História Monster - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun, Suho
Tags Baeksoo, Chankai, Psycho Kim, Soobaek, Sookai
Exibições 134
Palavras 2.391
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, eu escrevi isso muito rápido asjbfvgdkmfjkenb
Tipo, eu demorei pra postar, claro, já peço aqui os meus perdões
Eu estava tentando concluir a fic do YATO pra não atrasar e ela tava demorando pra sair, logo, atrasou todas as outras coisas que eu tinha pra escrever
Mas enfim
Eu comecei a escrever Monster e não parei mais, foi o capitulo inteiro de uma vez, sem parada, ao som de Skillet, um capítulo bem fresquinho pra vcs
Foi tão rápido que até eu to pensando em ler pra ver como está NFDJKLMFCLKD
Dessa vez a Lari betou pra mim <3
Pra quem é cardíaco: Monster está entrando em uma fase complicada agora. Apesar do romance estar desenvolvendo, ainda tem muito a ser feito no desenvolvimento da história. Eu espero que todos saiam vivos >3<
Boa Leitura~♥

Capítulo 13 - E depois, a tempestade.


 

 

Os dias na praia se passaram tão revigorantes e calmos, que todos até mesmo esqueciam o caos que os esperava quando voltassem para Seul. Seus fardos pesados que carregavam a todo tempo voltavam para si aos poucos, a cada quilômetro que o carro percorria pela estrada. Junmyeon se preocupava com todos os seus garotos. Sehun se preocupava em se recompor e ajudar seus amigos. Jongin se preocupava com seu pai. Baekhyun se preocupava com seu irmão.

 

KyungSoo e Chanyeol, só pensavam em quanto tempo conseguiriam manter todos eles são e salvos, vivos.

 

Baekhyun acabara dormindo no meio da viagem longa, se apoiando nos ombros de KyungSoo, inconscientemente quando o fez. O agente tentava disfarçar seus olhares, por ter um Chanyeol bem atento em si, mas era difícil não sorrir ao encarar a boca entreaberta e o rosto angelical do garoto enquanto ele dormia. Era como no outro dia na enfermaria, porém agora não precisava se preocupar com ele. Só queria que o Byun estivesse tendo, naquele momento, lindos sonhos. Onde nada naquele mundo pudesse estragar a sua felicidade.

 

KyungSoo estava cansado; Cansado de levar a vida como levava antes, de simplesmente matar a todos sem hesitação e no fim do dia não ter motivo nenhum para o guiar novamente para casa. Mesmo que não fosse intencional, ele projetava imagens em sua cabeça, que soavam bem melhores que as de agora. Um sorriso de boas-vindas, alguém assistindo à televisão em volume alto demais ou fazendo barulho por aí, bagunça, conversando com certa gata chamada Narumi. Morar com Baekhyun não era, de longe, uma ideia ruim.

 

Então quando todos pareciam meio derrubados e apenas Junmyeon prestava atenção à sua frente enquanto dirigia, ele deu um selar carinhoso na testa de Baekhyun, ouvindo um suspiro baixo do mesmo.

 

Por favor, espere apenas mais um pouco, pensou.

 

 

 

 

Iria apenas deixar o garoto adormecido em sua cama e voltar para a sede, saber diretamente de Lu Han como estavam as coisas. Porém pela expressão de Chanyeol quando voltara a descer as escadas, não seria nada simples.

 

- Aconteceu alguma coisa? – perguntou imediatamente, chamando a atenção dos outros meninos para o olhar mais aflito do Park.

 

- É o Yixing.... A Mei acabou de me ligar, parece que temos um problema. Ele fugiu da prisão, ao que tudo indica, com a ajuda de alguém de fora. – falou, encarando KyungSoo praticamente com olhos desesperados. – Eu preciso escoltar Jongin até sua casa.

 

- Pode ir, Chanyeol, é importante. Nós... – KyungSoo sussurrou, esperando que o amigo o entendesse. – Nós vamos o levar até em casa.

 

Chanyeol mordeu os lábios nervosamente e assentiu. Se ele estaria junto de KyungSoo, então não teria riscos. Na realidade, estaria até mais seguro do que normalmente ficava dentro de casa.

