História Mundo dos Dragões Interativa - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Caverna do Dragão
Personagens Personagens Originais
Exibições 27
Palavras 1.636
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bem, esse capítulo ficou pequeno (acho que ficou pequeno) porque só tive mais uma ficha nova e não queria muito deixar um capítulo novo demorar tanto pra sair, então fiz um capítulo para introduzir coisas que serão importantes pro futuro da fic.
Então espero que gostem e ainda tem fichas abertas ^-^

Capítulo 3 - Mistérios de Luxan


Praça Central de Luxan. Algo em torno de duas da tarde. Estava ocorrendo uma pequena feira, onde tudo o que se via eram apenas frutas, legumes e vegetais. Isso talvez não fosse tão incomum, mas a maioria dos alimentos eram frutas (por isto a cidade era conhecida por “Cidade das Frutas”). Mas talvez isto não fosse o mais estranho; e sim por que todos os habitantes de Luxan eram animais humanóides. Sim, pessoas animais. E todos eram do tipo herbívoro ou onívoro, mas nenhum apenas carnívoro. Acredito que o Salvador não havia dito isso aos jovens, mas Luxan era uma cidade onde seus habitantes não eram humanos. Bem, isso são “apenas” detalhes insignificantes.

Para Steven não era. Podia-se dizer que ele estava calmo por fora, mas apavorado por dentro. Seus olhos transmitiam isso.

Sim, melhor explicar quem ele é. Steve Excelsior. Um rapaz de seus 17 anos, de pele e cabelos brancos, olhos avermelhados, 1,78 de altura e de corpo magro mas também definido. Possuía uns traços mais delicados, como boca fina e nariz pequeno. Se não fosse por sua altura, com certeza seria confundido com uma criança. E sua franja cobria totalmente sua testa, lhe dando um ar mais jovem. Estava usando um sobretudo de gola alta castanho com uma pequena parte preta sobre o ombro direito; o sobretudo era aberto desde o meio do peito até o fim, deixando sua blusa escura visível. Usava calças negras com um cinto e botas marrons até os joelhos. Em sua mão, empunhava uma espada feita toda de ouro. E quando digo toda, é toda mesma. Até seu cabo era de ouro puro. Tinha uma aparência de espada medieval comum, se não fosse toda dourada e que parecia ser muito especial, a chamada espada de Ouro.

Steven estava meio confuso com tudo o que estava acontecendo. Tinha acordado deitado em um banco de madeira com aquelas roupas e aquela espada na mão naquela cidade bizarra. Mas os seus habitantes animais não o olhavam estranho, na verdade, sorriam para si e alguns até perguntavam se ele não queria comprar alguma coisa, e neste caso, Steve dizia que não e fugia dali. E estava conseguindo fugir das criaturas, até que, em um momento de descuido seu, esbarrou em alguém e acabou caindo sentado no chão. Ao olhar em quem havia esbarrado, percebeu que era um macaco que fazia uma cara meio engraçada e levemente incomodado por terem batido nele, parecia mais um bêbado que acabara de sair do bar.

- Ô muleque, cê tá bem? –Até mesmo sua voz deixava evidente sua embriaguez. Steve achou curioso, nunca vira um macaco bêbado antes, ou melhor, nunca vira um macaco humano, bêbado e falante antes. É, hoje o dia estava incomum. – Ei, você é surdo ou o que? Eu perguntei se você está bem. – Apesar de seu jeito, ele estendeu a mão para Steve para ajudá-lo a levantar. Mesmo que não achasse uma boa idéia, não recusou a ajuda; ele não sabia se recusar grosseiramente a ajuda de um macaco monstro seria uma boa idéia.

- Eu estou bem...obrigado. – Desviou o olhar para qualquer canto, não queria muito olhar para o macaco, mas era difícil. Até que ele parecia ser simpático, mas um pouco arrogante.

O macaco usava uma roupa bem estilo japonês, com um kimono azul esverdeado com uma faixa preta na cintura e com outra camada preta por baixo, uma calça azul também, mas de cor mais escura, meias de dois dedos da mesma cor da calça, algo parecido com um manto cinza e florido nas costas e uma katana de bainha preta na mão. Ele era um macaco de cor castanho escuro com alguns pelos cinzas, como o da barbicha no queixo e nas sobrancelhas.

- Eu me chamo Tozuko, prazer em te conhecer garoto. E você, qual seu nome? – Lhe estendeu a mão para um aperto, na qual Steve não recusou e á apertou firme.

- Steve...prazer em te conhecer também Tozuko. – Sua voz era meio baixa e como se não quisesse papo por ter medo.

- Então garoto, é sua primeira vez aqui em Luxan? Pelo visto sim, já que está correndo por aí como se alguém fosse te devorar. Esquenta não, ninguém aqui come carne de humano. E também, para os que comem carne, somos proibidos de consumir, só podemos comer frutas e legumes, então hoje você não vira jantar de ninguém. – Soltou uma gargalhada gostosa e deu uns tapas meio fortes nas costas do rapaz. Steve o olhava de cima, já que Tokuzo era bem mais baixo do que ele, como se tivesse quase 1,70 , mas talvez fosse pelo fato dele ser um macaco e andar curvado, pois com certeza se ficasse ereto, ficaria mais alto que Steve.

- Senhor Tokuzo...como eu faço para sair daqui? Digo, sair da cidade? Eu...tenho que ir para outro lugar e acabei perdido aqui. – Deu sua melhor desculpa para fugir do macaco, que não parecia prestar atenção em seu jeito meio assustado e irritado de estar ali.

