História Mrs. Valdez - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Bianca di Angelo, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Frank Zhang, Grover Underwood, Hazel Levesque, Hefesto, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Personagens Originais, Piper McLean, Thalia Grace, Travis Stoll
Tags Thaleo, Thalico, Thaluke
Exibições 42
Palavras 4.900
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


AAAAH CARAIOOOO
Gente eu editei o terceiro cap, onde a Thalia e o Nico se pegam. Então, se vc não gostou dessa parte, leia de novo pq ta diferente! E na minha opinião está bem melhor!
Enfim, esse capítulo tá foda pra caralho.
APROVEITEEEEM
Obs: me desculpem pelo cap ter ficado tão grande, da última vez q eu divide um cap em 2 vcs não gostaram. Então eu nao dividi.

Capítulo 7 - Eu tenho meu preço.


Fanfic / Fanfiction Mrs. Valdez - Capítulo 7 - Eu tenho meu preço.

       LEIAM AS NOTAS INICIAIS


       Nico P.O.V


  Olhei no relógio. 5:20 da manhã. Levantei, já que teria que acordar daqui a uma hora mesmo. Não compensava mais dormir, sempre que eu caía no sono a imagem dela ficava martelando a minha cabeça. E isso é tudo culpa do meu pai.

    Não, pai não. Um pai não faz isso com o próprio filho. Não faz mesmo. 

      Me levantei, indo até o banheiro. Tirei minha camisa rasgada que mais parecia um pano de chão e joguei ela em qualquer canto. Olhei no espelho, os cortes e as marcas estavam diminuindo com o tempo. Mas, ainda não tinham saído por completo. Um de meus olhos ainda estava bem roxo. Tirei o resto da minha roupa e entrei debaixo do chuveiro. Senti os cortes arderem, nem liguei, já tinha me acostumado com a sensação.

       Eu já não tinha mais o que fazer, eu tinha que superar. Já fazia um pouco mais de uma semana que Bianca havia se mudado. Uma semana que eu tinha levado a maior surra da minha vida. Uma semana que eu tinha saído na porrada com o meu pai. 

      Isso que ele nem sabia o que eu sentia por Bianca. Ele só me espancou pelo o simples fato de que ele me odeia. Tudo isso começou depois que ele descobriu minha paixão pelo Percy.

       Ele me bateu de todos os jeitos possíveis. Eu revidei o máximo que eu pude, mas não foi o suficiente. Ainda me lembro do sangue escorrendo pelo meu rosto, me lembro dos berros da Hazel, implorando pra que Hades parasse. Me lembro como se fosse agora, do jeito que Leo esmurrou a cara dele. 

       Mas o problema não era nem esse, o problema não era a dor física. Era a emocional. Eu estou pouco me fodendo pro meu pai, e para o que ele pensa de mim. Agora, já Bianca. Aí eu não posso dizer o mesmo. 

      Ela não retornava minhas ligações, nem minhas mensagens. Já tentei de todos os jeitos falar com ela, o problema é ela diz que é melhor ficar longe de mim. Como ela pode pensar desse jeito? Desde quando ficar longe do próprio irmão faz bem?

       Lavei meu cabelo sem pressa, ainda estava muito cedo. As aulas voltavam hoje no Olímpia. E eu não estava nem um pouco animado, principalmente porque vou ter que ver a cara de certas pessoas que eu quero bem longe de mim. É, meu dia já tinha começado mal.

       Saí do chuveiro e me enxuguei. Senti um pouco de dor enquanto me enxugava, alguns ferimentos ainda estavam abertos. E eu não sabia cuidar de machucados, então eu teria que chamar a Hazel. Já que alguns cortes tinham aberto, de novo.

   Entrei no quarto dela sem fazer barulho, Hazel dormia como um anjinho. E naquele momento eu me senti péssimo por ter acabado com a família dela. A culpa era minha, eu separei todos. E agora, eu escutava seu choro quase todas as noites.

