História Multiversal - Planeta Solabun - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 1.423
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mecha, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Diário Rebelde - capítulo 5:
" Aqui é Luna novamente. Pelo jeito, alguém escreveu no meu diário. Mas enfim, eu conheci duas pessoas novas aqui: Alexander Belric e Lola Belric, irmãos gêmeos. Alexander parece ser legal, apesar de treinar bastante por 13 horas seguidas. Lola gosta de conversar, mas só comigo! Ela é bem tímida até com o irmão. Parece que eles vieram do Bairro de Maulin, no Oeste daqui. São bem legais, os dois, mas eu tenho medo de que eles levem o treinamento para pilotagem muito a sério. Naves são coisas bastante perigosas, sabem? Desculpe, tenho que começar minha rotina de ginástica agora. Fui! "

Capítulo 6 - A cidade aérea



Nave do Damon, Galáxia Multiversal


Kira come um prato de fondue sentada em uma poltrona enquanto observa a paisagem do painel de frente:
- Que tédio. Nem um ladrãozinho pra matar.
- Tem uma ladrazinha que eu quero matar. Aquela vaca da Luna, sabem? Botando tudo a perder. E onde foi parar o Kuasimodo? Selene descansa na escada.
- Por falar nisso, quando aquela sua amiga sorridente volta? Birth afia a espada.
- Ardelis? Ela é uma doida de pedra, entra em qualquer buraco e volta depois de alguns dias. Sabe -se lá o que ela faz.
- Tenho medo de que sua amiga possa estar conspirando contra nós, assim como a Luna.
- O quê?! Ela, gente? A Delis? Ela é tão avoada, tenho certeza que não pensaria desse jeito. E eu acho que você se mete demais na vida dos outros, espadachim de araque.
- Quer encarar?
- Chega, vocês dois. Damon, quanto falta para chegarmos em Solabun? Kira dá um bocejo.
- Não muito, mais uma hora, pelo menos. Tentem contatar Kuasimodo Kroll, ele é uma peça muito importante nisso tudo.
- Sim. Ela se levanta e deixa os outros dois sozinhos. Ao sair da sala, Selene vira para o Ex - Imperador:
- Escuta, podemos por favor voltar e matar aquela traidorazinha?
- Não. Agora não, Selene. Eu preciso dela para algo bem importante. Isso vai atingi - la, por bem ou por mal, e ela vai ser forçada a voltar rastejando pra mim.
- Humilhação. Gosto disso.
- Escutem, é impressão minha ou estou vendo uma casa naquele asteroide?
Damon e Selene se inclinam para onde Birth aponta, e avistam uma silhueta bem parecida com uma casa, no asteroide 115 contado a partir de Bakuni X.
- ... pior que tem mesmo.
- Operários, alterem a rota agora! Virem para bombordo às 10 horas e sigam direto. Também ativem o modo camuflado! Quem sabe lá tenha algo de interessante, não é mesmo?
 Planeta Solabun, meio da estrada


