História Mudança de planos - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 30
Palavras 2.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um mal revisado... Não liguem, estou sem muito tempo, beijos, se cuidem e boa leituraaa ❤👊

Capítulo 43 - 43- perdoa ele 😞


Fanfic / Fanfiction Mudança de planos - Capítulo 43 - 43- perdoa ele 😞

Cheguei em casa e fui conversar com meus pais e Gi.
Fui para o quarto tarde e levei um susto quando e pegaram e me jogaram na cama assim que Fechei a porta do quarto. Quase gritei com o susto. Fábio sorria deitado sobre mim, tampando minha boca. Parei com o coração acelerado. Dei um tapa em seu ombro.
- demorou pra subir...- falou baixo. Destapou minha boca.
- Fábio! Que susto!- falei sentindo o coração batendo forte.
- onde estava hoje a tarde?- perguntou.
- trabalhando.- falei deslizando as mãos pelo seus ombros.
- e posso ganhar beijo?- perguntou. Coloquei os braços atrás da minha cabeça.
- acho que não... Preciso me recuperar desse susto.- falei. Segurou meu rosto e me beijou, calmamente, e suavemente.
Olhei em seus olhos quando se afastou.
- decidi que vou dar uma festa sábado.- falou o encarei séria.- dessa vez sem nenhuma droga.- falou se adiantando. O empurrei para o lado e me levantei.
- não! Não vou a festa nenhuma!- falei. Se levantou e me abraçou.
- por favor... Vamos.- falou. Neguei.
- não, nunca dá certo essas festas.- falei. Me puxou para seu colo, agradeço a escuridão por não mostrar minha mudança de tom. Tocou meu rosto.
- dessa vez vai dar.- falou. Olhei em seus olhos.
- não sei não Fábio...- falei. Me puxou para um beijo.
- sabe sim, você vai.- falou.
Olhei em seus olhos desanimada. Soltou meu cabelo do rabo de cavalo
- prefiro assim.- falou espalhando meu cabelo. Sorri.- você é tão linda.- falou. O beijei. Voltou a me deitar na cama.
- você que é.- falei.
- melhor eu ir, antes que eu me anime e você corte minha vibe.- falou se afastando. Sorri e concordei. Se aproximou e me deu um beijo.-até amanhã.- falou.
- até.- falei.
Se afastou e foi pra varanda. Pulou. Assustada me levantei e corri até lá. Ele estava bem pulando o muro de casa.
Fui tomar um banho e depois fui dormir.
Acordei e fiz tudo exatamente como faço todo dia, a tarde fui trabalhar e a noite fui correr com Fábio. Era o único momento nosso que tínhamos.
O resto da semana foi assim, eu estou apaixonada por ele, absolutamente tudo.
É sexta a noite, meus pais viajaram para Curitiba para ver meu novo priminho que acabou de nascer, Gisele foi dormir na casa de uma amiga que faz faculdade aqui perto mas mota no centro de SP. Chamei Leo e Monica e Fábio para uma pizza aqui em casa.
Foi divertido. Jogamos alguns jogos aleatórios e ficamos conversando. Eles vão dormir aqui, Monica comigo e Leo no quarto de visita, Fábio vai embora logo.
Era madrugada quando ele decidiu ir. O acompanhei até a porta.
- é muito melhor quando está sozinha... Não precisamos ficar nos escondendo. – falou, sorri concordando.
- gostou de hoje?- perguntei. Sorriu concordando.
- eles vão a minha festa amanhã.- falou. Sorri.
- eu também vou...- falei, sorriu e me beijou.
- isso... Boa noite.- falou. O abracei.
- estou apaixonada por você.- assumi. Me olhou incrédulo.
- pode dizer isso mais uma vez? Adorei isso!- falou beijando meus ombros. Dei um tapa em seu braço.
- claro que não...- falei. Sorriu e me beijou, o beijei de volta.
- difícil ouvir você se declarando.- falou.
- então não pisa na bola comigo. Por favor.- pedi encostando a cabeça em seu peito. Acariciou minha nuca. Beijou minha cabeça.
- não vou.- falou. O olhei.- sonha comigo.- pediu. Concordei. Nos beijamos e ele saiu andando.
Entrei e continuei conversando com Leo e Monica, depois fomos dormir.
De manhã tomamos café e eles foram embora. Fui correr e o tal garoto do outro dia estava malhando. Ele é bonito, então nem olhei, mas sei que é uma imagem bela. Quando dei uma espiada, ele acenou, acenei de volta.
Continuei correndo, cheguei em casa e fui enlaçada pelo melhor abraço.
- oii.- falei abraçando seu pescoço.
- já se acostumou ?- perguntou em relação aos sustos.
- aos poucos.- falei. Sorriu e me beijou.
- ah, não quero que se acostume.- falou.
- ah, quer que eu tenha um infarto a cada susto?- perguntei, sorriu concordando.
- pode ser...- falou. Sorri.
