História Morando com o inimigo. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Karui, Kizashi Haruno, Konan, Mikoto Uchiha, Neji Hyuuga, Rin Nohara, Rock Lee, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, TenTen Mitsashi
Tags Colediais, Competicões, Ódioeamor, Sasusaku, Sasuvssaku
Exibições 181
Palavras 2.280
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, finalmente terminei e tenho certeza que não consegui reproduzir tudo que tinha escrito para esse capítulo anteriormente, mas tem resumidamente tudo. 😔

Espero que vocês gostem e desculpem-me pela demora! 🙏

Boa leitura! ❤

Capítulo 18 - Problemas futuros


Fanfic / Fanfiction Morando com o inimigo. - Capítulo 18 - Problemas futuros



CASA DE VERANEIO YAMANAKA





Visão Uchiha Sasuke.



- Sasuke eu, desculpa, mas eu tô sem acreditar nisso tudo. Tipo, a gente se odeia, certo?


- Não Sakura, eu não te odeio. - Falei irritado.


- Mas é que... - Coloquei o dedo indicador em seus labios lhe calando.


- Só me responda, por favor! - Falei em súplica. Eu estava sem saber o que fazer naquele momento.


- Sasuke eu não posso dizer que sim, eu não confio em você... - Ela disse e desviou seus olhos de mim.


- Você não pode me dar uma chance? - Disse puxando Sakura pelo queixo, obrigando-a à me encarar.



Eu realmente nao tô acreditando que tô me humilhando!



- Sasuke, eu queria que tudo fosse um conto de fadas e que confianças brotassem, mas não é bem assim que as coisas são. - Ela suspirou. - Eu só não quero me machucar ainda mais... - Ela me encarou com os olhos marejados.


Eu puxei Sakura contra meu peito, nos chocamos em um abraço e me permitir aconchega-la em mim. Eu não estava contente com sua resposta, não tinha como estar, mas eu sentia tanto, sentia muito, literalmente, mas eu não podia fazer nada, já havia errado e me apaixonado, então agora não existia saída.


Sakura se pôs a chorar em meu peito e eu não fazia idéia do que fazer.


- Sasuke eu, - Ela fungou. - juro que eu não queria te decepcionar, mas a gente precisa ser amigo antes de sermos namorados.


Sakura enxugou as lágrimas e me fitou esperando uma resposta, eu não sabia o que falar, só sabia que doía e mais, eu sabia  o quanto merecia essa dor.


- Sasuke? - Ela chamou minha atenção, eu estava perdido em suas esmeraldas.


- Eu te entendo. - Foi tudo que consegui dizer.


- Entende!? - Ela pôs as mãos na cintura, me encarando, era engraçado o modo como ela mudava de humor inesperadamente. - Eu choro nos seus braços e é isso que você me diz? 


Antes que Sakura continuasse seu monólogo sem fundamentos e sentido algum, me aproximei ainda mais dela e puxei-a para um beijo. Eu sentia o peso de Sakura em meus pés e ainda assim ela era muito pequena, eu ainda tinha que me curvar para beijá-la, mesmo ela estando em cima dos meus pés.


Pedi passagem com a língua e Sakura cedeu e apesar de nada naquele beijo fazer sentido, só eu sabia o quanto estava sentindo, estava perturbado. Seus lábios estavam ainda mais macios que na última vez que nos beijamos. Nosso beijo estava calmo, mas ao mesmo tempo era tudo tão intenso, tão quente.



- Testuda! - Um grito estérico de uma loira burra interrompeu nosso beijo.


Nos afastamos e Ino apareceu próxima a um arbusto.


Sakura estava só de biquíni e só de olhar seu corpo, já me sentia quente novamente, como em nosso beijo.


- Atrapalho? - Ela perguntou receosa.


- Loira burra inconveniente! - Murmurei em resposta.


- Sasuke! - Sakura me repreendeu.


- Hn. - Disse irritado.


Sakura se aproximou de Ino e as duas se abraçaram.


