História Mud - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Josh Devine, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Larry, Nosh, Ziam
Exibições 93
Palavras 5.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Ficção, Lemon, Luta, Orange, Policial, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá leitores fantasmas e não fantasmas!
Voltei de novo!
Me desculpem a demora .....
Estou tendo uns problemas que estão me deixando muito ruim e mal. Mas não vou deixar que eles atrapalhem na postagem da fic...

Quero agradecer aos novos favoritos e aos comentários do capítulo anterior, não imagina como eles me deixaram felizes <3 <3
Amo muito cada um de vocês leitores!!

Bem espero que gostem do Hot bjkdsgdhiadshadgasdg
Demorei umas meias horas pra deixar ele "perfeito" pra vocês!
Ele foi escolhido devido ao voto da maioria ou seja Harry Top's e Louis Bottom 3:)

Tenham uma boa leitura!

Larry is real <3 <3

Capítulo 17 - Chapter 17


Fanfic / Fanfiction Mud - Capítulo 17 - Chapter 17

 Você pode tocar me tocar lentamente

E acelerar, querido, me faça suar

Terra dos sonhos, me leve até lá, pois eu quero o seu sexo

Se meu corpo tivesse escolha, eu não iria embora

Tocar, fazer amor, te provar 

Se meu corpo dissesse a verdade 

Querido, eu faria tudo o que eu quisesse

~ Body Say

 Narradora.

 

Deitados no colchão velho, Harry fica por cima de Louis e o beija calmamente no pescoço e vai descendo até sua clavícula, suas mãos envolvem a bunda do menor em seguida a aperta com brutalidade, Louis gemeu e deslizou suas mãos pelas costas do Harry até que elas parassem nas suas nádegas, pressionando-a para que seus sexos se encostassem um no outro.

Gemeram juntos e voltaram a se beijar fortemente, suas línguas cerravam uma batalha, da qual brigavam para qual explorassem a boca de ambos.

– Lou você é a perdição que eu procurava! – Sibilou enquanto puxava o tecido da blusa de Louis lentamente – Quero só pra mim seu corpo... – Beijou sua barriga –...seus lábios.... – Selou  suas bocas – ...sua  bunda! – Virou Louis de costas e o mesmo gemeu fervorosamente. Harry arrancou sua blusa da mesma forma que uma criança desembrulha um presente.

Massageou as costas e o mesmo gemeu fervorosamente, em seguida começou  a chupa-las, cada canto, não aceitaria perdes essas partes do corpo de Louis.

– Oh Harry! – Gemeu novamente, sentindo a ereção do maior contra a sua bunda.

Louis mordeu os lábios imaginando como seria ter o Harry, pelo contrário, saboreava essa nova sensação de desejo que o consumia por inteiro. Começou a esfregar seu sexo contra os glúteos de Louis, chupando seu pescoço e com a mão direita foi deslizando até o pênis do mesmo. Atravessou sua calça e sentiu o membro ereto entre as suas mãos.

– Gosta disso Louis? – Sussurrou enquanto movimentava a mão para cima e para baixo, estimulando o pau do Louis.

– Ah Harry...isso é tão gostoso! – Louis contorceu o corpo, adorando a mão do Harry no seu pau. Aquele corpo quente por cima dele só aumentava o tesão dentro de si, Harry fazia o vai e vem com a mão com certa velocidade.

– Geme pra mim vai... Gemi meu nome! – Lambeu o lóbulo da orelha do Louis.

– Oh Harry!

Harry sorriu e esfregou ainda mais seu pau em Louis. Tirou a mão do membro do menor e o virou de frente, dando um selinho na ponta do seu nariz. Em seguida desabotoou a calça do Louis, arrancando-a com uma brutalidade que mal ele sabia que tinha.

Mordeu os lábios ao ver aquele membro ereto a ponto de sair da cueca box de Louis. O mesmo estremeceu com o olhar safado que o Harry o lançou mas também sentiu seu corpo queimar como a chama do inferno. Sentiu as mãos do maior percorrer seu corpo e em seguida ele o mostra a língua, passando-a pelo seu peitoral até os quadris. Louis arfou e seu membro ficou rígido assim que os lábios do Harry selaram nele.

