História Mr.Rabbit II - Capítulo 7


Escrita por: ~ e ~7cah7

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Sehun
Tags Chanbaek, Sebaek
Exibições 12
Palavras 3.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Castelo


Fanfic / Fanfiction Mr.Rabbit II - Capítulo 7 - Castelo

  

- Por que me chamou até aqui? – Indaguei me levantado da cama e ficando em frente ao Baekhyun.

Queria continuar a fala de nosso selo, mas se era algo que deixava Baekhyun desconfortável, eu poderia esperar até que ele decidisse tomar alguma iniciativa sobre o assunto.

Estava tudo por mim, eu era acostumado a esperar por meus parceiros pacientemente, então faria um esforço mínimo para esperar pelo outro.

-Abra o armário e escolha alguma roupa de seu agrado. Após escolhê-las, iremos ao castelo da Rainha de Copas. – Falou de modo frívolo enquanto apontava com o dedo indicador para o armário de madeira ao lado da cama.

Uma expressão confusa enfeitou meu rosto automaticamente ao ouvir o que Baekhyun me pedia.

O mesmo ao perceber minha careta, bufou entediado e com uma puta má vontade respondeu-me:

- Tenho medo que o reino lhe reconheça pelas vestes que usa – Olhou para mim enquanto apontava de cima a baixo com o indicador. - Chamar a atenção é a última coisa que quero para ti neste momento tão delicado e imprevisível, por isso, faça o que lhe mando de bom grado.

Não lhe fiz perguntas, sabendo que não seriam respondidas. Somente fiz o que fora mandado, tenho certeza que era por Sehun que estávamos a nos arriscar e eu também desejava ir até o castelo saber se o mesmo estava bem e em segurança.

Atravessei a cama e aproximei-me do armário, abrindo o mesmo e incomodando-me ao ouvir o som rangido da porta abrindo-se.

Ao abrir totalmente a porta, segurei-me para não fechar os olhos e aspirar deleitoso o perfume de Baekhyun que se chocou contra mim de maneira bruta ao ter suas roupas próximas.

Preto, roxo, lilás, azul escuro, preto, roxo, lilás, branco e vermelho; seu armário era feito de roupas dessas cores – impressionei-me com a quantidade de roupas pretas e relógios de bolso dourados que ficavam em um porta-jóias aberto.

Bem, não quero entrar em detalhes da fixação de Baekhyun pela cor preta e relógios de bolso.

- Não vai sair para que eu me vista? – Perguntei ao perceber que ele ainda não saíra do quarto mesmo eu tendo uma muda das roupas escolhidas em minhas mãos.

- Ah, sim... Claro, claro – Baekhyun parecia hipnotizado enquanto possuía o olhar fixo em mim. Ele não se moveu da cama ainda fitando-me, acho que a intenção dele não era a de sair do quarto.

- Vamos, saia! – Joguei as roupas brutalmente sob a cama e comecei a empurrar Baekhyun até a porta pelas costas para que ele saísse.

Imagina se vou me trocar enquanto tem um coelho pervertido me observando.

‘’ Coelho pervertido’’’, meu senhor o que estou falando?

Bom, de qualquer forma não a coisa mais estranha com que tive que lidar.

____

- Então, o castelo é muito longe? – Perguntei enquanto estávamos os dois sentados juntos no sofá olhando fixamente um para o outro.

Bom, pelo menos eu estava olhando para Baekhyun... Ele parecia estar olhando para minha roupa vermelha com detalhes em preto. Talvez ela estivesse muito justa ao corpo pelo contraste de tamanho entre eu e Baekhyun.

Estava apostando comigo mesmo que em algum momento ele iria começar a babar do tanto que me encarava de modo desejoso.

Estalei meus dedos em frente ao rosto de Baekhyun e o mesmo pareceu voltar um pouco assustado a plena realidade.

Ri baixinho pelo seu rostinho assustado e bochechas rubras.

