História Morphine - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Barbara Palvin, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Khalil Sharief, Lil Za, Ryan Butler
Tags Criminal, Drama, Psicose, Romance
Exibições 89
Palavras 3.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Policial, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - I Don't Do Blowjobs


Point of View - Barbara Palvin

 

   Meu coração disparou ao ouvir a voz de Khalil, eu senti o calafrio da morte naquele momento. Chaz logo saiu de cima de mim e eu ergui minha calcinha.
- O que tá acontecendo aqui? Qual é o motivo do escândalo? - Ryan apareceu na porta acendendo um cigarro.
  Khalil abriu a boca para falar, mas eu o cortei dizendo:
- Chaz salvou a Victoria e eu disse que você ficaria bravo se soubesse.
   Eu falei a verdade, Chaz não pode negar isso, mas eu sei que ele quis me matar naquele momento. O silêncio pairou, Khalil estava imóvel, louco pra abrir aquela boca enorme dele. Não me virei para ver a reação de Charles.
- Eu sabia que ele faria isso. Onde ela tá? Quero rir da cara queimada dela.
- Não tem graça, ela está bastante machucada. Eu vim aqui pedir pra Barbara não contar pra você. - Chaz disse.
- A Barbara faz tudo o que eu mando. - Ryan disse num tom que fez meu sangue ferver. - E quem é você pra me dizer se algo tem graça ou não? Me mostra onde a vagabunda está.
    Ryan parecia estar bêbado. Chaz saiu do quarto e ele o acompanhou. Corri até Khalil ficando bem perto dele para poder sussurrar:
- Não conta pro Ryan!
  Eu desejava que Za ou qualquer outra pessoa me visse transando com o Chaz, pois seria como uma missão impossível fazer a gossip girl Khalil Shieriff ficar quieto.
- Tu tava transando com o Chaz?! - ele perguntou indignado.
- Se os seus olhos viram isso, não acredite neles.
- Ai, caralho. Eu não posso ficar quieto.

- Mas você vai. - tirei a arma de seu cós e desengatilhei encostando o cano em sua barriga.

