História Monster - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hunter x Hunter, Naruto
Personagens Gon Freecss, Hisoka, Illumi Zoldyck, Killua Zoldyck, Kurapika, Leorio Paradinight, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno
Tags Drama, Hunter X Hunter, Naruto, Romance, Triângulo Amoroso
Visualizações 39
Palavras 1.896
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo pra vocês! XD
Boa leitura :)

Capítulo 4 - Primeiro encontro


Fanfic / Fanfiction Monster - Capítulo 4 - Primeiro encontro

Acordar cedo é definitivamente a pior coisa do mundo, entretanto, estou livre, então não me importo em fazer isso. Após trocar de roupa e tomar o café da manhã, vou para o Terceiro Campo de Treinamento, assim como a Hokage disse, e chegando lá, não encontro ninguém.

Me sento no galho de uma árvore e aguardo, sonolenta. Observo as folhas caindo da árvore onde estou e pego uma, colocando-a na palma da minha mão. Sorrio de canto e deixo-a voar, livre. Olho para o amanhecer e me sinto leve com a brisa cálida vindo contra o meu rosto.

— Bom dia — ouço uma voz fina dizer e olho para baixo.

Me deparo com uma menina loira com um vestido rosa esvoaçante e arqueio a sobrancelha.

Será que ela é a Biscuit? Não pode ser! Todos dizem que ela é tão poderosa! Não pode ser uma mera menina.

— Bom dia — respondo.

— Você é a Junko?

— Sim... e você é a Biscuit? — Indago lançando-lhe um olhar cético.

— Sim, mas pode me chamar de Bisky.

Desço da árvore e sorrio de canto para a menina, ainda incrédula. Me recuso a acreditar que Biscuit Krueger é uma garota de 11 anos de idade!

— Então... Vamos começar o treinamento! — Ela exclama com um sorriso um tanto infantil. — Você já fez o Teste da Água?

— Sim, sou uma Manipuladora.

— O.k.! Isso já me adianta muito! Já sabe controlar o seu Nen?

— Sei... Só não consigo manter a aura por muito tempo. O máximo que consegui foram duas horas e alguns minutos.

Ela põe o dedo indicador sob os lábios, pensativa. Sua simpatia excessiva me soa falsa, mas tento não transparecer meu descontentamento. Ela percebe meu olhar e sorri de canto:

— O que foi? Está estranhando o fato de uma menina ser sua professora? — Meneio a cabeça positivamente e ela continua: — Pois saiba que eu tenho 57 anos.

Arregalo meus olhos, em sinal de surpresa, e minha boca se abre involuntariamente.

Essa garota tem 57 anos?! Impossível!

— Bom, vamos começar o treinamento... Já fez o teste de resistência?

— O que é isso?

— Uma pedra fica amarrada por uma corda no topo e, se você dormir e largá-la, a pedra cai na sua cabeça.

— Ah, já fiz.

Ela me olha com os olhos arregalados, surpresa, e me pergunta o que eu já fiz. Explico tudo detalhadamente — que foram praticamente todas as etapas, devido ao meu tempo presa — e ela já pula para a parte de manter a aura. Ativo a minha aura e ela se surpreende.

— O que foi?

— N-nada...

Rio de sua resposta e logo entendo seu medo: enquanto a aura da maioria dos Hunters é clara e pura, a minha é escura e sinistra, como a de Hisoka e Illumi.

Mantenho a aura ativa o máximo de tempo possível. Enquanto me esforço para ultrapassar meu recorde atual, ela se senta no gramado e abre uma revista erótica.

— Bisky — chamo-a e ela olha para mim —, o que acontece se eu utilizar chakra e Nen simultaneamente?

— Você se sentirá exausta muito mais rápido. Por que a pergunta?

— Só curiosidade mesmo.

Então se, por acaso, eu me descontrolar e liberar a Besta enquanto uso Nen, provavelmente acabarei desmaiando de cansaço.

.   .   .

Caio no chão, exausta. Bisky me olha, indiferente, e diz:

— Quase lá.

Fiquei muito tempo sem treinar. Merda! Essa é a pior etapa!

