História Murder - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Colegial, Escolar, Psicológico, Seinen, Shounen, Terror
Exibições 7
Palavras 1.268
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Seinen, Shounen, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá!! Finalmente um cap novo (bota finalmente nisso) sei que demorei, mil perdões.
Enfim, espero que gostem!!

Capítulo 10 - A Aliança Inesperada


Fanfic / Fanfiction Murder - Capítulo 10 - A Aliança Inesperada

Sim! Agora eu tenho absoluta certeza que Lizzy Hotaru é um aliem que veio para a Terra me exterminar, não é possível. Ela simplesmente passou por um abismo repleto de cobras peçonhentas sem um mínimo medo, sabe, a coisa que eu mais tenho medo são cobras. E sim, eu estou chocado, muito! Meus olhos estão vidrados em direção a um braço com uma picada desse réptil, e ela não expressou quase nenhum tipo de dor ou sofrimento, sua única reação foi cortar um pedaço da corta e amarrar fortemente um pouco a cima da ferida, para o veneno não se espalhar tão rápido. 

    - Édipo, pega o antidoto, rápido! Pelo visto essa cobra tem um veneno fortíssimo, se não for tratado logo a Liz pode morrer! - Exclama Viviane, observando a mordida, pelo visto Lizzy não está gostando muito desse furdunço. 

    - Pessoal, até parece que uma picada desse bic... AGH! - Geme a menina já sentindo os efeitos do veneno, seu rosto de uma hora para a outra mudou de cor, ficando pálida e gotas de suor escorrem. 

    - L-Lizzy, C-CALMA! Precisamos ficar calmos! O importante é manter a calma, vocêsópodemorreragoramasestátudobem. - fala a menina Lana embaralhando as palavras, algo como "mantenham a calma", mas ela é a pessoa mais "descalma" presente. Para falar a verdade, todos estão calmos, situação do tipo é normal por aqui. 

    - Qualquer coisa a gente corta o braço dela. Uma ótima ideia, quem apoia levanta a mão! - Falei, mas, pelo visto ninguém apoia a minha ideia, todos viraram o olhar pra mim com uma expressão "você tem algum tipo de doença mental? Não é hora de brincadeiras" – De qualquer maneira, aqui o antidoto, mas só temos um. Vamos gastar na Hotaru?!  

    - Você tem alguma outra sugestão animal? Aliás, cortar o braço dela não é uma opção... Não temos escolha! - Diz Tacos, já impaciente. - Não podemos deixar a menina simplesmente morrer, vamos ser desclassificados por ausência de integrantes dããã.  

    - Ah é? Vocês estão preocupados com a ausência de integrantes, não importam com a minha vida não?! AGH, vocês são deploráveis mesmo...  

   - Não se esforce, tente não se mexer. Vamos evitar maiores transtornos. - Disse Hunter, já preparando a seringa para aplicar o antidoto. Assim fez, é notável o alivio no rosto de Lizzy, que antes estava repleto de dor. 

    Após o pequeno transtorno, somos obrigados a acender uma fogueira. Afinal, fogo espanta cobras e onde estamos está repleto dessas pragas, e para piorar, o antidoto acabou, como prosseguir? Não podemos sair por aí sem a proteção devida. Sobre como fizemos essa fogueira, eu não faço a mínima ideia, foi a Lana, essa criança é incrível, até parece comigo.  

    Não sabemos se tem um tempo limite até o final dessa prova, e eu não faço ideia de quanto tempo estamos aqui dentro, talvez umas 20 horas. 

    Este lugar é totalmente fechado, deixando assim, impossível de escaparmos ou vermos o exterior, provavelmente há câmeras espalhadas por aí nos filmando, afinal, a plateia e os professores precisam nos ver, confesso que esconderam muito bem, não vi nenhuma até agora. De qualquer maneira, sinto-me dentro de um Jogos Vorazes.

    - E então? Como vamos sair desse lugar? Não aguento mais ver paredes e a cara de vocês. Eu vou enlouquecer!!! - Tacos diz enquanto se levanta e anda de um lado para o outro – Eu... Já... Estou... Indo... Ver... O... Senhor... Deus?!  

    - Cale-se Thomas Tacos! Nós nunca vamos vazar daqui se você continuar tagarelando ai. Estamos pensando, sugiro que faça o mesmo verme. - disse Vivi já perdendo a cabeça, isso que dá ser pavio curto, eu ein.  - Édipo e Lizzy, sobrou mais alguma coisa na mochila de vocês?  