– Você quer que eu o chupe Louis? – Sibilou maliciosamente – Eu quero muito provar do seu amiguinho aqui!

Louis mordeu os lábios com tanta força que achou ter saído um filo de sangue deles.

– Diga para mim babe, o que você quer que eu faça? – Fitou os lábios de Louis e lambeu as gotas de sangue que escorriam na canto superior direito deles. Aquela cena foi excitante para Louis, esse comportamento do Harry o surpreendeu, como era possível uma pessoa mudar de comportamento assim?, pensou. Mas ele não iria ficar ali matutando uma maneira de responder aquela pequena tese, agora ele tinha algo melhor para fazer, naquele momento Louis só queria ter o Harry satisfazendo todos os seus desejos sexuais.

– M-Me chupa Harry, porra, me chupa! – Implorou quando sentiu seu pau começar a latejar.

Harry sorriu, voltando a fazer as trilhas com chupões pelo seu corpo, chegando até o membro de Louis. Arrancou sua cueca com tamanha voracidade que fez o menor se assustar. Umedeceu os lábios quando viu o pau ereto, olhava para ele como uma criança olha para os doces na vitrine de uma loja. Desceu a boca e selou o canto da perna de Louis passando para outra, deixando Louis instigado e soltando um grunhido desaprovando seu ato.

Harry como resposta deu um tapa na sua bunda, se aproximou dos seus testículos e os chupou, fazendo um estalo quando os soltou. Aproximou-se do pau do Louis e começou a chupa-lo, movimentando a boca para cima e para baixo, Louis gemeu apreciando a boca de Harry nele.

– Oh merda...H-Harry...hum! – Interlaçou os dedos no cabelo do Harry, puxando-os a cada movimento que ele fazia com a boca.

O mesmo levou sua mão até os lábios de Louis que entendeu aquela movimentação, para que ele chupasse seus dedos, assim fez, abafando seus gemidos com os lábios nos dedos de Harry.

– Você é tão bom! – Harry desvencilhou do pau do Louis, tirou seus dedos da boca dele e levou até a sua, em seguida soltou um sorriso safado, subiu e o beijou com força. – Babe quero que olhe nos meus olhos quando sentir que vai gozar, não desvie os dos meus e nem os feche. Preciso que concentre-se em mim, pode fazer isso? – Murmurou entre os lábios de Louis, que balançou a cabeça em concordância.

Então Harry voltou a chupa-lo com mais ímpeto do que antes, encarando Louis e vice-versa. Aumentou a velocidade, levando o moreno a loucura, Louis se contorcia no colchão desejando mais daquilo. Começou a sentir seu ápice se aproximando, fechou os olhos, não sabia se conseguiria manter seus olhos vidrados nos de Harry, essa era a coisa mais erótica que já lhe proporcionaram na vida. Mordeu os lábios e encarou aqueles pares de olhos verdes que o fitavam maliciosamente. Sentiu algo se aproximar, Louis percebeu que seu ápice estava a um tris de explodir.

– Harry vou gozar! – O avisou em meio aos berros, Harry fez mais movimentos vorazes – Oh porra! – Gritou quando sentiu seu pau compulsar, encarou Harry e foi consumido pelo êxtase, gozou na sua boca e com os olhos grudados nos seus. Harry engoliu seu gozo e subiu novamente para beija-lo. Louis interlaçou suas pernas em volta da sua cintura o puxando mais para perto, Harry apertou a bunda do menor que arfou nos seus lábios.

Louis inverteu as posições dos seus corpos, ficando por cima do Harry, mordeu a ponta do seu queixo enquanto rebolava no seu pau, estimulando ainda mais sua ereção.

– Louis, caralho... – Gemeu ficando as unhas nas costas carnudas de Louis, que sorriu e arrastou seu corpo para baixo, desabotoou a calça do Harry com certa urgência, puxando a para baixo junto com a cueca.

Soltou a corrente que estava na perna do Harry e atrapalhava seus planos, jogou a roupa em algum canto, voltando a beija-lo com a mesma intensidade de antes.

