História Mrs. Luthor - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Alex Danvers, Alura Zor-El, Cat Grant, Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor, Maggie Sawyer
Tags Sanvers, Supercorp, Supergirl
Visualizações 480
Palavras 1.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 29 - A transferência


Fanfic / Fanfiction Mrs. Luthor - Capítulo 29 - A transferência

Lena Luthor P.O.V

Pedi para retornar Bruce Wayne em outro momento, eu não tinha condições de responder uma chamada de negócios naquele momento. Eu precisava falar com Kara. Fui à direção do elevador e presumi que ela voltaria para o nosso escritório, o que se confirmou quando ao sair no nosso andar, ouvi algumas pastas serem jogadas com força na mesa. Kara estava, com toda razão do mundo, enfurecida comigo.

– Você precisa vir comigo agora. . – Eu falei sem parar a sua frente. Aquela conversa não podia começar ali onde qualquer um poderia chegar a qualquer momento. 

– Você só pode estar completamente doida se acha que eu vou te deixar me tratar desse jeito, Lena Luthor. – Ela gritou atrás de mim. Eu me virei para encará-la depois de fechar a porta e fui para trás, as palmas de suas mãos colidiram com o meu ombro. – Eu quero realmente entender de onde diabos veio esse seu ciúme sem sentido a respeito de alguém que você mal olhou na cara em um elevador. 

– Eu sei que não faz qualquer sentido, mas, inferno, eu gosto tanto, tanto de você, que essas coisas irracionais apenas parecem correr do meu peito. – Aproximei meu corpo do seu, mas ela me afastou com habilidade.

– Isso não é uma desculpa plausível, Lena. Eu sei bem o que é sentir ciúmes, mas você não pode falar comigo desse jeito como se eu não já tivesse aberto meu coração para você e dito que te amo. O meu passado ainda faz parte de mim e se você não consegue lidar com ele, sinceramente, não sei o que te dizer quando Susan nem de longe é minha pior ex-namorada.

– Eu não... Apenas, me perdoa, por favor. Eu sei que eu realmente fodi a coisas, mas eu só não consigo pensar em outra pessoa com você. Isso me deixa enfurecida. É tão irracional esse sentimento que eu não consegui controlar dessa vez. 

Eu finalmente consegui me aproximar dela o suficiente para tocar seu rosto, aquilo pareceu desarmá-la de alguma forma. Pior do que meu ciúmes idiota era tê-la chateada comigo. Eu já tinha ferrado aquela relação com toda a toxidade que eu poderia sendo uma enorme babaca desde que começamos a trabalhar juntas. Não me perdoaria se aquilo voltasse para a nossa relação.

Com um suspiro, ela fechou e abriu os olhos algumas vezes. Eu achei que ela falaria alguma coisa, falaria mal da minha atitude idiota, ou me daria um tapa na cara. Qualquer coisa. Mas ela apenas saiu do meu toque e saiu da sala indo na direção do elevador.

De pronto eu tentei ir atrás dela, mas a droga do meu telefone tocou mais uma vez como um louco. Era James e eu iria ignorá-lo de pronto, mas havia quase 20 notificações de mensagem dele me advertindo para procura-lo imediatamente. Era algum tipo de emergência da qual eu não podia fugir.

Retornei a ligação.

– Luthor, eu preciso falar com você nesse mesmo minuto.

– Isso não tem mesmo como esperar? Eu estou ocu-...

– Não. – me cortou. – É algo muito serio, envolve você e Kara Danvers. Vou estar te esperando.

Paralisei em meus passos ao ouvir o nome de Kara e a partir dali não soube mais como responder aquilo, apenas fiquei olhando para a minha porta paralisada. O que James queria dizer com aquilo exatamente? Era impossível ele saber sobre nós duas, certo?

Errado. Essa foi minha segunda péssima conclusão do dia. Soube disso no momento em que entrei na sala de James e ele me olhava com uma expressão dura e fechada. Ele também não falou uma palavra até eu estar de pé na sua frente.

James arrumou seu terno, sentou na sua cadeira de couro preto e limpou a garganta antes de dizer:

– Obrigada por vir tão rápido, Lena. Acredito que você conhece a Mrs. Larsson.

Concordei.

Ele respirou profundamente.

– Bom, é por causa dela que te chamei aqui. Aparentemente Mrs. Larsson revelou algumas acusações muito graves contra você. Achei melhor lhe permitir se defender antes de encaminhar a sua queixa para o conselho.

Um peso profundo começou a se estabelecer no meu peito, e ele continuou.

– Ela afirma que durante o tempo que você e a Srta. Danvers estavam em Gotham, vocês se comportaram de forma inadequada. Para ser mais específico, ela alega ter testemunhado as duas se beijando calorosamente antes de entrar em seu quarto juntas.

Sua voz tinha uma descrença que eu não sabia exatamente se era verdadeira, ou ele apenas fingia pela nossa amizade que eu nunca faria algo assim. Senti meus ombros caírem ligeiramente.

O silêncio na sala pressionou em cima de mim, ampliando minha perda para as palavras. Meus olhos derivaram para o chão em derrota.

–Há quanto tempo? – ele perguntou com uma voz que estava totalmente calma demais.

Hesitei, ainda segurando até agora a promessa que tinha feito de manter o nosso relacionamento só entre nós.

– Há poucos meses. Apenas... aconteceu. 

Ele suspirou pesadamente novamente, seu olhar caiu para as calçadas lá em baixo.

– Isso explica muita coisa, Lena. Eu sabia que tinha alguma garota na sua cabeça, só não sabia quem.

