História Monster under the bed - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Bobby Singer, Castiel, Crowley, Dean Winchester, Personagens Originais, Sam Winchester
Tags Amara, Anjos, Apocalipse, Bob Singer, Castiel, Chuck, Crowley, Darkfic, Darkness, Dean, Demonios, Depressão, Insanidade, Loucura, Lua, Monstros, Nuvem, Romance, Sam, Sobrenatural
Visualizações 42
Palavras 3.742
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente me peeerdoem a demora pra postar esse cap. pra vocês! Eu estava com algumas idéias na cabeça mas acabei mudando de ideia. Espero que me perdoem! Aqui esta um capitulo fresquinho pra vocês se deliciarem! Espero que gostem, pois demorou um tempo pra pensar em tudo isso!😰 leiam com carinho!😂

Capítulo 6 - Do not trust, just kill!


Fanfic / Fanfiction Monster under the bed - Capítulo 6 - Do not trust, just kill!

"Me acorde

Você não vai me acordar?

Presa em um soho rium

Me acorde

Eu quero sentir o sol

Presa em um sonho ruim

Sinto como se estivesse congelando

Nenhum lugar para correr

Nenhum lugar para correr de você."

~Ruelle


Sky's pov

Acordei com dor na cabeça e um pouco zonza. Eu estava num quarto muito bem arrumado, deitada numa cama macia com um edredom branco me cobrindo. Eu olhava envolta e percebia que tudo naquele quarto parecia caro e chique. Próximo a minha cama havia uma janela com cortinas brancas envolta do qual conseguia ver praticamente tudo do lado de fora. De repente uma mulher loira,( de óculos e prancheta, com blusa vermelha, saia preta que ía até o joelho, e jaleco branco) entrou no quarto e veio até a minha direção.

-Você acordou! Que bom!-diz ela com um sorriso meigo.

-O que houve?-digo sendo direta.

-Longa história!- diz ela se sentando na cama onde eu estava, e pegando uma caneta, parecendo que ia anotar alguma coisa.

-Quem é você? Onde esta o Bob?-digo curiosa

-Uma pergunta de cada vez por favor!-diz ela rindo.

-Eu tenho que ir embora!-digo sentando impaciente, me descobrindo.

-Opa! Se acalme sky! Você tem que descansar!- diz ela colocando a mão nos meus ombros querendo fazer com que eu deite de novo na cama.

-Eu vou embora agora e você não vai me impedir!-digo exaltada tirando as mãos dela dos meus ombros.

-Okay! Poderá ir embora quando fazer sua quimioterapia-diz ela passivamente.

-O que? Eu tenho câncer?-digo apavorada começando a ter falta de ar.

-Não! Eu disse isso pra você se sentar!-diz ela rindo da minha cara.

-Que tipo de doutora é você?!-digo confusa.

-Tudo bem! Você é direta né?!.. Você esta no hospital psiquiátrico, e eu sou a chefe dos enfermeiros e sua doutora, Susan Baker!-diz ela fazendo gestos.

-O que? Um hospital psiquiátrico?-digo desacreditada.

-Sim!..Me disseram que você passou por um momento difícil com sua família!Você não esta bem!-diz ela parecendo preocupada.

-Eu estou ótima! Esta tudo bem! Eu não tenho problema nenhum!-digo nervosa.

-Não precisa ficar assim! Ninguém esta te acusando! Só estou dizendo que você tem uma receita do seu medico pra tomar remédios! E que antes de ser encaminhada pra cá, você desmaiou e começou a falar coisas confusas!-diz ela séria.

-Isso foi a muito tempo! Agora eu estou ótima, não preciso mais tomar remédios!-digo zangada.

-Sky pode confiar em mim! Me diga como esta se sentindo de verdade! Pode desabafar comigo! Eu sou sua amiga!-diz ela tentando ser "boazinha".

-Eu estou bem! De verdade, eu estou bem!-digo começando a ficar emotiva.

-Sério?! Não tem nada que você guarda dentro de você la no fundo pra nunca mais encontrar?-diz ela abaixando o óculos desconfiada.

