História More Than a Prision - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Magcon
Personagens Cameron Dallas, Jack Gilinsky
Tags Amor, Ashley Benson, Bebidas, Cameron Dallas, Drogas, Jack Gilinsky, Prisão, Rebecca, Selena Gomez, Vanessa Hudgens
Exibições 61
Palavras 1.982
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


EU SEI QUE DEMOREI E PEÇO MIL DESCULPAS !!

Eu estava em semana de provas e junto veio o bloqueio de idéias, buuuut i'm back e vou voltar a postar com a mesma frequência! Me perdoem de coração.

Gostei desse capítulo, pf comentem o que acharam!

(Desculpa se tiver algum erro ortográfico)

Capítulo 6 - It's awesome hear your voice again


- então, qual é o plano? - perguntei sentando ao lado de Cameron na cama de Taylor.

- pensamos nisso essa semana que você ficou fora e chegamos em um plano que pode ou não dar certo - Matt falou batendo os dedos em seu joelho, parecia um pouco nervoso

- e então? - Ash se pronunciou parecendo mais ansiosa que todo mundo ali.

- Vou explicar - Matt se ajeitou e começou a explicar o plano indicando o que cada um iria fazer e o que iria acontecer, na verdade, o que eles queriam que acontecesse.

- Então, basicamente faremos isso e vamos ver no que vai resultar? - Perguntei a ele após ouvir tudo o que queria nos dizer.

- Infelizmente sim. Não sabemos se vai funcionar ou não, mas faremos o possível e o impossível para fugir daqui - concordei com sua resposta.

De acordo com o plano, eu -graças a Deus- não teria que fazer muita coisa, basicamente nada, e isso me deixou muito mais aliviada. Sei que há momentos em que eu me exalto e faço coisas que nunca imaginaria que faria, mas não me encaixo como esperava a esse grupo. Então, quanto menos eu me intrometer na vida e nas ações deles, melhor.

Eu poderia ajudar, por dentro até queria, mas o que valeria o esforço se nada do que ouvi desse certo?

[...]

Acordei mais ou menos oito horas da manhã aos berros da Ashley sobre hoje iniciarmos o plano.

- Ashley Benson, daqui - fiz uma pausa e olhei o relógio grudado na parede no final do corredor - exatos cinco minutos nosso guarda vem nos buscar para tomar café, e você está gritando que nem uma retardada sobre irmos fugir da prisão? Por acaso sua mãe não te ensinou a guardar segredos? - sussurrei segurando os braços de Ash com força fazendo a mesma parar de sorrir igual uma idiota e cantarolar sobre nossa fuga.

- Ok ok, me desculpem - ela suspirou e sorriu novamente - e que eu esperei tanto tempo por isso -

- nós sabemos - Sam deu um sorriso reconfortante e Ash se soltou de minhas mãos.

- Mas do mesmo jeito, devo lembrar vocês que só vamos sair semana que vem caso o plano dê certo? Ou vocês vão continuar criando expectativas antes da hora? - Becca bagunçou os cabelos de Ashley que mostrou o dedo do meio em seguida para mesma.

- Vai dar tudo certo! Tire esses pensamentos babacas de sua cabeça Rebecca - falei me espreguiçando.

Após alguns segundos nosso guarda chegou e nos dirigimos rapidamente ao refeitório, estávamos morrendo de fome. Sentamos na mesma mesa de sempre e nossa conversa foi substituída por "hmm" que soltávamos enquanto comíamos nossos ovos mexidos.

- que raro, pela primeira vez a comida disso aqui está razoável  - Sam falou de boca cheia.

- Nojenta - mostrei a língua e ela abriu a boca totalmente - Fecha a boca Samantha, ninguém é obrigado a ver isso - ri fraco balançando minha cabeça levemente, tentando tirar a imagem da comida mastigada em sua boca.

Conversamos sobre -impressionantemente - vários assuntos logo de manhã, e ao acabar o café já fomos levadas a área de visitação.

Eu estava um pouco nervosa, sabia que hoje não seria o grande dia, mas seria um pré-grande dia.

Sentamos no mesmo banco de sempre e esperamos os meninos chegarem.

