História Mr.&Mr. Uchiha - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, , Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Guren, Haku, Hidan, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Kankuro, Kiba Inuzuka, Killer Bee, Kurama (Kyuubi), Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Ação, Animes, Gay, Lemon, Mpreg, Narusasu, Naruto, Sasunaru, Yaoi
Visualizações 206
Palavras 2.802
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! Tudo bom?
Obrigada pelas felicitações! 💕

Boa leitura❤
Revisado mas mantra é mantra ne.

Capítulo 10 - •10•


cama, ambos combinaram de não jantar, já que haviam comido demais no almoço.

O loiro estava deitado com a cabeça no peitoral largo do outro. O clima entre ambos estava estranho e nenhum dos dois sabiam o porquê. 

Mas a verdade era que Sasuke estava curioso e Naruto muito perturbado para responder tais perguntas. — Que não eram difíceis, só exigiam a estabilidade que, no momento, Naruto não tinha. — O esposo já disse que estava bem triste, e Sasuke já havia concordado em esperar o tempo do outro.

Só que ele não contava que teria tamanha curiosidade sobre o assunto a ponto de demonstrar sua insatisfação com a falta de respostas e explicações por parte do loiro.

— O que quer me perguntar? — E bingo! Essa era a pergunta que precisava ouvir de Naruto.

— Por que você não fugiu por si mesmo?

— Aquela cela impedia que eu usasse chakra, até mesmo os das bijuus. — Respondeu. — Eu também havia pensado nisso, conversei com Kurama e tudo o que o mesmo me respondeu foi: "Não faria bem ao bebê que você carregava e, depois dela morta, continuei não podendo fazer nada. Seu corpo estava cheio de anticoncepcionais e, se eu usasse meu chakra poderia acabar te deixando estéril, o mesmo para as outras bijuus."

— Você não acha melhor irmos no consultório da Shizune? — Sasuke perguntou, preocupado. — Para vermos se está tudo bem com o seu corpo. — Continuou.

— Acho que sim. — Respondeu o loiro. — Talvez pudéssemos fazer um check-up. — Ele mordeu o lábio inferior, avaliando. — Amanhã...? — Sugeriu

— Sim, amanhã. — Sasuke respondeu antes de afagar os cabelos macios do esposo. — Você precisa dormir, teve uma semana difícil.

— Mês difícil. — O loiro corrigiu-o. 

— Perguntarei de manhã se Shizune pode lhe atender mesmo você não tendo marcado a hora. — Sasuke avisou antes de fecharem os olhos para dormir.

○○○

— Naruto. — Sasuke balançava o loiro pelos ombros, que piscou diversas vezes antes de realmente abrir os olhos. Assim que o fez, olhou para o marido a sua frente e o mesmo viu a coloração avermelhada que as bochechas do outro adquiriu ao ver que estavam tão perto. — Vamos, eu já falei com Shizune e ela disse que não tem ninguém no primeiro horário de consulta.

— Sim, sim. — Ele disse, ainda aparentando sonolência. Bocejou antes de se sentar na cama — Ohayo Sasuke. — Coçou os olhos e levantou-se, indo em direção ao banheiro.

— Você não pode comer nada, irá fazer exame de sangue. — Sasuke o lembrou assim que ouviu o som do chuveiro, e também ouviu o resmungo do esposo. — Na volta passamos em alguma cafeteria.

Sasuke esperou Naruto sentando na cama enquanto lia uma revista qualquer, o loiro saiu do banheiro com a toalha na cintura e abriu a gaveta de suas calcinhas e tirou de lá uma e vestiu, a peça cobria toda a nadega farta do bronzeado.

Naruto usava calcinhas desde que se conheceram e claro, foi uma supresa para Sasuke quando descobriu sobre tal. Já Naruto, ficou surpreso pelo moreno ter aceitado seu gosto sem nem fazer algum comentário negativo.

Na verdade, aprovou aquilo como fosse um de seus maiores sonhos. E era, lembrou de quando o marido lhe confidenciou dizendo que era seu fetiche.

— Sasuke?! — O loiro tirou o moreno de seus pensamentos. — Vamos ou iremos nos atrasar.

— Certo. — Lhe foi respondido, verificou se as chaves do carro estavam no bolso da calça e andou em direção à garagem enquanto Naruto abria os portões.

— Vamos logo, eu já estou com fome. — Naruto choramingou infantilmente enquanto fechava a porta do carro e colocava o cinto de segurança. 

Enquanto passavam pelas ruas Sasuke  ouvia Naruto reclamar sobre o quão ruim era não comer, já que por todo o trajeto do consultório de Shizune havia várias e várias lanchonetes.