 

- Até mais tarde. Vou os manter informados.

 

Então o policial saíra rapidamente dali, indo até a próxima rua para pegar um táxi rápido para a delegacia. Sehun ia começar a falar algo sobre, porém, ao olhar para atrás de KyungSoo, o garoto parou na mesma hora.

 

- Baek...

 

- Tudo bem, Hunnie. – Baekhyun murmurou, com a voz ainda sonolenta e terminando de descer as escadas. – Eu não tinha ideia de que isso poderia acontecer, mas... Eu só queria que ele entrasse em contato.

 

Baekhyun trocou um olhar com KyungSoo antes de continuar o que iria falar.

 

- Talvez tenha sido melhor ele ter fugido. Ele pode estar mais saudável fora. – Baekhyun parou ao lado de seus amigos, dando um sorriso fraco e não se permitindo chorar novamente por causa daquilo. – Se eu não puder mais ver o meu Hyung por causa disso, eu nem reclamarei. Saber que ele pode estar bem é o suficiente pra mim.

 

- Baek, você quer companhia? – Jongin perguntou, fazendo um bico e apertando a mão do amigo, que riu baixinho.

 

- Aigo, é claro que não. Quer deixar Chanyeol preocupado? Você tem que ir pra casa, cuidar do seu pai. - É claro que o moreno fez um bico maior ainda, porém acabou não reclamando, já que ele estava certo. – E KyungSoo prometeu, vocês vão o levar. Agora vão, vão, eu e minha Narumi vamos dormir o resto da tarde.

 

Os garotos riram e um por um se despediram do Byun, deixando KyungSoo por último, que acabou mais sendo abraçado e ficando meio sem graça.

 

- Está mesmo tudo bem? – perguntou, enquanto correspondia o abraço do maior.

 

- Sim... Leve o Nini e faça com que ele chegue bem. Se não fizer isso, eu te demito do posto de Super Herói. – Baekhyun disse brincalhão e o soltou, novamente com um sorriso no rosto.

 

Não era um sorriso falso, mas era superficial demais para que KyungSoo se desse por contente. Porém, Jongin não podia mais ficar sozinho, em hipótese alguma.

 

- Nós conversamos mais tarde.

 

Baekhyun assentiu e acenou para eles até que o carro tivesse virado a esquina. Então depois trancou-se em casa, e pegou a gata no colo, indo para o andar de cima. Mesmo que fosse algo inútil, ele pegou seu celular para mandar mensagens ao seu irmão.

 

Mensagens que, talvez, nunca seriam respondidas.

 

“Hyung, está tudo bem? Eu soube que você... ‘saiu’ de lá de dentro”

“Coma direito e usa blusas, está frio aqui esses dias.”

“Eu vou poder saber onde você está?”

“Dessa forma, eu realmente me sinto o irmão mais velho.”

“Amo você.”

“Eu espero que... Você esteja mesmo bem.”

 

 

 

KyungSoo acabara garantindo para os garotos que estava tudo bem e que ele levaria Jongin até sua casa. Junmyeon aparentava estar cansado e Sehun estava com saudade da sua mãe, então depois de um pouco de insistência acabaram o deixando sozinho com o garoto. O que era bom para KyungSoo, que queria pegar carona com um dos encarregados pela segurança do senhor Kim, direto para a sede. Já estava próximo do horário de troca de turno. Isso deixava o garoto ainda mais tenso, querendo que Jongin chegasse um pouco antes e entrasse em casa.

 

E para sua sorte, ainda era cedo quando estavam na rua da casa do garoto.

 

- Soo Hyung. – Jongin o chamou, o olhando de forma estranha. – Eu tive uma quedinha por você, quando você chegou aqui. Eu não sei se notou.

 

KyungSoo queria o dizer que ele era meio óbvio, deixando escapar algumas coisas e grudando em si às vezes, mas preferiu não dizer. Então ele acabou prosseguindo.

 

- Eu queria dizer que eu superei, viu? Então não precisa ficar preocupado em trocar beijos com o Baek Hyung, eu n...

 

- Do que está falando, Jongin?

