História Monster - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs, The Walking Dead
Tags Chandler Riggs, The Walking Dead, Zumbis
Visualizações 76
Palavras 1.935
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI GENTE LEMBRAM DE MIM?
Então vamos começar com as explicações né
Demorei por causa das provas, foi bem corrido e tenso
Nas férias eu perdi totalmente a inspiração, acho que isso se deveu a minha desilusão amorosa recente mas ja superada (eu acho)
Bom, o fato é que estou aqui e Monster não está morta gente
Obrigada por não terem desestido de mim <3
Espero de verdade que gostem
(Apesar de eu achar que está um pouco menor que o normal)

Capítulo 9 - She's good


Fanfic / Fanfiction Monster - Capítulo 9 - She's good

Sangue. Estava em todos os lados. Em minhas mãos, meu rosto, meu cabelo, minhas roupas, nas folhas secas que cobriam o chão e até mesmo nas árvores. Me viro para o lado vendo Negan ajoelhado em frente ao corpo destroçado do maldito homem, o taco pingava sangue fazendo uma segunda poça no chão. Encaro o homem que matei, suas vísceras estavam pra fora e seu rosto deformado por tê-lo perfurado tantas vezes. Sem mais nem menos ouço uma risada, era Negan, com sua risada forte e agora mais que tudo maligna. Não me assusto, somente dou risada também. Acabamos com eles. Isso foi fácil e até mesmo prazeroso. 

- Margot. - ouço me chamarem e volto para a realidade abruptamente. 

- O que foi? - pergunto enquanto coço meus olhos.

- Tem dormido bem? - questina Maggie.

- Tenho, só estou... cansada. - disfarço e tento me recompor.

- Rick decidiu te ouvir, vamos até Hilltop como você aconselhou. 

Suspiro. A conversa com Rick não havia sido fácil, ele era uma pessoa difícil de convencer, mas acabei colocando na cabeça dele que a primeira coisa que precisávamos pra vencer é de pessoas. Ele não estava cem por cento convicto de minhas intenções, ninguém aqui estava, o que claramente me deixava com raiva por ter tantos olhares tomando conta de mim. 

- E quando vamos? - pergunto, me pondo de pé.

- Daqui a pouco. 

- Okay. - concordo, seguindo para fora da casa.

- Glenn quer falar com você. - bufo e me viro pra ela. - Ele me contou o que aconteceu. 
 
- Olha, sei que não me conhece e que provavelmente não gosta de mim. Sem contar que deve me odiar por ter feito algo que seu marido não gostou, mas acho que pode lidar com o que vou falar agora: não ligo pra o que ele disse, não ligo pra o que ele pensa e muito menos se ficou arrependido pelo que falou. Eu só estou aqui pra tentar nos manter vivos, estou aqui porque não tenho nada a perder diferente de vocês. 

Ela me encara sem demonstrar nenhuma reação mas me mantenho parada, talvez esperando um soco na cara.

- Sei que se importa com o que ele pensa e se importa também com o que todos aqui pensam. Pode mentir pra si mesma, mas não pra mim. - Maggie diz e dá de ombros, indo para a escada. - Vou pegar minhas coisas, Glenn fala com você mais tarde. 

Bufo e saio rapidamente da casa, quem ela pensa que é? Não escolhi ficar para salvar essas pessoas, resolvi ficar para me salvar, para ter alguma coisa que não seja mais dor. Encaro o grande trailer a minha frente e vejo Glenn passar por mim, com a cabeça baixa, sem me encarar. Covarde. Carl se aproxima e não deixo de dar um gemido frustrado por ter que lidar com ele agora. 

- Posso ter um arma? - pergunto, forçando um sorriso.

Ele sorri ironicamente.

- Óbvio que não.

- Se eu for devorada por um errante vão perder a melhor chance de vocês. - argumento. 

Rick coloca a cabeça pra fora do trailer e me encara friamente antes de abrir a boca.

- Dê uma arma a ela, quero ver o que ela é capaz de fazer.