— Você vai me comprar tudo isso na volta. — Naruto disse quando pararam no sinal, anotando tudo o que queria na agenda de Sasuke.

— Vou. — Sasuke respondeu, prestando atenção na rua e pisando no acelerador quando o semáforo voltou a ficar verde novamente.

Naruto passou a jogar no celular enquanto não chegavam, murmurando frustrado quando perdia.

Sasuke estacionou o carro e os dois saíram do mesmo. Já dentro do prédio, Naruto começou a sentir um frio na barriga e parou no corredor que seguiam, o moreno observou-o com uma sombrancelha arqueda.

— O que você tem? — Perguntou, assumindo uma postura preocupada.

Naruto respirou fundo e voltou a andar deixando o outro sem a resposta, não que quisesse, era que nem ele mesmo sabia o que estava sentindo.

Pararam em frente a porta, Sasuke deu três batidinhas e ouviu um "Entre" de Shizune.

Quando passaram pela porta viram que a morena estava olhando papéis, a mesma fez sinal para se sentarem e assim fizeram.

— Parece que o Naruto quer fazer um Check-up? — A mulher perguntou para ter certeza.

— Sim. — Ambos responderam.

— Tudo bem, venha comigo Naruto. — A mulher chamou apenas o loiro, que a seguiu até a outra sala. — Sente se na cadeira, estique o braço que quiser e feche sua mão em punho. — Disse enquanto arrumava a seringa junto a agulha numa bandeja de metal.

— Você não pode simplesmente usar sua técnica médica como a Baa-chan faz? — Perguntou o loiro, visivelmente apreensivo.

— Não tenho tanto chakra assim, possui fobia? — A morena perguntou, se referindo à agulha.

— Pânico. — Respondeu o outro.

— Apenas deixe o braço bem esticado, se preferir pode fechar os olhos, fica mais suportável.

Naruto seguiu o conselho de Shizune e fechou os olhos, quando abriu-os novamente, ela estava colando um algodão seco por cima do pequeno furo e o fazia dobrar o braço.

O loiro ficou surpreso, seria a mão da morena tão leve ou ele tão pouco perceptivo? Não sabia e ficou feliz mesmo assim, pelo menos não sentiu nenhuma dor causada pela agulha no momento que a mesma foi inserida à procura de sua veia, extraído sangue seu como um pernilongo faz ao sugar "de canudinho" o líquido vermelho rubi de algum indivíduo.

— Pode voltar para o lado de Sasuke. — Disse a doutora. — Os resultados saem em poucos minutos.

Naruto ouviu o dito da morena e seguiu-o, atravessando a porta e sentando ao lado de Sasuke em frente à grande mesa pouco desarrumada.

— O resultados saem em poucos minutos. — Avisou o loiro. Sasuke desdobrou o braço recém-invadido pela agulha e tirou o algodão com um pequeno pingo de sangue. O moreno passou o dedo pele pequeno furo quase não visto a olho nu.

— Doeu? — Perguntou, tendo conhecimento sobre o pânico do esposo.

— Não, e isso não é bom? Me poupou lágrimas. — Naruto disse, de modo brincalhão. Embora Sasuke soubesse que haviam algumas verdades na frase.

Quando Naruto percebeu que Shizune demorava demais, ficou inquieto, Sasuke reparou mas nada disse, sabia que esse era o modo do loiro não atravessar a outra porta em busca da morena.

— Ela não está demorando muito? — Disse Naruto, exasperado. — Será que o resultado foi tão ruim que ela acabou tendo uma parada cardíaca?

Sasuke revirou os olhos. Naruto e sua imaginação fértil pensou.

Quando Shizune — Finalmente — Voltou da outra sala, trazia consigo alguns papéis, Sasuke observou o rosto da morena, que estava totalmente neutro. Ela estava escondendo alguma coisa.

— Comece a falar. — Disparou, antes que ouvisse alguma mentira. — E eu quero a verdade.

A doutora soltou um suspiro pesaroso e sentou-se em sua cadeira. Ela tentava organizar e reorganizar as palavras para que assim pudesse formulá-las. Franziu o cenho quando percebeu o olhar impaciente de ambos os clientes sobre si.

— Pelo resultado do exame. Naruto ainda estava com os hormônios de um grávido á flor da pele mesmo não tendo uma prole dentro de seu ventre. Reseio que fique assim pelos próximos nove meses, como se você ainda estivesse grávido. — Soltou tudo, parando raramente para respirar.

— Não entendi.. — O loiro à sua frente parecia perdido, talvez vagueando em qualquer outro lugar, menos naquela sala.