- Seria mais fácil lhe explicar se você lembra-se de algo... – Falou, parecendo estar extremamente arrependido de seu comentário após escorrer de sua boca – Quero dizer... – Tossiu de modo falso, fazendo-me engolir em seco pela culpa que carregava nas costas aumentar consideravelmente – Teremos que atravessar a floresta do Gato Risonho, encontrar o Chapeleiro e a Lebre, por fim... Resta-nos passar pelo labirinto até o castelo.

Ele falava como se fosse algo simples e rotineiro...

Ou talvez ele tivesse aquele tom frívolo e expressão entediada naturalmente...

Mais questões que precisavam ser respondidas...

- Floresta do Gato Risonho? A floresta pertence à Sehun? – Indaguei confuso e simultaneamente extremamente curioso.

- Vem, vamos indo. Estamos atrasados – Puxou-me para fora do sofá segurando-me pela mão.

- Atrasados para o quê?

O filho da puta não me respondeu e somente continuou a me puxar consigo pela mão...

Algum dia em iria socar ele e Sehun por nunca responderem corretamente minhas perguntas.

Era tão difícil responder-me?!... Isso já estava começando a me irritar.

____

- Essa é a Floresta do Gato Risonho? – Indaguei enquanto andávamos pelos ladrinhos do caminho rodeado de árvores de cores exóticas em suas laterais.

- O que você acha? – Perguntou sarcástico enquanto me olhava com uma das sobrancelhas levantadas e um sorriso de deboche adornando os lábios – Aprenda a pensar um pouco em suas perguntas – Ele bateu seus dedos em minha cabeça em um gesto de brincadeira.

Neste momento eu só não o ataquei com um mata-leão no pescoço por que não era a favor da violência... Mas admito que a vontade de fazer tal continuou forte em meu peito por um tempo particularmente longo.

Baekhyun me guiava pela floresta segurando em minha mão. Eu olhava tudo extremamente impressionado.

Podia se considerar uma simples floresta a primeira vista, mas ao adentrá-la era simplesmente mágico ir descobrindo cada uma de suas particularidades pouco a pouco, a cada passo calmamente dado.

- Por que este lugar tem o nome de Floresta do Gato Risonho? Ela pertence ao Sehun? – Insisti na pergunta, por que afinal... A esperança é a última que morre.

Eu estava realmente curioso sobre este lugar e não desistiria tão fácil de descobrir todos os seus segredos.

- Sim... Essa floresta nasceu junto a Sehun... Graças a você – Ele virou-se para mim e me olhou orgulhoso.

- Eu criei tudo isso?! – Perguntei assustado enquanto percorria o lugar com meus olhos duvidosos.

Não acreditara que este lugar maravilhoso, as criaturas maravilhosas que viviam aqui e... Sehun; todos esses nasceram a partir de minha cabeça maluca.

- Impressionante né?... Quando eu olho para você também fico duvidoso sobre isso – Ele ria enquanto uma carranca mal-humorada formava-se em meu rosto.

Dei-lhe uma tapa forte no braço com minha mão livre, o que acabou tendo o efeito contrário que eu queria; ele começou a rir mais alto ainda.

Bufei irritado, larguei a mão de Baekhyun e comecei a andar a passos pesados sozinho pela imensa floresta.

- Hein! Espere-me, Channie! Eu só estava brincando, me desculpe. – Baekhyun parou de rir e começou a correr para me alcançar ao longe de si – Era somente uma brincadeira para aliviar o clima, seu bobão. – O mais velho segurou em minha mão novamente e mais forte dessa vez, para que assim, eu não a largasse – Não largue de minha mão novamente, eu nunca me perdoaria se você acabasse perdendo-se... Deste jeito, Sehun iria me matar caso algo acontecesse a você, Chanyeol – Falou enquanto me encarava com aqueles olhos negros e brilhantes que faziam arrepiar-me da ponta do pé até o topo da cabeça.

Senti minhas bochechas queimarem e meu coração bater forte e pulsante no peito. Desviei o olhar de si, concentrando-me em seguir os passos lentos de uma pequena lagartixa azul que passava em minha frente.

Baekhyun segurou em meu queixo com a ponta de seus dedos, fazendo-me voltar a olhá-lo. Sorriu ao ver minhas bochechas em um vermelho rubro causando pelo constrangimento.

