História Mona Lisa. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Cor, Meu Otp, Pintor, Taekook, Tinta, Vkook
Exibições 138
Palavras 1.305
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oi meus xuxus, tudo tranquilo?
perdoem a minha demora e não me abandonem, por favor
será que chegamos em 100 favs até o próximo cap?
espero que gostem <3

Capítulo 5 - Eu te encontrei, Kook.


Fanfic / Fanfiction Mona Lisa. - Capítulo 5 - Eu te encontrei, Kook.

Taehyung P.O.V

Normalmente eu não sou uma pessoa brava, odeio brigas e evito qualquer tipo de discussão, mas não ia deixar aquele cara colocar um dedo sequer no Jungkook.

Então coloquei toda a minha coragem à frente do meu bom senso.

Como alguém teria coragem de bater num garoto tão inofensivo? Ele nem fala direito, como poderia ter ofendido alguém? Ainda era mais ridículo ser obrigado a ouvir que gays deveriam morrer e esse era o motivo idiota daquele cara babaca querer bater no Kook.

Tudo bem que o tal garoto era bem mais alto que eu, mais forte e talvez ele pudesse me quebrar no meio apenas com um toque do seu polegar, mas me recuso a deixar ele humilhar alguém por causa da sua sexualidade.

Dei um soco em seu estômago com força, fazendo o garoto curvar-se um pouco. Logo ele veio pra cima e então desviei da tentativa de um soco no rosto, mas ele acabou atingindo meu estômago com um chute logo em seguida, me fazendo cair sentado.

Ouvi Jungkook pedindo ajuda mas ninguém se movia, apenas via seus celulares e câmeras fotográficas apontando em nossa direção. 

O garoto veio pra cima e então acertei um soco em seu olho, e o mesmo bravo, deu um soco em minha boca, fazendo a mesma cortar um pouco por ter batido no dente. Continuei dando socos em seu rosto e seu nariz começou a sangrar, o que fez o garoto chegar em seu limite de raiva.

Então ele me chutou dezenas de vezes rapidamente e socou algumas vezes as minhas costelas assim que caí deitado no meio fio.

Jimin então veio correndo, me levantou do chão e me empurrou pro canto, dando uma cotovelada certeira no nariz do garoto, que colocou a mão no lugar por causa da dor.

-JUNGKOOK, SAI DAQUI E AJUDA O TAE-Jimin gritava pro mais novo enquanto desviava dos socos do outro garoto.

Jungkook veio até mim, enrolou meu braço em seu pescoço e me ajudou a sair dali rapidamente.

Estava meio tonto, os chutes na costela me fizeram perder o ar, estava difícil de respirar e por causa da tontura, estava enxergando tudo embaçado.

-Você é louco -o mais novo disse assim que entramos em seu ateliê, e então me ajudou a sentar na poltrona, logo indo até a porta, trancando a mesma rapidamente.

-Desculpa -falei baixinho e o mesmo me encarou, vindo em minha direção com uma pequena caixinha branca nas mãos.

-Por que tá pedindo desculpa? -perguntou virando um pequeno potinho sobre uma grande bola de algodão, que logo colocou sobre o corte em minha boca.

-Ai, isso arde -falei sentindo uma leve dor na boca- Pedi desculpas por não ter conseguido brigar direito com aquele cara.

-Só de tentar me defender já fico muito grato -vi seu sorriso embaçado e sorri de leve.

Me entregou um pedaço de esparadrapo e me pediu para segurar em cima do machucado por alguns minutos, então o obedeci.

-Obrigado pelo curativo -sorri, sendo correspondido.

Ele guardava os medicamentos novamente na caixa, e levantou, colocando a mesma dentro do armário.

-Jungkook -o chamei e o mesmo me encarou rapidamente- Você é gay mesmo?

-E-eu...não gosto de falar sobre isso -disse envergonhado como de costume.

-Não pode falar nem pro cara que tentou salvar sua vida? Tudo bem que eu quase quebrei 5 costelas pra isso, mas a tentativa ainda é válida -falei brincando e ele riu baixinho.

-Não confio muito em ninguém pra esse tipo de assunto.

-Por favor -sorri e ele puxou uma poltrona, se sentando atrás do balcão.

De cabeça baixa ele respirou fundo e começou a mexer seus dedos de uma forma que deixava explícito seu nervosismo.