Ótimo! Fui trocado e esquecido! E olha que eu não sou nem sequer namorado!


Elas se afastaram e por mais que eu quisesse acompanhar a conversa de ambas, era impossível, elas sussurravam uma pra outra.


Mas confesso que escutar a conversa não era o melhor que eu podia fazer naquele momento, na verdade, o melhor que eu podia fazer era observar Sakura, apenas de biquíni, em sua conversa.


Sakura gesticulava muito enquanto conversava e isso estava me deixando em maus lençóis, sua bunda extremamente durinha se mexia de acordo com seus movimentos, aquilo estava me excitando.


O biquíni verde água de Sakura, dava um contraste espetacular ao seu corpo, suas curvas estavam ainda mais ressaltadas.


Depois de alguns minutos as duas finalmente pararam de cochichar e Sakura se virou pra mim.


- Eu vou lá dentro com a Ino...  


- Antes, posso te pedir uma coisa? - Perguntei um pouco constrangido.


- Claro que sim! - Ela disse e sorriu.


Tirei a camisa e estendi em sua direção, nem fudendo que ela ia andar por aí sendo analisada, como eu a analisei.


- O que..? - Ela perguntou sem entender. - Ah, você quer que eu vista?


- Não quero você andando quase nua por aí... - Disse tentando reprimir qualquer expressão ciumenta contida em minha frase.


- Admite que está com ciúmes... - Ela disse com um sorriso debochado no rosto.


- Eu não estou com ciúmes, só não quero o Minato te comendo com os olhos. - Disse sério, tencionando o maxilar de raiva, logo depois.


Sakura gargalhou descontraída, o riso sonoro mais bonito que já presenciei.


- Você acaba de demonstrar que está com ciúmes e especificar de quem. - Ela fala e segura meu queixo. - Bobinho!


- Você fica linda com esse ar de superior. - Admito meio a contragosto.


- Vocês ainda vão demorar aí? - Uma loira burra e inconveniente se pronunciou, novamente detrás dos arbustos.


- Não porca! Se manda! - Sakura responde sorrindo simpática.


Depois de termos certeza de que Ino finalmente foi embora, eu puxo Sakura pela cintura e selo nossos lábios uma última vez antes que ela vá atrás da loira inconveniente.


Entre muitos beijos, finalmente Sakura aceita vestir minha camisa e ela fica ainda mais bonita desse jeito. E menos exposta o que realmente me deixa aliviado.


Ela me fita uma última vez antes de ir.


- Sabe, eu até gosto dessa nossa relação maluca... - Admito.


- Amigos!? - Ela propõe, rindo sem graça, por conta da minha afirmação de segundos atrás.


- Claro! - Respondo rapidamente acompanhando seu riso.






***



CASA DOS HARUNOS.



Visão Haruno Mikoto.





18:31


Os meninos a essa hora, devem estar se divertindo muito na festa da Saky, minha filha de coração. Preparo o jantar em companhia de Shion.


- Tenho certeza que minha menina Sakura, está apaixonada pelo seu Sasuke. - Shion afirmava pela vigésima vez.


- Shion, a Sakura é um amor, mas ela não gosta muito do meu filho. - Suspirei. - Sei disso, mesmo ela se esforçando... É visível uma inimizade entre eles.


- Então, como a senhora explica o sutiã violeta da minha menina, no sexto de roupas sujas do seu Sasuke? - Shion indagou e eu fiquei completamente confusa.


Tudo ficou claro assim que me lembrei da madrugada, que passei acordada no quarto de Sasuke, em um monólogo necessário para que ele entendesse minha situação e aceitasse meu casamento. E acabei avistando um sutiã violeta jogado em seu quarto.


Mas tudo fez sentindo, quando me lembrei de Sakura me dizendo, que Sasuke havia trazido uma menina para casa, sendo que ele nunca levava ninguém para nossa antiga casa. 


Ela mentiu?

Arregalei os olhos.


Meu Deus, ela mentiu!