– Harold! – Chamou-o roçando seus lábios no lóbulo da orelha de Harry – Eu quero que você me foda essa noite, que me foda com tanta força até que nossos corpos atinjam a exaustão e estejam banhados de suor! – E mordeu a orelha do mesmo, descendo de vagar seus beijos chegando até os mamilos de Harry, começou a brincar com a língua ali, chupando e mordendo-os, levando Harry a loucura. – Me foda até não sobrar nada de mim! – Implorou.

Harry resmungou de forma ousada, puxou Louis para um beijo composto de chama e prazer, muito prazer. Harry colocou o Louis de quatro e beijou sua bunda.

– Tudo bem Lou... Vou fode-lo com tanta força que vai implorar por mais! – Harry bateu na sua bunda, fazendo Louis gemer impaciente.

Harry esfregou seu pau na entrada de Louis, ele queria provoca-lo com aquilo e de certa forma estava conseguido pois Louis inclinava seu corpo para trás todas as vezes que o sentia.

Sem mais delongas Harry penetra dentro do mesmo.

– Você é tão apertado Lou... – Contraiu os glúteos movimentando lentamente, permaneceu de olhos fechados apreciando aquela sensação de prazer e as mãos na cintura de Louis, apertando-a fortemente.

O menor gemia, agarrando-se ao tecido do colchão, estava anestesiado e dessa forma acabará se esquecendo que um dia sofrerá abusos do padrasto – esse era seu trauma e o  impedia algumas vezes de fazer sexo com alguém – na sua mente agora tudo que via era a face de Harry ao invés do monstro que o estrupava. Estava tão bem com e sentindo tesão, que mau sentiu aquela pequena dor agoniante que recebe na primeira estocada na sua entrada.

– Estou te machucando babe? – Harry deixa seu corpo debruçar-se por cima de Louis mas ainda mantendo seus movimentos dentro do menos.

– Oh continue Harry! – Gemeu como resposta.

Harry aumentou a velocidade brutalmente, deslizou sua mão até o pau de Louis, estimulando seu membro para que ele também sentisse prazer. Seus corpos queimavam agora e por eles mesmos, aquele apetite sexual não acabaria tão cedo, estavam viciando-se um no outro de uma maneira que não sabiam explicar, só tinham certeza de que não deviriam deixar aquilo morrer dentro deles, não agora.

Harry o penetrava com tanto ímpeto que Louis chegava a bambear as pernas. Eles trocam de posição novamente, dessa vez Louis senta em seu colo, cavalgando excitado no pau do Harry.

– Ah cacete, isso... – Gemeu o maior – Yeah babe, yeah...

Louis rebolou no seu colo fazendo Harry arranhar suas costas, o mesmo inclinou seu corpo para trás juntamente com sua cabeça. Harry segurava-o mantendo suas mãos na cintura dele controlando suas cavalgadas.

Ambos gemiam o nome do outro e juntavam seus lábios nos momentos que não havia motivos para dizer alguma palavra. Louis enfiou os dedos entre os cabelos do Harry, rebolando involuntárias vezes no seu pau, estavam se entre olhando enquanto o menor fazia aquilo. Olho no olho, corpos semi aquecidos pela chama do prazer, lábios trêmulos devido aos sussurros que trocavam, respirações ofegantes, era assim que se encontravam naquela noite.

Harry prendeu as mãos envolta das pernas de Louis e levantou com ele em seus braços, deu alguns passos até a escrivanhia derrubando a pilha de papéis no chão em seguida debruçou Louis sobre ela. Voltou a beija-lo, Harry segurou seu pau e sem aviso prévio penetrou novamente em Louis que soltou um gemido durante o beijo, Harry puxou os braços para o alto da sua própria cabeça prendendo-os ali. Contraiu seus glúteos movimentando-os rapidamente para que entrassem com tudo em Louis.

– Estou indo muito rápido? – Perguntou sem reduzir a velocidade.

– Oh está ótimo! – Gemeu Louis com as pernas interlaçadas na cintura do Harry.

Louis joga a cabeça para trás contraindo os músculos da barriga para cima, Harry abaixou-se para beija-lo, o menor puxa suas mãos e envolve-as na nuca de Harry.

– Hum... – Gemeram juntos, Louis morde os lábios do Harry, com da primeira vez que se tocaram, em seguida chupou a língua dele.