-Como assim?-digo me fingindo de desentendida.

-Ta bem! Do que você tem medo?-diz ela sendo direta.

-Eu não tenho medo!- digo autoritária.

-Jura?! Então porque você ficou repetindo "Olhos azuis!" e "Fantasma da minha mãe!"?-diz ela desconfiada.

-Eu nunca disse isso!- digo disfarçando.

-Não minta pra mim!- diz ela autoritário.

Você não vai acreditar em mim!-digo emotiva.-Eu não acreditaria!-sussurro.

-Tente!-diz ela confiante sorrindo.

-Você que sabe!...-digo despreocupada com um sorriso no canto da boca.-Eu as vezes tenho o mesmo sonho com "olhos azuis"!

-"As vezes" quer dizer sempre não é?!..-diz ela séria confirmando o que ela mesma diz e escrevendo algo na prancheta.-...Okay! Esse olhos azuis é o monstro do qual você tem tanto medo?- diz ela apontando a caneta pra mim, séria.

-Não!-digo confusa.

-Okay, você quer dizer sim!-diz ela ainda anotando na prancheta.-E sobre o fantasma da sua mãe te assombrando?-diz ela direta.

-Eu não sei! Ela apareceu de repente e esmagou meu coração e estava com os olhos azuis! Nem parecia que era ela mesma! Eu a odeio, mas ela agia como se me amasse, mesmo que de mentira!-digo emotiva segurando as lágrimas.

-Então não era ela! Era seu medo dela! Você juntou os seus medos, e transformou num monstro!-diz ela explicativa.

-Talvez seja! Eu não sei!...As vezes enquanto durmo, tenho uma sensação ruim, é como se algo me vigia-se! Como "algo debaixo da minha cama"!..-digo já confiando nela.

-Eu já tirei minha conclusão!-diz ela guardando os óculos, séria.

-E qual é?-digo curiosa.

-"O monstro debaixo da sua cama", é algo da sua cabeça! Tem medo de ser diferente, e por isso cria um monstro e o culpa pelas coisas estranhas que acontecem ao seu redor!-diz ela preocupada colocando a mão dela sobre a minha.

-Eu não tenho certeza que tudo é coisa da minha cabeça! Existe tantos monstros por aí e coisas que ninguém consegue explicar!-digo super confusa.-Meu sonho pode ser algo inexplicável, mas também pode haver uma explicação, totalmente fora do comum!

-Pode ser que seja!-diz ela direta.

-Isso quer dizer que você acredita no que eu estou dizendo?-digo desentendida.

Nesse momento, ela fica estranha e se levanta, se afastando um pouco da cama. Ela coloca os óculos e a prancheta sobre uma estante, perto da janela. E se vira com um sorriso "diabólico".

-É claro que eu não acredito! Eu seria "louca" por acreditar!-diz ela sarcástica.

-Doutora Baker, esta tudo bem?-digo desconfiada.

-Esta tudo ótimo!-diz ela sendo sínica.

-Eu acho que já vou embora!-digo me levantando da cama nervosa, e indo em direção a porta.

-Não vai não! Me desculpe sky mas eu não posso te deixar ir!-diz ela entrando na minha Frente, e encostando seu a sua mão no meu rosto.

-Como assim?-digo assustada.

-Eu sou um monstro! Sou uma Wraith e me alimento da sua loucura! E pelo o que eu posso ver, você é completamente "louca"!-diz ela sendo irônica, rindo atoa de deboche.

-Mas se você é um monstro, e sabe que o Bob vai acabar com você! Por que quer se arriscar?!-digo autoritária.

-Eu sei mas.. Existe uma história de ninar pra crianças-monstro durmirem, e você estava descrevendo a história agora a pouco, e isso é estranho!.. Eu não acredito que seja verdade mas é melhor se previnir não é?!-diz ela sarcástica.

-Por que?...É só uma história!-digo desconfiando.

-Se ela for verdadeira, os demônios vão querer dominar todos os monstros, e eu não quero me curvar para aqueles "inquilinos do demônio malditos"!-diz ela com ódio.