 

- Ah, que é óbvio que você gosta do Baekhyun. – deu de ombros e KyungSoo desviou o olhar para os agentes, que apesar de bem escondidos seus olhos conseguiam captar. Logo eles os ouviriam. – Você tem vergonha? Ah, que fofo. Não, é sério, eu e os meninos sabemos disso, então vocês podem se amar já.

 

- Eu não posso. Não agora. Olha, é complicado, mas obrigado por tentar ser um cupido. – KyungSoo disse apressadamente, rindo nervosamente e vendo o olhar curioso do outro sobre si. – Eu ainda preciso resolver algumas coisas na minha vida antes de tentar qualquer coisa com Baekhyun.

 

- Mas você não está negando que gosta dele.

 

- Não...

 

- É o suficiente por hoje. – o moreno sorriu, olhando para o portão de sua casa. – Daqui em diante tem tanto segurança que se você jogar um papel de bala em mim, eles surgem.

 

KyungSoo podia ver o quanto ele odiava tudo aquilo, apesar de estar consciente do quanto era necessário. Ele e Jongin eram pessoas completamente diferentes, já que normalmente era ele quem dava sua vida para outros. Não podia falar “eu te entendo”. Mas podia aceitar a irritação dele.

 

- É chato mesmo, mas não implique muito com isso. Se você tentar não pensar, logo vai esquecer sobre isso. Olha, eles estão por aí escondidos, você nem os vê. Dá pra esquecer facilmente.

 

Jongin assentiu e deu um abraço no garoto assim que pararam em frente ao grande portão de sua residência.

 

- Foi uma boa companhia, Soo. A gente se fala depois. Eu vou tentar ver se o filhote de dumbo com girafa virá ainda hoje.

 

- Parece que está se acostumando com Chanyeol.

 

- Tsc... Talvez, mas bem pouco. Ele ainda me irrita. Até depois, Hyung.

 

E então, depois de garantir que o garoto estava já dentro de casa, fora até um dos seguranças e disse o que queria. Ele estava saindo de seu posto naquele momento, então em menos de cinco minutos, KyungSoo seguia direto para Lu Han, antes de chegar em sua casa.

 

Não era um lugar tão reconfortante, de qualquer forma. Ali os seus fantasmas lhe assombravam.

 

•◘•◘•◘•◘•

 

O garoto abriu a porta do escritório imediatamente, assim que chegou, encontrando apenas Yuri sentada na cadeira de seu chefe, passando batom e arrumando o cabelo. Ele preferia fingir não entender o significado daquilo.

 

- Boa tarde, Yuri-ssi. Lu Han está por aqui?

 

- Ele está no banheiro, acho que daqui a pouco sai. – ela informou, dando um sorriso para o garoto um pouco mais novo que si. – Faz tempo que não te vejo, KyungSoo. Está tudo bem?

 

- O de sempre.

 

- Mesmo? Você parece mais alegrinho. E está bronzeado, quanto tempo faz que não te vejo com um bronzeado de praia? – ela deu um sorriso simpático e levantou-se da cadeira, apertando sua bochecha. – Avisa pro Lulu que eu estou falando com a YoonA ali. Eu passo aqui depois de conversarem, deve ser algo importante.

 

- Eu aviso pro Lulu. – disse com um sorrisinho no rosto e a garota riu, saindo da sala do chinês. Alguns instantes depois, Lu Han saíra ajeitando a sua gravata.

 

- Yeobo*, por q... KyungSoo? – Lu Han o olhou um pouco assustado e o garoto fechou a porta atrás de si.

 

- Então, a Yuri pediu pra avisar ao Lulu que está conversando com a YoonA e volta depois. – KyungSoo disse, prendendo o riso que queria dar enquanto fitava a cara irritada do chefe. 

 

- Por que não para de fazer piadas sobre a minha vida e não vamos ao seu objetivo aqui?

 

KyungSoo revirou os olhos, sentando-se em um dos banquinhos e assumindo uma expressão mais séria. Havia passado uma boa parte da viagem toda pensando sobre aquilo e estava ansioso para encontrar com Lu Han o mais rápido possível.