         Me ajoelhei ao lado de sua cama, e fiz carinho em seus cabelos. Ela fez uma cara de cansada e abriu os olhos. Aqueles olhos dourados que sempre me alegravam.

      - Desculpa te acordar tão cedo, é que eu preciso de ajuda com... 

     - Ok, eu te ajudo. - Ela me interrompeu e se levantou da cama. Estralando todos os ossos do corpo possíveis. 

   Hazel foi até seu guarda-roupa e vestiu a blusa branca do colégio. Mas, continuou com seu short de dormir. Olhei no relógio do lado da cama dela e vi que já eram 6 horas da manhã. Eu tinha ficado tanto tempo no banho assim?

 Ela pegou seu kit de primeiros socorros embaixo de sua cama e sentou no chão, e eu fiquei sentado em sua cama desarrumada.

  - Ela te respondeu? - Hazel perguntou se referindo à Bianca. Enquanto passava algodão com algum líquido que eu não sei o nome nos cortes do meu peito. Ardeu pra caralho, mas eu não demonstrei.

    - Não, a única coisa que ela fez foi me mandar uma mensagem mandando eu me afastar. E eu nunca neguei nada a ela, então é isso que eu vou fazer. - Falei e vi Hazel enxugar uma lágrima antes que ela caísse. Ela já estava cheia dessa história. - Hazel eu posso te perguntar uma coisa?

  - Claro que pode, amor. - Ela falou tampando meus cortes com esparadrapos.

     - Você não sente medo de mim? Quer dizer, o que eu fiz com a Bianca... 

      - Tira isso da sua cabeça agora. - Ela disse parando os curativos e olhando em meus olhos. - Nico, eu te amo. Você é o melhor irmão que eu poderia ter. Nunca pense que eu sinto medo de você, só por causa do que você sente pela Bianca. A culpa não é sua, e você não obrigou ela a fazer nada que ela não quis. Fica tranquilo. Tá tudo bem. 

   Ela se sentou no meu colo e me abraçou. Abracei ela com a maior força que eu pude. Beijei seu cabelos e falei que a amava. Agradeci mil vezes por ter ela em minha vida. 

   - Agora vamos, hoje é o primeiro dia. Não quero me atrasar.


     Thalia P.O.V

      Flashback

      Eu olhei pra cara dele e comecei a rir. Sério, eu não aguentei. Leo tinha virado um tipo de prostituta? E ainda cobrava caro? Ok, isso não está acontecendo. Não é possível. 

      Ele ficou vermelho quando viu minha reação. Opa, será mesmo que eu consegui deixar Leo Valdez envergonhado?

      Fechei a cara na hora e o vermelho de seu rosto diminuiu um pouco.

       - Não ri. Eu me sinto um pouco mal com tudo isso, Thalia. Essa menina aí, eu estudei com ela no Half Blood, quando nós éramos crianças. Acho que você não lembra dela, porque quando eu a conheci lá você tinha acabado de entrar na escola, você era muito pequena. E pro meu azar, essa mina tinha que ir pro Olímpia. Se ela continuasse no HB, nada disso teria acontecido. - Ele disse como se isso fosse diminuir a culpa dele.

      - Leo, por favor né! Você acha que a culpa é de vocês estudarem juntos no mesmo colégio? A culpa é sua. Você aceitou isso. Eu te conheço, você não consegue dizer "não" pra ninguém. Mesmo que queira. - Eu falei e Leo pegou um travesseiro e jogou na própria cara, gritando nele logo em seguida. Seu grito saiu abafado, e eu vi o quanto ele estava estressado com esse assunto. - Leo, por que você não quis me contar isso? 

      - Por que você se encaixa no perfil. E você é irmã do meu melhor amigo.

      Ok, eu estava ficando cada vez mais confusa. Já havia acontecido coisa demais num só dia.

     Tirei o travesseiro de seu rosto e fiz ele olhar pra mim. 