A cadeira de couro rangeu quando ele retornou ao seu lugar. Eu levantei meu queixo para vê-lo. Sua expressão era reflexiva.

Ele não olhou em meus olhos.

– Sabe, eu não tinha te visto tão feliz em algum tempo, mas infelizmente é uma denúncia muito grave para que eu tenha o poder de arquivar. Larsson já falou com outro membro do conselho, então é questão de tempo até todos saberem.

– Quanto tempo até o meu pai ficar ciente?

– Eu pensei que talvez você quisesse dizer a ele, mas uma acusação contra a presidente é algo que pode chegar aos ouvidos dele mais cedo do que você, então seja rápida.

– Eu compreendo. – Soltei o ar que nem sabia que me sufocava e senti meus pés doerem. Minha vontade de apenas sair daquela sala e encontrar Kara estava me consumindo.

– Você conhece as regras, Lena. Com a acusação aberta não podemos permitir que Kara continue a trabalhar para você. – Disse ele solenemente, a finalidade em seu tom não deixando nenhuma dúvida de que isto não estava em debate.

Eu gelei quando a realidade tornou claro que a partir daquele momento Kara já não seria mais minha assistente.

– Vamos realocá-la para a nova executiva sênior que entrará nas próximas semanas. Talvez, até lá, seja melhor Kara ficar um tempo afastada da Luthor Corp.

Ele parou, balançando a cabeça como se tivesse se decidindo.

– Eu verei todas as acomodações de Kara para ser transferida e, esperemos que ninguém mais saiba. – Levantando os olhos, ele continuou. – Isso não pode vazar na mídia enquanto nossas ações estão em transição com as industrias Wayne, isso poderia resultar na sua exoneração da presidência.

Engoli em voz alta e encontrei seu olhar, suas últimas palavras me quebraram do meu torpor. A empresa da minha família era tudo em que eu havia trabalhado durante toda a vida e a percepção de que eu poderia jogar aquilo na lama, junto com trabalho duro de tanta gente, foi mais que suficiente para me fazer querer vomitar. Ele me viu e levantou as sobrancelhas, como se soubesse que as suas palavras tinham me socado na cara. 

Não consegui mais responder nada, apenas encará-lo.

Eu assisti quando James pegou o telefone. Presumi que ele estava falando com sua assistente, mas suas palavras calmas não registraram na minha cabeça. 

Meu corpo parecia ser feito de chumbo, os meus pés estavam plantados a este lugar enquanto a minha mente competiu com os possíveis resultados. Tanto quanto eu odiava a verdade saindo desta maneira, havia algo de libertador que os outros finalmente soubessem.

Sob a culpa e o medo, também houve alívio, como se um peso tivesse subitamente sido tirado de mim. Poderíamos finalmente avançar, com certeza ela iria ver isso. Não mais se esconder, não mais se esgueirando de um apartamento para o outro quando acordássemos. Eu poderia dizer a todos que eu a amava, eu poderia segurar sua mão onde eu quisesse e levar para conhecer minha família... claro, depois que eles deixassem de me odiar por aquilo.

Uma voz familiar e alegre da área de recepção invadiu meus pensamentos. Ela entrou na sala, e meu corpo respondeu imediatamente à sua presença. Eu senti a minha respiração, mesmo fora os meus músculos relaxarem um pouco, senti como se a situação que estava me segurando aqui, finalmente, começasse a enfraquecer.

Eu ansiava por ela, mesmo agora. Eu ansiava por poupá-la do presente e aliviar a dor com a qual ela iria em breve ser confrontada. Minha mão se contraiu ao meu lado, meus dedos coçaram para senti-la, para entrelaçar com as dela e enfrentarmos isso juntas, mas eu sabia pelo seu olhar que ela ainda estava chateada comigo.

Ela atravessou a sala de estar ao meu lado, o som do vestido balançando em torno por suas pernas bonitas e seu perfume delicado chegando antes que ela me encontrasse. Sua simples presença me acalmou, mesmo quando ela não tinha conhecimento disso.

– Qual a emergencia, James?

Eu exalei profundamente, preparando-me para o que estava por vir.

– Kara. – Ele começou, o seu tom profissional, mas o tom de arrependimento aparente. – Tenho certeza que você está consciente de que temos uma nova executiva começando na empresa em algumas semanas, para ser mais exata no começo do mês.

– Sim. – Respondeu ela, sua confusão evidente. Ela viu quando ele começou a mover os arquivos em sua pasta, seus olhos focados em sua missão.

– Você será transferida para o seu escritório enquanto Lena responde ao conselho por conduta inapropriada.

O olhar de Kara me quebrou. Ela parecia tão perdida e assustada com a colocação de James, que automaticamente virou os olhos até mim com uma expressão que parecia implorar por desculpas.

– Eu-eu, desculpe, Sr. Olsen, mas eu não compreendo o que está acontecendo.

– Acredito que Lena pode explicar para você muito melhor que eu sobre o que exatamente se trata tudo isso. Por hora, eu só precisava lhe informar que até o próximo mês você estará sob licença remunerada enquanto realizamos sua transferência.

Kara parecia incrédula com toda a situação e eu não podia culpá-la.

Nossa bolha havia estourado enquanto flutuávamos no ar e não havia nada que eu pudesse fazer para nos proteger da queda. 


Notas Finais


Notas: esse foi um pouco mais curto, mas para compensar os próximos tão cheio de tiro porrada e bomba. Essas duas tem de se acertar em, até porque agora como diz minha avô: ou vai ou racha.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...