História Mundo sem volta - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rebelde (RBD)
Exibições 15
Palavras 1.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"A tristeza faz parte do nosso ser único e interior" Boa leitura e se preparem para novos tormentos.

Capítulo 12 - Blood...


Fanfic / Fanfiction Mundo sem volta - Capítulo 12 - Blood...

Fico olhando para Gastão que começa ficar roxo como uma uva, e olha para mim que fico o encarando ainda mais.

_P-o-r, f-a-v-o-...- diz ele sem voz.

_Para com isso Christopher agora.- diz Alfonso.

_Eu vou matar ele agora mesmo.- diz Christopher.

_É a última vez que eu vou pedir, solta ele agora.- diz Alfonso seriamente mas percebendo que ele não vai parar ou soltar o pescoço dele, ele lhe dá um soco no rosto que faz com que ele solte e quase esbarre na parede do quarto.

_Você está louco?! você não ouviu o que acabou de falar?- diz Christopher com raiva- ele está julgando a ela e também a você e não pode ficar sem nenhuma punição!

_Nós não somos polícias e muito menos justiceiros.- diz Alfonso- sei que esse idiota merece apanhar bastante por cada merda que ele fala, porém não podemos fazer nada, e se fizermos vamos cometer erros.

_A que saber?, eu não vou mais me preocupar com alguém que não se preocupa comigo.- diz Christopher enquanto Gastão ainda toma fôlego.

_Eu tentei te ajudar nos últimos minutos!- diz Any gritando- eu poderia ter te deixado morrer, mas não, eu tentei te ajudar.

_Como se fosse da sua ajuda que eu precisasse...- diz Christopher se afastando de todos nós.- você realmente não é a melhor pessoa desse mundo, eu posso ficar bem sem você.

_Tá ok, faça o que for melhor para você.- diz Anahí em uma pilha de nervos.- eu não sou ninguém.

_Sim, você é alguém aqui nesse lugar princesinha.- diz Dulce que se manteve calada até agora.

Olho para ela e vejo que ela está distante em seus pensamentos, mas não posso ver entre ela e eu a possibilidade de uma futura amizade, também é um pouco que cedo para pensar em um futuro, tanto dentro quanto fora daqui desse treinamento, todos estão me olhando de vez ou outra e tenho certeza que eles pensam que eu sou uma assassina que mata pessoas indefesas, porém eu mesma sei que isso não é verdade, eu não poderia fazer isso com ninguém, não posso mudar meu jeito de ser, não agora.

_O teto subiu de volta?- diz Christian.

_Sim, olha dá para ver pelo vidro da porta, bobo- diz Maite sorrindo.

_Então o que estamos esperando? vamos sair logo.- diz Christopher.

_Se vocês não acharem ruim eu posso sair primeiro?- diz Anahí com lágrimas nos olhos com uma imensidão de tristeza tomando conta dela.

_Não vai se defender das idiotices que aquele babaca falou?- pergunta Christopher.

_Eu não vou fazer mais nada, acreditem no que vocês todos quiserem- diz Any já chorando- assim como o mundo lá fora, vocês são todos iguais, acreditam naquilo que vocês acham que é o melhor para vocês, nunca acreditam nas pessoas boas, e não eu não matei ninguém, eu não estou traindo ou conspirando contra vocês, eu preciso ficar sozinha, realmente sozinha...

_Eu não vou me desculpar com você.- diz Gastão.

_Eu não quero, você não existe para mim, e suas desculpas seriam um ofensa para uma pessoa como eu.- diz Any saindo pela porta do quarto e vendo que eles não estavam mais na mesma sala.

_O que aconteceu aqui?- pergunta Alfonso- só podem estar brincando com a nossa cara.

_Eu acho que eles já estão fazendo isso a um bom tempo.- diz Christian.

Eu procuro um quarto para entrar, e agora a sala também é branca e moderna, com os quartos todos espalhados em um círculo, sem segundo andar e não tem escada, é tudo plano, e algo me diz que não é só por isso que iremos passar hoje. Mas antes que eu chegue perto da porta acontece o que eu estava pensando e a voz grave e alterada ecoa pela sala.

_Atenção treinadores, vocês precisam ser fortes ou é melhor desistir, já estão indo bem longe do esperado, e já acabou o tempo de liderança, portanto estivemos pensando e temos uma nova prova que irá fazer muita diferença no jogo, e é bem simples, vamos as regras: não se pode desistir da prova, ou senão estará fora do jogo também, e isso seria o mesmo que desistir, continuando cada treinador e treinadora deve entrar em um quarto, e sobreviverem pelo maior tempo que conseguirem e quando não estiverem mais aguentando vocês serão retirados de imediato, e tenho um presente para todos, quem não quiser participar não precisara, apenas digam que estão fora da prova, boa sorte e que os jogos...

_Nunca terminem não é mesmo.- diz Any.

_Nunca terminem- diz a voz que não fala mais nada.

_Vocês ouviram o que aquela voz disse, então vamos lá, quem não vai participar?-pergunta Gastão.

Todos permanecem em silêncio até que uma pessoa fala.

_Eu estou fora da prova- diz Dulce- e vão se ferrar.

_Mas porque você desistiu?- pergunta Maite.

_Porque eu não quero ter que sobreviver a uma prova só para ser uma líder.- diz Dulce.

_Então mais alguém para me dar mais chance de vencer de novo?- pergunta Gastão sorrindo como um cão chupando manga.

_Pelo jeito não, então é melhor começarmos logo essa prova.- diz Alfonso já começando a ir em direção a um porta.

E assim é o que todos vamos em direção a alguma porta, de menos Dulce que se senta no chão e aparentemente não esboça nem um medo ou arrependimento, o que de certa forma me surpreende vindo dela que parece tão frágil e ao mesmo tempo rebelde nesse treinamento, assim que chego perto da porta percebo que não tem algo para abrir, então olho para ver as dos outros e a deles também não tem nada.

_Mas que shit!- diz Gastão- como vamos entrar sendo que..

E as portas se abrem do nada mas com um pequeno detalhe, elas sobem para cima e não podemos mais vê-las, eu olho para o lado de dentro sem entrar ainda e não tem nada.

_Boa Sorte Any.- diz Alfonso que está na porta ao lado da minha.

_Obrigada, para você também- diz ela tentando deixar as intrigas e problemas de lado.

_Hora de nos auto matar...- diz Christian entrando.

_Cala a boca Christian.- diz Christopher.

E todos entram nas suas salas que se forem iguais a minha é pequena e a porta se abaixa novamente me trancando aqui dentro, mas não é possível que a prova seja somente aguentar ficar nessa sala que possui pouca luz no teto, a luz pisca e minha respiração vai ficando um pouco desregulada de medo. E vai ficando ainda mais baixa a luz, até ficar escuro por completo, preciso me acalmar tudo vai ficar bem, e eu tenho que tentar, não posso desistir, olho para meus pês no escuro mesmo não os vendo e sinto um líquido subindo em meus dedos e pês, agora sim começou a prova, as luzes se ascendem rapidamente e eu vejo que não é água, é sangue e as luzes se apagam.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...