-Então o que você vai fazer?-digo nervosa e preocupada.

-Eu vou mostrar aquela prancheta, que esta dizendo que você é esquizofrênica e que precisa ficar sobe os meus cuidados e mantida em contenção máxima, para os outros enfermeiros, e vou sugar cada gotinha do seu fluido cerebral, até você virar uma ameixa seca!-diz ela querendo me apavorar.

-Eu vou conseguir fugir, sabe disso!-digo tentando intimida-la.

-É claro que não! Você já esta sobe o meu efeito de "loucura"!-diz ela despreocupada.-E se você tentar, eu quebro as suas pernas, ou melhor! Eu corto a garganta do seu querido Bob!-diz ela com um olhar diabólico.

Nesse momento começo a ver as coisas distorcidas, e ela tira do bolso do jaleco uma seringa com um liquido transparente dentro.

-O que é isso?-digo com raiva, autoritária.

-É um remédio que vai fazer você durmir e durmir!-diz ela de deboche, fazendo gestos.

-Eu juro que quando eu puder, eu vou cortar a sua cabeça fora!-digo com ódio.

-Jura?!-diz ela de deboche, se aproximando do meu ouvido.-Diga isso quando eu estiver sugando sua "loucura" gota por gota!-ela sussurra.

-Acaba logo com isso sua cachorra!-digo autoritária com ódio.

-Boa noite!-diz ela de deboche, injetando a seringa no meu pescoço.

O remédio faz efeito rapidamente, começo a ver tudo embaçado, começo a ficar tonta, era como se tudo ficasse girando e criando coisas ao meu redor que não existiam, e eu acabo caindo no chão.

3 anos depois...


Oklahoma, Agora

 Sam's pov

Era noite, eu e o Dean estávamos numa caçada atrás de um fantasma vingador chamado Roger Friman, que queria matar todos que fizeram bulling com ele na época da faculdade. Uma das vitimas que estava sobe nossa proteção, se chamava Stephany Western! Uma advogada, que foi a líder de torcida que "despedaçou" o coração do nosso fantasma quando ele a convidou pra ir ao baile.

Eu tinha acabado de encontrar os ossos dele e já me preparava para queima-lo, quando escuto o telefone tocar.

-Alô?-digo entediado.

-Sam!..Alô sam!..Queima logo esses ossos!..Sam.. Rápido!-diz Dean nervoso.

O telefone estava falhando. Eu me apresso e derrubo o isqueiro encima dos ossos, e vejo ele pegar fogo rapidamente, como fogos de artifícios. Entro no impala e vou direto pra casa da Stephany. Chegando lá, saio do carro com pressa pra ver se a queima dos ossos tinha funcionado e entro na casa, que era muito bonita e moderna.

Vejo Stephany abraçada ao Dean chorando de nervosismo dentro do círculo de sal. Dean tentava acalma-la, enquanto eu ficava reparando na sala, que estava praticamente destruída, e nos dois, que estavam com machas de sangue e alguns machucados pelo corpo.

Depois de se despedir, Stephany abraçada nos dois dizendo que somos os heróis dela, e enquanto estou indo pro impala, consigo ver Stephany beijando o Dean como forma de "agradecimento", só por ele ter ficado com ela dentro do sal, enquanto eu queimava o maldito fantasma, que injusta é a vida não é?!

Dean entra no carro todo bobo com um sorriso de orelha a orelha.

-Vejo que a caçada não foi tão ruim como você disse que ía ser!-digo de deboche.

-Tinha razão Sammy!-diz ele todo alegrinho olhando pra mim.-Essa caçada foi boa!-diz ele sorridente ligando o carro.

-Se você esta dizendo!-digo despreocupado.

-Eu não tenho culpa se elas preferem o caçador, do que o nerd!-diz ele de deboche fazendo gestos.

-Dirige logo esse carro!-digo frustrado.

-Não aceita perder!-diz ele desapontado de deboche, dirigindo rumo a qualquer hotel pra poder descansar.

