História Mudança de Vida - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Akame ga Kill!
Personagens Personagens Originais
Exibições 4
Palavras 4.013
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, tudo bem com vocês? Sentiram minha falta? Muito provavelmente sim, eu estava com muitas saudades de escrever a fic também, assim como senti a falta de vocês, bom as coisas vão finalmente voltar ao normal e teremos capitulo todo domingo como sempre, porém hoje vou abrir uma exceção e vou posta nessa sexta mesmo, já que vocês devem estar com saudades da história também. Por ser minha volta, tratei de caprichar bastante nesse capítulo e acho que deu pra deixa-lo grandinho também.
Pois bem, chega de enrolação e vamos lá.
Espero que gostem :3

Capítulo 40 - Memórias perdidas


Fanfic / Fanfiction Mudança de Vida - Capítulo 40 - Memórias perdidas

Pov's ??? ON


As coisas estão demorando para ficar interessantes sabe? Mark está demorando mais do que o normal para conseguir suas emoções de volta, de todo modo,ele vai começar a recuperar a memória e isso vai acelerar o ritmo das coisas, claro que isso será bem ruim para ele. Quanto a traição de Kram, confesso que fiquei surpreso também, ah é, por falar nisso, o que eu vou falar aqui pra vocês agora é importante portanto prestem bastante atenção, Griver foi quem prendeu Mark na ilusão que podemos chamar de Gaiola Alternativa, isso eu não pretendo explicar mas continuando, Griver prendeu Mark nessa magia por certos motivos, entretanto Mark já sabia o que ele ia fazer ,por isso dividiu sua alma em duas partes, a parte que iria para a gaiola (a parte predominante), e a outra que ia viver uma vida no caso essa que ele tem nesse mundo cujo ele não se lembra de nada, pra quando ele se libertasse da gaiola já tivesse uma vida garantida,  o que deu de errado foi justamente Griver por precaução ter apagado as memórias de Mark e tentado botar algumas falsas no lugar, porém, ele cometeu um erro e acidentalmente adicionou suas memórias ao invés de memórias falsas, lembra lá atrás daquele passado de Mark na Vila? Pois é, aquele é na verdade o passado de Griver,na realidade, antes mesmo de tudo começar as coisas estavam ruins para Mark, já que as memórias dele voltaram sem ele perceber, porém acabaram se misturando com as de Griver. Outro ocorrido que terminou de um jeito bem imprevisto, foi que sua outra parte de alma acabou perdendo o controle e destruindo aquele mundo onde ela estava, por causa de problemas que ela passou, e tal alma retornou para Mark quando ele estava encontrando Nara pela primeira vez, claro que ele não percebeu isso. Kram o único sobrevivente de todo aquele caos, desespero e destruição, voltou no tempo, procurou para onde o Mark ''falso'' foi, e acabou encontrando a gaiola alternativa onde estava Mark aprisionado sem saber, sendo assim ele libertou o Mark verdadeiro da gaiola trazendo tal para esse mundo, mas Kram fez isso por um motivo que não posso contar, porém, posso dizer que é um motivo realmente idiota, Kram não ajudou Mark por ter um bom coração ou por eles serem irmãos e muito menos porque queria impedir a destruição do mundo, mas sim por um objetivo sem nexo algum. Vou também explicar algumas coisas extras, Griver é na realidade a reencarnação de Sheon, e tudo o que foi visto do começo até aquela reunião que Najenda falou sobre Susanoo era a vida que Griver tinha, porém, como citado antes, de alguma forma Mark recuperou suas memórias, o resultado? Nada que mereça destaque, apenas alguns conhecidos de Mark substituíram os colegas de Griver. Resumindo, Mark viveu a vida de Griver durante todo esse tempo, só que com as pessoas que ele conheceu em sua vida passada, e essa papo de vida passada eu não pretendo explicar também. Lembra que eu disse que Mark dividiu a alma em duas partes? Digamos que ele foi longe demais e conseguiu criar um clone de carne e osso, ou seja, ele criou um corpo para armazenar outra parte de sua alma, mas se preferir, pode falar que ele conseguiu criar um humano, e sim, não vou explicar como ele fez tal proeza também. Você talvez queira saber porque eu te contei tudo isso não é? Bom, nada em especial, apenas quis falar mesmo. Huh? Não está convencido? De fato é normal não acreditar, mas vocês são idiotas né, até parece que vou falar porque eu contei, de qualquer forma isso explica muitas coisas, e responde aquela pergunta do o que acontece com alguém que tem alma mas ao mesmo tempo não tem, pelo menos eu acho...Bom tchau tchau.


