História Mrs. Luthor - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Alex Danvers, Alura Zor-El, Cat Grant, Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor, Maggie Sawyer
Tags Sanvers, Supercorp, Supergirl
Visualizações 364
Palavras 2.684
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


------------------- em revisão-----------

Capítulo 21 - Mensagens


 

Lena Luthor P.O. V

Após resolvidas as questões da conferência, passamos mais um dia no hotel antes de voarmos de volta a Nacional City. A voz do piloto sobre o fone tirou-me dos meus devaneios, e eu abri os olhos novamente para observar Kara. Ela ainda estava dormindo profundamente, e após olhar rapidamente para os outros passageiros, inclinei-me sobre ela e o cheiro de laranjas me invadiu quando eu pressionei um beijo suave contra o seu cabelo.

– K. – eu sussurrei, mudando um pouco para colocar um outro beijo em sua testa. – Kara baby. Estamos quase lá.

Meus dedos passaram levemente pelos seus cabelos quando ela começou a se mexer. Abrindo os olhos, ela sorriu e, em seguida, mudou-se para se sentar, parecendo um pouco chocada ao ver-me tão perto.

– Tudo bem. – Comecei colocando minha mão em seu rosto. – Todo mundo ainda está dormindo. Ninguém sequer olhou para nós o vôo inteiro. – Ela concordou e, em seguida, recostou-se em mim um pouco, sua mão livre cobrindo a outra que estava comigo.

– Estamos em casa? – Ela perguntou e eu olhei para ela com atenção por um momento, tentando decifrar por que ela parecia ter duvidas de arrancar alguma coisa de dentro de mim. Para ser honesta, não tinha nunca realmente me ocorrido que não estávamos em casa. Kara estava comigo, e, aparentemente, isso era tudo que eu precisava.

– Sim, nós estaremos aterrissando a qualquer minuto. – Ela balançou a cabeça quando ela se virou para a janela espiando o branco das nuvens enquanto eu comecei a pensar sobre o que iria acontecer quando chegássemos ao aeroporto.

 Um pensamento em particular, tinha se formado em minha mente desde ontem à noite: Eu queria que ela viesse para casa comigo. Mas será que isso não seria ir longe demais? Deus, eu não tinha ideia, eu estava completamente fora da minha zona de conforto. Eu só sabia que as coisas não poderiam voltar a ser como eram.   

Até porque não havia nenhuma maneira que eu poderia vê-la apenas durante a semana e manter os meus toques limitados a encontros casuais em lugares isolados. Eu queria fazer amor com ela na minha cama. Eu queria ver onde ela morava, e levá-la para jantar sem ter medo de ser vista ao seu lado.

Sim, eu sabia que eu poderia estar querendo até demais, mas droga! Eu estava realmente me sentindo apaixonada por Kara Danvers e, de uma forma absurdamente louca para eu deixar apenas para mim.

Limpando minha garganta, eu decidi que era agora ou nunca.

– Hm... Ka, eu

A minha pergunta foi cortada por um anúncio da tripulação nos informando sobre a nossa descida iminente. Os outros passageiros começaram a se agitar em torno de nós e eu sabia que o momento foi perdido.

Os próximos dez minutos foram gastos com a gente organizando as nossas coisas e eu tentando me concentrar novamente para perguntar-lhe. Nosso pouso foi suave e antes que eu percebesse, estávamos fazendo o nosso caminho para as bagagens. Ficamos próximos uma da outra, os nossos ombros quase se tocando, e eu encontrei-me a estudar secretamente seu perfil. Como eu pensei que poderia resistir a esta mulher estava além da compreensão.

Ela era delicada e bonita e foi surpreendente saber que ela era ainda mais bonita por dentro.

Uma onda de emoção cresceu dentro de mim, e eu sabia que não queria ficar longe dela. Foda-se, quando foi que eu virei uma medrosa? Eu virei seu rosto e coloquei minha mão em seu braço.

– Kara, eu...

– Socorro, Danvers! É você mesmo? – Nós nos voltamos para a jovem morena que tinha quase a idade de Kara e corria atrás de nós. – Ahh, eu sabia que era você mesma.

Deixei a minha mão recuar um pouco quando a menina chegou a nós.

– Lucy, oi! De onde você está vindo?

Ela estava sorrindo para a amiga, mas olhou rapidamente para mim, um leve olhar de pânico no rosto.

– Acabei de desembarcar de Metrópoles, tive algum trabalho com seu primo para fazer no Profeta Diário e agora estou indo para casa. Você quer dividir um Uber?