- Está me ameaçando? Eu não tenho medo de você, Barbara. - ele riu irônico e eu senti seu hálito de vodka invadir minhas narinas. - Experimenta atirar. Quem tá nas minhas mãos agora é você, gatinha.
- Khalil, por favor! Eu faço qualquer coisa! - comecei a pedir feito uma vadia manhosa. - Ryan vai matar o Chaz e sem ele não podemos fazer planos bons, ou seja, você não vai ficar rico, nem ter uma mansão e muito menos realizar seu sonho de se casar com quatro mulheres. E ele vai me matar também!
- Qualquer coisa? - ele perguntou parecendo ignorar todo o resto. - Se eu pensasse com a cabeça de baixo igual o Chaz fez, te pediria para abrir as pernas pra mim também, mas eu não sou burro.
  "Sim, você é. E muito.", pensei.
- Você... Caramba, Barbara! Ryan é o chefe, você é a mulher dele e o Chaz é a pessoa que ele mais confia!
- Eu sei, mas eu imploro.
- De joelhos? - ele sorriu malicioso.
- Para de ser tão pervertido! - lhe dei um tapa no peito.
- Eu não esqueci isso. - ele tocou a própria têmpora. - Ainda vou pensar em algo em troca do meu silêncio.
   Ele disse saindo e eu me deitei na cama, estava tremendo. Alcancei o maço de cigarro em cima do criado mudo e acendi um. Meu coração estava à mil e a minha mente insistia em pensar nas formas que eu poderia morrer, eu estava, de fato, a um fio da morte.
- Você fica tão sexy fumando desse jeito. - ouvi a voz de Ryan e senti suas mãos apertarem minha bunda.
   Não respondi e ele abriu o meu sutiã.
- Eu quero... - ele fez uma longa pausa dizendo com a fala arrastada. - você.
- Sai daqui, você tá bêbado. - falei quando ele conseguiu me virar e tentou me beijar.
- Cala a boca. - Ryan segurou meu rosto com uma mão fazendo-me fazer bico para beijá-lo.
- Me solta!
- Para quieta! - ele me deu um tapa estalado no rosto e apertou meus pulsos deixando meus braços ao lado da cabeça.
- Você tá bêbado, tá me machucando!
- Eu vou te machucar de tanto foder, é só isso que eu quero.
- Não, eu não quero! - tentei me soltar, eu não daria para dois no mesmo dia! Que merda estava acontecendo comigo? Eu não sou assim!
- PARA, CARALHO! - ele gritou perto do meu rosto e eu fechei os olhos.
- Me solta, Ryan... - pedi chorando.
- O que aconteceu? Você tá estranha desde quando eu cheguei.
- Nada. - menti.
- Barbara!
- Você tá me apertando, tá doendo...
- Para de chorar. - ele disse firme largando meus braços.
     Engoli o choro e respirei fundo, ele tirou o cabelo do meu rosto com cuidado.
- Pronto?
    Balancei a cabeça que sim.
- O Charles te machucou? Victoria?
- Não. - falei com a voz chata.
- Tá, vem cá. - ele se deitou ao meu lado e me puxou para seu peito.
- Você não tá bêbado? - perguntei baixo.
- Não, eu só tô... - ele bufou rapidamente. - Alterado.
- Eu te amo. - falei tentando me testar.
  Mas como sempre ele não respondeu. Eu estava com raiva de mim mesma, tudo isso foi tão errado! Ryan nunca me trata bem e é tão compreensível, mas agora que eu estava na cama dele com outro, ele me trata com tanto carinho desse jeito? Eu sou tão burra! Mas eu ainda o amo, certo?
   Tentei engolir o choro, mas as lágrimas vieram à tona mais uma vez, cortavam meu rosto de forma violenta e à cada gota eu me sentia mais culpada. Bom, pelo menos eu tentava, pois por um lado eu me sentia tão bem por ter transando com o Chaz! Sim, um lado de meu sentia isso e queria mais uma vez trair o Ryan, foi como se eu tivesse pago tudo de ruim que ele me fez.
   Limpei as lágrimas e ouvi Ryan acender outro cigarro.
- Ry? - perguntei rouca.
- Fala.
- Você vai matar a Victoria?
- Não.
- O que você fez com ela foi meio exagera...
- Não pedi sua opinião.
- Não é opinião, é fato.
- Não é você que manda aqui.
- Mas...
- Não tô afim de jogar conversa fora, fala logo.
  Controlei um suspiro e alisei a barriga dele.
- Você só fez pra assustar o Justin?
- Sim.
- Acha que deu certo?
- Daria certo pra você ver alguém ser queimado vivo?
- Você já fez coisas piores... - murmurei.
- Se quer que eu ouça, fala alto.
- Não é nada.
   Foi a última coisa que eu disse antes de apagar.

 

Point of View - Justin Bieber

 

   Voltei pra casa atordoado, eu estava chorando. A última coisa que eu precisava era ver alguém sendo morto na minha frente. De novo. Fico me perguntando qual é a desse Ryan pra sentir tanto prazer em me machucar e me torturar com as coisas que me obriga a fazer e assistir. Ele não deve ser normal, não é possível que alguém possa ser tão mau como ele. O pior de tudo é a Barbara, ela é a pior de todas, mas o "chefe" é claramente o ponto fraco dela em todos os sentidos, eu acho que eles se amam ou pelo menos da parte dela, pelo que me contou. Pra ser sincero, Barbara é a mulher mais bonita que eu já vi em toda vida, será que ela sabe que poderia estar ganhando a vida de outra forma? Sei lá, só sei que a última coisa que eu quero é ficar pensando neles, porém todos estão diretamente ligados à mim e ficam me pedindo coisas que eu não posso negar. Bom, poder eu posso, mas corro risco de morte.
  Passei a noite em claro e quando o despertador tocou finalmente levantei da cama e fui tomar um banho. Eu estava com olheiras e à ponto de não aguentar meu próprio corpo em pé.