Pov's ??? OFF


Pov's Mark ON


Ficamos andando por um bom tempo e durante todo esse tempo, a sensação de estarmos sendo observados sumiu, aparentemente a pessoa desistiu de nos seguir talvez por conta de Thea ter chegado perto de acha-la. Durante a caminhada eu sentia fortes dores de cabeça e memórias que eu desconheço começaram a aparecer em minha mente, tais memórias não eram nem um pouco agradáveis, geralmente eu estava coberto de sangue sendo torturado ou matando alguém de forma brutal, ao que parece minhas memórias reais estão começando a aparecer, mas confesso que se for pra lembrar dessas coisas desconfortáveis, melhor eu continuar do jeito que estou.


-Tudo bem Mark? Se quiser podemos fazer uma parada breve.-Diz Thea percebendo meu estado.


-Não se preocupem, eu estou bem, só estou com um pouco de dor de cabeça.


-Se você diz.-Comenta Keita voltando a andar.


A minha cabeça não parava de doer nem por um segundo, ela apenas aumentava a dor conforme eu ia me lembrando de mais coisas, até que de repente eu paro e...


Flashback ON


-Você não vai contar? Hmm...Sei como resolver isso.-Fala meu carrasco pegando uma faca da sua caixa de tortura.


Eu estava preso na cadeira por meio de correntes com encantamentos impossíveis de se quebrar, e mesmo que eu usasse toda a minha força eu não conseguiria sair, se quer saber aquilo não passava de mais um dia normal na minha vida.


-Hehe, de tantas vezes que você usou isso já ficou até confortável.-Disse sorridente.


Definitivamente, em apenas alguns anos eu me rendi ao desespero e perdi minha sanidade mental por completo, a guerra que tinha em minha cabeça entre lado bom e ruim parou de ocorrer,pois o lado que mandava eu ficar calmo e me manter sob controle...Morreu.


-...TÁ TIRANDO UMA COM A MINHA CARA?!-Gritou ele furioso enfiando a faca brutalmente em minha mão fazendo um grande buraco na mesma.


-HAHAHAHAHAHAHAHA, ISSO ERA PRA DOER?!-Provoquei extremamente empolgado.


-ORA SEU...-Disse o mesmo pegando um bisturi e enfiando no meu olho direito.-E AGORA PIVETE DE MERDA?


-Ha...Ha...HAHAHAHAHAHA.-Gargalhei enquanto o sangue escorria pelo meu rosto.


Minha esperança desapareceu a muito tempo, no momento tudo que sobrou de mim ali foi um corpo cheio de desespero, e uma inquietação de querer causar destruição. O rapaz ainda irritado pegou o machado e sem dó e aviso prévio decepou minha perna fora, não satisfeito cravou o machado na minha cabeça, e essa era minha chance...


-Droga! Me irritei demais e matei o garoto, ai ai, a minha senhora vai ficar brava.-Disse o mesmo removendo os encantamentos das correntes que me prendiam.-Bom, fazer o que né.


Na consciência dele eu estava morto, mas...Não era bem assim, como posso dizer...Eu sou ''imortal'', mesmo se ele separasse minha cabeça de meu corpo eu permaneceria vivo, e foi nesse dia que minha diversão começou ou melhor, foi nesse dia que comecei a espalhar o desespero. Enquanto o mesmo estava de costas arrumando suas ferramentas de tortura e recolhendo os dedos e unhas que ele arrancou de minhas mãos , eu quebrei as correntes e arranquei o machado de minha cabeça fazendo sangue jorrar dela como água.


-Huh? O QUE?!-Se surpreendeu ele vendo que estava de pé vivo me apoiando na parede, bem em sua frente.-C-C-Como?-Pergunta o mesmo tremendo e caindo no chão por conta do medo.


-Como? Ha...HAHAHAHAHAHAHAHAHA, porque eu deveria contar segredo para gente morta? Haha, muito obrigado por me divertir um pouco durante esses anos, mas sabe...-Digo retirando o bisturi do meu olho e arrancando ele junto.-Não seria justo só eu me divertir não acha?-Disse com um sorriso psicótico capaz de assustar o próprio demônio.


-SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!


Isso foi tudo o que ele conseguiu gritar enquanto se tremia todo.