- ok, sei que não vamos fazer nada demais hoje mas, a partir de alguns minutos, quem topou em participar está dentro, senão não tem mais volta. - Becca falou, percebi que também não estava calma como Sam.

- Eu estou dentro - Ashley disse sem pensar duas vezes

- Eu também - Sam falou tranquila como se nem soubesse o que estava acontecendo.

- Eu também - Becca suspirou

Agora era minha hora, ou eu falava ou eu simplesmente desistia de tudo e esperava uma próxima chance mais "segura".

Uma voz dentro de minha cabeça dizia para eu não aceitar, para eu desistir daquilo, mas eu não iria conseguir.

- Vanessa? - Becca perguntou e todas me encararam, curiosas esperando a minha resposta.

- Tô dentro - soltei o ar que prendia e elas sorriram fraco.

A porta da ala masculina foi aberta e os presidiários começaram a entrar e se ajeitar nas mesas e telefones. Os meninos logo chegaram e vieram em nossa direção, um sorriso tímido se formou na minha cara quando vi Cameron me encarando e se aproximando lentamente.

- olá - Taylor disse, parecia feliz, e quem não estava?

- E bom todas estarem dentro, senão eu arregaço vocês - Jack falou sendo um amor de pessoa como sempre.

- A energia positiva dele me alegra de um jeito que ninguém faz ideia.- sussurrei no ouvido de Ash, que riu fraco.

- Falando mal de mim logo cedo Smith? - ele me encarou e cruzou os braços.

- Nunca é tarde para expressar nossas opniões, não é mesmo? - sorri sarcástica e ele revirou os olhos.

Ponto para mim.

- E aí - Cameron sentou do meu lado ainda sorrindo.

- E aí - falei animada, hoje eu estava de bom humor.

- Ansiosa? -

- Um pouco -

- Não é só você - riu fraco abaixando a cabeça

- Jack, um chute na cintura dele que a chave cai - Matt falou enquanto observava os movimentos do segurança de sua cela.

- Ok, vamos começar logo? - Jack nos encarou esperando uma resposta

- Sim - respondemos todos em coro.

- Boa sorte - Becca disse sem olhar para Jack, ele parou por um segundo mas já continuou em direção ao guarda, ignorando sua fala.

"Agora não tem mais volta, estamos todos juntos nessa por uma semana." Pensei e senti minha mão gelar com o suor.

- fica tranquila, Jack é o Jack, ele sempre sabe o que faz - Cameron fez carinho com sua mão na minha. Sorri tímida e respirei fundo. Que merda! Por que eu estava tão nervosa? Era por que estávamos prestes a começar o plano ou por que Cameron estava tão perto de mim?

- É agora - Sam disse afastando esses pensamentos de minha cabeça. Olhei para frente e vi Jack indo em direção a porta da saída.

Jack Gilinsky P.o.v's

Andei em direção a saída daquela área de visitação passando pelos guardas e fazendo questão que todos me olhassem.

Hora do show.

- ME TIREM DAQUI - soquei a porta da saída e ouvi o barulho das cadeiras dos guardas. - EU QUERO SAIR DAQUI, ME TIREM DAQUI  - chutei e soquei a porta mais vezes. Senti mãos em meu corpo me puxando para trás e recuei, fingi que tropecei no pé do guarda da minha cela e bati a mão na cintura do mesmo, ouvi o barulho de metal em contato com o chão e gritei em seguida para eles não notarem que a chave caiu - ME SOLTEM EU QUERO IR EMBORA  -

- Pare de gritar! - um policial disse e segurou minhas mãos, olhei para o lado e vi Taylor piscando, ele tinha conseguido.

- Oh meu...o meu deus - comecei o meu teatro - me desculpem, eu...eu - fechei os olhos e respirei fundo - minha cabeça está doendo muito, eu devo ter batido ela com muita força no chão -

- Vamos te levar para enfermaria, anda, levanta - eles me ajudaram a levantar e me guiaram até a porta do corredor que dava a enfermagem. Antes de sair, olhei para o pessoal e eles todos sorriam, me senti aliviado.

Andamos por alguns minutos já que aquele lugar era gigante, mas logo chegamos a enfermaria. Uma mulher que aparentava ter uns vinte e poucos anos estava sentada assistindo TV, mas levantou rapidamente ao ouvir o barulho da porta sendo aberta.