– Quero que goze na minha boca...hum...preciso sentir seu gosto! – Murmurou Louis, após morder a parte superior  do ombro de Harry, que assentiu com um gemido. Retirou seu pau de dentro de Louis.

O menor desceu da escrivanhia e empurrou o corpo do Harry para que ele debruçasse sobre ela. Lambeu as abdominais de Harry até ficar frente a frente com seu pau, o colocou na boca e o tirou na mesma hora.

– Hum... – Lambeu os lábios.

Depois começou a chupa-lo, Harry gemeu e segurou na cabeça de Louis impulsionando-a para poder sentir sua boca nele. Louis logo percebeu isso e de vontade própria enterrou sua boca até sentir o pau do Harry encostar na sua goela, tossiu após esse ato mas voltou a faze-lo novamente.

– Oh Lou...vou gozar! – Louis aumentou a velocidade, levou as mãos até o pau do mesmo, fazendo os movimentos de vai e vem, tirando sua boca do membro dele e começou a chupar seu saco escrotal, voltando os lábios para p pau do Harry.

O maior começa a sentir seu orgasmo se aproximar, em seguida ejacula na boca do  Louis que engole seu gozo, Harry o puxa para cima e o beija, ambos cambaleiam de volta para o colchão, deixando seus corpos suados caírem um do lado do outro. Harry puxou o menor para perto de si, envolvendo suas mãos em volta dele. Louis abraçou sua cintura e interlaçou suas pernas nas de Harry.

Ambos ficaram em silêncio, pensando no que acabaram de fazer, nunca haviam imaginado que fariam sexo ou até mesmo que se apaixonariam um pelo outro. Em como a vida foi irônica com eles, ela os fez se odiarem para que depois sentissem o oposto. Aquele pensamento mútuo os fez sorrir ao mesmo tempo.

– Você é maravilhoso Louis... – Parou ao lembrar que não sabia o sobrenome do seu companheiro.

– Louis Tomlinson! – Completou olhando para os dedos de Harry.

–Louis Tomlinson! – Repetiu.

– Harry Styles! – Louis murmurou com um sorriso nos lábios – Meu Hazza.

– O que aconteceu com Harold? – Harry indaga fazendo com que Louis olhe para ele.

– Lembra quando eu disse a você, que quando eu achasse um apelido melhor que Harold eu o avisaria? – Perguntou e Harry assentiu – Bem, acho que esse foi o momento Hazza.

Louis acariciou a face do Harry que o puxou para um outro beijo.

– Sempre soube que existia algo bom  nesse cara malvado do qual você insistia interpretar. – Harry tirou a franja que caia nos olhos de Louis – Você é a melhor...

– Shiii! – Louis colocou os dedos nos lábios dele – Estou longe de ser a melhor pessoa que você conheceu mas posso ser a única que você foi capaz de conquistar.

Harry sorriu e fitou a mão de ambos depois juntou-as interlaçando uma na outra.

– Veja! – Sussurrou encarando-as, Louis fez o mesmo – Elas se encaixam uma na outra, são perfeitas juntas assim como eu e você!

Louis ficou contemplando suas mãos, depois disse:

– Acho que estamos longe de ser perfeitos mas posso considerar essa parte de ficarmos juntos.

Harry riu e fechou os olhos imaginando como seria acordar todos os dias com Louis abraçando seu corpo ou apenas dormindo ao seu lado da cama. Sorriu, satisfeito com a imagem que sua mente construiu, teve a certeza de que queria mesmo ficar ao lado do seu companheiro até que enjoasse, mas sentia que se enjoar de ficar com Louis Tomlinson seria muito difícil.

– Como você imagina que será daqui em diante. Se você, quer dizer, se nós conseguirmos convencer  seus amigos, “acabar” com o Mitchell? – Perguntou.

Louis ficou em silêncio por alguns segundos e respondeu.

– Bem, se conseguirmos fazer tudo isso que você falou. Imagino nós dois em uma praia no Havaí, deitados sobre a areia depois de duas rodadas de sexo selvagem, curtindo um pouco a vista que essa bela cidade nos proporciona para depois nos prepararmos para fazer outra fuga, a quem sabe, outra cidade turística!

