História Murder - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7
Personagens BamBam, Jackson, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jisoo, Jungkook, Lisa, Rap Monster, Rosé, Suga, V
Tags Bottom!taehyung, Chaennie, Kookv, Menção Vmin, Namjin, Taegguk, Taekook, Top!jungkook, Vkook
Visualizações 940
Palavras 2.477
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HEEEEEY! ♥

Não sei oque dizer aqui, então apenas venho agradecer por todas as coisas ótimas que vocês transmitem! ♥

↪ Status: Capítulo betado por @Marking

Recado da @Marking: Eu odiei betar este capítulo, não acredito que tornou o Jackson o vilão da história T-T Quero o divórcio, autora ;-;

Capítulo 4 - Fourth chapter


Fanfic / Fanfiction Murder - Capítulo 4 - Fourth chapter

Já havia se passado 48 horas desde a última ordem que Namjoon dera a JungKook e que o mesmo não havia tomado coragem de concluir. O último – e primeiro – beijo que havia compartilhado com o menor não saía de sua mente e isso o estava deixando irritado.

O Jeon não conseguia entender o motivo daquele momento ter o marcado tanto, sendo que fora um beijo normal e simples que durara, no máximo, alguns segundos. Já havia beijado outras pessoas, não só homens como também mulheres, e nenhum havia mexido consigo daquela forma. 

 

— Se Namjoon descobrir que não fizera o que ele mandou, sabe que poderá contar os minutos para sua morte, não é? – Yoongi o despertou de seus pensamentos, dando de ombros. – Não sei porque se importa tanto com aquele garoto, sinceramente. Você sempre fora uma pessoa fria JungKook, nunca ligou para os sentimentos ou dores físicas de ninguém, o que está acontecendo? Por acaso Taehyung está amolecendo o seu pobre coração? – Perguntou em um tom de deboche.

— Pare de falar besteiras, Yoongi. – Revirou os olhos, bufando. – Taehyung é somente outro garoto estúpido que conheci, sem contar que o mesmo parece mais uma criança irresponsável no mundo

— É, mas você não pode negar que a beleza dele é indecifrável. – Provocou, abrindo um sorriso malicioso. – Apesar de que a ideia sobre você não sentir nada por ele ainda não me convenceu, também não acho que esteja apaixonado por alguém, até porque considero isso praticamente impossível. – Concluiu simples, ainda desconfiado. – Mas pensando melhor, se até eu já me apaixonei por alguém, não cogito mais ser impossível em relação á você.

— Já lhe disse mil vezes que Mark fora apenas um caso para você Está mais que óbvio que isso não fora amor e olha que mal entendo de sentimentos. – Deu de ombros novamente, recolhendo a caixa de cigarros de seu bolso e o tragando.

— E quando eu disse que fora Mark o rapaz pelo qual me apaixonei? – Rebateu, erguendo uma de suas sobrancelhas.

— Você nunca se envolveu com alguém por mais de dois dias, apenas Mark, que durou 3 meses. Mas, de qualquer forma, a relação de vocês nunca fora algo além de sexo.

 

Yoongi então preferiu apenas concordar com o outro, já que não queria dar mais detalhes sobre por quem realmente havia se apaixonado.

Aquela "história" era delicada demais para ser contada em qualquer momento e com certeza aquele não era o melhor.

 

— Vou ver como Taehyung está, ainda preciso descobrir sobre sua família. Não podemos correr mais riscos do que já corremos com aquelas duas ligações feitas. – Resumiu, jogando o cigarro sobre o chão e pisando-o logo em seguida. – Ah, onde está o Hoseok? Não o vejo desde aquela vez onde ficara bêbado.

— Ele sempre desaparece, achei que já estivesse acostumado com isso.

— Mas já estou, apenas quis perguntar por curiosidade mesmo, talvez você soubesse, sei lá.

— Ah, mas eu realmente não sei. – Respondeu simples. – Enfim, eu vou indo... boa sorte com o garoto.

 

JungKook então não lhe respondeu, apenas viu Yoongi sumir devido a distância tomada.

 

~*~ 

 

Taehyung estava farto de tanto procurar saídas por aquele cômodo e não encontrá-las. O garoto já tentou fugir pela janela, mas descobriu que o Jeon havia colocado grades, impossibilitando sua fuga. Já tentou roubar as chaves da porta principal também, mas JungKook e Yoongi nunca as esqueceram perto de si, o deixando impaciente. 