– Um… Ah, com certeza. – Ela gaguejou, olhando para mim. – Lucy e eu moramos em prédios vizinhos. Ela é repórter.

Concordei com o aceno curto fechando meu casaco. A amiga de Kara era... no mínimo super bonita. E não fazia nada bem para os meus ciúmes que ela estivesse agarrada no pescoço da minha... bem, de Kara.

– E Lucy, essa é Lena. Bem, Lena Luthor.

A amiga de cara fez uma expressão levemente chocada e largou Kara para me cumprimentar um tanto animada demais.  Eu sorri e acenei com a cabeça enquanto Lucy seja lá que inferno for, voltou-se novamente para Kara e começou a detalhar cada minuto de sua viagem e sobre um tal Clark.  

Ela não precisava de uma carona para casa. Ela não estaria mais por perto. Eu nem sequer realmente comecei a me despedir. Engoli em voz alta, meu peito apertou com esse pensamento. Kara tinha obviamente sentido isso também, porque percebi que ela dava passos errantes e olhava para mim por cima do ombro da amiga.

Nossas malas apareceram sobre a esteira, e eu as recuperei, oferecendo para ajudá-las a levar tudo para um táxi. Quando eu coloquei a bagagem no porta-malas, eu chamei a atenção de Kara por cima do carro. Eu sorri suavemente e esperei que ela entendesse tudo o que eu queria dizer.

 Ela voltou para arrumar sua bagagem de mão e rocei minha mão contra a parte interior de seu tronco.

– Vou te ligar. – Disse calmamente. Nossos olhos se encontraram e ela acenou com a cabeça, seus dedos se envolveram em torno dos meus momentaneamente antes de pisar para trás. Lucy veio até nós e colocou a mala ao lado de Kara.

– Pronta pra ir? – Perguntou ela, ignorando nossa troca silenciosa.

– Claro. –  Kara hesitou um pouco antes de olhar para mim. – Eu vejo você segunda... Mrs.. Luthor.

 Passando rapidamente por mim, ela subiu no carro do Uber e fechou a porta. Pisando no freio, eu assisti até que estivessem fora de vista, já sentindo a dor de sua ausência.

Uma buzina estridente distante me trouxe de volta a minha atenção e eu peguei a minha bagagem e comecei a fazer meu caminho para o estacionamento bem devagar.  Assim que estava dentro do meu carro, liguei o motor e puxei o meu telefone, mensagens de texto foi a primeira coisa que me veio à mente.

Eu ainda posso sentir o cheiro do seu cabelo.

Mais tarde naquela noite, sentei em uma mesa da sala de estar com meu pai e meu irmão. Meu pai estava emocionada ao me ver bem depois de saber que eu havia passado tão mal em Gotham e ainda mais excitado que Kara e eu estávamos nos dando bem.

– Lena, eu não posso dizer o quanto estou orgulhoso de vocês duas terem finalmente resolvido suas diferenças. Estou lhe dizendo, o trabalho vai ser uma experiência muito mais agradável para vocês duas.

– Eu não poderia concordar mais, papai. – Eu respondi, meus olhos na pasta diante de mim. Eu odiava mentir para minha família, mas ainda precisava pensar como abordar todo mundo e dizer que estou apaixonada pela queridinha deles. A minha mãe.... coitada, acreditava firmemente que Mike e Kara eram quem deveriam ficar juntos.

Lex havia voltado de viajem hoje e eu pedi que ele viesse para que eu falasse do meu projeto e dos exames que precisaríamos que ele fizesse. Ele sempre havia sido um cara mais na dele, contudo, a sua próxima pergunta me fez respirar fundo e refletir se Lana havia realmente cumprido sua promessa comigo e não contou sobre ter me pego com Kara no banheiro.

– Será que Kara vai se juntar a nós em breve para outro jantar agradável? Hoje está uma tarde linda.

Neguei com a cabeça antes de reafirmar.

– A Srta. Danvers saiu com uma amiga no aeroporto, e eu acredito que elas estavam querendo sair esta noite.

 Aquele tópico acabou naturalmente se encerrando quando meu pai me questionou sobre os clientes novos que haviam se interessado em fechar com a Luthor Corp na conferência.

Uma hora depois, sentei-me na parte de trás da sala escura, assistindo uma apresentação de slides, feliz por estar em um lugar sem perguntas demais. O meu telefone vibrou e meu coração acelerou, na esperança de que seria ela. Ela não respondeu meu SMS anterior, e eu estaria mentindo se eu dissesse que não estava um pouco preocupada, mas tentando parecer indiferente, eu tirei meu celular do bolso e olhei para ele.