— Mesmo com o aborto, seus hormônios se recusam a baixar a produção. Causando os mesmo efeitos de um gravido. Incluindo desejos estranhos, corpo sensível e sentimentos também. — Shizune sorriu triste, imaginando a dor que o amigo deve estar sentindo.

— Como é possível? — Sasuke, que até então se mantia quieto, se pronunciou.

— Para respostas mais exatas é preciso mais estudo. Isso demoraria, no mínimo, duas semanas. — Respondeu a doutora, alinhando as folhas na mão para entrega-las à Sasuke.

Naruto não disse mais nenhuma palavra, encarando as mãos que estavam sobre suas coxas, apertando o jeans. O lábio inferior foi mordido fortemente, tentando fazê-lo tomar as rédeas da situação, avaliar.

Um bolo surgiu em sua garganta e ele negou chorar, engoliu-o e finalmente olhou para Shizune e sorriu, como se estivesse tudo bem. A mulher não retribuiu, não ousaria, não quando aquele sorriso do loiro à sua frente era triste e sofrido.

— Eu preciso tomar algum tipo de medicamento? Eu quero logo sair daqui, estou morrendo de fome! — Pronunciou-se.

Shizune começou a anotar algo no papel para a receita e entregou a Sasuke.

— Talvez vocês.. — A mulher parou para escolher as palavras certas. — Tenham algum desentendimento e Naruto precise tomar esses medicamentos para ajudar a controlar os hormônios a flor da pele. Também peço que tenham cuidado ao terem suas relações, esse loiro aqui ficará muito sensível, recomendo muito cuidado mesmo. — Quando terminou de explicar, a face da doutora corou, evidenciando seu constrangimento sobre o assunto.

— Certo. — Sasuke respondeu, após dar uma olhada rápida na receita e gravar os nomes dos medicamentos. — Vamos, Naruto.

Ao saírem do consultório de Shizune, Sasuke entrelaçou sua mão a do loiro, que pensou seriamente em pedir colo para o moreno mesmo tendo vinte anos.

Quando entraram no carro, Naruto retornou a pegar a agenda do marido e começou a ler as anotações.

— Vamos passar no Ichiraku primeiro. — Disse ele. — Depois vamos... — Procurou outros nomes entre tantos outros. 

— Na farmácia. — Respondeu Sasuke, não dando brecha para o outro discordar.

— Também temos que passar no mercado e comprar os ingredientes para o seu bolo. — Acrescentou o loiro.

— Naruto.. — Sasuke advertiu, já havia dito ao esposo que não queria festa nenhuma.

— Você prefere chocolate ou coco? Que tal... Prestígio? — Perguntou, ignorando a reprovação do marido.

— Naruto eu nã-

— Prestígio então. — Decidiu sozinho.

Sasuke parou bruscamente em frente ao Ichiraku e virou-se para trás, encontrando um loiro de cabelos bagunçados por causa da parada abrupta.

— Ja disse que não quero festa nenhuma, acho que ja deixei isso claro Naruto!

— Eu também acho que já deixei claro que o que você quer não importa, não quando o assunto é sua festa de aniversário. Podemos fazer algo fechado, só para os amigos mais próximos. Por favor, Sasuke. — Dito isso, o loiro fez algo que á tempos não fazia. Com o beicinho e a carinha pidona formada, o moreno não teve como negar seu pedido. — É por isso que amo você, Teme!

— Que tipo de declaração é essa? — Sasuke ergueu uma sobrancelha. — Você diz que me ama para logo depois me chamar de maldito?! — Se fez magoado, sabia que havia quebrado o clima em que estavam ao sairem do consultório de Shizune.

Naruto nada respondeu, apenas saiu do carro de modo apressado para entrar na loja. Respirou profundamente para sentir o cheiro de sua comida favorita, ramen. E não era só isso, para ele, o ramen do Ichiraku era o melhor, com mais tempero e o macarrão sempre no ponto certo.

— O de sempre? — Uma mulher perguntou, Naruto não a reconheceu, talvez fosse alguma que não tenha notado antes.

— Sim. — Respondeu e procurou uma mesa com os olhos, achou uma para dupla e dirigiu-se até ela. Observou quando Sasuke entrou no recinto e procurou-o entre as pessoas.

Os olhos cor carvão percorreram cade canto da loja até avistar a cabeleira loira e os olhos azuis que, naquele momento, estavam com toda a sua atenção dirigida a si. Naruto sorriu e indicou com a cabeça a cadeira que ficava de frente para o mesmo.