Mesmo que naquele momento estivesse com muita vergonha, também estava feliz por poder aproveitar ao máximo a perfeita visão do sorriso retangular e único de Baekhyun.

- Posso lhe perguntar algo? – Me surpreendi ao ter Baekhyun perguntando-me algo ao invés do contrário.

Acenei positivamente, sentindo meu coração começar a acelerar novamente com a ansiedade.

- Você gosta de Sehun? – Perguntou tentando ao máximo não transparecer raiva, abusando de seu tom frívolo e desleixado como se não precisasse necessariamente de uma resposta naquela hora.

Mas eu sabia que era puramente atuação por parte dele. Ele estava com raiva e com ciúmes, eu só não sabia se era por mim ou Sehun... Ou talvez por ambos.

Foi minha vez de ignorá-lo e não responder. Não por que eu queria me vingar ou algo do tipo, eu somente não sabia como responde-lo de forma clara a demonstrar meus sentimentos.

Estava tudo acontecendo rápido demais, acabava por deixar-me em uma situação extremamente confusa.

Seria melhor esperar e deixar que com o tempo...

Foi ao usar este palavra que eu percebi...  ‘’Tempo’’...

Por quanto tempo eu ficaria aqui? Por quanto tempo eu ficaria ao lado de Sehun e Baekhyun?

Eu não sabia o porquê de estar aqui, então muito menos sabia se permaneceria neste lugar. Com isto, senti meu coração repentinamente parar seus movimentos e quebrar-se em mil pedaços em meu peito.

Eu queria que fosse eterno...

Comecei a olhar para o relógio de bolso de Baekhyun que balançava enquanto ele caminhava por entre os ladrinhos. Assustei-me com cada movimento dos ponteiros enferrujados dizendo-me que o tempo estava contra mim.

Eles debochavam de mim, usando e abusando de palavras maldosas para acabar com a esperança que permanecia forte até então em meu coração.

Eu queria ficar... Mas a importante questão era: eu poderia ficar?

Aquilo era uma coisa que estava fora de meu alcance, algo que não dependia de minhas vontades e desejos.

Perguntava-me internamente se neste momento meus olhos estavam opacos à Yoongi, se parecia que eu estava me afogando no rio de sentimentos confusos.

Perguntava-me se fosse isto, Baekhyun seguraria em minha mão?

Eu esperei, esperei pacientemente que Baekhyun tomasse alguma atitude e me ajudasse a tirar a amargura refletida sob minhas íris. Porém, ele não veio.

- Agora que está visivelmente melhor, irá voltar a governar o País das Maravilhas? – Falei, salvando-me sozinho da própria amargura.

-Não... É algo extremamente complicado. – Baekhyun suspirou derrotado enquanto fitava fixamente sua própria sombra sob o chão de ladrinhos – Jongin está controlando a Rainha de Copas como um verdadeiro fantoche de suas vontades, se eu fizer um passo em falso... Bom, claro que Jongin nunca me mataria já que somos praticamente irmãos... Mas tenho medo que faça algo contra você ou a Sehun. Tenho que esperar calmamente até que apareça alguma brecha para minha salvação.

Eu tentei ao máximo prestar atenção ao resto de suas palavras, porém em minha mente somente soava a sentença:

‘’ Jongin nunca me mataria já que somos praticamente irmãos’’

Irmãos... Irmãos... Ele era irmãos?

Jongin também fora criado por Alice?

Eu queria muito perguntar isto a Baekhyun, mas sentia que isso era algo pessoal e extremamente delicado, que somente fora dito e revelado por si simplesmente por pura distração de sua parte.

Se eu tivesse o tempo necessário, poderia deixar para depois.

É tudo uma questão de tempo.

____

Ao chegarmos ao fim da trilha, deparamo-nos com duas placas indicando caminhos oposto, com algo escrito sob a madeira em uma língua desconhecida por mim.

Baekhyun parecia relutar sobre que caminho iríamos seguir, estava estático em seu lugar olhando para os caminhos com algo pairando sob sua cabeça.

- Você não sabe qual caminho seguir? – Perguntei surpreso, olhando para o outro com o cenho franzido em dúvida.