- na realidade já espero ansiosa por esses beijos.- falei. Beijei seu pescoço, maxilar, bochecha, até chegar no canto de seus lábios.- toda vez que entro no meu quarto a noite.- falei. Grudou meu quadril com o seu e me beijou ferozmente.
Ficamos assim por um tempo, então decidi ir tomar um banho, saí e fui fazer o almoço. Estrogonofe de camarão.
Ele gostou, almoçamos e fomos dar uma volta no shopping. Ele não vai fazer absolutamente nada na festa, tudo foi contratado, o que lhe deixa com tempo livre.
Voltamos a tarde para casa, ele foi para a dele e eu para minha, a noite tomei banho, arrumei o cabelo, arrumei a roupa. Coloquei um vestido acima do joelho de tecido encorpado bege. Solto no corpo, de mangas curtas e um salto bege. Usei joias em tom ouro rosa, como a pulseira que ganhei do meu pai e um colar daquele estilo.
Soltei o cabelo, passei um batom matte vinho, uma sombra discreta, rímel e delineador. Estava bonita. Passei meu perfume e saí.
Já estava bombando. Tinha muita gente, música legal, pessoas legais. Entrei e logo Monica e Leo apareceram. Nos cumprimentamos e eu fui procurar Fábio, estava dançando, esperei ele se virar e lhe beijei.
- opa! Que delicia.- falou me rodopiando. Sorri. Me puxou pra perto e me deu outro beijo.
- nossa, isso está bombando.- falei. Abraçou minha cintura.
- ainda bem.- falou. Sorri. E me beijou profundamente.
Começamos a dançar e percebi que algumas garotas me encaram. Quando ele as viu, elas acenaram, ah... Era pra ele que elas estavam olhando.
- vou ali rapidinho falar com elas.- falou. Concordei.- quer ir?- perguntou. Neguei. Peguei um copo de água e logo Leandro apareceu gritando meu nome e me abraçou... Ele é engraçado.
- ola minha deusa de longos  cabelos que me deu um presente maravilhoso, mas saiu sem se despedir.- falou. Sorri. Andou ao meu lado de volta para a o local onde todos dançavam.
- oi, que bom que gostou, de verdade.- falei, sorriu.- eu saí magoada de lá, Fábio estava chapado, não curto essas coisas.- falei. Concordou.
- quer dançar comigo?- perguntou. Procurei Fábio, ele estava dançando com todas as garotas gostosas daquele grupinho.
- eu aceito.- falei. Sorriu. Começamos a dançar, ele é legal, não gosta de mostrar que é inteligente, mas é.
Eu ri horrores com ele. Só faz graça. Começou a me rodopiar e rodopiar até que eu bati em um casal tonta. Nos desculpamos. Quando eu percebi já não via mais Fábio. O grupinho ainda está ali.
  Leandro e eu Comemos alguns petiscos, ele me contou sobre sua vida em Las Vegas. Emocionante. Estudou com Fábio, por isso se conhecem, e fazem trabalhos além de frequentar muitas das mesmas festas, me contou que é modelo.
Se distraiu com uma garota e eu fui procurar Fábio, perguntei para Leo e Monica se o viram, mas nada.
Esbarrei em alguém Me virei para o cara. UEPA! TE CONHEÇO.
O cara sorriu pra mim.
- desculpa de novo.- falou. O mesmo garoto que eu esbarrei semana passada, que provavelmente está morando no meu condomínio.
- você ?- perguntei. Concordou.
- de novo.- falou achando graça. Sorri.
- Guilherme né!?- perguntei me lembrando. Sorriu concordando. Ele é muito bonito.
- desconhecida né ?- perguntou sarcástico. Comecei a rir. Lhe estendia a mão.
- Elisabeth.- falei. Pegou minha mão, nossa, que quente.
- ah sim...- concordou.- não vou esquecer.- falou. Sorri.- o que faz aqui ?- perguntou.
- sou amiga de Fábio.- falei. Concordou.- e você ?- perguntei me sentando em um banco alto no canto ao seu lado.
- também sou.- falou.
- está morando aqui ?- perguntei.
- sim. Me mudei a pouco tempo, na verdade conheci Fábio semana passada enquanto malhava.- falou. Concordei.
- ah, entendi.- falei. Sorriu.
- fico relaxado em encontrar pelo menos alguém que eu já tenha visto.- falou. Dei risada.
- entendo.- falei. Sorriu. Passou mão pelo cabelo. Uau.- eu preciso encontrar Fábio...- falei.- até mais.- falei fugindo. Sorriu e concordou.
- até Elisabeth.- falou. Saí. Senti seu olhar perfurando minha costa.
Procurei Fábio em todo lugar. Parei mais duas vezes para conversar, decidi ir no segundo andar procurar.
Se arrependimento matasse, eu estaria morta, não deveria ter subido aqui, não deveria ter procurado por ele. Entrei em seu quarto. Ele estava sem camisa na cama, com uma loira seminua, só de lingerie. Engoli  seco enquanto eles se agarravam. Ela tentava despi-lo mas não conseguia.
Fechei os olhos e não percebi que estava chorando. Que horror. Fechei a porta e desci correndo.