Quando sentou-se em frente ao esposo, Sasuke não disse nada, apenas permitiu-se observar a beleza do outro enquanto o mesmo olhava através do vidro a rua lá fora.

Os raios fracos do Sol batia em seu cabelo e fazia com que os mesmos parecessem mais claros, os olhos azuis nos quais amava tanto mudavam a direção para qual olhava em poucos intervalos. Os lábios pouco carnudos e avermelhados estavam em uma prisão de dentes.

— Eu quero isso pra mim. — Ouviu Naruto dizer baixinho, olhando para o outro lado da rua.

Sasuke seguiu o olhar do esposo e encontrou um casal e uma criança que aparentava ter cinco ou seis anos. A criança ria de algo que um dos seus pais fizeram enquanto remexia-se nos braços do outro.

— Iremos ter a nossa família quando você se sentir pronto. — Sasuke tirou Naruto da bolha transparente em que estava e caçou sua mão na mesa.

— Eu estou pronto. — Disse Naruto, surpreendendo-o. O loiro colocou as mãos por cima das de Sasuke e mordeu os lábios. — ... Ou quase.

E naquele momento, Sasuke soube o quanto Naruto queria construir uma família consigo, se o moreno não fosse tão fechado para o público ao redor, teria deixado que a ardência no nariz lhe tomasse conta e colocaria para fora algumas lágrimas.

A mesma mulher que Naruto havia visto no balcão lhe trouxe a tigela de ramen, na qual atacou com gosto enquanto Sasuke apenas olhava, já que o mesmo tinha tomado o café da manhã.

Sasuke levantou-se para pagar o ramen enquanto Naruto ainda comia, ele nem havia terminado a primeira tigela e já desejava outra, talvez até mais outra.

Quando terminou de comer, lhe recolheram a tigela e desejou não ter acabado tão rápido. Sasuke pareceu ler seus pensamentos.

— Compro mais três para viagem. — Dito isso, voltou ao balcão.

Quando voltou, tinha nas mãos duas sacolas. Saíram do recinto e se dirigiram ao carro. Pararam na farmácia e Sasuke saiu do veículo para comprar os remédios que foram receitados por Shizune enquanto Naruto jogava em seu celular.

O moreno não estava muito a vontade  com a ideia de uma festa de aniversário, mas Naruto estava tão animado com a data. Não o vira tão animado assim desde que havia acontecido o incidente. E foi com esse pensamento que Sasuke entrou no mercado e ajudou Naruto com as compras sem nem protestar.

Quando voltaram para o carro, o loiro ligou para Ino e perguntou se ela poderia ajuda-lo com os preparativos. Sasuke apenas revirava os olhos em alguns pontos da conversa.

— Eu sabia que poderia contar com você, Ino! — Ouviu Naruto dizer antes de entrarem no condomínio em que moravam.

Abriram os portões e entraram na garagem. Sasuke praticamente levou toda a compra para a cozinha sozinho. Naruto não parava de digitar naquele celular. Tomou-o das mãos do loiro.

— Me ajude a arrumar as compras, sim? — O outro assentiu e começou a arrumar os frios enquanto Sasuke colocava as frutas nas cestas.

○○○

— Estou com as pernas doendo. — Naruto reclamou, jogando-se no sofá ao lado de Sasuke. Ambos com os cabelos molhandos por causa do banho que haviam tomado. — E cansado e com sono.

Sasuke puxou-o para deitar a cabeça em seu peitoral e passou a afagar os cabelos cor do Sol ainda úmidos. Naruto exalava um perfume natural que entorpecia os sentidos do moreno, e não era o shampoo infantil que fazia-o sentir-se assim. Era Naruto.

A mão desceu para o braço do outro e acariciou o lugar, fazendo movimentos circulares. Viu o esposo fechar os olhos, aprovando a carícia que, de algum modo, lhe pareceu íntima.

Sasuke reconheceu o cansaço do outro, antes do jantar o loiro estava fazendo a lista de convidados mais íntimos e mesmo assim não havia terminado, ligou para cada um dos contatos avisando sobre a festa que haveria.

Quando percebeu, Naruto já respirava calmamente sobre si e se aconhegava mais, agarrando a camisa preta que usava.

Não querendo dormir no sofá, Sasuke pegou o loiro no colo e andou em direção ao quarto, deitou-o devagar na cama e foi puxado junto. Cobriu Naruto e a si mesmo antes de cair no sono tranquilo. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Esses dias eu estava conversando com uma leitora daqui e ela me disse que tinha medo/vergonha de falar comigo. Gente, eu não mordo não tá?

*Só se pedir :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...