-Alguns anos atrás uma menina disse que gostava de mim, acabei ficando com ela por algumas semanas por que não conseguia negar. Gostava dela, como uma grande amiga, mas ela acabou confundindo as coisas, achava que o meu jeito de tratá-la representava algum sentimento à mais por ela, mas não era bem isso. E eu a beijava sem vontade, apenas pra fazê-la feliz, mas no fundo gostava de uma outra pessoa, que obviamente não gostava de mim.

-Um garoto? -perguntei e ele afirmou, balançando a cabeça.

-Ele me odiava, principalmente depois que comecei a sofrer bullying por causa da teoria dos babacas sobre a minha sexualidade. Ele sabia que olhava pra ele diferente durante as aulas, e depois de os boatos começarem, ele tinha nojo de olhar pra mim.

A dor era perceptível na voz dele, dava pra imaginar o tanto que ele tinha sofrido. E também deu pra notar o quanto ele gostava do tal garoto, ele expressava em seu tom fraco a dor de ter sido ignorado por quem ele tanto gostava.

-Ele não merecia seu amor, Jungkook.

-Ninguém merece -respirou fundo- Ninguém merece alguém como eu, alguém fraco, medroso, que mal tem coragem de sair da própria casa.

-Realmente pensa tudo isso de mal sobre você mesmo?

-Penso coisa bem pior mas você não merece ficar ouvindo desabafo inútil.

-Realmente não quero ouvir -levantei e fui em sua direção, me agachando ao lado de sua poltrona- Só quero ouvir coisas boas, ouvir você dizendo o quão incrível é, o quão perfeitas são as suas pinturas, como é talentoso e capaz de ser um dos melhores pintores do país, ou até mesmo do mundo. Você é capaz de fazer coisas incríveis Jungkook, só precisa convencer você mesmo disso.

-Olha pra você Taehyung, sempre sorrindo, tem um amigo tão leal como o Jimin, sempre parece bem, animado, conversando com todo mundo. Queria ser mais como você, mas é tão difícil.

-Você realmente acha que eu sempre tô bem? -sorri- Quer dizer que a minha atuação tá boa. Nem sempre eu tô feliz Kook, mas às vezes, a gente precisa agir como se estivesse, a vida exige isso da gente.

-Mas nem fingir eu consigo, todo o dia acordo esperando que isso acabe de uma vez.

-Você deseja sua própria morte? 

-Algumas vezes sim.

-Por causa daquele garoto babaca que te magoou? Por causa do bullying dos meninos?

-Também, mas às vezes acho que minha única opção é a solidão. Não consigo falar direito com ninguém por causa da timidez, só as garotas se interessam por mim já que acham garotos tímidos ''fofos'', acho que o jeito é fingir ser hétero e namorar alguma menina, talvez aprenda a gostar dela.

-Nunca mais repita isso.

-O que?

-Sobre fingir ser quem não é. Não vai ser infeliz em uma vida que não é sua, você nasceu gay e se isso te faz feliz, então assuma.

-Eu tenho medo.

-Do que?

-De morrer sozinho -abaixou a cabeça e então o encarei.

-Eu nunca namorei, Kook. Minha vida inteira vi meus amigos saindo com alguns garotos e eu apenas observava, esperando o dia que seria minha vez de encontrar alguém legal. Vi meu próprio irmão apaixonado e sofrendo por um garoto que inclusive é um dos meus melhores amigos, e hoje eles saíram juntos pela primeira vez. Demoraram anos pra eles finalmente decidirem conversar, mas ele soube esperar. E sabe o que aconteceu? Meu dia também chegou.

-Você tá namorando? -perguntou com um sorriso fraco.

-Ainda não.

Sorri e então levantei seu rosto com o dedo, fazendo ele me olhar logo corando. Seu rostinho delicado completamente vermelho o deixou ainda mais fofo. Aproximei nossos rostos e o beijei com calma.

Minha boca ardia um pouco por conta do pequeno corte, mas quem se importa com a dor não é mesmo?

Logo seus dedos enrolaram em meus cabelos e eu coloquei as mãos em sua cintura, o puxando mais pra perto.

Então nos separamos e ele continuou abraçado comigo, tentando esconder seu rosto por conta da vergonha. Passei a mão em seus cabelos e sorri.

-Meu dia só chegou porque eu te encontrei, Kook.

 

 

 


Notas Finais


primeiro beijo vkook <33333333333333333333333333
espero muito que tenham gostado, achei um amorzinho :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...