-É que... Faz muito tempo que eu não saio de minha casa. Eu costumo ficar dormindo em minha cama depois de... Beber – Ele parecia bem envergonhado de sua confissão do vício em bebida. – E-eu não entendo o que as placas dizem por estarem escritas em códigos por Tao e Sehun. Nós precisaríamos seguir um dos caminhos para chegar até Tao e a Lebre, mas... Eu não entendo – Falou melancólico enquanto abaixava levemente sua cabeça em desapontamento – Eu não sei qual dos caminhos nós devemos atravessar.

-Bom... Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve. – Retruquei sorrindo, segurando no queixo de Baekhyun com a ponta de meus dedos e levantando sua cabeça – Vamos para a direita, direita sempre! – Exclamei animado, puxando Baekhyun junto comigo pela mão.

‘’Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve’’

____

Nunca me imaginei em uma mesa imensa, na qual era coberta por doces, bolos, xícaras, bules cheios de chá e uma garota híbrida de lebre me olhando com desejo.

Não acreditara que havíamos pegado o caminho certo e acabamos por chegar até o local de Tao e a Lebre.

Consistia basicamente em uma mesa enorme e uma casa afastada de tal. Admito que esperava mais de acordo com o jeito espalhafatoso de Tao.

O que realmente chocava-me era o tanto de bules estranhos que continha em cima da mesa... E falando francamente, a garota lebre de cabelo castanho e bagunçado assustava-me um pouco enquanto fitava-me com aqueles olhos de louca.

A garota lebre chamada Moonbyul, informou que Tao não estava presente naquele momento. Dissera que ele fora até o castelo com o Gato Risonho.

- Vocês já vão? – Perguntou após eu e Baekhyun terminarmos de tomar o chá que fora oferecido pela mesma e levantarmos das cadeiras, ameaçando retomar nosso caminho – Não podem ficar mais um pouquinho? – Ela aproximou-se de mim, segurando em meu braço e ficando colada a mim.

Eu acho que nunca senti tanto medo em toda a minha vida enquanto possuía aquela garota de sorriso macabro me olhando de soslaio como um lobo pronto para atacar sua preciosa presa.

- Não, Moonbyul. – O nome da garota escorreu da boca de Baekhyun com certo nojo na ponta da língua. – Estamos atrasados, precisamos chegar rapidamente ao castelo. – Segurou em meu braço, forçando Moonbyul a soltar-se e me levou junto consigo pelo caminho enquanto pisava com raiva.

Admito que deixei que um sorriso de canto adornasse em minha boca ao ver a possibilidade de Baekhyun estar com ciúme de mim com Moonbyul.

Mesmo que fosse somente uma possibilidade, fazia automaticamente meu coração alegrar-se com a chance mínima.

____

Uma grande sensação de dejá-vu chocou-se contra mim naquele momento. Naquele lugar onde estávamos, fazia lembrar-me do caminho enevoado que somente fora guiado pela mão de Jimin puxando-me para um fim recém descoberto.

Novamente encorajei a mim mesmo, falando que deveria dar um passo com coragem para assim chegar aonde eu queria.

Eu e Baekhyun estávamos no mesmo barco e com ele, juntos atravessaríamos este rio de transtornos no qual fomos brutalmente jogados pelas mãos impiedosas do tempo.

Gostava de ter pensamentos profundos e cheios de reflexão, ajudava-me a continuar em perfeita sanidade no País das Maravilhas que parecia ser a mais louca junção de um conto de fadas com um filme de terror, onde eu era o protagonista que poderia ter o tão sonhado final feliz ou o tão inesperado e triste momento de sua morte.

Nossos passos apressados sob a grama faziam a neblina se dissipar por meros segundos, revelando sua grama seca e folhas de cor alaranjada que jaziam no chão escondido. As paredes do labirinto feitas de ramificações e espinhos possuíam rosas embrenhando-se ao meio como sobreviventes em sua feiúra, rosas estas que foram pintadas desleixadamente de vermelho,assim, cobrindo sua cor natural de branco. O céu a cima de nós era colorido com a noite coberta de estrelas e uma magnífica lua.