– Que coisa extremamente excitante! – Harry comentou ficando por cima do Louis, em seguida começou a beija-lo no pescoço.

– Harry! – Chamou-o.

– Hum? – Murmurou ainda o beijando.

– Você não tem, sei la, medo dessa vida de fugitivo?

Harry parou o que estava fazendo para encarar Louis.

– Posso confessar uma coisa? – Perguntou e o mesmo assentiu – A minha vida pode parecer “perfeita” até mesmo importante para mim – confesso que eu também pensava isso meses atrás – mas de um tempo pra cá, eu percebi que essa perfeição toda estava me destruindo por dentro, a cada dia que passava eu via que essa coisa monótona em que ela se tornou me deixou entediado, sabe, sempre as mesmas coisas todos os dias, eu achava que isso era ser feliz. Mas quando eu o conheci tive a certeza que a perfeição não nos traz felicidade e sim aquelas pequenas coisas das quais vivemos com um alguém. – Pausou para encarar aqueles olhos azuis – Eu vivi em uma vida cheia de bens me quer, luxuria, tinha tudo de mãos beijada mas sempre me senti incompleto, vazio. A verdade é que eu não era feliz, podia ter todo o objeto de valor mas nunca tive a felicidade, estou lhe dizendo isso Lou, porque eu descobri a minha felicidade dias atrás e você é o motivo dela. De alguma forma você me fez se sentir completo como nunca antes. Eu sei, isso é doidera. Mas uma vez eu ouvir alguém dizer, que o motivo para ter algum sentimento não precisa de anos, ele simplesmente acontece, pegam você de surpresa e quando você pisca os olhos, já está as vivendo! – Harry beijou Louis, dessa vez com mais leveza misturada com afeição – É exatamente por isso que eu decidi ficar contigo, quero se feliz e só você pode me fazer assim Louis. Porque antes eu tinha tudo mas ao mesmo tempo não tinha nada. Agora tenho você e uma vida inteira onde podemos viver juntos. – Selou seus lábios.

Novamente Harry deixará Louis pasmo, imóvel e um pouco abobado com suas palavras, talvez até equivocado. Ele não imaginava o tamanho da importância que Harry tinha por ele, aquilo mais do que tudo mexeu com seu interior, Louis teria que protege-lo, mesmo que seus amigos ou quem quer que fosse, ousasse machucar o Harry, agora não se tratava de obrigação mas de necessidade de zelar a segurança dele.

– Mas e seus amigos e família? Eles não o fazem feliz? – Perguntou para ter certeza de que o Harry falava do mesmo sentimento que ele.

– São pessoas maravilhosas , das quais me dão orgulho de partilhar uma vida. Mas... – Parou receoso com o que iria dizer agora.

– Mas? – Louis insistiu.

– Mas não é por elas que estou apaixonado e nem mesmo fazem meu coração bater fortemente todas as vezes que dão um sorriso sincero, como o seu. Louis eu...

Ele iria completar a frase mas foi interrompido quando Louis o beijou. Ele não estava preparado para ouvir o Harry dizer a palavra “Eu te amo” até porque a última vez que ele ouviu essas palavras, se tornou um garoto tolo e fora apunhalado pelas costas. Sabendo que o  Harry perguntaria porquê ele não o deixou terminar de completar a frase, decidiu que era se abrir com o mesmo.

– Eu já amei alguém! – disse quando separam seus lábios.

– O que? – Harry balançou a cabeça.

– Você me perguntou se eu já tinha amado alguém antes e eu não te respondi com clareza, na verdade fui bem rude. Mas agora eu quero que você saiba que eu amei alguém no passado. – Explicou – Eu amei a única mulher que cuidou de mim, amei a mulher que me pôs no mundo. Tínhamos uma convivência maravilhosa e amorosa de mãe e filho, até um dia em que ela apareceu com um cara dizendo que ele faria parte da família, foi a parti daí que tudo começou a desmoronar e todo nosso afeto foi levado junto... – pausou pois viu que estava indo longe demais mas agora que começou não podia parar - ... Com a presença do meu padrasto, eu passei a sofrer abusos sexuais por ele, a ser violentado e era obrigado a não falar nada para a minha e irmãs – as únicas coisas boas que esse monstro fez – sofri isso por anos, até que um dia ele e a minha mãe decidiram livrar-se de mim. – riu de maneira sarcástica – Sabe, me abandonaram sem nenhuma compaixão, eu era apenas uma criança, triste, sem amor, sem ninguém para me abraçar e dizer que vai ficar tudo bem, depois que você ver que vai dar tudo errado. Não, eu vivi sozinho, sempre envolvido pela escuridão e desgraça. Cheguei a querer me matar imaginando que não haveria mais melhorias na minha vida.