Eu ainda posso sentir seu toque. O que você fez comigo?

Eu coloquei meu telefone sobre a mesa e tentei não deixar transparecer qualquer choque em meu rosto e na minha expressão. Quando eu tive certeza de que ninguém estava olhando, eu inclinei para trás novamente e voltei a ler a mensagem. Porra. Eu olhei as horas e me perguntei por quanto tempo nós estaríamos aqui. Tentando parecer desinteressada, eu rapidamente digitei uma mensagem em resposta e enfiei o telefone de volta no bolso.

Eu ainda posso sentir o gosto dos seus lábios.

Três minutos depois, senti meu bolso vibrar novamente.

Eu sinto falta da sua tatuagem. E do seu sorriso :x

Minha cabeça caiu para trás contra a parede enquanto eu repetia as palavras de volta para mim. Ela sentia falta da minha tatuagem e do meu... Merda. Deus, eu nem sabia como responder a isso.

Sinto saudades de ver você. Fiquei preocupada quando eu não recebi sua resposta. Está tudo bem?

Eu não podia acreditar em quão nervosa eu me sentia. E se ela mudou de ideia?

Desculpe. Meu celular estava no silencioso e eu só consegui dormir ao chegar em casa. Alguém me manteve acordada durante toda a semana.

Porra. Eu não sabia que emoção era mais forte, o alívio que ela não tinha dúvidas ou luxúria quando eu pensei de volta para todas as formas que eu a tinha mantido acordada. Eu suprimi um gemido e tive de me reajustar na cadeira, sentindo-me subitamente molhada.

Eu não posso dizer que estou arrependida. Eu faria tudo novamente, se você deixasse.

Eu não consegui segurar o sorriso que puxou nos meus lábios e olhei para cima para ver o meu irmão inclinar-se para trás em sua cadeira, olhando para mim. Merda, isto ia ser um problema. Segundos depois, outra mensagem chegou. Eu dei-lhe um olhar reprovador que lhe mandava cuidar de seus próprios negócios. Ele olhou para longe rindo, e olhei para a mensagem.

Eu acho que posso gostar disso.

Eu quase deixei cair o telefone. Eu me contraí ao saber que eu já tinha planos para a noite, meu pai que já tinha me pedido para visitar minha mãe.  Respirei fundo, e digitei uma resposta.

Eu tenho que ir para a casa dos meus pais à noite. Posso ligar pra você quando eu terminar?

Definitivamente.

Eu quero ver você amanhã.

Meu dedo pairava sobre a tecla Enviar. Eu estava pronta para isso, mas e ela? Eu precisava disso, precisávamos ambas disso. Fechando os olhos, eu enviei a mensagem e esperei. Segundos depois, meu celular vibrou na minha mão.

Eu quero ver você também.

Oh agradeci fudidamente a Deus. Minha cabeça caiu para a frente e eu exalei profundamente. Ela queria isso. Os planos começaram a se formar na minha cabeça.

Minha casa? Eu vou fazer o jantar.

Eu adoraria. Posso fazer um pedido?

Um pedido? Eu ri quando me ocorreu que provavelmente iria dar a ela qualquer coisa que pedisse. Eu respondi rapidamente.

Qualquer coisa.

Use jeans.

O quê? Ela queria que eu vestisse jeans? Eu balancei a cabeça e ri enquanto eu respondia a ela.

Jeans, hein? Você gosta disso. Posso fazer um pedido?

Qualquer coisa.

Sorrindo, eu pensei em suas longas pernas e a sensação das minhas mãos deslizando até elas.

Use um vestido.

Um vestido, hein? Hmmm … Você nunca dando ponto sem nó.

Olhei para o telefone na minha mão, essa ia ser uma longa noite.

Eu ainda estou na reunião, eu vou falar com você em algumas horas, combinado?

Combinado.

Eu hesitei por um momento antes de digitar a minha resposta, esfregando o polegar e para trás através do botão Enviar e me perguntando se eu estava fazendo a coisa certa.

Sinto sua falta, K.

Também sinto sua falta, Le.

Ela sentia minha falta. Correndo o dedo sobre a tela, eu voltei a ler suas palavras, já antecipando o momento em que eu iria vê-la novamente.