 

  Ao chegar na escola, desci do carro e apertei o passo ao ver Christian se aproximar.
- E ai, cara. Tá com pressa de quê?
  Não respondi.
- Justin? Tá me ouvindo?
- Tô, Christian. - me virei. - Fala.
- Sua cara tá horrível, o que aconteceu?
- Nada. - voltei a andar.
- Fala comigo, vacilão. - ele segurou meu braço, eu senti algo que fazia muito tempo que ninguém despertava em mim: raiva.
- Tem certeza que o vacilão sou eu?
- Ah, não! Vai falar que tá bravinho por causa de ontem?
- O que você acha?
- Você beijou de língua pela primeira vez na vida, deveria estar se sentindo bem!
- Não fala mais comigo, Christian. Quem era aquela loira? - fiz uma pausa. - Quer saber? Não importa. Me solta.
  Puxei meu braço e entrei na escola. Bufei e peguei as minhas coisas.
- Justin, me ouve, cara! - ele veio atrás de mim. - Quer parar de andar? Eu não vou ficar correndo atrás de você feito uma putinha.
- Ótimo, eu não estou pedindo mesmo.
- Como é? Por que você tá tão diferente comigo? Foi só uma brincadeira!
- Você, junto com aquele Carter me ridicularizaram na frente de todo mundo! Sério mesmo, Christian? Você acha que já não basta o que fazem comigo aqui no colégio? Eu não me importaria se eu fosse parecido com você ou como os outros caras do time de basquete e... Que droga, eu pareço um viado falando.
- Você deve ter algum problema, você é gostosinho, Justin. - ele disse tentando ser engraçado. - Se enxergasse isso iria pegar todo mundo.
- Eu não quero pegar todo mundo! Me deixa em paz! Some da minha vida porque eu não preciso de um amigo que gosta de curtir com a minha cara me humilhando na frente de todo mundo!
- Foi uma brincadeira, para de fazer drama. - Christian disse simplesmente, ele nunca dava a mínima para o que eu falava.
  Ele desistiu e parou em seu armário que infelizmente era ao lado do meu. Vi Caitlin se aproximar e eles começaram a conversar, Christian falava como se eu não estivesse aqui.
- Ele tá bem?
- Tá estressadinho porque não gostou de perder o bv ontem. Ele me deu a primeira patada na vida!
  Respirei fundo e bati com força a porta do armário, a garota negra ao meu lado pulou de susto.
- Desculpa, e-eu não queria ter feito isso. - pedi envergonhado e ela tentou disfarçar o riso quando esbarrei nela fazendo tudo que eu tinha em mãos ir ao chão. - Que droga. - murmurei. 
  A garota se afastou e eu comecei a recolher tudo.
- Pode deixar. - ouvi a voz de Caitlin e levantei o olhar deixando metade das coisas caírem de novo. Ela recolheu as minhas coisas e levantou me fazendo virar e colocou tudo na minha mochila. - Pronto. Está tudo bem? Você parece que tá chapado.
- Tô bem, é só sono. - desviei o olhar.
- Justin, você não está bem. Nós somos amigos, lembra?
- Você vai contar pro Christian.
- Ainda tá bravo com ele?
- Sim.
- Relaxa, vai passar, ele é um babaca.
- Aí sim, Bieber! Tá largando a mão de ser viado! - um dos caras do time de basquete passou dando um tapa no meu braço fazendo meu celular ir pela terceira vez ao chão hoje. - E você continua gostosa, Beadles, devia se valorizar mais e voltar a ficar comigo ao invés desse trouxa.
  Ele apertou a bunda dela e saiu dando risada. Abaixei e peguei meu celular do chão. 
- Do que você estava falando? - perguntei fingindo que não fiquei incomodado com aquele comentário.
- Ignora ele, só é bonito de boca fechada.
- Eu ignorei. - menti.
- Justin, eu te conheço. 
   O sinal tocou, eu deixei pra lá e nós entramos na sala.

 

Point of View - Barbara Palvin

 