Eu estava um pouco exausto com essa última caçada, mas não tanto como dean! Assim que chegamos no hotel, ele capotou na cama e não acordou mais.

Dia seguinte...

Fui o primeiro a acordar como sempre, e me levantei indo direto pro banheiro. Assim que terminei de tomar banho e escovar os dentes, sai do hotel pra comprar alguma coisa pro café da manhã. Depois de comprar, eu volto pro hotel, e tomo meu café da manhã na mesa que havia no quarto, e LIGO o meu notebook que já estava ao meu lado.

Sei que ultimamente eu e o dean estamos caçando sem descansar, mas gostaria que as coisas voltassem a ser como antes! Antes de tudo que aconteceu a nós dois, mas infelizmente o passado se chama passado, e não é atoa!.

Enquanto dean estava dormindo, eu pesquisava casos estranhos no meu notebook, até que acabo encontrando algo que parece ser o nosso tipo de caso.

-Dean!- digo tentando acorda-lo.

-O que é Sammy?!-responde Dean ainda estava deitado, resmungando.

-Escuta só isso: "Em Los Angeles, teve um aumento no numero de assassinatos nesse ano, inesperadamente"...Isso não parece um pouco estranho?-pergunto desconfiado.

-E o que não é?! Enfim, pra mim esta parecendo mais uma revolta de assassinos, talvez!- responde Dean sarcasticamente, se levantando da cama.

-Também pensei nisso, mas não esta parecendo coisas de demônios?-pergunto desconfiado.- Aqui esta dizendo que, "...Todas as vitimas são mulheres que nasceram em 1986, em Chicago"

-Por que isso agora? Estamos em meio a vinda do apocalipse! Pra que tantos assassinatos?- diz Dean indignado.

-Vamos ter que ir lá e descobrir!- digo cansado, com um sorriso falso.

De repente castiel aparece, como ja era de costume.

-Tomem cuidado!- diz ele sério.

- Por que? É só mais uma caçada!- diz Dean despreocupado.

-Coisas desse tipo não são comuns! Esta me parecendo, que estão a procura de alguém, especificamente!- diz ele desconfiado.

-Pra quê? O que eles estão planejando?- diz Dean revoltado.

-Os demônios não são de planejar coisas em equipe!.. Alguém esta comandando eles!- diz castiel.

-Quem faria tal coisa?- pergunto curioso.

-Eu não sei! Mas teria que ser alguém superior a eles! Alguém mais forte, talvez!- diz castiel preocupado com esse caso.

-Já estou vendo que vou precisar de uma cerveja!-diz Dean de deboche pegando uma cerveja na geladeira.

Castiel desaparece. Enquanto isso, Dean arrumava as coisas pra mais uma caçada, e eu pesquiso onde mora uma das primeiras e últimas vítimas e procuro uma relação entre todos os casos, algo que liguem todos eles, até que eu acabo encontrando uma casa que esta perto de todos os outros casos, e que pode ser uma pista, para os casos de Los Angeles. Assim que tenho o endereço, eu e Dean vamos para a estrada!

Muitas horas depois...

Los Angeles, Dean's pov

Chagamos no endereço da nossa única pista. Era uma casa simples no subúrbio, verde e branca, mas muito bonita. Eu ajeitava o meu terno, e logo depois saio do carro junto com sam, indo em direção a porta. Nos decidimos bater dessa vez, ao invés de invadir! Nesse momento somos atendidos por uma mulher parecendo ter 44 anos, branca de cabelos castanhos escuros e com algumas sardas no rosto e nos braços.

-Como posso ajudar?-diz ela confusa, parecendo estar abatida.

-Sou o agente, Philips! E esse é o agente Smith!-digo mostrando o distintivo junto com o sam.-Gostaríamos de conversar sobre o desaparecimento da sua filha!

-Podemos entrar!-diz sam com um olhar de emotivo, para que ela aceite conversar.

-Tudo bem, entrem!-diz ela abrindo passagem para a gente entrar.

Fico olhando ao redor da casa, que era bem "aconchegante". Eu e sam nos sentamos no sofá enquanto ela pegava duas xícaras de café. Assim que ela nos oferece as xícaras, ela se senta na nossa frente.