- Elisa!- gritou Fábio. Não olhei para trás, continuei em frente, esbarrando em todos sem enxergar nada.- Elisa! Espera!- pediu gritando.
Tropecei e quase caí. Novamente Leandro apareceu me segurando pela cintura Me impedindo de passar uma vergonha maior.
- deusa ?- perguntou. O olhei.- por que está...
- Elisa! – chamou Fábio me achado. Me endireitei e continuei meu caminho. Ele ainda estava sem camisa.
Consegui chegar na porta. Saí correndo. Agora Leandro veio atrás.
Fábio me puxou pelo braço na calçada.
- Elisa, olha pra mim.- pediu. Não olhei.- Elisa, eu não queria...- me enchi e tirei meu braço de sua mão.
- ah não queria? O que era aquilo então? Ela te obrigou? Te amarrou na cama? Rasgou sua camisa? Ela te bateu pra você ficar ali e transar com ela?- perguntei irritada chorando.- aquilo não parecia uma tortura Fábio... Nem de longe.- falei. Olhou em meus olhos, tinha lagrimas nos olhos.
- não... Mas foi sem querer, eu a encontrei novamente...
- ah... Sem querer, suas mãos criaram vida própria e seguraram a bunda dela? Sua boca grudou na dela por culpa do destino ?- perguntei chorando irônica.
- deusa, se acalma, vamos entrar e conversar lá dentro.- pediu Leandro vindo até mim. Fábio nos encarou.
- não!- falei chorando.
- Leandro, não se intromete, me deixa sozinho com ela.- falou Fábio irritado com ele.
- okay cara...- falou entrando.
Fábio se aproximou.
- não chega perto de mim.- falei me afastando. Segurou meus braços. Colando meu corpo do dele.
- Elisabeth. Para. Desculpa.- pediu. Neguei.
- você me disse que essa festa seria diferente, você me deixou sozinha pra ficar falando com suas amiguinhas...- falei magoada, tentei empurra-lo mas não se moveu.- fui te procurar e te encontro na cama com outra...- falei. Desistindo. Me olhou.
- eu não pensei direito... Eu gosto de você, foi impulsivo... Eu não aguentei, eu estou precisando...
- ah... Agora a culpa é das suas necessidades masculinas? Jura? Quando eu aceitei ficar com você, deixei bem claro que não estava pronta pra isso e você disse que tudo bem! Você aceitou!- falei irada, magoada, traída...- se tem necessidades que eu não posso suprir, termina comigo mas não me traí! Eu falei que nunca conseguirei ser essas garotas que você está acostumado, falei que não sou assim...- falei chorando. Negou.
- não vou terminar nada com você Elisabeth... Eu gosto de você.- falou irritado, desesperado, quase chorando.
- eu disse que estava apaixonada por você ontem! E você faz isso comigo? Você não gosta de mim, quem gosta de verdade não vê graça em mais ninguém. Quem gosta de verdade não traí!- falei. Sua respiração estava acelerada e tensa, eu chorando, era ridículo.
- eu estou apaixonado por você, eu gosto de você de verdade, foi um momento de fraqueza...- falou. Me irritei e o afastei.
- chega... Aproveita que ela ainda deve estar lá e vai terminar de ser fraco, termina de suprir suas necessidades, termina o que começou... E não precisa terminar nada comigo, afinal, a gente nunca teve nada de verdade pelo visto... Não há nada para terminar.- falei. Uma lagrima escorregou pelo seu rosto. Fechou os olhos.
- quando falei que gosto de você, é porquê gosto. Eu espero por você o tempo que precisar, não te forçaria a fazer aquilo nunca... Não faz isso comigo.- falou triste. Olhei em seus olhos, neguei.
- não fui eu quem fiz isso... Foi você, estava tudo perfeito, e você apronta uma dessa com a gente.- falei. Puxei meus braços e saí andando.
Vi que Guilherme estava sentado num canteiro entre as ruas, de frente pra minha casa. Entrei em casa e subi para o quarto. Me joguei na cama cansada.
Chorei, chorei até não ter mais o que chorar, como ele pode ferir meus sentimentos dessa forma? Como pôde?
Levantei e fui tomar um banho. Fiquei muito tempo embaixo do chuveiro deixando a água molhar meu cabelo e minimizar esse buraco que está em mim.
Saí. Deitei na cama com sword e tentei dormir.
Acordei com uma ligação de Monica. Ela já sabia, claro que ele contou pra ela, eles são amigos agora.
- ele está triste Elisa.- falou.
- eu também Mô, imagina entrar no quarto de Leo e encontra-lo na cama com outra?- perguntei.
- perdoa ele...- falou Monica.


Notas Finais


Aeee espero que tenham gostado, até o próximo, o que acharam ? Beijões


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...