- Certo cara... – Coçou sua barbicha e olhou para os lados, procurando um ponto de referência. – Ali, seguindo aquela barraca de batatas onde tem aqueles javalis. – Apontou para a tal barraca com dois javalis, sendo um pai e o outro filho, ambos de pelagem ruiva. – Depois daquela barraca, você vai chegar em uma parte aberta da cidade sem muita coisa, com uns bancos de tronco de árvore. É só seguir por uma linha de pedras azuis que tem no chão que você chega na ponte. Depois disso, é só atravessar a ponte que pronto, saiu de Luxan.

- Obrigado pela informação senhor Tokuzo. Tchau. – Não perdeu tempo e saiu correndo. Queria sair daquela cidade o mais rápido possível.

Por não ter olhado para trás, não pode ver as lágrimas de tristeza de Tokuzo. Seus olhos transbordavam desespero e uma culpa enorme. Deu as costas para o rapaz e andou até um beco, onde uma mulher misteriosa estava encostada com um sorriso tenebroso no rosto. Ela possuía uma aparência jovem, mas ao mesmo tempo muito madura e assustadora, tinha uma aura maligna em sua volta. Seus olhos eram completamente diferentes de qualquer outro, pois suas íris eram muito parecidas com um yin yang roxo e rosa, sendo, na verdade, uma característica distintiva que toma a forma de dois ferrões de escorpião, que juntos formam um círculo completo nos olhos. Continuando com este motivo, o seu padrão floral ou lenço na cabeça coberta de cabelo é arranjado em uma trança frouxa longa que termina em forma de ferrão de escorpião, através do uso de um arco apropriadamente ligado, um aspecto que ainda é acompanhado por um brinco ornamental pendurado em sua orelha direita.

Ela usava um chapéu comum cor creme com uma faixa vermelha e um broche em forma de ferrão roxo do lado esquerdo. Também usava uma blusa de mangas até os cotovelos de botão com um laço azul escuro, uma saia vermelha rodada até os joelhos com um cinto alto, meias brancas curtas e sapatos simples castanhos. Ela parecia muito com uma comerciante ou uma viajante comum, pois o que ela menos queria era ficar destacada entre os outros. Seu nome é Miss Scorpion, uma das chamadas “Grandes Bruxas da Rainha”, um grupo pequeno feminino de informantes e espiãs da rainha da nova família real, Yunber Hyanmek. Ao ver que seu “brinquedinho” havia voltado para perto de si, Miss S. deu um sorriso “amigável” e bateu palminhas discretas e baixas, ela não queria que ninguém soubesse sobre eles.

- Fez um belíssimo trabalho senhor Tokuzo. Foi muito útil em encontrar o garoto da espada de ouro e implantar nele um de meus bebês. – Ela parabenizou o macaco, mas ironizava ao mesmo tempo; e seu bebê na verdade era um pequeno escorpião mutante, criação dela mesma.

- Eu fiz como me mandou Miss Scorpion então...por favor...deixe-me ver minha mulher e filhos. – Suas lágrimas ameaçavam voltar, mas já seria muita humilhação chorar na frente daquela bruxa.

- Claro, pode ir. – A mesma sorriu novamente e abriu a porta que estava atrás dela, onde Tokuzo correu para ver sua  família mas...

Tudo o que viu foram cinco corpos mortos sentados á mesa com poses bonitas e ao mesmo tempo medonhas. Cada um tinha um enorme escorpião sob suas costas com seus ferrões em suas nucas que já tinham sangue seco em grande quantidade. Tokuzo, neste momento, não sabia se chorava, vomitava ou tentava esmurrar a cara de Miss S.

- Você fez um ótimo trabalho, mas não preciso mais de você. – Antes mesmo que ele pudesse olhar para ela, sentiu ser perfurado profundamente por alto pontudo, que era na verdade o cabelo da mulher, que havia crescido e literalmente lhe ferroado na base da coluna, que fez com que Tokuzo desse um último suspiro antes de cair morto no chão. Retirou seu cabelo/ferrão do macaco e o limpou com um pano.

- Meus bebês, limpem essa bagunça sim? Não quero que ninguém encontre esses macacos imundos. – ela ordenou e de dentro das paredes saíram inúmeros escorpiões, que carregaram os 6 corpos primatas e os levaram para o porão da casa. Ao mesmo tempo, Miss Scorpion saiu da residência e seguiu para a floresta, desaparecendo em poucos segundos. – Então, já temos 6 dos 12 novos “salvadores” do reino aqui em Luxan...Então, se eu matá-los agora, serei promovida mais rápido e me tornar líder das bruxas. Kufufu...será interessante ver aquele garoto Steve ser o causador de sua morte e dos outros pirralhos...Nem mesmo o Salvador irá poder ajudá-los nesta hora.

Steve estava correndo para a ponte quando avistou as 5 pessoas que ele reconheceu estarem no brinquedo quando todos foram parar lá. Ele nem havia percebido o pequeno escorpião em seu bolso da calça, apenas esperando pelo momento certo para atacar ás ordens de sua mãe. 


Notas Finais


Bem, é isso. Espero que tenham gostado e tentarei postar o mais breve possível, tendo mais fichas ou não. Se tiver mais fichas, vou enrolar um pouco na trama e apresentar os personagens; se não tiver, mostro um pouco mais desse grupo de "bruxas" e um pouco mais do que eles vão passar na cidade de Luxan contra a Miss Scorpion ^-^
Aqui estão os personagens dos capítulos mais recentes que ainda não havia postado: https://spiritfanfics.com/perfil/fairy-meow-meow/jornal/personagens--capitulos-2-e-3-7271041
Caso as aparências não fiquem claras, é só perguntar (ou se o jornal não ficou bom).
Kissus *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...