História MULHERES VINGATIVAS- Livro 1: Está com você! - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 42
Palavras 1.185
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 33 - Socorro


Paola estava em seu quarto, quando ouviu o porta bater em um estrondo alto. Seu pai havia voltado e pelos gritos que vinham da sala, ele não estava nada feliz.

_Jonas, por favor. - Laura se pôs na frente do marido - Ela não fez por mal.

_Sai da minha frente. - disse entredentes - Vou ensina-la a não me desobedecer.

Jonas estava realmente irritado e disposto a dar uma lição na filha. O que deixava Laura mais aflita, era o fato de que Jonas nunca havia levantado a mão para a filha, mas ele estava fora de si e ela conhecia bem aquele olhar, já tinha sentido na pele o que Jonas era capaz, não queria que a filha sentisse o mesmo.

_Que gritaria é essa? - Paola apareceu no corredor, deixando Jonas ainda mais nervoso.

Ele empurrou Laura para longe, e em dois passos, alcançou Paola.

Ao contrário do esperado, a menina não tinha o olhar assustado da mãe, pelo contrário, havia um brilho diferente neles, o que para Jonas foi como uma ofensa.

_Ligou para a polícia. - ele acusou - Preveniu aquela vadia. Qual é o seu problema?

Laura ainda estava no chão, e encarava a cena com o coração apertado. Paola era uma menina destemida e até um tanto arrogante, mas ela não teria chances contra a fúria de Jonas.

_Devia me agradecer. - ela respondeu - Eu te livrei de cometer a maior burrada da sua vida.

_Eu só quero o que é meu.

_Não pai, você quer matar aquela mulher. - disse, endurecendo ainda mais o pai - Eu não quero um pai assassino, só quis...

Antes que ela terminasse a frase, Jonas lhe acertou um forte tapa no rosto.

Paola cambaleou com a força do tapa, mas logo conseguiu se equilibrar. Ela não estava surpresa, já que não era o primeiro tapa que recebia do pai, mas havia sido o mais forte.

_Eu sou o seu pai. - falou, puxando a menina pelos cabelos - E você tem que me obedecer.

Em momento algum Paola reclamou, ou se queixou da agressão do pai. Na verdade, ela já esperava por algo parecido. Fazia tempo que Jonas estava diferente, agressivo, ela notou a mudança em seu comportamento e sabia que o ato de alertar Diana, lhe traria consequências.

Jonas sacudiu a filha e a jogou contra a parede.

Ela sentiu as costas bater contra a parede, e a dor não demorou a aparecer.

Laura se levantou e entrou na frente de Jonas, tentando dar fim aquela barbaridade.

_Para com isso. - gritou - Ela é sua filha.

Jonas deu um soco na mulher, fazendo ela gemer de dor.

_Será que é? - disse, raivoso - Você já fudeu com metade da cidade, como vou saber que ela é minha?

Laura estava pronta para responder, mas foi interrompida por um novo soco, dessa vez na altura do supercílio.

_Estou cercado de vadias. - ele gritou, sem parar com os socos - E vou acabar com todas vocês.

O rosto de Laura sangrava e ela logo caiu no chão. A aparência da esposa, não foi suficiente para deter Jonas, pois ele continuou a deferir pontapés para cima dela.

Os golpes eram fortes, e Laura sentia o corpo protestar em dor, mas não reclamou. Ela suportou a dor, a surra que recebia, tudo para que Jonas não desviasse a atenção para Paola, pois se estava difícil para ela, seria ainda pior para a filha.

_Para! - Paola pediu, chorando - Vai matar a mamãe, para.

Jonas olhou para ela e sorriu,  satisfeito em ver o medo no olhar da menina. Fazia tempo que ele não se sentia tão enfurecido, a última vez que havia se libertado daquela maneira, foi na noite em que matou Susan. Desde então, o ódio estava acumulado nele e aquele era um ótimo momento para libertá-lo.

_Fica quietinha. - ordenou - Sua hora vai chegar.

Paola se encolheu no canto, enquanto chorava e gritava vendo o pai agredir a mãe, sem poder fazer nada.

Jonas não se dava por satisfeito, queria mais e mais, porém foi obrigado a parar quando viu Paola abrir a porta e correr pelo corredor.

Ele foi atrás dela e não demorou para alcançá-la.

Jonas agarrou os cabelos da filha e a arrastou de volta para o apartamento, se lembrando de trancar a porta dessa vez.

Ele jogou a menina contra a mesa da centro, fazendo o móvel se quebrar sob o peso dela.

_Por favor, pai. - implorou - Não faz isso.

Jonas riu e pôs o pé sobre o corpo da filha, empurrando-a contra os cacos da mesa e sorrindo com os gemidos de dor.

_Dói né? - debochou - Essa dor era dela, era pra ela estar no seu lugar. Mas você a salvou chamando a polícia.

Ele puxou Paola, dessa vez pelos braços, a colocando de pé. Suas mãos agarraram com força o queixo dela, mantendo seu rosto imóvel.

_Está vendo isso. - ele virou o rosto dela na direção da mãe - A culpa disso, é toda sua. Você quis salvá-la.

De uma hora para a outra, Paola foi tomada por uma raiva imensa. Raiva do destino que colocou Diana em suas vidas, raiva de Nicolas por ter chamado a polícia, de si mesma por ter avisado... E principalmente, raiva do pai por ser um monstro sem coração.

Tomada por essa onde de ódio, Paola encontrou forças para empurrar o pai, que foi pego de surpresa, e correr para o quarto. Ela aproveitou a confusão de Jonas, já que ele não esperava ser enfrentado, e se trancou no quarto.

Logo aquilo passaria, e Jonas ficaria duas vezes mais irritado. Ela precisava arrumar um jeito de pedir ajuda.

_Socorro! - gritou pela janela - Alguém ajuda.

As pessoas que passavam pela rua, olhavam para ela com um olhar esquisito e seguiam seus caminhos, como se ninguém a levasse a sério.

Não demorou para Jonas se recuperar da surpresa, e começar a socar a porta.

_É melhor você abrir essa porta. - ele ameaçou - Ou juro que te mato.

Antes de entrar em desespero, Paola enxergou o telefone em cima da cama e não pensou duas vezes antes de pedir ajuda.

Ligar para a polícia parecia ser a coisa mais inteligente a se fazer, mas ela estava nervosa e com as mãos trêmulas. Jonas tentava arrombar a porta, ela não teria tempo de explicar tudo a polícia, então ela ligou para o primeiro número em sua lista de chamadas.

_Por favor, me ajuda. - implorou assim que a chamada foi atendida - Ele vai nos matar.

_Calma, explica o que está acontecendo. - a voz pediu do outro lado.

_Meu pai...

Nesse momento, a porta se abriu com certa violência e Jonas entrou no quarto trazendo sua arma na mão.

_Acabou a brincadeira. - falou, se aproximando dela.

_Me ajuda, ele vai nos matar. - disse antes de ser arrastada para fora do quarto.

_Paola? - a voz chamou - Paola o que está acontecendo? Paola me responde...

Mas nada podia ser ouvido, a não ser os gritos vindo da sala. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...