-O que vocês querem?-diz ela nervosa.

-Me desculpe! Serei breve!-diz sam, formalmente como um nerd.

-Queremos saber detalhes sobre o desaparecimento da sua filha, sr.Thomaz!-digo sério.

-Me chamem de Louise!-diz ela tensa.-Tiveram notícias da minha Cherry?!-diz ela ficando emotiva.

-Infelizmente não, Louise! Mas talvez possa nos ajudar, contando detalhes estranhos no dia que Cherry desapareceu!-diz sam sério.

-Como assim "detalhes estranhos"?-diz ela confusa.

-Qualquer coisa, como: Luzes piscando, fumaça negra, cheiro de enxofre, coisas desse tipo!-diz sam um pouco entediado.

-Não! Eu não sei de nada estranho!-diz ela nervosa, tentando disfarçar.

-Jura?! Porque essa informação poderia ser útil para encontrar a sua filha!...Mas se você esta dizendo que não sabe de nada!..-digo de sarcasmo, se fingindo de desentendido.

-Vocês não acreditariam se eu contasse!-diz ela nervosa.

-Já ouvimos algumas coisas por aí!-digo de deboche.-Nos acreditamos na verdade, Louise!-digo agora sério.

-Esta bem! Na verdade ela não sumiu!...Ela foi sequestrada!-diz ela séria.

-Você viu quem a sequestrou?-diz sam curioso.

-Eu tinha acordado com os berros de Cherry e fui até o quarto dela, assim que eu cheguei lá, só consegui ver um homem negro de terno preto, amarrando os braços e pernas de Cherry!-diz ela emotiva.

-Você já viu esse homem antes?!-diz sam curioso.

-Eu acho que sim, na faculdade da minha filha!-diz ela sem entender nada.

-Notou alguma coisa estranha nele?!-digo sendo direto.

-Assim que ele tinha me visto, eu percebi que os olhos dele estavam completamente pretos! E ele tinha desaparecido de repente com Cherry nos braços!-diz ela nervosa.

-Obrigado por ser sincera com a gente! Faremos de tudo pra encontrar sua filha, é uma promessa sr.Louise!-diz sam compassivo, apertando a mão dela. Logo depois, nos dois saímos e vamos em direção ao carro.

-Eu espero que vocês tragam Cherry de volta pra mim!...-diz ela emotiva.-Adeus!...-diz ela nos olhando da porta.

Assim que entramos no carro, ficamos debatendo onde "cherry" poderia estar.

-Vejamos o que temos!.."Um demônio sequestra Cherry que nasceu no ano de 1986 na cidade de Chicago, e logo depois outros demônios sequestram outras garotas que tem esse mesmo tipo de perfil! E não sabemos o porquê, e nem pra onde eles levam as garotas!"...-diz sam parecendo estar sem ar, de tanta coisa que disse. -Pelo visto estamos que nem ratinhos cegos!-diz ele de sarcasmo, decepcionado.

-Podemos ver quem vai ser a próxima vítima, e esperarmos ele aparecer!-digo sendo direto.

-O plano clássico? Esse nunca fica velho demais pra ser usado! Vamos fazer isso!-diz sam sério com um sorriso no canto da boca.

-Isso não vai funcionar! É inútil!-diz Castiel aparecendo de repente.

-Por que não?-diz sam confuso.

-Mesmo que vocês peguem o demônio, e encontrem as vítimas, ele vai mandar outros demônios e faram novas vitimas!-diz cass sério.

-"Ele" quem?-digo desconfiado.

-Eu não sei, mas deve ser o chefe deles agora!-diz ela angustiado.

-Qual é o seu plano então?-diz sam "desafiando".

-Bom! Como eu tinha dito, esse chefe esta procurando uma mulher específica, é preciso encontra-la antes deles!-diz castiel convicto.

-Então "rastreia" ela com seu "radar" de anjo!-digo de sarcasmo, fazendo gestos de aspas com os dedos.