Flashback OFF


-NÃO! NÃO, ESSE NÃO SOU EU, NÃO!!!-Gritei mais alto que podia fazendo tudo em minha volta se congelar ou ser destruído pelas sombras que eu acidentalmente liberei.


-MARK! Se acalme ok?-Disse Thea se aproximando com cautela.


-NÃO! NÃO CHEGUE PERTO!!!.-Gritei tentando ataca-la por não a reconhecer, mas do nada, tudo ficou preto.


Quando eu voltei a ver, vi que estava deitado e um pouco longe de mim estavam Thea e Keita totalmente alertas.


-Huh? O que aconteceu?-Pergunto olhando as árvores ao redor congeladas e algumas cortadas das mais variadas formas.


-Hã? Você não se lembra?-Questiona Keita ainda longe.


Foi quando relembrei o que eu tinha feito.


-Ah...Já estou calmo agora, então acho que vai ficar tudo bem.


-De qualquer forma preferimos que você se mantenha a essa distância, caso se descontrole de novo, não é Thea? Hein? Thea?


Thea estava atrás de mim e antes que eu me virasse ela acabou me abraçando.


-Não faça mais isso, por favor.-Diz a mesma afundando sua cabeça em minhas costas.


-Vou tentar.-Dito isso ela me solta.


-Bem então vamos logo achar Elisabeth.-Diz Thea começando a andar.


Ao que parece memórias como essa podem voltar a aparecer e se isso ocorrer...Preciso o mais rápido possível ir ver Nara, talvez ela saiba como me ajudar, entretanto, primeiro vou achar Elisabeth e Yuto, acho que consigo ficar normal até acha-los. No meio da trilha Keita para e saca sua espada, antes que pudéssemos perguntar algo ,uma criatura semelhante a leão aparece e tenta nos atacar, com só um golpe Keita corta o monstro em transversal.


-Chegamos.-Diz ele apontando sua espada para uma pequena cidade em chamas, e de fundo vários gritos.


Eu então fui até o corpo da criatura falecida e analisei ela, a criatura apesar de ter uma cabeça de leão, tinha um corpo com muitos músculos semelhante ao de um humano, e garras afiadas o bastante para cortar ossos sem menores problemas, receber um ataque dessa coisa com toda certeza deve ser fatal.


-Muito bem, vou direto ao ponto.-Disse encarando Keita.-Você acha que Elisabeth está aqui, ou tem certeza?


-Apenas acho.-Respondeu ele.


-Ahhhh...-Suspirei invocando minha espada.-E pensar que viemos parar aqui pelo seu achismo, bom tanto faz, vamos apenas botar o lugar em ordem novamente.


-Sim senhor!-Falaram os dois que correram até a cidade.


Eu não fiz diferente, quando cheguei a cidade era nítido que tinha uma infestação daquelas coisas, provavelmente estavam com fome já que encontrei uma delas se alimentando de um cadáver.


-Bom vamos resolver isso lo...-De repente fico paralisado e...


Flashback ON


-Mark! Isso que está dizendo é um absurdo, nós devemos salvar o império e não destrui-lo!-Exclama Tatsumi.


-É mesmo? Qual a diferença de um para o outro?-Digo abaixando minha bandana de boca.


-Você está doente com certeza, é a única explicação.-Comenta Akame também rejeitando a ideia.


Hehe, já sei exatamente o que vou fazer para eles mudarem de opinião...


-Doente? Hahaha...haha, gosta de fazer piadas não é? Então vou contar uma charada,o que é o que é, uma vila que virou um cemitério?
Tatsumi sentiu medo de minhas palavras.


-Agora lá vai outra, dessa vez é pra todos vocês presentes aqui, o que é o que é, vários cadávers com sangue que vocês conhecem?
Todos da sala sentiram raiva, exatamente o que eu queria.


-O QUE ESTÁ TENTANDO DIZER HÃ?-Grita Mine irritada apontando sua arma para mim.


-Os amigos de todos vocês estão mortos, para outros a família, o lugar onde todos moravam só restaram ruínas ou cinzas, apenas isso que estava tentando dizer.-Digo indiferente.


Ao que parece é verdade, palavras conseguem ser muitas vezes, mais efetivas do que certas ações, afinal o estado de choque que eles ficaram foi fantástico! Eu presenciei com os meus olhos, o desespero, ódio, tristeza, tudo estava explicito nos olhos de cada um, sem exceções.


-Sabem quem fez isso não sabem? Sabiam que vocês poderiam ter salvados todos, se ele não estivesse no caminho...Não pensam assim? Tenho certeza que agora conseguem distinguir meu ponto de vista de uma doença.