Enquanto ofego, ouço passos próximos à mim e olho para a frente. Naruto e Sakura estão vindo na minha direção. Me levanto do chão e ativo a aura novamente, agora com mais intensidade. Sakura me olha surpresa, provavelmente por causa da minha aura, mas não cessa os passos.

Imploro para Bisky me dar uma folga, mas ela nega e me faz treinar mais. Reviro os olhos e faço o que ela mandou a contragosto. Após cair devido a exaustão novamente, ela olha no relógio e diz que eu consegui completar três horas com a aura ativa.

Comemoro com gritos e pulos e pergunto se já posso almoçar. Após obter uma resposta positiva, me junto à Naruto e Sakura e nós caminhamos, à procura de um restaurante.

— Vamos comer no Ichiraku? — Naruto pergunta com os olhos brilhando.

— De novo? Como você consegue comer a mesma coisa todos os dias? — Sakura questiona, indignada.

— É, vamos pra outro lugar, Naruto.

Ele faz um biquinho, frustrado, e eu rio de sua cara. Entramos em um restaurante aleatório e fazemos os pedidos. Ouço as reclamações de Naruto quanto ao restaurante não ser o Ichiraku e reviro os olhos, mas acabo soltando uma risada. Ele é bem teimoso e inconveniente quando quer!

Após o almoço, voltamos para o Terceiro Campo de Treinamento, claramente preguiçosos. Minha vontade de treinar agora é nula, mas tenho que fazer o que a Hokage quer para manter minha liberdade.

.   .   .

Volto para o meu quarto e tomo um banho gelado, na expectativa de renovar minhas energias. O treinamento foi intenso! Pensava que Bisky era menos rígida, mas é totalmente o contrário. Preciso me acostumar ao seu jeito, se não estarei ferrada!

Visto uma calça de moletom preta com um cropped branco e calço meu único par de sapatos, que já está bem gasto. Saio do local e perambulo pela Vila, à procura do Uzumaki e da Haruno, e logo os encontro andando e rindo sobre algo em frente à uma floricultura. Me junto à eles e continuamos a andar, agora entre risos, por causa de Sakura, que insiste em contar coisas vergonhosas sobre o tempo em que ela e Naruto integravam o Time 7.

— O Naruto era bem inconveniente e teimoso — ela começa —, por isso sempre gostava de se mostrar. Ele e o Sasuke eram rivais e ficavam disputando o tempo inteiro, enquanto eu apenas assistia tudo.

— Ei! Eu não era inconveniente!

— Era sim — Sakura afirma como se fosse algo óbvio. — Ainda bem que você parou com isso, porque era vergonhoso! Aliás, você diminuiu seus "ataques de inconveniência". Agora só dá "ataques de outra coisa".

Após o que a rosada diz, ele lança um olhar amedrontado sobre ela e logo olha para outra direção, como se quisesse disfarçar. Fico sem entender o que ela disse, mas mesmo assim, não faço menção de pedir explicações.

— Ah, vamos entrar aqui? Eu tô com sede — Naruto diz, provavelmente para quebrar o silêncio constrangedor.

Eu e Sakura concordamos e entramos em um bar. Paramos em frente ao balcão e enquanto Naruto pede algo para beber, eu analiso o ambiente e encontro uma silhueta familiar próxima a mim e vou em direção à ela e me sento ao seu lado.

— Hisoka? — pergunto e o ruivo olha para mim.

— Olá.

— Fugiu de novo?

— Claro — ele responde com um sorriso maldoso.

— Você nunca sairá daquele lugar se continuar assim. — Advirto, preocupada. Gostaria muito que ele saísse daquela maldita prisão.

— Não me importo.

— Tenho uma novidade! — Anuncio com um sorriso radiante.

— O que aconteceu?

Explico para ele como consegui liberdade e ele me olha, espantado. Sorrio vitoriosa ao me lembrar do quão ele foi cético quando lhe disse sobre pedir liberdade e ele comenta, com um sorriso de canto:

— Fazia tempo que não te via feliz assim.

Fico impressionada pelo seu comentário. Pela primeira vez em anos ele sorriu de uma forma gentil, não maquiavélica, como ele sempre faz.

Naruto aparece atrás de mim segurando uma lata de refrigerante, seguido de Sakura. Os dois estão estáticos, com certo pânico no olhar, enquanto Hisoka os encara com seriedade.