Baekhyun bufou ao depararmo-nos novamente a um meio sem saída, novamente a aparição de outra parede ao invés da tão sonhada chegada ao castelo.

Baekhyun tirou sua cartola para passar a mão por seu cabelo mais facilmente e secar a gotículas de suor que brilhavam em sua testa. Um ato este que parecia ser feito com extremo cansaço e raiva. Não estava calor para que formasse estas gotículas, era a pura ansiedade agindo sob o corpo do outro. Baekhyun jogou a cartola ao chão enquanto secava o suor formado em sua testa.

Tentei não soltar nenhuma exclamação ao ver as orelhas de Baekhyun bem à mostra para meus olhos fascinados. Orelhas que eram um nítido contraste com seu cabelo, sendo estas brancas em vez do tom negro de seus fios.

Mas admito que não tive total controle de meus atos ao aproximar-me de Baekhyun e começar a acariciar os pelos brancos e macios de suas orelhas. Era como se um imã puxasse-me para fazer tal ato, e eu simplesmente obedeci aos comandos mais sinceros de meu corpo.

Baekhyun não pareceu incomodando pelo ato repentino, pelo contrário. Ele abaixou sua cabeça para que eu tivesse mais facilidade em fazer o carinho.

Podia ver de soslaio o sorriso que estava formado em seu rosto. Era uma situação carinhosa e encantadora apesar de o local não ser o mais adequado para aquela aura de afeto que exalávamos.

Acho que podia ser uma situação estranha aos olhos dos outros. Dois homens adultos parados em um labirinto assustador enquanto um acariciava as orelhas de coelho do outro rapaz – já era algo estranho alguém ter orelhas de coelho.

Baekhyun levantou sua cabeça, revelando seu sorriso afetuoso e olhos gentis. Ele parecia de alguma forma mais tranqüilo após o acontecido, fico feliz que este simples gesto o fizera relaxar.

- Melhor continuarmos nosso caminho, será uma longa noite a procura da entrada para o castelo – O sorriso retangular ainda jazia em seu rosto enquanto ele segurava em minha mão e me levava consigo para a possibilidade de outra parede impedindo nossa chegada.

____

- Baekhyun, eu estou cansado! – Exclamei ao sentir minhas pernas tremerem e ficarem bambas, quase deixando que eu caísse no chão por não conseguir agüentar o resto de meu corpo alto. – Por favor, me carrega – Não sabia muito bem o que eu estava pedindo ao outro, estava deixando-me levar pelo instinto e não pensara direito em minhas próprias palavras, era insuportável a ardência que percorria meus músculos rígidos.

- Olhe para a diferença de nossas alturas e estrutura corporal – Falou apontando de cima a baixo para mim enquanto me olhava com expressão de cansaço e lábios secos devido ao frio noturno. – Vou morrer antes de chegarmos se eu tiver que carregar-te.

Fiz um bico em meus lábios e cruzei meus braços rentes ao peitoral enquanto fitava o outro com uma expressão de raiva.

Podia ser uma atitude extremamente infantil e patética, mas não pensara em minhas ações o tanto que em minhas palavras. Deixava-me conduzir pelo cansaço e não a razão.

Baekhyun bufou e passou a mão pelo cabelo com raiva quase como se quisesse arrancar os fios da cabeça. Ele me olhou e aproximou-se de mim que ainda continuava com a pose de superioridade.

- Só lhe carreguei um pouco, certo? – Perguntou, colocando as mãos sobre a cintura enquanto olhava para toda a extensão de meu corpo como se analisasse a situação com mais racionalidade. – Certo? – Perguntou em um tom exigente e eu somente assenti freneticamente.

Baekhyun agachou-se levemente atrás de mim, colocou um de seus braços sob a parte de trás de meus joelhos e o outro braço pousou em minhas costas na parte torácica. Assim que seus braços estavam devidamente posicionados, impulsionou suas pernas para cima e levou meu corpo junto, começando a andar enquanto carregava-me como uma noiva.