- Shion, se isso for verdade. Mas só em suposição. Você acha que importará para Kizashi? - Perguntei preocupada em saber como meu marido reagiria ao saber do envolvimento dos nossos filhos.


- Quando se trata da filha Kizashi é imprevisível. - Ela disse e saiu.


Deixando-me completamente atordoada.




-



Pouco tempo depois, que terminei de preparar o jantar e pôr a mesa, estava imaginando ao fazer minha refeição, como contaria ao meu marido do possível envolvimento entre nossos filhos.


Kizashi ainda estava emburrado por convencê-lo, de que seria mais animada uma festa para Sakura, que não houvesse a presença de adultos.


- Sabe, se a festa não fosse surpresa duvido, que Sakura acharia bom não me ter em seu dia. - Kizashi falou, confirmando minha suspeita sobre sua cara emburrada.


Eu sorri de canto, por conta do meu olhar de percepção de tudo ao meu redor e logo meu sorriso morreu, ao lembrar de como meu "olhar de percepção" não esteve atento à Sasuke e Sakura.


- Mikoto? - Ouvi Kizashi me chamar.


- Sim? - Respondi para que ele prosseguisse.


- Onde estava? Te chamei três vezes. - Ele falou preocupado.


Agora era a hora perfeita para falar sobre as crianças.


- Estava pensando... - Encarei meu marido. - Já pensou se Sasuke e Sakura namorassem?


Kizashi deu a risada mais alta e descontraída, que já havia presenciado em todo nosso tempo juntos. Ele meneou a cabeça em uma negação risonha.


- O que foi? - Perguntei preocupada, sem entender sua reação.


- Sakura odeia o seu filho. - Ele disse como se fosse algo óbvio.


- Mas quando se é adolescentes, ódio e amor são sinônimos. Não acha? - Argumentei o melhor que pude. 


- Se eles namorarem, mando Sakura pra um colégio interno! - Ele bradou com raiva.


- Meu filho não é bom o bastante para a sua florzinha, Kizashi? É isso mesmo que entendi?


- Não é isso Mikoto é que eu não permitiria Sakura morando sobre o mesmo teto que o namorado. - Ele suspirou. - Seria como se já estivessem casados, entende?


- Não seja por isso, se os dois namorarem mesmo, ao invés de você jogar sua filha única num internato, como um pai sem amor algum, eu pego os meus filhos e moro em qualquer lugar, que não seja a sua casa. 


Disse batendo as mãos na mesa, levantei-me e fui até o quarto.





***




CASA DE VERANEIO YAMANAKA.




Visão Haruno Sakura.




18:22


Todos os convidados agora já estavam se arrumando para uma noite de gala. Alguns nos chalés, outros em suas pequenas cabanas de acampar e os mais próximos na mansão Yamanaka.


Ino havia pensado em tudo e agora eu sorria por presenciar como ela fica nervosa ao organizar festas.


Enquanto todos se arrumavam para a noite de gala, que se iniciaria exatamente às oito horas, toda decoração da festa era alterada por uma equipe que a Yamanaka contratou. Deixaria para ver o resultado, de toda a troca de decorações, junta aos convidados.


- Aqui está testuda! - Ino finalmente voltou depois de sair para dar suas pequenas ordens.


Ela carregava duas bolsas sacos, um cinza e um preto. Reafirmei meu pensamento, de que ela havia pensado em tudo.


- Qual dos dois porca?


- O seu é o cinza. - Ela disse e eu fui abrir para analisar o vestido que ela havia escolhido para mim. - Não testuda! - Ino gritou. - É pra ser surpresa!


Revirei os olhos.


- Você é tão idiota... Eu vou vestir daqui a pouco, que supresa de dodoi.


- Cala a boca testuda! Vai logo tomar banho!


Tinha me esquecido do quanto Ino é escandalosa. Deixei ela pra lá e fui pro banheiro tomar um banho.