— Você está andando com eles? — Ele pergunta.

— Ah, sim... Eles são legais.

— Hum... — Ele comenta, sem interesse.

Pelo visto, ele não gostou nada da minha atual companhia. Tento quebrar o clima pesado com um convite:

— Quer andar com a gente?

— Não, obrigado — ele recusa educadamente, enquanto seca Naruto com os olhos.

— Então, eu vou indo — me despeço para acabar com o clima ruim.

Ele agarra minha cintura e deposita um beijo intenso nos meus lábios. Ao sentir a textura de sua boca na minha, meu corpo estremece e eu passo minhas mãos pela sua nuca. Só ele consegue me deixar louca com um simples toque.

Após o fôlego se dissipar dos nossos pulmões, ele me solta, encerrando o beijo. Aceno para ele com um sorriso de canto, em sinal de despedida, e me direciono para a saída do local. Ele devolve o gesto e o habitual sorriso malicioso volta a moldar seus lábios finos.

Já fora do bar, Naruto e Sakura se entreolham, tensos. Decido começar um assunto aleatório para eles esquecerem de Hisoka, mas Sakura me interrompe:

— Você e ele... namoram?

— Não... Eu diria que é uma "amizade colorida".

Eles ficam calados novamente, mas Naruto intervém falando sobre treinamento e como ele gostaria de ser Hokage. Não sabia que ele carregava tanta ambição, afinal, ele parece contente com o que já possui.

Enquanto ele fala o por quê prefere ser um ninja ao invés de um Hunter, minha mente me remete à cena de poucos minutos atrás.

Hisoka pareceu incomodado com a presença dos dois, mas principalmente com a do Naruto. Será que ele está com... ciúmes de mim?

Não... Ele é muito egoísta para isso, Junko.

O grito de Sakura me desperta dos meus devaneios. Olho assustada para ela, que está com a blusa molhada, e vejo-a xingar e bater em Naruto.

— Seu idiota! Por que você fez isso?!

— Ninguém mandou você contar uma piada enquanto eu estava tomando refrigerante! — Ele exclama em meio aos risos.

Acabo rindo da situação, o que deixa Sakura mais furiosa do que já estava. Ela decide passar em casa para trocar de roupa e nós a acompanhamos calados.

Paramos em frente à casa dela e a esperamos, pacientes. Olho para Naruto, que já terminou de beber seu refrigerante, e percebo que ele está um pouco abatido. Mordo o lábio inferior, indecisa.

Devo perguntar se há algo de errado com ele ou não?

Depois de martelar essa pergunta diversas vezes, opto por não questioná-lo. Afinal, se ele quisesse compartilhar algo, já teria me contado.

Após poucos minutos, Sakura sai de casa e nós retomamos a caminhada. Me despeço deles, devido ao meu cansaço, e sigo para o Campo de Treinamento. Me deito no gramado e fico observando o céu estrelado. Ouço passos e olho para o lado: Hisoka.

Ele se senta ao meu lado e permanece calado, observando o céu com um sorriso sacana.

— Você anda sumido. Sinto sua falta. — Confesso e mordo o lábio inferior, duvidosa em relação ao que acabei de contar. Deveria ter falado ou não?

O silêncio se alastra pelo local como fogo quando se funde à gasolina. Permaneço calada, aguardando uma resposta do mágico, mas ele não diz nada.

— Por que está tão calado? — Pergunto, impaciente, sem olhá-lo nos olhos.

— Quero matar alguém — ele responde e eu olho para o lado, me deparando com um sorriso maldoso em seu rosto alvo e seus olhos semicerrados. Ele está claramente excitado.

Arqueio a sobrancelha e volto meu olhar para o rio que está à minha frente.

Parece que ele não me escuta! Pelo menos Naruto e Sakura parecem se importar com o que eu digo.

Me levanto do chão sem falar nada e o abandono, solitário no gramado. Ele não irá sentir minha falta, de qualquer jeito.

Volto para o meu quarto com um sorriso bobo nos lábios. Estou finalmente me sentindo valorizada! Qual será a próxima etapa do meu treinamento?

Mal posso esperar pelo dia de amanhã! 


Notas Finais


O que acharam do capítulo? Deixem suas impressões nos comentários :)
Beijinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...