Todos aqueles dias sozinho no local estavam o deixando bastante entediado, mas não poderia e muito menos conseguia fazer nada para evitar. No início, tentou continuar com o plano de conquistar JungKook e descobrir algo sobre o assassinato, mas o moreno simplesmente não fazia nada além de o ignorar. E apesar do Kim ter total conhecimento sobre aquela distância mantida por Jeon ser consequência do beijo trocado entre os dois, aquilo o deixava com uma raiva imensa dentro de si.

 

— Taehyung. – A voz tão conhecida do mais alto pôde ser ouvida pelo menor, fazendo-o encarar na mesma hora.

— Oi, JungKook. – Respondeu, engolindo em seco.

— Quero que me diga onde está sua família, mas espero realmente que não minta, ou vai se dar mal. – Respondeu num tom ameaçador, agachando-se ao seu lado e erguendo seu queixo com uma certa brutalidade. – Me responda, Taehyung.

— M-meu pai falecera quando era pequeno devido um acidente de carro. Ele estava indo para o próprio emprego, mas um caminhão acabou entrando no caminho e batendo com ele logo de frente. Não houveram sobreviventes. – Contara a verdade, abaixando a cabeça logo em seguida. – O resto da minha família está em Londres, já que eles possuem uma empresa na capital. – Falou num tom sincero, sentindo a força que JungKook usara em seu queixo se afrouxar. – Sei que provavelmente está com medo de eu ter me comunicado com eles pelo celular ou talvez por Seokjin ter feito isso, mas não se preocupe, eles me odeiam e não me consideram como membro da família desde que me assumi homossexual, então nunca mais dirigi alguma palavra com eles.

— Sinto muito. – Falou de modo inesperado, enquanto mordia os próprios lábios. Estava completamente arrependido por tê-lo feito relembrar aqueles prováveis momentos horríveis de seu passado.

— Não sinta. – Pegou em sua mão, a acariciando enquanto um sorriso pequeno tomava conta de seus lábios. – Além de eu já ter me acostumado com tudo, o que aconteceu foi realmente preciso para eu poder perceber que minha mãe nunca foi uma mãe de verdade, até porque uma mãe de verdade aceita o filho do jeito que ele for.

E fora nesse momento onde JungKook acabou desviando o próprio olhar para os lábios rosados do de cabelos castanhos, sentindo uma vontade imensa de preenchê-los com os seus novamente.

— Me beija? – Pediu num tom calmo, acariciando os lábios do mais novo com o polegar.

— O que? – Perguntou um tanto surpreso, mas logo não obteve resposta, sentindo o Jeon agarrar fortemente sua cintura e o beijar num tempo imediato.

 

Taehyung entrelaçou suas mãos na nuca do outro, puxando-o para mais perto de si e correspondendo seu beijo, abrindo um pouco os lábios para JungKook introduzir sua língua que há dias não sentia. Estranhara o motivo do moreno querer beijá-lo, mas de modo surpreendente, não ligou quando tal ato se tornou atual.  

As línguas de ambos "dançavam" em sintonia, porém a falta de ar se fez presente, finalizando o beijo com o Jeon puxando seu lábio inferior levemente.

Taehyung ainda mantinha seus olhos fechados, enquanto sua testa estava colada com a do moreno.

 

— Eu sei que não deveria ter feito isso, me desculpa. – E então JungKook simplesmente o afastou de si, levantando ainda ofegante. – Hoseok apareceu por aqui?

— Não. – Respondeu baixo, porém, ao ver que o outro iria sair do cômodo, segurou seu pulso rapidamente, impedindo-o de seguir qualquer direção. – Por favor, não me deixe sozinho aqui. Está sendo um saco não ter companhia todos esses dias.

— Não somos amigos, Taehyung. – Falou com frieza.

— Porra, será que dá pra parar de ser tão idiota? Segundos atrás pediu que o beijasse e, como não realizei tal ato, me beijou de qualquer maneira, agarrando minha cintura, mas agora simplesmente decide ir embora, respondendo-me com essa frieza desnecessária? – O encarou incrédulo. – Eu sei que deveria sentir medo de falar dessa forma com um assassino, mas não sou igual essas vítimas medrosas espalhadas pelo mundo. Se quiser, pode me matar, fique a vontade, eu não ligo mais pra nada.

— Não, não mate ele. – Hoseok adentrou no local, enquanto segurava um copo de milkshake nas mãos. – Eu não gastei a merda de 15 reais nisso à toa, não é? – Falou inconformado, olhando para o sorvete e logo o estendendo na frente de Taehyung. – Eu sei que ficar nesse cômodo é muito tedioso, principalmente por não ter companhia nem algo para fazer onde te distraia... E, claro, muito menos uma comida que preste, então lhe trouxe esse milkshake. – Sorriu.