- Depois de um tempo você também terá que carregar-me, Chanyeol – Mandou enquanto dava passos pesados sob a grama, formando gotículas de suor pelo esforço em suas clavículas salientes que estavam à mostra pela camisa com alguns botões abertos.

Admito que olhei fixamente para aquele local por um tempo consideravelmente longo, até que me desse conta de meus pensamentos impuros e desviasse o olhar envergonhado.

____

Não tive a oportunidade de carregar Baekhyun como o mesmo havia mandado que fizesse, pois antes que houvesse a chance, eu e Baekhyun tínhamos encontrado logo ao amanhecer a saída para o labirinto e a entrada para o castelo.

Baekhyun me largou bruscamente de seus braços, deixando-me cair de bunda ao chão de mármore e fazendo o mesmo, jogando-se ao chão de puro cansaço ao meu lado.

O peito de Baekhyun subia e descia enquanto o mesmo respirava de forma pesada fazendo com que o ar quente de sua boca entrasse em contato com o frio ao redor formando uma fumaça que saia por entre seus lábios agora secos e rachados.

Eu me encontrava em estado semelhante, respirando pesadamente enquanto possuía uma visão embaçada ao que estava a minha frente.

Baekhyun me tirou do chão, colocou meu braço de um modo que eu me apoiasse em si para que andasse. E assim fomos andando em direção ao grande castelo, que mesmo estando um pouco longe, podia ser visto claramente pela sua estrutura gigantesca. Eu e Baekhyun íamos andando ao caminho deste enquanto um apoiava-se ao outro, dando a expressão que éramos dois bêbados pelos passos cambaleantes.

Enquanto íamos em direção ao castelo, eu percorria os olhos pelo reino; prestando atenção em seus moradores e particularidades. Moradores estes a maioria tendo traços de animais e a outra era quase que humanos normais, somente com algumas singularidades no rosto ou pele; tais como, cor de pele de cores exóticas – rosa, roxo, azul e etc – olhos de cores extravagantes e linhas que marcavam suas peles como tatuagens naturais.

A grande maioria eram híbridos de animais ou eram realmente animais andando normalmente pela rua.

Estranhei o fato de não ter nenhum híbrido de coelho como Baekhyun, somente algo perto como as lebres, mas nenhuma com seus pelos de cor clara e maciez.

Era engraçado como eu e Baekhyun encontrávamo-nos em estados totalmente diferentes, que enquanto eu observava tudo extremamente impressionado e fascinado, Baekhyun estava com a expressão naturalmente neutra.

Assustei-me ao que chegamos próximos ao castelo, percebi que guardas vestidos como cartas de baralho protegiam os portões para o castelo enquanto seguravam lanças afiadas e alguns com armas de fogo em mãos.

- Merda... – Baekhyun murmurou irritado. – Eu preciso de algo para esconder minhas orelhas ou serei facilmente reconhecido. – Baekhyun me puxou para um canto escondido próximo de uma venda de frutas.

- Você não disse que Jongin não faria nada de mal? Por que está com medo? – Indaguei, observando com mais pavor os guardas próximos a nós.

- Eu não posso arriscar Jongin nunca faria algo que pudesse me machucar fisicamente... Mas não posso garantir que mentalmente ele não me destroçaria. – Fitava-me intensamente para que assim percebesse que eu e Sehun estávamos em risco pela proximidade que tínhamos com o mesmo.

Baekhyun aproximou discretamente de uma barraca de algum camponês que vendia chapéus, cartolas e bonés. Com uma maestria invejável, ele roubou um boné de cor branca enquanto o vendedor concentrava seu olhar em alguém a sua frente.

Tentei me segurar para não rir de Baekhyun quando o mesmo colocou o boné em sua cabeça para esconder suas orelhas de coelho. Não que o boné tivesse ficado ruim, mas era engraçado ver alguém vestido como um lorde da idade média usando algo como um simples boné.

Mas ao todo, até que combinava com ele. Queria voltar ao mundo normal somente para sanar minha curiosidade em como Baekhyun ficaria lindo com roupas atuais daquele lugar.

Porém, não havia qualquer outro motivo para voltar. Nunca voltaria a um lugar onde eu não pudesse estar com Baekhyun e Sehun.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...