Harry ficou quieto absorvendo cada palavra de desabafo do Louis, mostrando a face surpresa e incrédula a ele.

– Mas porque eles fizeram isso? – disse procurando uma posição confortável para ficar.

– Repugnância, ódio, peso na consciência, cansaço de ter um filho como eu. Ah muitas supostas “ explicações” para isso, mas nenhuma vai justificar a atitude deles, ainda mais da minha mãe ter concordado com aquilo sem ao menos cogitar em outra “solução”. – Comentou. – Mas talvez...tenha sido melhor assim, quem sabe o que eu teria passado na mão daquele desgraçado se ainda estivesse vivendo sob o mesmo teto que ele.

– Isso não foi certo Lou e sim uma injúria com você, não podiam ter abandonado uma criança como se ela fosse um saco de lixo. – Harry disse exasperado – Como sua mãe pode troca-lo para ficar com um idiota, manipulador e estrupador?

– É o que sempre me perguntei mas as respostas nunca vieram. Talvez, eu só precisasse esquecer que um dia tive uma vida infernal. Afinal de que adiantou sentir ódio deles, se eles não podiam ou sentiam isso? De que adiantou abraçar essa mágoa se ela mesmo me afetava? Sabe, fico feliz por ter conhecido o Zayn, o Niall e você, acho que sem vocês na minha vida eu seria um nada novamente. – Louis suspirou, estava para baixo e estranhou aquilo, pois nunca ( depois que se tornou adulto) sentirá aquela pontada de tristeza.

Harry percebeu isso e então o puxou para um abraço, o mesmo ficou surpreso com aquele ato carinhoso, lembrou-se de quando era uma criança abandonada e passava fome durante semanas até mesmo meses e que sempre desejou um abraço como aquele. Portanto, demorou um pouco para retribuir o abraço, quando conseguiu envolver os braços envoltos do Harry sentiu as lágrimas do passado saírem de uma vez.

– Por que estou chorando? – Fungou e tentou secar as malditas.

– Lou você já expressou essa dor antes? – negou – Então essas lágrimas são resultado desse acumulo de sentimentos que desgraçaram sua vida e que você não conseguiu libera-los. Deixe que elas saiam, sinta essa dor que sempre o fez mau! – Louis não esperava mesmo que fosse se entregar á aquela mágoa, quer dizer, por ela para fora. Ele chorou, como se estivesse vivendo aquilo tudo de novo, suas lágrimas molhavam o peito de Harry que o apertava contra si, afagando suas mãos nas costas dele.  

Como ele poderia ser tão lindo e perfeito assim?

Harry eu te amo tanto, que está sendo difícil admitir esse sentimento á você. Mas eu te amo e se um dia eu conseguir me declarar para você, espero que possamos ficar juntos e viver desse amor. Entretanto, ficaremos apenas assim, um tanto bobos e negando a verdade, por mais que neguemos é a verdade.

Harry Styles eu te amo e não posso negar esse sentimento mais.

Louis pensava, e cada palavra que saia da sua mente tornava-se uma lágrima a mais. Queria ter encontrado Harry quando estava perdido e sozinho, porque ele sabia que ele poderia ama-lo como um dia foi ou até mais. Apertou o rosto contra o corpo do Harry e chorou.

– Acho que... – Suspirou - ...acabamos fazendo bem um para o outro, mesmo não sendo intencional. Eu mudei, você mudou, inexplicavelmente agora, só não sei se é algo bom.

– Eu tento levar para o lado bom. – Harry interveio mostrando suas covinhas com um longo sorriso.