- sente-se - o guarda da minha cela mandou e eu o obedeci, sentando naquela cama dura - ele está reclamando de dores na cabeça -

- Ok, vou examina-lo - ela disse ajeitando sua roupa branca - pode se retirar - pegou uma prancheta e fez um sinal com a cabeça indicando que saísse. O guarda obedeceu e ficamos a sós.

- Então, qual seu nome? - perguntou fingindo estar interessada.

- Olha, não estou sentido nenhuma dor, vim aqui justamente para te ver - levantei da cama e fui andando lentamente até a mesma. Loira de cabelos lisos, olhos castanhos, não totalmente magra mas tinha um corpo razoável, e usava um óculos para leitura. Se não estivesse usando uma roupa que tampasse totalmente seu corpo, diria que é sexy.

- Como é que é? - riu fraco me encarando

- Isso mesmo, o pessoal da minha cela fala sobre você, precisava te conhecer pessoalmente um dia - mordi os lábios e a mesma arrumou os óculos - seu nome é...-

- Lindsay - completou me olhando dos pés à cabeça, dei mais um passo e ela recuou um pouco

- Lindsay, eu amo esse nome - coloquei uma mexa do seu cabelo atras da orelha - o que você acha de mim Lindsay? - sussurrei

- E-eu nem te conheço -

- Gostaria de conhecer? - sorri cafajeste

- Se afasta, v-você é louco - ela recuou mais e encostou na parede, colei meu corpo com o dela e senti seus pelos arrepiarem. Sua pulsação estava acelerada e sua boca meio aberta, essa foi fácil.

- No momento estou louco para explorar seu corpo Lindsay - aproximei meus lábios dos seus e selei os mesmo. Eles eram quentes e finos.

Comecei com um selinho mas parti logo para o que queria. Enfiei minha língua em sua boca sem pedir permissão e puxei sua perna para minha cintura, a mesma cedeu ao beijo e colocou suas mãos em volta do meu pescoço. Suas pernas agarraram minha cintura e eu a carreguei até a janela, sentando a mesma no para peito.

Desci meus beijos pelo seu pescoço e ela arfou em meu ouvido, foderia com ela ali mesmo, mas estava mais interessado em sair dali logo do que transar com a enfermeira. Apalpei sua bunda e senti o que estava procurando, seu celular. Puxei o mesmo lentamente para ela não perceber e segurei-o com força, colocando em meu bolso logo em seguida.

- Eu adorei te conhecer Lindsay, obrigado por curar minha dor de cabeça - sorri fraco interrompendo o beijo e me afastei rapidamente, correndo para fora daquele lugar. Havia um policial no final do corredor, fui até o mesmo e pedi para que me levasse de volta a minha cela.

O caminho de volta durou alguns minutos, mas logo eu estava junto dos meus parceiros de cela novamente.

Eles me encararam e eu assenti com a cabeça, eles sorriram aliviados e deitaram em suas devidas camas novamente. Não deveríamos tocar no assunto até a noite, pois o nosso guarda estava nos vigiando.

[...]

- ele saiu, anda cara, como foi? - Taylor perguntou sentando-se na minha frente

- Ela beija mal pra caralho, mas eu consegui isso - tirei o celular do meu bolso e sorri convencido

- Mandou bem demais - Cameron deu um soquinho no meu ombro e eu ri fraco.

- Vamos avisar nossa carona - falei clicando no botão do celular que era oficial do presídio, daqueles antigos pois só podia usar para fazer ligações mesmo. 

- Só lembro do número de uma pessoa - disquei o número que me veio na cabeça e encostei o celular na orelha, ouvindo-o chamar.

"Atende cacete" pensei e logo ouvi uma voz do outro lado da linha

Ligação~

- alô? - ouvi a voz dele.

- Nash? Nash Grier? - perguntei

- Jack Gilinsky, você não faz ideia do quão bom é saber que você está vivo - nash riu fraco e eu sorri, sorri orgulhoso por ter dado tudo certo.


Notas Finais


O que acharam?? Por favor comentem e favoritem!!!

Novamente desculpa pela demora, n desistam de mim HAHAHA SZ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...