-Errado! Isso está errado! Não importa o que você faça, não vamos cair em desespero,ainda mais num momento decisivo que nossa batalha se encontra, não é pessoal?-Diz Tatsumi esperando a confirmação de seus colegas.


-Ainda persiste em tal idiotice? E quanto a Bulat? Luba? Leona? Sheele? Chelsea? e Susanoo? Suas vidas foram tiradas por quem? Quem matou eles?


-O ministro claro! Mas mesmo assim...Destruir todo o império por que? Qual o sentido? Basta matarmos o ministro e libertarmos esse pais de tamanha desgraça.


-Libertar? Hm, interessante, você ainda quer libertar as pessoas que trouxeram tanta desgraça para seu povo e amigos?-Perguntei fazendo ele mudar sua expressão.-Não é só culpa do ministro de cobrar impostos que seu povo não pode pagar, muito menos da humilhação que você passou quando criança Mine, sem falar de você ser separada de sua irmã Akame, não é só culpa do ministro, não é só ele quem é cruel, não é só ele que não tem coração.


Quantos mais eu dizia, mais a duvida de '' Estávamos mesmo lutando pelo que é certo?'' corroía o cérebro deles, eu consegui confundi-los o suficiente para duvidarem do único propósito de estarem lutando.


-Você acha que é culpa do ministro de seus amigos de unidade terem sido executados Akame?-A mesma caiu de joelhos no chão.-O que o povo gritava para vocês mesmo, quando chegavam de uma missão? Será que pode me dizer?


-..........''Matem esses imundos''..........-Disse ela de cabeça baixa.


-E quanto a você Mine?  O que o povo dizia pra você mesmo por ser mestiça?


-.......''Morra sua aberração''.......-Diz Mine apertando com força sua arma.


-Tatsumi, o que o povo que você tanto idolatra, e tanto protege fez para seus amigos quando chegaram aqui? Hm? Eles não fingiram que eles não existiam? Ahhh, e aquela bela e nobre garota que você julgava gentil? Foi ela que torturou e matou seus amigos não foi?


Um sorriso de vitória ficou estampado em meu rosto, ao ver que os 3 em completo desespero, eles não sabiam mais o que era certo ou errado, eles estavam perdidos, justamente o que eu queria.


-Entenderam agora?-Questionei sorridente.


-M-Mas, mas...-Diz Tatsumi tentando questionar, porém era tarde demais.


-Agora...Agora eu entendo.-Fala Akame se levantando, entretanto, a Akame bondosa, protetora e gentil que eu um dia todos conheceram,  se tornou a Akame fria,sádica e cruel que eu estava prestes a conhecer.


Bastava olhar para seus olhos que você entraria em desespero, graças a mim aqueles belos olhos agora passavam o sentimento que deveria se transmitir a muito tempo.


-De fato, Mark está certo, não temos que salvar as pessoas...Temos que faze-las pagar pelas coisas que fizeram conosco!-Exclama Mine, que certamente não era mais a mesma, olhando para ela eu sentia um sentimento maligno saindo dela.


-Do mesmo jeito...DO MESMO JEITO EU VOU PROTEGER ESSAS PESSOAS!-Grita Tatsumi.


Odeio quando alguém quer manter a esperança, sei bem o que fazer agora.


-Akame, faça as honras.-Dito isso, ela enfia sua espada no peito de Tatsumi sem remorso algum.


-A-Akame?...P...P-Porque?-Pergunta Tatsumi enquanto ia sendo tomado pelo veneno da espada de Akame.


-Aqueles que ficarem no meu caminho, são inimigos que devo eliminar.


Tudo que eu podia fazer ali era dar um sorriso de extremo orgulho, jamais pensei que fosse tão fácil usar o desespero para transformar uma pessoa. Depois de Tatsumi cair no chão sem vida, as duas se aproximaram de mim e se curvaram.


-Independente de quais sejam as ordens, se for para espalhar o desespero para as pessoas que um dia nos maltrataram, faremos com prazer.-Disse Akame com um sorriso assustador.


Naquele momento, meu plano de destruir o mundo havia se iniciado.