Louis o puxou para um beijo calmo, com mais sentimento. Então aquilo era amor, entregar tudo o que vive, compartilhar com aquela pessoa tudo dos sentimentos ruins aos bons, apaixonar-se cada vez mais a cada troca de beijos que dão, enfrentar tudo o que se opõe a atrapalhar o que eles vivem. Esse era o verdadeiro? Se perguntava. E não sabia mesmo se era aquilo mas estava feliz ao lado do Harry e decidiu que se um dia fosse necessário mudar, ele faria isso, para agradar Harry porque queria satisfazer a ele.

– Sabe, a sua mãe não sabe a pessoa inacreditável que deixou para trás. – Murmurou se deliciando entre os lábios finos de Louis. – Lou?

– Diga!

– Promete pra mim que vamos sair dessa juntos?

Promessas não eram o forte de Louis, muito menos cumpri-las mas se ele tinha mudado como pensava e falava o Harry, poderia fazer aquela promessa até mesmo porque sentia algo em especial por Harry agora. Era algo que ele sentia que o faria enfrentar o céu e o inferno para manter o Harry bem. Após pensar isso , Louis interlaçou suas mãos nas de Harry.

– Prometo! – Disse sem a certeza daquilo – E você promete pra mim que se as coisas não saírem como o planejado, vai embora e viver a sua vida? – Aquela era a sua condição, faria de tudo para que Harry saísse dali com vida, já não ligava para o dinheiro, só desejava a segurança de quem mais o importava.

Harry engoliu seco, não esperava por aquela proposta, se o Louis o tivesse feito essa pergunta a uns dias atrás ele diria sim, até porque seu plano era seduzir seu sequestrador para conseguir a fuga, e de certa forma isso concretizou, mas só tinha um problema, Harry estava apaixonado por Louis e dizer sim acabou tornando uma opção á um certeza.

– E-Eu....prometo! – Sussurrou – Mas eu sei que vamos sair dessa juntos.

Louis sorriu para não alarmar seu companheiro.

– Ei, vamos parar com esse papo cabisbaixo? – Louis virou-se de frente para o Harry.

Ambos se entre olharam maliciosos e se beijaram. Harry envolveu e o puxou para que Louis ficasse por cima dele, ele começou a sentir seu membro ficando rígido quando a bunda do Louis encostou nele.

– Já quer o segundo round? – Perguntou.

– Se der o terceiro e o quarto também! – Louis murmurou rebolando no colo do Harry, que gargalhou ao ouvir seu comentário e desceu suas mãos até a bundado menor.

* * *

 

Cidade de Chicago 10:30 p.m.

Hotel cinco estrelas

 

Mitchell estava sentando-se à mesa de jogos, apostando em algum terreno dos milionários sentando a sua volta, ele jogava baralho sempre mantendo a pose nazista, próximo dele ficava seus capangas uniformizados com ternos e gravata outros com uma roupa comum, espalhados pelo hotel.

Sempre andava acompanhado, afinal tinha muitos inimigos e não poderia dar bandeira andando desprotegido.

Jogou a carta de copas sobre a mesa, deixando seus adversários nervosos e tensos após sua tacada e isso o divertia, ver o pânico em seus olhos, logo atrás dele, seu celular começou a vibrar na mão de um dos seus lacaios, que discretamente aproximou-se do velho.

– Senhor! – Mostrou ao mesmo o nome que aparecia na tela do celular, Mitchell sorriu.

– Com licença senhores! – Levantou-se pegando seu celular e caminhando até a sacada do seu quarto, fez um sinal para que seus lacaios ficassem de guarda.

Olhou para o celular novamente, fazia um tempo que ele não recebia aquela ligação, anos para dizer a verdade, Mitchell deslizou o dedo na tela e o levou no ouvido.

– Anne, quanto tempo! – Sorriu.

Devolva meu filho seu patife! – disse raivosa.

– Oh querida, não é assim que se trata seu velho pai!

VAI SE FERRAR! – Gritou – Se você fosse meu pai, não teria sequestrado meu filho, seu neto.

Aquele bastardo nunca será meu neto. Nenhum dos seus filhos com Des faz parte da minha família! – Mitchell disse as palavras com rispidez – Se não quisesse isso não acontecesse com aquele moleque, não teria fugido de mim.