-Não entendi o que você quis dizer!-diz castiel confuso.-...Mas a questão é que eu não consigo! Não sei onde ela esta!-diz castiel lamentando.

-Bom! Como você não tem um plano melhor e o seu "radar de anjo" esta com defeito, vamos ter que seguir o "plano clássico" mesmo!-digo de sarcasmo, destravando a minha arma.-Eu adoro esse plano, nunca falha!-digo com um sorriso de orelha a orelha.

Vamos para um hotel que fica bem perto das casas, das vítimas. Eu vou pro bar beber um pouco antes de sair pra caçar, enquanto sam fica procurando o endereço da próxima vítima. Depois de ficar "não" completamente bêbado, vou para o hotel saber "as novidades" do nosso caso.

-Hey Sammy! Tem alguma novidade...-digo entrando no quarto, ficando surpreso com a expressão no rosto do sam.-O que houve?

-Dean...-diz ele tentando encontrar as palavras certas.-Eu descobri uma ligação entre as vitimas!

-E o que é?-digo sendo direto.

-Eu não sei, mas a casa da maioria das vitimas fica perto da casa que foi incendiada a 3 anos atrás!...A casa da sky-diz ele emotivo.

-Pera ae! Você esta dizendo que as vitimas tem alguma ligação com a Sky? A Sky do Bob?-digo desacreditado.

-Pelo o que parece, sim!-diz ele duvidando mas convicto.

-É claro que não!-digo Inconformado e tenso.-Essa hipótese é perda de tempo! Se você já sabe onde a próxima vitima mora, vamos agora acabar logo com isso!-digo com um pouco de raiva, saindo do quarto e indo em direção ao meu carro.

Eu estava frustrado com o que sam tinha me contado. É claro que eu não acreditaria, que a nossa Sky tem alguma coisa a ver com aqueles desaparecimentos. Enquanto estou guardando minha arma, sam bate no vidro como se me pedisse pra entrar, com pressa ele entra mesmo assim.

-Desculpe, eu só não queria descartar uma pista...-sam tenta se desculpar mas eu o interrompo.-Não diga nada! Apenas me mostre onde a garota mora!-digo sendo direto.

-A vítima mora a quatro quarteirões da casa da sky!-diz ele sério.

-Coincidência!-digo sério de sarcasmo.

Paramos na rua enfrente a casa da vítima, que se chamava Hillary Wilson. Ficamos observando a espera de algo estranho acontecer, como o demônio aparecer de repente. Anoiteceu e nenhum sinal de demônio! Já começava a pensar que nada iria acontecer, até que escuto gritos vindo da casa. Eu e sam saímos a pressas entrando na casa pela porta dos fundos!

Entramos na casa silenciosamente, já segurando as nossa nossas armas mirando em qualquer coisa que aparecer na nossa frente. As luzes estavam apagadas, eu subi as escadas e sam ficou na sala, estávamos procurando o demônio e a garota.

Tomei cuidado para não ser pego! Fui em direção aos quartos. Olhava um por um, até que chego no quarto da Hillary! Era simples sem cores muito chamativas, fico olhando em volta atrás de mais detalhes sobre "o porquê" dela ser a próxima vítima. Até que percebi um mural de fotos pendurado na parede, e reparei que Hillary não tinha nenhuma foto com os pais, só tinha fotos dela sozinha, aí me dei conta que ela foi criada num orfanato, assim que vi uma foto dela enfrente a ele. Achei suspeito mas acabo ouvido barulhos altos vindo de lá de baixo.

Desço as escadas cuidadosamente a procura de sam. Percebo que não havia ninguém na sala, até que vejo a porta do porão encostada como se alguém "esqueceu" de fechar a porta. Mirando com a arma entrei no porão, e vi Sammy desacordado, e amarrado na coluna de madeira, que servia como suporte de sustentação. Sem pensar duas vezes fui correndo até ele, mas acabo sendo jogado contra a parede pelo demônio.

O demônio estava usando Hillary como casca, que por sinal estava coberta de sangue e com machucados pelo corpo.