- " Cidade Balão "? Konstantinos pergunta ao escutar o termo em uma conversa entre Flex e Absirto. O flying - car vai voando suavemente pela rodovia, sem nenhum trânsito a essa hora.
- Sim, isso mesmo. A leste daqui tem uma cidade flutuante, levantada por um balão com grande pressão de ar quente. Lá existem vários resfriadores nas ruas para a cidade não pegar fogo, então é bem frio. Por ser uma cidade aérea, é uma das melhores mecânicas e construtoras de naves e carros e motos flying.
- Parece incrível! Byper arregala os olhos de ansiedade.
- Parece divertido. Maya fala do banco de trás enquanto come o almoço junto com Arabelle.
- E o que fica a Oeste?
- Uma cidade em construção. Não é flutuante, mas ouvi dizer que vão construir ela embaixo da camada superficial do solo. Vai ser uma trabalheira. Olhem, estamos chegando perto dela, já dá para ver atrás das nuvens.
- EU ESTOU VENDO, KONST! PARECE O PARAÍSO! Byper voa até as nuvens e avista a cidade.
- Ei, não estraga a surpresa! Arabelle diz com a boca cheia de bolinho de polvo.
- Subindo! Flex move a marcha ainda mais para a frente e acelera, deixando todos assustados. De repente, ele aperta um botão laranja na frente do painel do carro.
- O que isso fAAAAAAAAAAAAAAAA..... eles começam a voar com o impulso das turbinas traseiras, alcançando as nuvens e vendo ainda mais de perto a cidade.
- É enorme. Imagina o balão que segura.
- Estamos chegando em 3, 2... UM!!!
Eles ultrapassam o nível das nuvens e avistam uma metrópole de 153 quilômetros quadrados de extensão, apoiada em uma base de chumbo puro e segurada por um balão de ar quente bem maior. A cidade é recheada de prédios, inclusive um bem grande com várias camadas, assim como um bolo, terminando em uma torre com uma vela do tamanho de uma casa acesa no topo.
- QUE LINDA! Arabelle fala e acaba se engasgando com o bolinho, sendo acudida por Absirto, que fica vermelho ao segurar ela.
- Incrível! Uma revolução nas leis da física! Konstantinos segura o boné azul que trouxe para não sair voando, e seus óculos ficam embaçados com a água das nuvens. Byper e Maya se olham:
- Quer dar uma volta?
- Claro, olha só essa brisa!!! Maya parece até mais crescida agora, Konstantinos nota. Byper coloca ela nos ombros e pula do carro. Flex se assusta, mas logo se tranquiliza ao ver o pequeno robô voando livremente com ela nas costas.
- Bem vindos à Ville Ciel, a Cidade - Balão. Diz uma voz feminina de algum lugar nas nuvens quando eles chegam perto do porto de naves. Algumas naves também chegam: algumas grandes, outras menorezinhas, e tinha um cruzeiro aéreo, bem maior que o carro de Flex. O ciborgue tem algumas lembranças de ter andado em um cruzeiro daqueles. O nome do cruzeiro era o mesmo daquele: Croisière Air. Eles estacionam na vaga 115 e Byper chega logo atrás após várias pessoas no cruzeiro terem tirado fotos dele.
- Não chegue assim se mostrando. Arabelle puxa a orelha dele. Embora ele não sinta dor, ainda não gosta disso.
- Eu sei, eu sei! Me solta, sua chata.
- Bem, Belle, temos que ir até um aluguel de naves. Nos despedimos aqui, gente. Konstantinos e Arabelle cumprimentam todos:
- Cuida bem deles, Flex. Até!
- Tchau! Maya acena animada. Ok, aonde vamos agora? Os dois tutores já vão se distanciando enquanto conversam. Flex tranca o carro e olha para Absirto:
- Am...
- Estão com fome? Podemos ir a uma lanchonete. Sabe onde fica um lugar bom para comer, Flex?
- Ah... tem o Delaine's. É bem temático e tem um parque. É o melhor que eu já fui.
- Bem, então vamos! Os quatro saem andando pela rua animados, Flex olhando para os lados. O cruzeiro desce a ponte para os passageiros descerem.
Casa de Hysterium, Asteroide 115, galáxia Multiversal.


Zoë sobe em cima do mastro do telescópio e fica observando as estrelas. Dessa vez, ela veste um agasalho verde claro com uma rosquinha fofa estampada, um jeans preto e chinelos de praia verdes também. Ela bebe um gole de chocolate quente.
- Que estranho. Jurava ter visto uma nave ali agora a pouco. Deve ter sido reflexo de algo.
- Ei, Zoë! Você já chamou seus amigos, certo? Ardelis grita lá de baixo, lavando as roupas da recém - chegada.
- Sim, chamei! Isso é algum problema?
- Não, não mesmo. Não tenho mais nenhum interesse em agredir vocês, só para deixar claro.
- Que bom, Ardelis. Assim posso confiar em você!
As duas sorriem uma para a outra, e Ardelis vê seu pai mexendo na espada dentro de um quarto. Ele parece bem tentado. Parece que vai...
- Ei, pai! PAI! Ela corre para dentro de casa, assustando Zoë, e sai de casa puxando o pai com todas as forças, agarrado à espada. A tutora pula do mastro e cai em pé, ajudando Ardelis. Hysterium parecia em transe e violento.
- O que houve com ele?!
- Não sei, ele estava analisando a espada e, de repente, alguma coisa o deixou assim! Estava prestes a partir minha cama em dois! Ela vai segurar a espada pela lâmina, e acaba escorregando e levando um corte feio de Hysterium do torso ao ombro esquerdo. Ela grita de dor e cai no chão segurando o braço. Zoë percebe que ele realmente não sabia o que estava fazendo, e o imobiliza rapidamente.
- Senhor Bloom, o que aconteceu com você? De repente, você fica louco e atacou a sua filha? ARDELIS, VOCÊ ESTÁ BEM? Ela pula, já tendo amarrado as mãos dele e tirado a espada delas, e vai checar Ardelis.
- Estou bem... Zoë, você tem que tomar cuidado com essa... espada. Olha só o que ela fez com meu pai!
Hysterium volta a si depois de um tempo, e vê Ardelis ferida no chão. Em seguida olha para a espada:
- ARDELIS! O QUE EU FIZ COM VOCÊ?! O QUE ACONTECEU COMI --
Uma grande rajada de vento interrompe a fala dele, e alguma coisa fez um estrondo enorme na lateral da casa. Zoë corre até lá, e cai no chão, assustada.
- Não pode... ser...
- Quem diria que nos encontraríamos de novo em um lugar tão inesperado, hein, tutora? Selene pega suas adagas e começa a descer da gigante nave de ouro que acabara de pousar bem ali.
Fim do capítulo.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...