Olho para Carl e sorrio vitoriosa quando ele me entrega a pistola. Eu adorava a sensação de tê-la em minhas mãos. Coloco ela na parte de trás da calça e em passos rápidos entro dentro do trailer. Todos estavam ali, menos Maggie, Sasha e Carl que haviam ficado lá fora. Sigo para o último banco me sentando sozinha, e claro com todos os olhares a me fitar.

Depois de alguns minutos, Sasha e Maggie entram, seguidas de Carl e Enid. Não consigo evitar o sorriso assim que a vi. Isso seria divertido. Sasha se senta ao lado da mulher morena e de cabelos curtos, que ainda não me lembrava o nome, já Maggie e Enid sentam no banco ao lado de Glenn e Rosita. Gemo de frustração pela segunda vez no dia ao perceber que o único lugar que sobrou foi ao lado do meu. Carl se senta e coloco minha testa contra a janela tentando não me concentrar no calor do seu corpo. "Puta merda, eu poderia transar com ele aqui" - penso e me reprimo por isso. Enid olha pra trás, completamente enciumada e controlo minha súbita vontade de sorrir pra ela.

- Qual é o plano? - pergunta Rosita assim que arrancamos.

- Bom... - começa Rick mas não continua.

- Ótimo, vocês não tem um plano. - balbucio. 

Carl se remexe do meu lado.

- Vamos conversar com Gregory e tentar convence-lo. - diz Michonne.

- Ele é um bundão, não vai concordar em se arriscar. A não ser que se arriscar seja o menor dos riscos. - digo.

- E o que você sugere? - pergunta Rosita com a sobrancelha arqueada.

- Vamos ameaçar ele, posso dizer que tenho amigos que fariam o favor de acabar com ele caso ele não concordasse. - o clima fica pesado assim que termino minha frase. - Só fazer ele pensar isso, claro, ninguém se oporia ao Negan. - completo.

- Você se opôs. - revida Sasha.

- Para Negan eu não sou como o resto deles.

Sasha me encara com desprezo antes de se virar para frente novamente. Carl ri nasalado, me fazendo rir também.

- O que vamos fazer, Rick? - questiona Glenn, deixando um ar duvidoso no local.

- Vamos tentar conversar com ele, se não der certo a Margot entra em ação. - ele olha pra mim pelo retrovisor. - Ela vai saber quando agir.

 


Carl's Pov

 


Todos saem do trailer e seguem em direção a casa. Enid estava alguns passos à frente ao lado de Maggie, elas ficaram muito próximas desde que Glenn voltou, e provavelmente vão ficar ainda mais visto que o tempo que antes ela passava comigo está sendo gasto ajudando Maggie. Eu sei que fui um idiota com ela e que ela está certa de não falar comigo, mas me incomodava o modo como ela me olhava. Suspiro e entro no salão, vendo Gregory já na porta de sua sala, com certeza à nossa espera.

- Entrem logo, não tenho muito tempo.

Todos andam em passos rápidos pela sala. Jesus entra por último, fechando a porta atrás de nós, ele faz sinal para que a gente se sente mas ninguém se mexe.

- Precisamos falar sobre os Salvadores... - começa meu pai mas é interrompido.

- Ah Rick, não temos nada pra falar, tínhamos um trato e você só piorou as coisas.

- Precisamos de ajuda, não temos o suficiente em Alexandria. 

- Não vou envolver meu povo nisso, essa guerra não é minha.

- Não é sua? Estamos fazendo isso por todos nós! - revida Sasha.

- Estão fazendo isso porque eles mataram um dos seus, porque estão com medo.

- Medo? Então não estava com medo quando topou que acabássemos com todos eles? - pergunta meu pai.

- Gregory, acho que você deveria pensar nisso. - Jesus fala.

Gregory suspira e se inclina em sua cadeira.

- Está do lado deles então?

- Estou do lado que é certo. 

- Não foi esse o acordo, Hilltop não irá lutar.

Glenn dá um passo a frente. 

- Queremos lutar, podemos vencê-los, mas precisamos ficar juntos. - ele insiste.

- Não tem chance de eu concordar com isso. - ele diz, com um ar de ponto final. 