   Acordei ouvindo gritos masculinos e mandei todos aqueles otários se foderem mentalmente, Ryan não estava mais ao meu lado, que novidade. Me enrolei no cobertor e cobri as orelhas tentando pregar os olhos de novo, mas não adiantou nada.
  Levantei com ódio e os vi na sala jogando baralho e gritando, os quatro estavam em pé vidrados na mesa de centro onde as cartas estavam. 
- Olha só, o bebêzão resolveu sair do berço. - comentou Za por eu estar enrolada em um cobertor.
- Ha ha ha, tá achando que eu sou o Bieber? - sentei no colo de Ryan que havia acabado de se sentar no sofá.
- Ihhh, acho que você tá pensando demais nele! - disse Za.
- Já eu, acho que ela pensa em outra pessoa. - disse Khalil e eu gelei, vi o rosto de Chaz perder toda cor naquele momento.
- Claro, em mim. - Ryan apertou minha cintura e eu concordei feito um robô. Khalil deu risada como se aquilo fosse engraçado e jogou cinco cartas em cima da mesa começando a gritar com Za.
- Desgraçado!
- Toma essa, sua vadiazinha! - Khalil enfiou a mão na cara dele. - Quinze goles de vodka.
- São sete da manhã e vocês já estão bebendo e gritando feito animais. - encostei a cabeça no peito de Ryan e ele colocou a mão dentro da minha calcinha alisando minha intimidade.
- E você já tá recebendo dedada à essa hora. - disse Za.
- Ele não tá fazendo nada! - me referi ao Ryan e ele riu alto. Só estava com fogo pra ficar encostando em mim mesmo.
   Tentei levantar de seu colo, mas ele me fez ficar ali segurando minha calcinha, todos ouviram o barulho dela se rasgando.
- Quer que eu comece a andar pelada nessa merda? - perguntei irritada.
- Não ia ser só eu que iria gostar. - Khalil lançou outra e nem disfarçou para olhar para o Chaz.
- Mais respeito comigo, palhaço. - Ryan disse irritado.
- Com você? Jura? - perguntei indignada.
- Você é minha mulher então dá na mesma. Só minha, ouviu, Sharieff? 
- Ouvi, Butler, mas fica tranquilo, eu prefiro as loiras ou as negras. - Khalil respondeu olhando para Ryan e Za.
- Sai fora, eu sou macho! - Za se defendeu.
- Ainda mais eu. - Ryan concordou.
- E os que sobrarem que fiquem com eles mesmos. - Khalil disse se referindo ao Chaz e eu. 
  Mordi o lábio nervosa e Chaz alisou a barba disfarçando perfeitamente:
- Enquanto vocês perdem tempo falando de viadagem e discutindo quem tem o pau maior, eu ganhei essa porra. - ele disse jogando suas últimas cartas sobre a mesa e espalhando todas as outras com a mão. - Vou ir comprar mais bebida pra comemorar sozinho.
  Todos olharam indignados para ele e começaram uma discussão que durou alguns minutos. Za disse que iria comprar bebida com Chaz.
- Querem ir também? - Za perguntou apenas ao Khalil e Ryan.
- Eu não, vou tomar banho e sair pra comer uma vadia, faz quarenta e oito horas que não transo. - Khalil disse largando uma garrafa pequena de cerveja em cima da estante e foi para seu quarto.
- Você nem sabe quanto tempo é quarenta e oito horas! - gritou Za.
- Dois dias! Palhaço!
- Eu vou com vocês. - disse Ryan.
  "E a Barbara fica aqui pra arrumar toda bagunça que os bonitos fizeram", pensei em dizer, mas fiquei na minha.
- Não custa nada né, amor? - Ryan levantou me dando um beijo na testa, se referia às coisas espalhadas pela sala, pareceu ter lido meu pensamento.
- Não. - sorri falsa e lhe dei um selinho, eles logo se apressaram em sair.

- Ei. - Ryan segurou meu rosto analisando meus olhos atentamente. - Tem algo errado.

- N-não tem nada.

- Eu sei, você nunca mente pra mim, mas que está nervosa por algum motivo, você está. - ele aproximou os lábios da minha orelha e prosseguiu: - O porão ainda existe, se estiver escondendo algo de mim, eu te esconderei lá.

  Ryan disse em um tom de voz que fez um arrepio percorrer toda a minha espinha, entrelaçou os dedos no meu cabelo com força, mas logo soltou quando eu apertei os olhos sentindo dor e foi embora com os outros.
  Bufei, joguei o cobertor no sofá comecei a recolher todo lixo e depois arrumei as cartas rapidamente. Tudo que era de comer ou que precisava ser lavado deixei na cozinha e saí da mesma em estado de alerta quando ouvi Khalil abrir a porta de seu banheiro. 
  Entrei em seu quarto furiosa e bati a porta. Ele me olhou assustado e prendeu a toalha na cintura.

- Eai, gatinha. Eu tô pelado, o que você quer?

- Você não é o Chaz pra eu sentir vontade de dar, fica tranquilo. - cruzei os braços.

- Ouch, isso magoou. - ele disse zombando, levando a mão ao peito.

- Foda-se.

- É o que eu estou tentando dizer. - ele riu alto.