     - Fala na minha língua. - Ele bufou e agarrou os próprios cabelos.

   - Você acabou de ser traída pelo garoto que você mais ama nesse planeta. E agora, você descobriu o que eu faço. É exatamente assim que acontece. E como suas emoções não estão certas, você vai me pedir ajuda por impulso. E é aí que eu começo a me sentir mal. Então, por favor, se você tem um pingo de consideração por mim, sai por por aquela porta, e só volta quando você tiver em condições de conversar.

     Eu não estava tão mal assim. De certa forma, Piper e Leo haviam me deixado melhor com toda essa situação do Luke e da Annabeth. Mas agora, eu tinha ficado realmente mal. Leo achava mesmo que eu seria idiota a esse ponto? Meu estado não estava tão bom, mas eu tinha consciência dos meus atos. 


           Saí daquele quarto pior do que eu entrei, mas dessa vez não foi por causa de Luke ou Annabeth, foi por causa de um certo moreno de olhos castanhos.



            

            **** 



- JASON VAI DEVAGAR! - Gritei sendo jogada pro lado enquanto Jason fazia a curva mais seca possível.

- Thalia, não reclama não! Quem foi que mandou você acordar quase no horário da aula? Olha que beleza, vou ter que perder a primeira aula no primeiro dia!

Ok, eu sei que a culpa é minha de ter acordado super atrasada no primeiro dia. Mas, ele também não precisa dar uma de Ayrton Senna na porra da avenida. 

Jason virou em uma rua e quase bateu em um Maserati preto. O cara que estava dirigindo deu uma puta buzinada e xingou Jason e minha mãe em alto e bom som. 

- VAI SE FUDER CARALHO! - Jason gritou de volta para o motorista do Maserati. Ok, eu nunca tinha visto ele tão estressado assim. Acontece que quando se trata de atrasos, Jason fica puto.

Na velocidade que estávamos, acho que não deu nem dois minutos e já estávamos na porta do Olímpia. Aquela escola não havia mudado nada.

Algumas crianças com uniforme do HB e do Júpiter estavam sentados ali na escada do colégio. Bom, isso nunca vai mudar. Esses dois colégios foram comprados pelo Olímpia,  ou seja, eles são tipo a mesma escola. Tem os mesmos professores, mesmo método de ensino, mesmo tudo. A diferença é que são prédios diferentes. E, como ambos só vão até a quinta série, praticamente todos os alunos que saem do Half Blood ou do Júpiter vão para o Olímpia. 

Alguns alunos do Olímpia estavam cabulando ali fora. Vulgo, meus amigos.

Jason entrou correndo pra dentro da escola, mesmo com Piper estando ali fora. Junto com Leo, que escutava alguma música no fone junto com Nico. Charles, que estava com Silena sentada em seu colo. E Percy que estava discutindo com Annabeth. 

Aquilo estava começando a ficar interessante.

Piper me viu e fez sinal para eu me aproximar. Me sentei do lado dela e fiquei observando eles discutirem. Nico viu que eu tinha chegado e veio me abraçar, eu o abracei de volta e ele sorriu. Olhei para os seus lábios, não resisti e lhe dei um selinho. Ele sorriu mais ainda.

Leo se sentou do nosso lado e ficou assistindo a treta junto com a gente.

- Percy! Você acha mesmo que eu seria capaz de te trair? Você é meu amorzinho, meu neném... eu te amo muito meu bebê - Annabeth segurou o rosto dele e tentou beijá-lo, mas ele desviou e empurrou ela. E eu engasguei de tanto rir. 

Ela olhou pra trás e viu que todos estavam vendo a cena, depois ela olhou diretamente pra mim com aquela nojeira que ela chama de cara. Dei um sorrisinho de lado pra ela, bem falso. Percy ficou olhando tudo com uma cara de quem não entendeu nada. Típico dele.