Eu ainda estava vestida na blusa preta de Sasuke, que coninha seu cheiro. Um cheiro inebriante, o mesmo cheiro da terra depois de uma chuvinha. Terra molhada. Aquele cheiro confortável, que me remetia coisas boas, tais como cafés da manhã com o papai, o Hidan e minha antiga mãe.


- Testudaaaaa! - Ino gritou batendo na porta. - Morreu aí foi?


Não pude evitar sorrir.


- Cala boca idiota, já tô terminando! - Disse entre risos. 


- Vamos logo bonitinha! Ainda tenho que me arrumar. - Ino me respondeu, quando já saia do banheiro, me enrolei na toalha e abri a porta, encarando a porca sentada na porta.


Ino quase caiu e eu gargalhei.


- Você é um demônio com carinha de anjo, sabia? - Ela falou se levantando. Eu assenti. - Vou tomar meu banho e você se veste logo, só não inventa de se maquiar


Cortei Ino.


- Porque sou péssima, eu sei, eu sei, você sempre diz isso... - Falei e depois que Ino fechou a porta fui ver, que vestido a doida comprou pra mim.


Abri o saco bolsa cinza, que Ino disse que seria o meu. Quando eu tirei o vestido do saco três palavras se focaram na minha cabeça.


Ino é maluca!


Tá que ela me explicou que o vestido era de gala. Afinal era dessa forma que se comemorava os dezesseis anos, mas eu não esperava que fosse tão elegante.


Ele era da cor vinho, eu sabia que ficaria parecida com uma princesa quando o vestisse, era incrivelmente lindo. Tinha um cinto de cintura alta revestido de pérolas e por mais que Ino fosse exagerada, ele não era escandaloso, era simples e elegante.


O vestido perfeito.


Me vesti e logo depois a Yamanaka saiu, ficou nua e segundos depois estava se vestindo. Ela estava linda, o que não era novidade, mas seu vestido azul marinho era tão lindo quanto o meu, só tinha um decote exagerado e uma abertura em uma das pernas, mas se adequava perfeitamente a sua personalidade.


- Saky, você tá tão peituda com esse vestido! - Ela disse escandalosa.


- O decote dele é bem generoso, né Yamanaka? - Disse fingindo aborrecimento.


- Pode ir parando, que a moça da loja achou super sem graça esse decote razoável! - Eu gargalhei de como Ino é ingênua ao confiar numa vendedora.


- Eu adorei! - Admiti.


- Sério testuda? - Ela gritou e tive dúvidas sobre, com certeza, toda mansão ter ouvido. - Você viu que as costas dele é nua? Achei tão sensual. O Uchiha vai ficar babando!


- Você é maluca! - Bradei nervosa, não tinha certeza se Sasuke gostaria tanto...




Nos arrumamos e Ino insistiu em fazer minha maquiagem, fiquei impressionada e confesso que até gostei do resultado.


Eu estava inacreditável, nunca havia me visto tão bonita, como nesta noite. 


Mas tudo isso parecia uma traição, era uma festa de aniversário pra mim e meu irmão, a pessoa que mais gostava de aniversários no mundo, não estava presente. 


Eu prometi que nunca mais faria aniversários.


Eu sou uma grande falsa e traidora.


- Boa noite cerejinha. - A voz de Sasuke se fez presente em meu quarto. Evitei olhá-lo com meus olhos marejados. - Sakura, você tá aí? - Ele falou cutucando meu ombro.


- Oi. - Disse sem ânimo. Sasuke me fitou confuso.


- O que aconteceu? - Ele perguntou preocupado.


- Problemas do passado... Na verdade saudades de uma pessoa. - Admiti triste.


- Saudades de quem? - Sasuke perguntou e não consegui decifrar sua expressão.


- Hidan, meu irmão... - Contei. - Agora vamos, não quero falar sobre isso.


- Tudo bem. - Nos levantamos e assim pude reparar o quanto Sasuke ficou lindo em vestes formais. Eu seria a garota mais bem acompanhada da minha festa.


Sasuke entrelaçou nossas mãos e seguimos para a festa.





Notas Finais


E aí!?

Ficou bom?

Comentem! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...