- Você não vai há lugar algum sem antes jurar que vai parar com toda palhaçada que ficou fazendo hoje.

- Você vai me impedir? É só isso que quer, Barbiezinha?
- Ryan vai matar Chaz e eu! O que você quer pra calar essa porra de boca?!
- O que eu gosto mais do que mulher?
- Transar com mulher. - falei automaticamente, era óbvio. - Mas eu não vou abrir as pernas pra você! - franzi o nariz de nojo.
- Não use essa expressão. - ele lambeu os lábios me secando. Bufei entediada. - Mas de qualquer forma, eu não sou tão otário igual ao Chaz, eu amo a minha vida, ainda tenho muita gostosa pra meter.
- É disso que eu estou falando, quando o Ryan descobrir... - fechei os olhos e passei a mão no cabelo. - Ele não pode descobrir! Por favor, Khalil, aquilo na sala foi... 
- Engraçado. - ele riu novamente.
- Não tem nada de engraçado! - gritei e lhe acertei um tapa na cara por impulso. Ele colocou a mão, mas não perdeu a pose de debochado.
- Você tá me provocando cada vez mais. - ele disse irritado.

- É? E você vai fazer o que?

- Contar para o seu namorado sobre a traição. - ele se aproximou numa velocidade assustadora e segurou em meus pulsos.

- Conta. Sempre soube que você era ingrato, mas nem tanto. Você acha que eu não sei das coisas que faz sem o Ryan saber e ah, Sharieff, quando ele souber... - deixei a frase aberta.

- Você não sabe de nada. - ele riu nervoso, a proximidade dos nossos rostos estava me embrulhando o estômago.

- Sei que você assalta sozinho e estupra mulheres dizendo que foi mando do Ryan.

- Prova.

- Prova que eu traí o Ryan com o Chaz. - meu olhar vacilou.

- Pense bem, qual história soa mais verdadeira?

- Eu te odeio mais do que tudo. - falei entre dentes.

- Peça desculpas. - ele riu tirando uma com a minha cara.

- Prefiro morrer.

- E você vai, basta eu contar.

- Desculpa!
- Só desculpo se pedir de joelhos, já disse. - ele é tão cara de pau que nem mudou de expressão ao dizer isso.
- Eu não vou fazer um boquete em você!
  Ele deu de ombros. 
- Eu nunca fiz isso, é nojento.
- Ah, conta outra, pequena. Você e o Ryan às vezes esquecem que aquela droga de quarto tem uma porta. Você já deu a bunda pra ele, não vai dizer que nunca o chupou.
- Como você sabe?! - perguntei tremendo, isso era muito mais que vergonhoso. - Eu me lembro muito bem de que nesse dia a porta estava fechada.

   Ele levantou os ombros. Insisti, mas ele se recusou a responder. 
- Mas então, vai fazer ou não? Eu preciso mesmo ir pra um puteiro, lembra de que é a sua vida que tá em jogo. - ele me deu um sorriso vitorioso que me deu vontade de arrancar todos seus dentes.
  Respirei fundo com ódio.
- Senta na cama.
  Khalil era doente, doente por qualquer tipo de sexo. Caminhou rapidamente até a cama e sentou. Ajoelhei de mau grado no meio de suas pernas e disse:
- Não ouse gemer meu nome, não encosta no meu cabelo e se gozar na minha boca, eu arranco as suas bolas.
    Ele fez uma cara de tédio e tirou a toalha revelando... Caralho.

- O que foi? Ainda prefere o Chaz? - ele riu se gabando.

- Eu tô falando sério. - o ignorei - Estamos combinados? - e segurei forte em seu membro. Ele fechou os olhos, respirou fundo, mordeu o lábio com força e disse arfando:

- Combinado.

 Fiz uma cara de nojo e desviei o olhar para baixo. Eu sabia que não deveria fazer isso, sabia que se Chaz descobrisse iria achar que fiz a maior burrada da minha vida e o pior: se Ryan descobrisse iria me matar, mas eu não via melhor opção no momento, Khalil estava decidido à apenas isso em troca de seu silêncio e eu não podia escapar, não podia morrer.


Notas Finais


Eai, o que acharam? Esse foi o último capítulo chato, de agora em diante finalmente nosso casalzinho mais esperado vai começar a "interagir", espero que tenham gostado! Até o próximo! xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...