- Está rindo do que Thalia? Do Percy fazendo draminha, ou é do tamanho imenso do seu chifre? - Ela disse com as mãos na cintura dando seu sorriso mais cínico.

Ah, não. Ela não tinha dito isso. Ela provocou, e eu senti a raiva subir pelo meu sangue. Agora ela vai ver! Me levantei decidida à espancar a cara dela. Mas, senti uns seis braços me segurando. 

- Quer saber? Você pode falar o que quiser, porque fama de chifruda passa. De puta não! - Vi seu rosto ficar vermelho. Percy começou a rir, e ela olhou pra ele incrédula. 

- Vai ficar rindo Percy? Faz alguma coisa! Essa sua priminha vagabunda começa a me xingar e você não vai fazer nada? - Ela perguntou olhando pra ele e fazendo biquinho. Ele olhou pra minha cara e piscou um de seus olhos verdes. Acalmei minha raiva, pois eu sabia que ele estava armando alguma coisa. E vindo de Percy, só poderia ser merda.

- Não. Você não é nada minha. Diferente dela. - Eu comecei a rir forçadamente, e todos me soltaram. Annabeth começou a bater o pé no chão como se fosse uma criança de cinco anos fazendo birra. Coitada, só tenho dó dela.

- Já que você não vai fazer nada, então eu faço. - Ela disse olhando fixamente pra mim. Percebi que ela ia começar a correr na minha direção. Então eu provoquei. 

- Pode vir, cadela. - Cruzei meus braços e só esperei a reação dela, porque eu sabia que meu amado primo ia fazer alguma coisa. 

E ele fez. Quando ela começou a correr, Percy a agarrou pelos cabelos. Sim, isso mesmo. Pelos cabelos. Annabeth berrou de dor na hora e andou pra trás, já que Percy puxou ela.

Ele puxou a cabeça dela bem pra perto dele e sussurrou alguma coisa no ouvido dela. Ela só afirmava com a cabeça e gemia de dor. Percy puxou mais ainda os cabelos dela fazendo Annabeth começar a chorar. Eu abri um sorriso largo vendo Piper tirar o celular do bolso e começar a tirar fotos.

Olhei pra trás, Leo estava sentado no corrimão assistindo tudo de camarote. Charles e Silena agora estavam se pegando sem se importar com a situação. E Nico estava segurando a porta da escola, provavelmente vigiando os corredores para que ninguém atrapalhasse essa briga. Eu já disse como meus amigos são demais?

- Ajoelha. - Percy ondernou pra ela, só que agora não foi sussurrando. Ela fez que não com a cabeça, deixando mais lágrimas escorrerem. Percy puxou seus cabelos em direção ao chão, fazendo com que Annabeth tivesse que se ajoelhar a força. - Piper, filma isso pra mim. - Ele pediu e ela começou a gravar. - Boa menina. Agora, repete comigo. Eu sou uma piranha...

Percy puxou mais o cabelo dela e ela repetiu.

- Eu sou uma piranha... 

- Sou a putinha de todos os meninos dessa escola... - Percy disse olhando com raiva pra ela, puxando cada vez mais seus cabelos.

- Percy, para por fav... 

- REPETE VAGABUNDA! - Ele gritou fazendo com que ela chorasse mais. Ok, eu nunca tinha visto Percy desse jeito. Ele estava realmente alterado. Acho que estava descontando ali todos os chifres que Annabeth tinha colocado nele.

- Sou a putinha de todos os meninos dessa escola... - Percy sorriu malicioso.

- E eu morro de inveja da Thalia, porque ela é mil vezes melhor que eu. - Leo começou a rir igual a uma hiena engasgada e eu fiz o mesmo. Piper só filmava e dava zoom na cara de Annabeth sem parar. 

Olhei para a porta da escola e vi que Nico estava lá dentro conversando com o diretor. Pronto, agora fodeu. 

Nico sabia enrolar muito bem as pessoas, mas Percy parecia que não iria parar nunca com esse discurso humilhante.