Meu pai olha de canto de olho para Margot e ela assente, dando alguns passos pra frente em direção à mesa. Ela apoia os braços e se inclina mantendo seu rosto mais perto do de Gregory de uma maneira provocante, até mesmo pra mim.

- Bom, é muito simples Gregory. Você sabe que estive com os Salvadores e...

Ele solta o ar dos pulmões de uma maneira irônica.

- Eu sei muito bem de onde você veio, lembro do seu estrago da última vez. - ele diz.

Ouço a loira suspirar, e tenho certeza de que a memória desse dia passou pela cabeça dela.

- Eu matei a garota porque ela estava errada. 

- Na conta de quem? - ele rebate.

Suspiro, ele conseguia ser insuportável.

- Bom, é o seguinte, eu conheço pessoas lá, pessoas que são minhas amigas e adorariam acabar com essa sua cara enrugada caso você não coopere.

Ele fica pálido e senta na cadeira. Rio pelo nariz sendo advertido com um olhar de meu pai.

- Não pode me matar, Negan descobriria. - ele diz mas nem ele parecia muito convicto. 

- Você não é muito novo Gregory, pode ser uma causa natural você não acha? - Margot ironiza, novamente. - Sem contar que temos errantes para todo o lado, não precisaríamos nem do corpo para um enterro.

Gregory suspira.

- Vai mesmo deixar essa garota me ameaçar desse jeito, Rick? - ele pergunta.

- Você teve uma chance e não aceitou. - começa meu pai. - Estamos com ela.

A sala fica em silêncio por alguns longos segundos, tempo o suficiente para me entediar, até que Gregory finalmente abre a boca. 

- Tudo bem, veja tudo com Jesus, ele me passará as informações. - Margot dá meia volta e sorri triunfante, acabo sorrindo também. - Não esperem muito. 

- Sei que não vamos se arrepender. - ela diz e segue para as portas. 

Todos se movem e seguem atrás dela, incluindo eu. Era bem intrigante o poder de persuasão dela. Chegava a ser divertido vê-la jogar. 

- Ela é boa. - diz Jesus assim que colocamos o pé pra fora da casa. - Deixou o Gregory sem outra escolha, o que não é algo muito fácil de ser fazer.

Meu pai sorri com o canto da boca e olha para a garota.

- Demos uma chance, ela vai fazer por merecer nossa confiança.

- Sua fé em mim me emociona Rick.

Ouço algumas risadas. 

- O que vamos fazer agora? - pergunta Rosita.

- Acho que está na hora de vocês conhecerem o Reino. - a loira diz.

- Já? Acha que é uma boa ideia? Rei Ezekiel não gosta de visitas. - diz Jesus.

- Rei? - questiono.

- Só um velho idiota que se auto-intitulou rei. - ela explica. - Vamos pra lá agora, quando mais cedo melhor. 

- Jesus? - meu pai o chama, como se perguntasse se devemos confiar.

- Vão com ela, Ezekiel não irá machuca-los. - ele garante.

Todos assentem.

- Vou ficar. - diz Maggie. - Vou ajudar Jesus a organizar tudo por aqui, sem contar que vai ser bom ter um médico por perto por um tempo. 

- Como assim por um tempo? - Margot pergunta.

- Pelo menos até estarmos prontos pra lutar. 

- Vou ficar também. - diz Glenn.

- Nem pensar. - se intromete Sasha. - Rick precisa de você com ele. Eu fico aqui.

- Mas...

- Glenn, você pode vir aqui a qualquer momento, é menos de vinte minutos se você vier de carro. 

Ele suspira mas assente, sabendo que não havia mais nada que ele pudesse dizer para deixarem ele ficar.

- Deveria eu avisa-los do... - começa Jesus mas Margot faz um "xiu" com a boca.

- Avisar do...? - insiste Michonne.

- Nada demais, não precisam se preocupar, é algo idiota na verdade. - ele garante.

Todos se entreolham não parencendo muito convictos. 

- Alexandria, seu novo mundo vai ficar bem mais estranho depois de hoje. - Margot garante e sai sorridente em direção ao trailer.
 


Notas Finais


Espero que tenham gostado aaa
Vou tentar postar semana que vem outro pra vocês
Até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...