História Mundos Opostos - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Luan Santana
Tags Drama, Luan Santana, Romance, Segredos, Superação
Exibições 107
Palavras 852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 25 - (23) Felicidade


Fanfic / Fanfiction Mundos Opostos - Capítulo 25 - (23) Felicidade

 

LUAN

– Tudo bem. – Ela respondeu finalmente. – Eu me rendo.

Ouvir tão claramente essas palavras vindo de Maria Júlia, fez com que meu coração voltasse a bater normalmente e meus músculos relaxarem de tão tensos que estavam. As palavras iam se repetindo na minha mente, era inacreditável, ela estava nos dando uma chance de verdade. Eu estava em êxtase interiormente, mas percebi que ela havia ficado confusa com meu silêncio.

– Luan, você não vai dizer nada? – Ela perguntou com um misto de curiosidade e aflição no rosto.

Depois que absorvi e guardei bem tudo que acabara de acontecer, beijei Maria Júlia como nunca antes. No momento ela se surprendeu, mas correspondeu ao beijo em seguida. Ela entrelaçou seus braços em meu pescoço e nosso ritmo tornou-se perfeito. Envolvi meus braços em sua cintura e a tirei do chão dando alguns rodopios, ela reclamou um pouco, mas não parava de sorrir, coloquei-a no chão novamente, nossos olhares se cruzaram. Senti o toque de suas mãos macias no meu rosto, ela me olhou como se estivesse permitindo o que viria a seguir, precisávamos um do outro naquele instante.  Arranquei minha blusa rapidamente e joguei-a para longe, não me permitindo pensar muito no que estava fazendo, Júlia mordeu os lábios e voltou a me beijar, dessa vez com mais intensidade e vontade que das outras vezes, enquanto nos beijávamos ela tentava nos guiar até seu quarto, algumas coisas que estavam em nosso caminho caíram no chão e nós dois rimos. Quando encontramos a porta, entramos e eu logo fui tirando o vestido dela, olhei para ela pedindo permissão para prosseguir e ela sorriu em resposta. Deitei-a delicadamente na cama, acariciando e beijando cada parte do seu lindo corpo. Nossos olhares se encontraram novamente, e ali tivemos a certeza de que nada mais importava.

Era só ela e eu.

MARIA JÚLIA

Acordei na manhã seguinte imaginando ter sido um sonho à noite passada, porém me dei conta de que estava nua entre as cobertas.

– Aí meu Deus! – Sentei rápido na cama colocando a mão na cabeça. – Aí meu Deus! – Repeti e olhei por debaixo das cobertas de novo só para ter certeza. – Aí...

Pense numa pessoa que acabou de  acorda de um sonho bom, porém muito estranho que chega a assustar.

– ...Meu Deus! – Luan terminou a frase rindo, estava saindo do banheiro apenas vestido com sua calça jeans apertada.

Joguei meu corpo para trás e fechei os olhos morta de vergonha, mesmo tendo noção de que tínhamos transado noite passada e que eu não deveria estar tão envergonhada.  Afinal ele tinha me visto nua.

– Não acredito que nós... – Sussurrei.

– Transamos? – Ele riu sarcástico e se aproximou de mim, sentou na cama e selou meus lábios. – Pois é.

– Luan! – Bufei. – Sai do quarto, preciso colocar uma roupa. – Segurei as cobertas como se elas fizessem parte de mim.

– Mas...

– Não tem mas, sai logo. – Apontei para porta. – E fecha a porta. – Luan lenvantou e saiu do quarto confuso.

Eu realmente precisava de privacidade para cair na real, absorver os fatos, relembrar alguns momentos do que tinha rolado. Eu não fingi nada e nem fiz nada forçada. – Eu quis, e como quis. – Foi o nosso momento, precisávamos daquela certeza.

Respirei fundo, tomei coragem e levantei da cama, coloquei uma roupa, escovei os dentes e prendi o cabelo, depois sai do quarto para dar a cara a tapa.

– Bom dia. – Passei por Luan na cozinha, abri a geladeira e agi normalmente.

– Está tudo bem? – Ele perguntou confuso.

– Perfeitamente bem. – Peguei o leite e vi que tinha café pronto na cafeteira, 1 ponto pro Luan. – Obrigada, por ter feito café. – Disse sem mais nem menos, passei por ele novamente dessa vez lhe dando um beijo na bochecha. Ele me olhou ainda mais confuso e levantou da cadeira que estava, me  encostou no armário e apertou minha cintura de leve.

– Já disse que você é louca? – Riu.

– Não, e é melhor não dizer. – Tirei as mãos dele de mim e escapei, coloquei café na minha caneca e depois o leite.

– Vou ter que ir embora agora, tenho umas coisas para fazer aqui no Rio ainda, volto amanhã para São Paulo. Janta comigo mais tarde? – Sorriu.

– Vai ser tipo um encontro? – Perguntei rindo enquanto tomava meu café com leite.

– Depende, se você quiser pode ser. – Ele piscou e voltou a rir.

– Fizemos as coisas na ordem errada então, geralmente os encontros são primeiro.

– Não precisamos seguir o padrão das coisas. – Ele sorriu genuinamente. – Passo para te buscar às 20h, esteja ainda mais linda.

– Vou tentar. – Entrei na onda. – Vê se acha sua camisa, se você sair por aí sem camisa é capaz de não sairmos hoje à noite. – Ri.

– Vou interpretar isso como ciúmes. – Luan se aproximou novamente, nos beijamos rapidamente e depois ele foi procurar sua camisa.

– Não criei ilusões. – Murmurei.

Luan procurou sua camisa por 10 minutos até achá-la debaixo da poltrona – Como ela havia parado ali? Não sabemos. – e foi embora.

Meu ser estava alegre, quase gritante, queria sair rodopiando pela rua, mas uma pontinha de medo existia, principalmente por não saber o que podia acontecer quando me vissem com Luan...


Notas Finais


80 FAVS 😍😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...