com as paredes cobertas de limo, e não conseguia sair de lá porque toda vez que tentava subir, escorregava e tornava a descer. Percebendo que precisaria de ajuda para sair dali, ela começou a gritar o mais alto que podia, até que um bode chegou e perguntou o que a raposa fazia lá dentro, e esta, percebendo que estava ali a sua oportunidade de safar-se do buraco, disse com ar misterioso:
- Você está sozinho? Então ouve e fique calado, porque eu não quero que essa notícia se espalhe e todos venham correndo para cá. A água desse poço é tão boa que a gente não se cansa de bebê-la. Entre cá e experimente.
Sem pensar duas vezes o bode pulou dentro do poço e começou a beber a água, até que totalmente farto, olhou em volta procurando uma saída. Nessa hora a raposa lhe disse:
- Isso não é problema. Ponha-se de pé nas patas traseiras; aí eu trepo nas suas costas, me apoio em seus chifres e salto para fora do poço. Depois me debruço na beirada e o puxo para cima.
E assim foi feito, só que ao se ver livre a raposa saiu correndo campo à fora, depois que gritou para o bode:
- Se o seu raciocínio fosse tanto quanto os pêlos que existem em sua barba, você deveria ter verificado como poderia sair do poço, antes de entrar nele.

Acho que o nome é a raposa e o bode... acho que isso combina muito com Gastón..., mas cada um tem sua opinião!

Leiam as notas finais!

 


Notas Finais


META: 5 comentários e mais 6 favoritos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...