Se eu tivesse ficado com você, provavelmente estaria sem filhos e trancafiada em um porão.

Ah querida, desse jeito você me faz parecer a pior pessoa desse mundo! – Comentou “ofendido”.

Ela soltou uma risada sarcástica.

Mitchell você é um ordinário, sempre foi, desde que eu era pequena. Batia na mamãe e depois saia fodendo uma vadia por aí como se não tivesse mulher e filha. Acha que que o mundo tem que sempre girar ao seu redor mas deixa eu te falar, você não é o sol, não tem os planetas girando em torno de si. Nunca terá mesmo que tenha que matar metade das pessoas desse mundo, você continuará sendo um bosta, um grande merda!

– É o que você pensa? – Perguntou e depois riu – Sabe Anne querida, eu venho sendo muito bonzinho com seu filho...Harry! – Anne fungou do outro lado linha depois disso – Mas vendo a quão mal criada você ficou, serei obrigado a tomar medidas drásticas...

Você não ouse tocar no Harry novamente! – Ameaço-o.

– Ah mais é claro que não, isso só vai depender de você meu bem. – Começou a andar de um lado para o outro – Se quiser  que seu garotinho volte vivo para casa vai voltar a viver comigo, como nos velhos tempos!

NUNCA! – Gritou chorosa.

– Tudo bem. Mas não esqueça que o Harry está na minhas mãos e se for esperta voltará para o seu pai sem pestanejar, caso contrário, a próxima foto que irá receber no seu celular é do seu filho dentro de um caixão.

NÃO! – Começou a chorar do outro lado da linha.

Mitchell sentiu uma vontade de rir daquilo mas se conteve, sua chantagem estava dando certo.

COMO PODE SER UM MONSTO?

Oh querida não chore, eu só quero tê-la de volta e ao meu lado.

Eu te odeio Mitchell, ouviu bem? EU TE O-D-E-I-O!

– Tudo bem, já que você quer as coisas pelo modo difícil...

NÃO! – Protestou em seguida engoliu o choro – E-Eu volto a viver com você, contanto que você liberte meu filho assim que eu me juntar ao seu lado!

– Tudo para ter a minha menina de volta!

Lembre-se que estou fazendo isso pelo Harry e se você encostar um dedo nele, eu dou meia volta e arranjo uma maneira de acionar a polícia!

Ele rir.

– Você diz que não gosta de mim mas age como eu! Não acha irônico? – Brincou.

Nunca serei como você. Preferia morrer a ser uma pessoa manipuladora e fria assim! – Falou ríspida – Daqui a dois dias estarei em Chicago, até lá quero meu filho inteiro!

– Tudo o que quiser meu amor. Eu te....

Anne desliga a chamada na sua cara. Mitchell sorriu satisfeito, seu plano estava dando certo, teria Anne de volta e jurou que dessa vez não deixaria ela fugir novamente. Ele volta para dentro depois de guardar o celular novamente no bolso.

– Senhores o fogo acabou pra mim hoje! – Disse e olhou para um dos seus capangas que assentiu como se entendesse o que ele queria, caminhando em direção e aumentando o volume – Mas não se preocupem com o que prometi na aposta pois vou paga-los agora! – Tirou a arma do bolso, atirando na cabeça dos milionários que não tiveram tempo de correr, enquanto fazia sua matança o volume da música abafava o barulho dos tiros.

Mitchell guardou a arma e fez um sinal para seu capanga diminuir o volume.

– Livrem-se desses corpos e limpem a sujeira para que não fique vestígios. – Ordenou passando pelos cadáveres – Christopher prepare  o carro, está na hora de conhecer o filho bastardo da Anne!

 

Aguardem .........                   

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam do Hot Larry?
Desculpa se ele saiu meio bosta mas ainda estou em prática para escrever hot assim dhsdgdvsabkdçasuj
Serio mesmo huehuehue
Desculpem caso tenha algum erro ortográfico!!!

Próximo capítulo de Ziam 3:)
Comentem aqui em baixo caso queiram
Amo vocês <3 <3

Até o próximo :)
Beijo beijo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...