- Percy. - Sussurrei e ele olhou pra mim. Apontei para a entrada do colégio. - Vai logo com isso. - Ele olhou, e depois ele puxou os cabelos da Annabeth pra cima, fazendo ela ficar de pé. 

- Você nunca mais vai xingar, ofender, bater ou fazer qualquer coisa contra a minha prima, tá escutando? - Ele falou olhando nos olhos dela, dando ênfase em "minha prima". Ela só fez que sim com a cabeça. - E se eu souber que você fez algo contra ela, ou contra qualquer outra pessoa dessa escola, é de mim que você vai apanhar. 

Ele finalmente soltou ela. Annabeth saiu correndo pra dentro da escola. Percy pegou o celular de Piper que ainda estava gravando, e começou a gravar ele mesmo.

- Então pessoal, por hoje é só. Espero que tenham gostado, não se esqueçam de clicar em gostei e se inscrever no canal. Ah, e compartilhem muito com seus amigos! Beijinhos! - Ele finalizou o vídeo como se fosse uma daquelas Youtubers de moda e eu me acabei de rir. Meu dia está sendo melhor do que eu esperava.

Olhei de canto de olho e vi Quíron levando Nico para a diretoria. Ah, que legal. A única pessoa que não tinha feito nada de errado, agora vai levar toda a culpa.

- Gente, eu acho bom a gente correr. Antes que o Nico leve uma suspensão. - Leo disse saindo de cima do corrimão. 

Começamos a correr em direção à sala do Quíron. Eu tinha que ver aquele vídeo que Piper tinha gravado, e também tinha que agradecer Percy. Mas, primeiro eu tinha que tirar Nico daquele inferno que alguns chamam de diretoria.

Paramos em frente à porta trancada. Piper deu duas batidas e logo Quíron abriu. Pude ver nico sentado em uma das cadeiras lá dentro. Ele apenas sorriu pra mim.

- Posso ajudar crianças? - Ele disse coçando aquela barba enorme dele.

- Ér... - Percy começou.

- Quíron, nós viemos buscar o Nico. E antes que fosse pense que nós estávamos matando aula, não estávamos. Só que, Nico estava nos esperando na porta. Já que eu tinha esquecido minha mochila no carro, e tive que voltar pra buscar. - Piper falou.

- Então a gente voltou com ela pra buscar. - Eu completei. Ok, essa desculpa estava muito merda. E só funcionaria se Quíron não tivesse visto a briga, ou se ele fosse muito tonto. Eu apostava ma segunda opção.

Ele olhou para nossa cara, e todos nós sorrimos torto. Ele ajeitou seus óculos e abriu mais a porta, fazendo sinal para nós entrarmos. É, agora fodeu de vez.

Entramos em silêncio e nos sentamos do lado de Nico. Leo e ele trocaram um aperto de mãos como se nada estivesse acontecendo.

- Bom, crianças. - Quíron se sentou na nossa frente e começou a mexer em uns papéis. - Não vou dar suspensão para nenhum de vocês. - Suspiramos em coro, aliviados. - Mas, devido à esse incidente logo no primeiro dia de aula, vocês não conseguiram escolher em que sala cairão.

- O QUE? - Gritamos juntos. Ele não podia fazer isso. Todos os anos nós chegavamos cedo pra conseguir escolher em que sala ficaríamos. Já que cada ano tinha três ou mais salas, a escola deixava nós decidirmos com quem queríamos ficar. E todo ano, eu ficava junto com Hazel, Piper, Annabeth, Nico, Luke e com os gêmeos. Já que, Nico e luke eram repetentes, eles estavam na mesma série que eu. Só que, esse ano as coisas mudaram entre eu, Annabeth e Luke. Como já sabem.

E é óbvio que eu adorava isso. Acho que essa é a única escola dos Estados Unidos que separa os alunos por sala e não por aula. Ou seja, aqui são os professores que trocam de sala, e não os alunos. Além disso nós podemos escolher em que sala cair, e com quem cair. Ou pelo menos, nós podíamos.