 

- Eu vim falar sobre Yixing. – começou, vendo o chinês ficar ainda mais raivoso. O que não era bom, se quisesse que a conversa tomasse o rumo que imaginava. – Eu sei que deve ser estranho, mas eu não acho que pegamos a pessoa certa.

 

- Como não? Ele comprou a porcaria da arma, executou a pessoa que praticamente iria entregar os planos do Zhang de bandeja... E seu sobrenome também é o mesmo do que a pessoa que procuramos. Você mesmo já me disse que às vezes as coisas são tão óbvias que não enxergamos, KyungSoo. – Lu Han falara, parando na frente do agente. – Ele fugiu, o desgraçado fugiu das minhas garras. Se eu o encontrar, ele vai virar apenas um monte de carne e aí não vai mais precisar ficar preso, porque ele vai pra geladeira.

 

- Lu Han. Você pode me ouvir? – KyungSoo pediu friamente, ouvindo um bufar do outro, mas tendo a confirmação de que poderia falar quando este se calou e se sentou em sua cadeira. – Eu consegui uma nova informação que ainda não tinha compartilhado com vocês. É uma fonte completamente confiável e a tal pessoa nem queria me contar de início. Minha fonte garantiu que Yixing não poderia matar a vítima, por ter um relacionamento amoroso com Minseok. É loucura, mas parece que eles não eram um casal assumido publicamente, mas quem me contou era íntimo do senhor Kim. Provavelmente o irmão de Yixing também sabe. Você se lembra quais foram as condições de Minseok, Lu? Ele queria apenas que fosse deixado em paz, que fugisse com mais uma pessoa. Se essa pessoa era Yixing, não faz sentido que ele tenha matado o namorado dele, que estava tentando arrumar uma saída.

 

- E se ele não quisesse uma saída?

 

KyungSoo também já havia considerado a possibilidade. Porém, antes de viajarem e tudo aquilo acontecer, o garoto observava bem Yixing.

 

- Está sugerindo que eu errei meu julgamento sobre alguém? Eu nunca errei e eu acho que você sabe bem disso. Eu não quero perder o meu tempo procurando um moleque que nem sabia o que estava fazendo ali, quando podemos estar perdendo o nosso alvo de vista. – KyungSoo murmurava, perdendo um pouco de sua calma. – Enquanto Yixing estava preso, houve movimentação de contas, grandes assaltos e mais ações vindas de pessoas aliadas ao grande Zhang, e isso com certeza não aconteceria se ele estivesse preso em uma cela, sendo monitorado 24 horas por dia e chorando todos os dias durante a noite na sua cela. Por favor Lu Han, eu te peço. Vamos avaliar esse caso mais abertamente.

 

- Eu posso ter certeza de que você não diz isso por se envolver com aquele garoto? – o chinês perguntou seriamente, pegando o Do de surpresa. – Eu sempre sei sobre tudo... Acho que você sabe bem disso.

 

- Eu garanto que não tem nenhum envolvimento com isso. Eu não misturo nada com o meu trabalho. – KyungSoo falou em um tom seco e amargo. – Não diga que é falta de profissionalismo. Eu mato qualquer um se necessário. Eu mataria até mesmo você, se fosse preciso.

 

Lu Han ficara alguns segundos o olhando sem nenhuma expressão no rosto, para no fim apenas gargalhar com gosto e satisfação.

 

- Esse é o agente que eu conheço. Tudo bem, não vamos dar tanta prioridade a prender novamente o garoto. Eu estou interessado em saber como isso vai acabar. E se der errado... Todos eles, incluindo Yixing, terminarão com um tiro no meio das cabeças.

 

- Mas seria bom se continuasse com as buscas. – KyungSoo prosseguiu, já se levantando da cadeira. Precisava de uma longa noite de sono para processar tanta informação. – Minseok era associado à Zhang, queria um passe livre para ele e provavelmente Yixing. Então a pessoa que tirou ele da prisão é alguém relacionado ao Zhang... Se não for o próprio.

 

- Certo. É claro, isso significa que...

 

- Que Yixing nos levará em um caminho único e certo para quem quer que seja esse filho da puta.

 

 

 


Notas Finais


*Yeobo é querida(o) em coreano ><
Até o próximo capítulo~♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...