Acordei na manhã seguinte cheia de uma energia nervosa. Ela estaria aqui esta noite, na minha casa e possivelmente, na minha cama. Eu tinha imaginado isso uma centena de vezes, nenhuma vez pensando que se tornaria uma realidade. E sabendo que em apenas dez horas ela estaria em meu apartamento eu me enchi de um sentimento de emoção que eu nunca havia conhecido antes.

Me levantei rapidamente e vesti um short, uma camiseta e um tênis. Eu sabia que uma corrida era a única coisa que limparia minha cabeça e me acalmaria o suficiente para passar o dia.

Agarrando uma garrafa de água e meu iPod, eu deixei o meu apartamento e peguei o elevador para a pista de corrida na cobertura do edifício. Passei as musicas até que comecei a me aquecer, já sentindo a tensão deixar meu corpo. Corri até que meus músculos queimaram e meu peito doía, deixando minha mente alegremente clara.

Sete quilômetros depois eu desacelerei para uma caminhada, dando a uma parada no parapeito de vidro que rodeava a pista de corrida. Eram momentos como este que viver aqui valia a pena cada centavo. Nessa altura, a vista era extraordinária. Eu me encontrei olhando para a cidade, passando dos altos edifícios para a direção que eu sabia que o apartamento Kara estaria.

Cinco minutos. Às vezes eu achava difícil acreditar que em todo esse tempo nós tínhamos vivido apenas a cinco minutos de distancia uma da outra.

Eu sabia que em algum ponto desta noite, precisávamos conversar. Eu queria continuar vendo ela, não havia dúvidas disso, mas e sobre todo o resto? Eu sabia que nós realmente não deveríamos nos ver, enquanto eu ainda fosse sua chefe, mas o lado da minha parte egoísta não queria deixar isso ir para qualquer lugar.

Eu balancei a cabeça, sabendo perfeitamente bem que eu era uma desgraçada por tudo isso. Uma parte de mim sabia que não importava o que, qualquer relacionamento que nós duas tivéssemos sempre seria manchado aos olhos dos outros. Kara seria sempre a secretária que dormiu com a chefe, e eu sempre seria a canalha que se aproveitou dela.

Esfregando as mãos na minha cara, eu dei um suspiro profundo. Gostaria apenas de falar com ela e deixá-la tomar a decisão. Isso tinha que funcionar. Tinha que dar certo.

Mais tarde naquela noite eu fiz uma caminhada final pela minha casa. Tudo estava perfeito. Eu tinha feito compras; colocando tudo junto para fazer a única coisa que eu tinha visto inúmeras vezes ela pedir nas reuniões de almoço, Frango Piccata. Eu tinha saído e alugado todos os seus filmes favoritos, os que eu não tinha, de qualquer maneira. Eu tinha comprado suas flores favoritas e até mesmo tinha vestido o que ela pediu, um jeans e uma camisa preta. Meu rosto estava bem maquiado. Tudo estava pronto, e eu estava na cozinha cortando legumes, quando a campainha tocou. Minha mão congelou, e meu ritmo cardíaco acelerou instantaneamente. Ela estava finalmente aqui.

Eu abri a porta, o ar saiu de meus pulmões quando a vi de pé no corredor. Ela virou-se com o som e os nossos olhos se encontraram, um ligeiro sorriso apareceu no canto dos seus lábios.

Seu cabelo caiu em torno de seus ombros, e os meus dedos de imediato, coçaram e enredaram nela. Ela usava um vestido preto simples que, com a gola alta e mangas longas teria sido considerado conservador, se não fosse pelo comprimento. Ele parava no meio da coxa, enfatizando cada centímetro de suas pernas longas e atraentes.

Eu apenas respirei fundo e me entorpeci com a imagem. Céus, ela era perfeita. Eu não a merecia.


Notas Finais


Sei que sumi levemente e que nem respondi ainda os últimos comentários de vcs, mas essa vida de trabalhar pra pagar boleto é ingrataaaa. Contudo, ta dando pra eu responder e seguir a galera no twitter e ta sendo super divertido ver vcs comentando sobre a fic.
Primeiri: indiquem pra crush a fic pra ver se ela se toca que ela é sua crush, ou a sua lena luthor awnnn. Vocês tão vendo que aqui as coisas tão ficando mais serias né?? Mas claro, vai ter conflito sim ainda para resolver e no prox vcs vão ver que nao são dos pequenos.

Deixem ideias, sugestões, eu realmente leio e guardo o que vcs falam e várias ideias de leitoras vão acabar sendo inseridas nos próximos capitulos que vamos ver um pouco de sanvers <3

Muito obrigada pela paciência.Um beijo bem homossexual


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...