-Os Winchesters!-diz o demônio com um sorriso diabólico.-Como vocês gostam de se meter onde não são chamados!-diz ele de sarcasmo.

-Diz logo o que você quer desgraçado!-digo com desprezo.

-Não esta óbvio?!-diz ele sínico.-Eu quero uma pessoa e estou atrás dela!

-Quem?! Por que?!-digo sem entender.

-Não só eu, mas tambem monstros e demônios, estam em busca da "garota da profecia"!-diz o demônio sério com um olhar diabólico.-Existe uma historia para crianças-monstros dormirem, e nela se refere a essa garota que procuramos!

-Desde quando demônios acreditam em contos de fadas?!-digo de deboche.

-Era o que todos os outros monstros diziam! Que era só uma historia de dormir inofensiva, mas agora que "o mestre" voltou, sabemos que ela era na verdade uma profecia!-diz ele sério.

-Por que não conseguem encontra-la? O "radar" dos monstros estão com defeito também?-digo sério de deboche.

-Digamos que sim!-diz ele sínico.-Ela possui uma espécie de proteção que impede de qualquer coisa a encontre, a não ser que ela queira!-diz sério.

-E quem é essa, que tanto estão procurando?!-digo me fingindo de desinteressado.

-Ela...-nesse momento só consigo ouvir o som do tiro sendo disparado nele por sam, que conseguiu sair das amarras. A bala tinha o símbolo da estrela de Davi, e com isso conseguiam-os impedir eles de deixar sua casca.

Eu consigo me desgrudar da parede, e vou direto até o demônio junto com sam, apontando a arma pra cabeça dele.

-Termina o que você ia dizer!-digo autoritário.

-Eu acho que não, bonitão!-diz ele com um sorriso de deboche. De repente ele fica com olhos azuis e consegue sair da sua casaca mesmo com a bala "de Davi".

Assim que saí aquela fumaça negra, Hillary desmaia, e logo depois levamos ela direto pro hospital.

No hospital...

Hillary cresceu no orfanato, e nunca foi adotada por nenhuma família, e assim que fez 20 anos, saiu de lá e foi viver a vida dela sozinha, agora como uma Mulher Adulta. Sam e eu estávamos no saguão do hospital esperando pra poder vê-la, até que uma enfermeira aparece nos chamando para ver a paciente.

-Hey Hillary! Como se sente?-digo chegando perto dela deitada na cama de hospital, cheia de "fios" pelo corpo dela, graças ao ferimento da "bala de Davi".

-Eu me lembro de tudo! Eu sei quem são vocês, e o que fizeram comigo!-diz ela sendo direta, emotiva.-Eu agora estou com uma bala de tiro no corpo que me da uma dor insuportável, mas... Vocês "salvaram" a minha vida, e isso eu não posso negar!-diz ela convicta.

-Sentimos muito por isso! Mas esse é o nosso trabalho, salvar pessoas!-diz sam emotivo.

-Enfim, eu quero que vocês me prometam que vão embora e nunca mais vão vir até mim!..-diz ela ainda frustrada de ter levado um tiro.-Se eu disser uma coisa importante!

-Tudo bem! Como quiser! Nunca mais você vai nos ver por aí! Mas quando precisar não exitaremos em ajudar!-digo sério.

-O que vcê sabe de tão importante?-diz sam sendo direto.

-Quando aquela coisa estava no meu corpo, eu consegui ouvir ele dizendo o nome da a garota que ele tanto procura!-diz ela nervosa.

-E qual era?- digo desconfiado.

-Sky!- diz ela seria, dando uma pausa, e logo depois continua.-O nome dela era Sky!


Notas Finais


Então genteee! Gostaram? Digam o que acharam nos comentários e não se esqueçam de favoritar, que me ajuda muito pra continuar escrevendo pra vocês! Vou tentar fazer os próximos capítulos o mais rápido que eu conseguir! Eu aceito sugestões de vocês pra ver o que vocês gostariam que tivesse na história, pra deixar ela mais incrível pra vocês! Já que vocês merecem, meus amores! Bjjs de nuvem😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...