Flashback OFF


Isso tudo...Esse...Esse sou eu? Algum dia eu fui assim? Mas...Está errado...Isso está errado...O desespero me mostrou como o mundo deveria ser, ele me ensinou como as coisas devem ser... Não,isso está errado, tem que estar.Enquanto eu fiquei parado pensando nisso e refletindo um pouco, a criatura que antes se alimentava agora estava pronta para próxima refeição, no caso, eu. Por estar tão perplexo e pensativo, o monstro acertou meu peito sem dificuldade, e como esperado, eu senti uma enorme dor na região onde ele havia me arranhado, foi então que eu acordei e resolvi a situação cortando a cabeça dele com minha espada. Reparei que minha camisa estava só os trapos, então, tirei o que sobrou dela e larguei ela no chão. Foi quando uma sensação tomou conta do meu corpo, aquelas chamas, aquela destruição, todas aquelas pessoas sendo mortas uma a uma, todo aquele desespero, era algo...maravilhoso...Espera... NÃO, NÃO, NÃO. ISSO ESTÁ ERRADO, MUITO ERRADO, ESSE NÃO SOU EU!


-AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH.-Gritei de raiva chamando a atenção dos monstros que estavam nos arredores.-NÃO! NÃO! NÃO!!!!!!!!


Era igual aquela vez que eu estava sendo torturado, tinha um guerra na minha cabeça, de um lado o desespero, do outro a esperança, a esperança de me manter normal, a esperança de não voltar a pensar do mesmo jeito que antes, a esperança de não voltar a ser o que eu fui um dia. Foi então que finalmente eu senti, eu senti um sentimento se instalar no meu coração, senti ele dominar meu corpo, esse sentimento era...O medo. Eu fiquei paralisado, não sabia o que fazer, tudo ficou lento, tudo ficou silencioso, tudo que eu pude ouvir foi uma voz chamar por meu nome. A voz era suave, doce, era uma voz que eu conhecia, era uma voz que tocava meu coração, a voz então pediu para manter a calma e me recompor.Eu não sabia de onde ela vinha, eu apenas escutava ela com atenção até ela desaparecer de repente, foi então que o tempo voltou ao normal e eu pude ver a situação que estava. Não era hora de ficar refletindo nada, era meu dever exterminar aquelas criaturas e não ficar pensando, então fechei meus olhos, respirei fundo, e abri meus olhos novamente, conseguia ouvir os batimentos cardíacos das criaturas que pularam em minha direção, entretanto, rápido como um trovão, fui para as costas delas e cortei duas no meio com um golpe só, quando cheguei no chão fiquei aguardando alguma delas tentar se aproximar, porém, elas eram um pouco espertas e me cercaram ao invés de atacarem, ao que parece elas eram realmente leões, aguardam pacientemente sua presa se distrair e então...Atacam a criatura furtivamente deixando sua presa sem tempo de reagir, no centro da roda eu era a presa, mas estava tão focado que era como se eu estivesse observando tudo do alto, podia sentir tudo, podia sentir a respiração ofegante das criaturas, eu podia ver tudo mesmo sem olhar.


-EXCALIBUR!-Eu esqueci de adicionar a palavra Frio, mas não importa muito, o que importa é que usei a estratégia dos monstros de me cercar e fazer uma roda ao meu favor, segurando minha espada com as duas mãos, dei um giro que cortou precisamente e simetricamente todas as criaturas no meio, a magia se desfez logo depois disso.


Obviamente, a cidade estava longe de estar limpa daquela coisas, entretanto, estou disposto a terminar esse serviço. Um bom tempo se passou desde que começamos a ajudar no extermínio das criaturas, mas parecia não ter fim de jeito algum, definitivamente tinha algo errado. Foi quando uma pequena teoria veio em minha cabeça, seguindo novamente minha intuição me apressei para ir até a praça central do lugar, se é que tinha. Eu apenas segui um rastro de corpos que tinha por perto, afinal era estranho demais ter uma fila de corpos que pareciam estar organizados e levavam para algum local. No final daquela trilha de cadáveres eu comprovei minha teoria, tinha um portal aberto deixando aquelas coisas passarem para esse lado, um pouco perto do portal vi uma jovem mulher de cabelos dourados enfrentando ao que parecia ser o criador do portal, ela estava vestindo uma armadura brilhante junto com um vestido velho, porém elegante, tal vestido era semelhante a um vestido de baile, entretanto, esse era feito de pano azul à moda antiga, ao menos eu acho que seja isso. Admito que além de muito bela, era muito habilidosa também, já que eu podia sentir que a criatura chefe que ela enfrentava, tinha um nível de poder incrível, e do mesmo jeito ela estava lutando de igual pra igual contra o monstro. Mas era facilmente perceptível que ela ia perder em breve, bastava olhar seus ferimentos para saber, ela com certeza está lutando faz tempo também então acabaria perdendo por cansaço. Eu tinha duas escolhas, selar o portal de uma vez e torcer para a mulher não morrer, ou salva-la primeiro e selar o portal depois. Eu queria evitar um confronto direto contra aquele chefão, mas vendo as duas opções que tenho, o resultado seria o mesmo sendo assim...Parei de perder tempo analisando o que deveria fazer e decidi agir, segurei minha espada com força e dei uma investida feroz no monstro que por sua sorte, perdeu apenas o braço, claramente eu fiquei surpreso por não ter cortado ele ao meio e foi ai que eu vi, ele tinha uma espécie de armadura ou casco não sei descrever, tudo que eu sei é que aquilo havia defendido parte de meu ataque.