    - Bem, na minha ainda resta um bilhete em Braile e dois pares de botas. E  a Lizzy, bem, provavelmente dois pares de luvas – falei – eu estava pensando aqui, essas luvas e botas podem nos proteger de picadas, afinal, o nosso uniforme tampa tudo, menos os pés, mãos e rostos. Mas, apenas duas pessoas passam.  

    - O Dipo tem razão, mas o problema "apenas duas pessoas passam"... E então, como vamos fazer? - Hunter pergunta. 

    - Você é o líder, você decide. - digo curto.

   - Ok, então, eu tive uma ideia - começou Hunter - Inicialmente vai duas pessoas para ver se encontram uma saída alternativa ou alguma coisa útil para o resto da equipe passar. Depois, os dois voltam e informam o que há, e assim, pensemos juntos uma forma de sairmos daqui. Mas, eu acho que ninguém confia em ninguém aqui, então complica as coisas.  

    - Ok, então eu vou com o Édipo - Lizzy levanta – sabe, ele não ia deixar a namoradinha Viviane para trás e fugir. E eu, bem, não posso deixar o Hunter e fugir sozinha também. Acho que é a melhor opção que temos no momento, e não temos tempo para pensar.  

    - Ele não é o meu namorado/namorada! - eu e Vivi falamos em sincronia.  

    Levanto-me suspirando, por que sempre sobra para mim fazer as coisas arriscadas? Eu queria ficar aqui, perto dessa fogueira protegida e quentinha, tanquilão. E para piorar eu vou ter que ir com a Hotaru, a última pessoa que eu esperava fazer uma aliança. Sinto que Lizzy também está pensando o mesmo que eu, apesar de ter dado a ideia.  

    - Ta bom, vamos prosseguir com isso. Logo voltaremos, não precisam chorar preocupados e solitários enquanto partimos, eu sei que dói estar longe de mim e da Hotaru – Falei mas recebo em resposta um soco na cabeça dado por Lizzy que me olha, eu sei que está segurando a risada.  

    Andamos e andamos, parece que esse labirinto não tem saída, sem contar as inúmeras cobras que vimos até aqui, por conta da tocha que seguramos, muitos se afastaram, mas outras estavam prontas para dar o bote, algumas até tentavam nos atacar, mas Hotaru ou eu sempre cortava suas cabeças com a katana que levamos conosco.  

    - Sabe, esse clima é meio pesado, entre a gente – falo para cortar o silêncio horrível. - Eu, realmente tenho muitas perguntas pra te fazer. 

    - Que tipos de perguntas? - fala se virando e me olha bem nos olhos, bem, odeio admitir isso, mas essa garota me atraí por sua beleza... Blée, o que eu estou falando? Hotaru é... uma inimiga pra mim, não posso me distrair. (nota da escritora: sério isso? O Dipo é um frango mesmo pqp).  

    - Hm... tipo, como conseguiu entrar na Murder tão rápido? Quer dizer, o artigo sobre as suas traquinagens naquele instituto chegou no dia que te vi pela primeira vez, é impossível alguém passar nos testes tão rápido! E também, como o Hunter conseguiu participar dessa gincana se ele nem estava presente no dia que a charada da esfinge foi passada como teste?!  

    - Na verdade, eu hackiei o sistema da entrega daquele artigo, atrasei duas semanas a entrega pra ninguém desconfiar de mim, mas pelo visto, você descobriu afu. E sobre o meu irmão, bem, o diretor Castelari é puxa saco do Hunter, por isso deixou ele participar dos jogos e ser o líder ainda! Pura sorte, esse irresponsável que fica faltando as aulas.  

    - Mas, fala aí, por que quis entrar na Murder por querer? Tipo, isso é uma escola de assassinos, que tipo de mente deseja estudar aqui?!  

    - É uma longa história na verdade, quando eu era uma criança, sei lá, talvez, uns 4 anos, minha mãe foi sequestrada, ela era linda, tinha os cabelos mais brancos e lisos do que o meu e o do meu irmão...  

Continua...  


Notas Finais


Link da work art: http://yuumei.deviantart.com/art/Between-Infinity-385126414
Eu sei, eu sei, é até estranho a Hotaru começar a contar sobre a sua vida para um "inimigo" mas sabe, ela não tem amigas e precisa desabafar com alguém, e foi com o Dipo!!
Foi realmente inesperado eu começar a contar a história dos Hotaru justamente agora, mas resolvi contar no próximo capítulo. Vai ser "um flash black" com a Lizzy narrando seu passado. Assim, tanto os leitores como o próprio Dipo saberão seu passado obsucuro e a forma que a garota pensa sobre as coisas.
Apesar do Dipo e da Liz serem inimigos ambos, sem mesmo saber, estão pré-destinados a se darem bem e confiarem um no outro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...