- Quíron, por favor. Deixa a gente escolher. Desde que eu entrei aqui, eu sempre fico com as mesmas pessoas. - Piper disse quase se ajoelhando para ele deixar.

- Piper isso não é escolha minha. As salas já estão prontas. Todos os anos vocês chegavam mais cedo pra conseguirem ficar todos juntos. Mas, hoje a senhora resolveu esquecer sua mochila no carro. E agora você ferrou com todos os seus amigos. - Quíron disse como se a culpa fosse de Piper. Por um momento, eu quis contar o real motivo do nosso atraso pra ele.

Ele jogou três papéis na nossa frente. Um era o mapa de sala do primeiro ano do ensino médio. Outro do segundo, e outro do terceiro. 

- Bom, como vocês sabem. Cada ano contém três salas. Só que, as outras duas salas de cada ano já estão ocupadas. Essas são as únicas que ainda tem vaga. Escrevam seus nomes no mapa da sua respectiva sala e estão liberados pra entrar na segunda aula.

Peguei o mapa de sala do primeiro ano, que continha os nomes de todos que estavam naquela classe. Comecei a ler nome por nome, procurando alguém que eu conhecia. Puta merda, eu iria ficar na mesma sala que Annabeth e Luke. 

Assinei meu nome e passei a lista para Piper. Ela assinou e passou para o Nico. Que devolveu a lista para Quíron. Percy assinou a lista do segundo ano, e Leo assinou a do terceiro. 

- Dispensados.

Saímos de lá bufando. Piper começou a reclamar juntamente com Nico. Percy tinha uma expressão séria, porém não falava nada. Já Leo, parecia estar feliz. 

- Você caiu na sala de quem Leo? - Perguntei.

- Caí junto com Jason. Pela primeira vez. - Ah, é. Eu tinha me esquecido desse pequeno detalhe. Leo iria estudar com jason, já que ele repetiu o terceiro. E sim, eu zoei muito ele por isso.

Passamos em frente à entrada da escola, e por incrível que pareça, Silena e Charles ainda se pegavam. Esses dois nao tem jeito.

- Tchau gatinhas, vejo vocês no almoço. - Leo falou subindo a escada que levava até o primeiro andar, onde ficava a sala dele e de Percy.

- Até mais, vadias! - Disse Percy fazendo voz de gay. Ele comecou a subir as escadas atrás de Leo, mas eu o chamei antes que ele terminasse.

- Percy, espera! - Ele se virou olhou pra mim. - Obrigada por ter feito aquilo com a Anna..

- Ao seu dispor, priminha. - Ele disse voltando a subir as escadas. Eu sorri e fui em direção à minha sala. Piper e Nico me acompanharam.

Paramos em frente à porta do primeiro ano. Piper bufou e Nico revirou os olhos.

- Não acredito que caímos com Annabeth e Luke. - Piper falou com uma expressão de tédio. Olhei pra cara de Nico e vi ele abrir um sorriso largo, olhando para algo atrás de mim.

- Ah, caralho! Que saudade de vocês! - Senti dois doidos abraçarem nós três juntos. Mais conhecidos como Travis e Connor. 

Nico abraçou Travis, e Connor veio me abraçar. Piper ficou só encarando a cena com uma cara de nojo. Ela não gostava dos dois, devido a uns "acidentes" que ocorreram envolvendo eles.

Connor me girou no ar e eu ri. Ah, como minhas férias foram sem graça sem eles. E sim, eu sei diferenciar eles dois. Depois de muito tempo eu descobri algumas (minúsculas) diferenças entre eles.

- Connor, prometa pra mim que vocês nunca mais vão viajar nas férias! - Ele me pôs no chão e disse que não prometia nada. Revirei os olhos, indo abraçar a cópia mal feita dele.