-Q-Quem é você?-Pergunta a loira surpresa.


-Isso você não precisa saber, apenas saia daqui rápido, eu assumo daqui.


Ao que parece ela preferiu não discutir e apenas obedeceu e deu o fora, agora era só eu e aquela coisa na minha frente.


-Reconheço esse cheiro de longe.-Comenta a criatura, admito que isso me deixou surpreso.


-Quer dizer que você sabe falar? Hmph, interessante.


-Esse cheiro...É o cheiro do desespero...


-Cala boca, vamos apenas terminar logo com isso.


-Ah entendo...Você é a criação suprema dos Drakons, admito que é minha primeira vez que vejo algo tão esplêndido, sinto-me honrado em lutar com você.


-Um Drakon até aceito você dizer, mas não diga que sou criação de porra nenhuma!-Digo irritado.


-Que seja, deixe-me corta-lo ao meio!


Mesmo ele estando sem um braço, ele conseguia lutar sem o outro perfeitamente era impressionante, pois ele usava uma lança como armamento e cá entre nós, deve ser bem difícil usar uma lança só com uma mão, mas ele não apresentava dificuldades. Sua velocidade nos golpes eram admiráveis, porém ele ataca sem estar se preocupando com as consequências, logo deixava a guarda baixa sem perceber, foi então que quando ele tentou acertar minha perna, eu ao invés de desviar como estava fazendo, decidi defender. Eu forçava minha espada contra sua lança e ele sua lança contra minha espada, mas ambos estávamos com o mesmo nível de força, o que deixava difícil saber quem era o vencedor.


-Espinho mortal!- Essa magia talvez seja familiar pra você, isso porque eu apenas troquei o gelo, por espinho mortal, caso você se lembra sabe muito bem o que essa magia faz, caso não, ela cria vários estalactites afiados que perfuram o inimigo, no caso do meu oponente, ele conseguiu recuar há tempo dando um salto pra trás.


-Vejo que você não será um desperdício de meu tempo então...-Ele abaixa a sua cabeça e fica encarando o chão, até que.-CRATERA DESÉRTICA!-O chão então começou a estremecer, era semelhante há um terremoto, porém paredes estavam se formando em volta de nós, quando o tremor parou eu olhei ao meu redor e vi paredes com mais ou menos 20 metros de altura.Agora o local que nós lutávamos era igual a um coliseu, só que com paredes gigantes.


Outro problema era que ele tinha prendido o portal do lado de dentro, ou seja, criaturas iriam sair daquele portal e iriam vir me atacar, por um lado isso é bom já que elas vão parar de se espalhar por ai, porém pra mim... Tirando essa parte de lado, estou agora curioso para saber como uma criatura é capaz de usar magia, digo, ela não deveria ser usada apenas por humanos? Como essa coisa aprendeu magia? Ai ai, odeio quando mais dúvidas aparecem, mas quer saber, foda-se, isso não importa. O que realmente importa é que tenho que lidar com esse monstro e fechar o portal, apenas isso.


-Curioso para saber como sei magia?-Comenta ele me tirando dos meus pensamentos.


-Sabe ler mentes também por acaso?


-Não, é que seu cheiro mudou de repente.


-Cheiro? Bom, pouco me importa, vou ser breve com isso.


-VENHA!!!


Com isso ele ficou me esperando atacar, obviamente eu estava encrencado logo que vi algumas daquelas criaturas se aproximando de mim e ficando ao lado dele, certamente não vai ser uma luta fácil. Desespero...Eu não vou me render há você, ainda não...


Pov's Mark OFF

 

 


Notas Finais


Muito obrigado por ter lido
Espero que tenha gostado :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...