História Multiversal - Planeta Solabun - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 11
Palavras 798
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mecha, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Diário Rebelde - capítulo 1:
" Aqui é Camille Luna, reportando como mais nova recruta rebelde. Recentemente, formamos uma estratégia devido ao atentado de Rylliak Damon, o Ex - Imperador de Bakuni X. Ele recrutou várias pessoas, inclusive eu, para atacar o planeta Ariotsu a fim de conseguir pôr as mãos em Maya Bloom. Felizmente, eu enxerguei a verdade e conseguimos vencê - lo após uma tentativa. Como gratidão, eles me deixaram ser uma recruta para pilotagem, que é a minha segunda paixão. Espero que tudo dê certo!"

Capítulo 2 - Flex e seu chapéu



Galáxia Multiversal, perto do planeta Solabun.


Um pequeno corpo em um traje vaga pelo espaço vasto. Esse corpo é de Zoë Patruni, que caiu da nave no último segundo. Ela tenta pegar o rádio:
- Droga... de mãos grandes... não consigo, ufa, consegui!
Ela pega,coloca o rádio dentro do traje e liga:
- Alô? Konst? Algu...
Uma sombra enorme e magra aparece no vidro. Ela olha calmamente para trás, e avista uma garra gigante e comprida, que a segura firmemente logo em seguida.
- Se afaste! Zoë pega a pistola de vazer e atira sem hesitar. Porém, não causa nenhum efeito.
~ o quê?! Ela resistiu ao raio vazer? QUE COISA É ESSA? ~
- ME SOLTA! EU PRECISO VOLTAR PRA ELES! ME SOLTA, SUA COBRA AMBULANTE! QUE DRO...
Ela desmaia antes de completar a frase quando alguma coisa dentro da garra expele um gás venenoso dentro de sua roupa, e é levada para um lugar desconhecido.
Casa do Flex, planeta Solabun


- Quer dizer que vocês são rebeldes? O brilho por baixo dos óculos escuros dele chegam a ser visíveis.
- Sim, somos. Konst pega uma xícara de chá e bebe lentamente.
- Sempre achei que vocês eram todos fortões e grandes.
- Bom... o Absirto aqui é, certo? Então você não está totalmente errado. Arabelle sorri para Absirto, que fica extremamente vermelho.
~ ela... ela me chamou de forte! E bonito! Quem eu sou para merecer um elogio desses... dela? ~
- Eu... já volto! Ele sai correndo para o banheiro, deixando todos confusos. 
- Am... desculpe, senhor Flex... mas de onde vem esse chapéu? Byper pergunta, receoso de que suas suspeitas estariam certas.
- Ah, sim... bem, acho que vocês reconheceriam de um jeito ou de outro. Eu ganhei esse chapéu quando estava deixando o planeta. Um homem veio até mim, todo coberto, e me deu esse chapéu dizendo que se eu gostasse, que levasse, pois ele tinha outros em casa.
- Você sabe quem era esse homem? Byper tem lembranças do momento que ele citou.
- Sim... depois descobri que aquele homem era o líder do movimento rebelde, que depois foi se tornar uma comunidade. Jackie Bones Jr. , o Homem que Desafia a Morte.
Byper e Konstantinos pulam das cadeiras e Arabelle se engasga com chá. Maya simplesmente continua sentada, indiferente ao nome:
- Quem é esse, tiozão robô?
- Não sou um robô. Sou um ciborgue.
- Mesma coisa! 
- COMO você conseguiu guardar alguma coisa desse cara?! Deixa eu pegar para... Arabelle estende a mão, parando logo em seguida com um braço - canhão apontado para sua cara.
- Não encostem um dedo no meu chapéu. Ele é meu, e o dono dele é meu ídolo. Eu... não sei o que aconteceria comigo se o perdesse ou alguém roubasse ou rasgasse.
- Mas, Flex, nós não vamos...
- Eu sei! Vocês parecem boas pessoas, apesar de eu ter lhes conhecido há uma hora e 25 minutos. Não importa quem seja, eu... não posso...
- Ok, ok, entendemos. Konst, Byper e Arabelle se sentam alarmados. Maya dá uma risadinha boba e cruza os braços:
- Isso tudo não é só por causa do tio velho, né? Eu sei que tem outra coisa...
- ... não. Não é só por causa dele. Acho que posso contar a vocês. Eu... minha família... depositamos a nossa esperança nesse chapéu também, e... todos foram mortos.
- HÃ? POR QUEM? Todos se chocam ao ouvir aquilo.
- ... um assassino egoísta. Seville Bates.
Asteróide 115, galáxia Multiversal.
Zoë acorda com um cobertor sobre si, e deitada em uma cama de uma casa desconhecida. Ali tinha oxigênio puro, então devia estar em um planeta, até olhar o vácuo do espaço lá fora.
- Que diabos é esse lugar?
- Ei, você acordou. Se sente bem?
 Um vozeirão a alerta, e ela tenta pegar suas navalhas.
- Não vai achá - las aí. Guardei todas.
- O que quer de mim? Ela fala para um homem alto no meio das sombras de uma porta. 
- Não irei te machucar, garota. Eu que te salvei com a minha Maxine.
- Aquilo... era para me salvar? estava era me espremendo! E quem é você, velho? Minhas costas doem...
- Eu? Não sou ninguém especial. Você é do Exército Rebelde, certo?
- Sim, sou.
- Que bom, não queria ser ameaçado na minha própria casa. Mas você com certeza está me procurando também. Todos estão. Ele dá um passo para a luz inexplicável que vem da janela. Zoë quase cai da cama ao reconhecer o rosto que ela vem pesquisando tanto, apenas com um pouco mais de barba. E aqueles olhos... são iguais ao de Maya.
- Você...
- Meu nome é Hysterium Bloom. Prazer em conhecê - la.
Fim do capítulo.
 


Notas Finais


Bem, decidi que vou informar a idade de alguns dos nossos amigos e quanto equivale a idades humanas.
Zoë: 117 anos ( 29 anos )
Konst: 123 anos ( 30 anos )
Arabelle: 117 anos ( 29 anos )
Absirto: 118 anos (29 anos )
Byper: 200 anos ( não importa porque ele é um robô )
Flex: 141 anos ( 35 anos )
Maya: 80 anos ( Maya vive muito mais do que qualquer um aqui )

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...