- AHHH, GRACEZINHA! - Travis gritou me pegando no colo e me abraçando forte. - Como foram as férias sem mim? Péssimas né não? - Ele me soltou e eu concordei com ele. - Bom, mas agora a gente pode recuperar esse tempo já que ficamos na mesma sala. Não é Nico? - Travis disse lançando uma indireta pro Nico. Já que ano passado eles tinham brigado e Nico não quis ficar na mesma sala que eles.

- Pelo menos isso né? Seu animal. - Disse Nico dando um soco em Travis. Os dois começaram uma "briguinha" como se fossem inimigos. Ah, esses dois nunca vão mudar mesmo. 



****



- Atena, posso falar com o Leo? Prometo que são só cinco minutinhos... - Falei interrompendo a aula de história dela. Rezando para que ela não soubesse da minha briga com Annabeth. Provavelmente ela não sabia, ela devia achar que Annabeth era santa.

Atena pensou um pouco e fez que sim com a cabeça. Leo se levantou da sua cadeira e saiu da sala. 

Eu precisava ficar sozinha com ele.

Peguei ele pelo braço e o puxei até o terceiro andar do prédio. Que era onde eram realizadas as aulas extracurriculares. Como natação, futebol, basquete, clube do livro, entre outras que eu não me lembrou. Só tivemos que subir dois lances de escada, já que a sala dele é no primeiro andar. Olhei pra ver se não tinha ninguém, e fui até o armário onde ficavam as chaves, que eram liberadas para os alunos. Procurei pela chave da quadra, e não a achei. Provavelmente alguém devia estar com ela, treinando lá dentro. 

Então peguei a chave da piscina, e puxei Leo até ela. Abri a portinha de vidro, e pude sentir o cheiro de cloro invadir minhas narinas, que era mais ou menos o cheiro de Percy. Tirei meus tênis, me sentei na borda, colocando meus pés dentro da água. Leo fez o mesmo. 

- Vai me contar o que foi dessa vez? - Ele perguntou me fazendo lembrar novamente de tudo. Não aguentei e comecei a chorar. Droga, eu odiava chorar na frente de alguém.

- Leo, foi o Luke... Bom, na verdade não foi ele que disse. Mas eu tenho certeza que foi ele que mandou. 

Leo cerrou os punhos, acho que ele se ele visse Luke outra vez, provavelmente ele o mataria.

- Quem foi que te disse o que? - Ele perguntou olhando pra mim. Mas eu continuei olhando para os meu pés dentro da água.

- Lembra do Chris? O que namorou a Clarisse? Aquele que tinha parado de estudar porque tinha sido preso. 

- Lembro, ele voltou à estudar esse ano não é? Ele está na sua sala? - Leo perguntou passando a mão na parte descoberta da minha coxa. O que me causou um arrepio, já que eu estava com o shorts do uniforme.

- Sim, mas o problema não é nem esse. Na sala, a única coisa que eu tive que aguentar foi a vaca da Annabeth dando em cima do Luke. Mas parece que ele nem ligou, só ficou agarrando a Drew. Mas, o Travis e o Connor me distraíram, então eu nem prestei muita atenção neles dois. Agora, quando a gente estava voltando do almoço, o Travis estava me abraçando e nós passamos na frente do Luke e do Chris... - Me lembrei das palavras deles e deixei mais algumas lágrimas caírem, Leo me abraçou e eu chorei em seu ombro.

- Calma, tá tudo bem. - Ele sussurrou fazendo carinho nos meus cabelos.

Me desfiz de seu abraço e enxuguei minhas lágrimas com as costas da mão. Funguei e continuei.

- Aí, o Chris perguntou pro Luke se eu era aquela que não sabe chupar. E o Luke respondeu que não, que eu era a ruim de cama. 

- Thalia, eu vou matar aquele...

- Calma Leo, eu ainda não acabei. O ruim, não foi nem isso. Acontece que o Nico estava passando e ouviu tudo, e ele foi pra cima do Luke. Eu comecei a gritar mandando ele parar, e foi aí que o Luke disse que, além de eu ser ruim de cama, eu não sabia me defender sozinha. Conclusão, Nico saiu com o olho mais roxo do que já estava e eu fui humilhada na frente de todos. De novo. 

 Comecei a chorar novamente, Leo só fazia carinho nos meus cabelos enquanto xingava Luke de todos os nomes possíveis. E foi aí que eu percebi que a solução dos meus problemas estava bem na minha frente.

Eu só queria esfregar na cara daquele loiro oxigenado o quanto eu posso ser tudo que ele diz que eu não sou. E Leo era o único que poderia me ajudar.

- Leo...

- Fala, gatinha.

- Quanto você cobra por aula mesmo? 

Leo olhou pra mim como se eu estivesse falando grego e mordeu os lábios.

- Eu não vou te ajudar, desculpa. - Ele ignorou minha pergunta e respondeu seco. - Thalia, a gente pode conversar depois? Eu tenho que voltar pra aula da Atena... - Ele disse tentando escapar e eu não acreditei que ele estava recusando me ajudar.

- Leo, por favor. Eu preciso de ajuda, e você sabe bem disso. Quantas vezes eu te ajudei quando você precisou? Por favor, eu to te pedindo. Você é o único que eu confio pra isso. - Falei deixando um lágrima escorrer, ele a enxugou com o polegar. - Ele suspirou.

- Você é minha amiga. Eu não posso fazer isso. Todas as meninas que eu dou aula, eu nunca tive nenhum tipo de contato com elas. Agora você, eu te conheço desde as fraldas. Me desculpa, mas eu não vou conseguir. - Ele disse olhando nos meus olhos. - Eu já te disse que você tem olhos lindos?

- Leo, não muda de assunto. Por favor, eu faço tudo o que você quiser. Eu te dou o que você quiser, só me ajuda por favor. 

Ele suspirou.

- Você não vai sossegar até eu dizer sim, não é? - Assenti com a cabeça. - Thalia, se seu irmão souber ele vai me matar. - Ele disse rindo, provavelmente pensando na reação que Jason teria.

- Ele não precisa saber. 

- Thals...

- Por favor, eu te pago quanto você quiser.

- Não se faça de tonta, eu nunca iria cobrar um centavo de você. - Ele disse sorrindo.

Abri um sorriso com sua resposta. Leo era a melhor pessoa do mundo.

- Então isso é um sim? - Perguntei esperançosa.

- Sim e não. Eu te ajudo. Mas antes eu quero que você volte pra casa, e quando você estiver melhor, me liga. E se for realmente isso que você quer, tudo bem. Eu vou te dar uma aula, só pra você ver como é. Agora, se você se assustar, ou não gostar, eu quero que me diga. Então aí, só aí, eu vou pensar se realmente vou te ajudar. 

Sorri com sua resposta, pulei em cima dele e o abraçei o mais forte possível. Quase caímos na piscina, mas ok.

- Obrigada, obrigada, obrigada, obrigada! Eu já disse que te amo?

- Ok, eu sei que sou demais. Agora, vamos. Antes que a vaca da mãe da Annabeth venha atrás de nós. - Mostrei a língua pra ele e nos levantamos. 

Tranquei a porta de vidro, deixei a chave no armário, e desci abraçada com Leo até a sala dele. Paramos em frente à sua porta e ele me abraçou. 

- Thalia, eu só tenho uma condição. 

- Diz. 

- Eu tenho meu preço. - Ele falou e eu o olhei incrédula. - Eu quero a sua virgindade.

       


Notas Finais


AE CARAIOOOO KKKKKKKKKKKKKK
Me digam oq acharam do cap, e o que acharam da edição que eu fiz na cena de thalico lá no terceiro cap haha
EU PARTICULARMENTE ADOREI ESSE CAPITULO MONAAAS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...