— Obrigado, Hoseok. – E pela primeira vez em dias, o Jung pôde ver seu sorriso. Era um sorriso diferente, um tanto retangular, mas isso apenas o deixava mais maravilhoso. – Eu não deveria aceitar isso facilmente, mas digamos que hoje estou sensível e até me arrependi por ter lhe tratado mal todos esses tempos, sendo que a única coisa que fez fora ser gentil.

 

Hoseok então sorriu corado, coçando a própria nuca, enquanto JungKook se segurava para não gargalhar de forma debochada diante daquela cena – na sua opinião – estúpida

 

— Enfim, preciso falar com você longe de Taehyung, Jeon! – Hoseok falou de modo simples, fazendo o moreno assentir e caminhar para um lado com mais distância do mais novo, enquanto o mesmo parecia muito entretido com o milkshake. – Namjoon pediu para que eu viesse verificar como estavam os machucados de Taehyung e, estranhamente, eu não encontrei nenhum em seu corpo. Poderia me explicar sobre isso?

— Apesar de não ser da sua conta, Namjoon me mandou agredi-lo há dois dias atrás, mas eu simplesmente não completei tal ordem. – Falou um pouco envergonhado, fazendo o outro franzir o cenho em total confusão.

— E qual o motivo para isso? Tem ideia de que ele irá lhe matar quando descobrir, não é? – Ergueu uma de suas sobrancelhas, como se aquilo fosse óbvio.

— Eu não sei o que fazer, Hoseok. – Bufou impaciente.

— Simples, cumpra a ordem antes que ele descubra que não teve coragem de fazê-la. – Falou de modo simples, mas pôde ver o nervosismo em excesso nos olhos de JungKook. – Não acredito que está com medo, Jeon.

 Não é medo. – Falou sério.

— Então prove suas próprias palavras o agredindo logo. – Rebateu com a mesma frieza.

 

Hoseok de certa forma gostava de Taehyung. Não era apaixonado pelo mesmo, apenas sentia uma atração forte. Se JungKook o agredisse, poderia depois fingir que não sabia que aquilo aconteceria, dedicando-se na maior parte do dia para cuidar de seus ferimentos como uma forma amigável e carinhosa. 

 

— Eu irei sair daqui para poder concluir a ordem de Namjoon. – Falou de repente. – Espero que cumpra como sempre fez em todos esses anos e não se arrependa depois. Até mais, JungKook. – Se despediu com um simples sorriso forçado e saira do cômodo, fazendo o Jeon suspirar pesadamente.

— Eu ouvi tudo o que disseram. – Taehyung interrompeu seus pensamentos, abaixando a cabeça e logo se encolhendo no próprio lugar, sentindo medo ao ver JungKook aproximar-se de si. – Não me machuque, por favor.

 

Taehyung implorou praticamente em um sussurro, onde o moreno pôde perceber os olhos do menor se encherem de lágrimas.

 

— JungKook? – O mais alto pudera ouvir a voz de Yoongi do outro lado. – Podemos conversar?

— Okay. – Dissera por fim, dirigindo-se para próximo do amigo. – O que quer?

— Hoseok me disse sobre a ordem de Namjoon antes de vir para cá, e logo constatei que não teve coragem de cumpri-la, já que até hoje não vi um ferimento se quer em Taehyung. – Umedeceu os lábios. – Por isso, para facilitar seu trabalho e não ser assassinado por Namjoon, contratei alguém que pudesse fazer isso no seu lugar, sem que ninguém descubra.

 

E fora nesse momento que um rapaz totalmente desconhecido entrara no local, fazendo JungKook surpreender-se por completo. O homem era de estatura média, mantinha uma expressão séria no rosto e aparentemente era mais um jovem qualquer. 

 

— Prazer em conhecê-lo, me chamo Jackson. – Apresentou-se, ainda sem abrir qualquer sorriso. – Não se preocupe em questão do trabalho, não irei contar a ninguém sobre eu tê-lo feito em vez de você, sem contar que Yoongi me pagara o suficiente para manter o segredo comigo, então pode confiar em mim. – Falou simples, tentando passar confiança em ambos. – Mas enfim, Namjoon irá vir aqui em exatamente duas horas, então preciso concluir meu trabalho logo para o seu próprio bem. – Olhou na direção de JungKook.

— Okay, mas eu não irei ficar para ver isso. Conclua isso logo, por favor. – Praticamente implorou, de modo jamais esperado. – Yoongi, venha comigo e me faça companhia. Ainda precisamos resolver alguns assuntos.

 

O mais velho então concordou, saindo logo em seguida com o outro ao seu lado para o lado de fora do lugar. Enquanto isso, Jackson decidiu pela primeira vez encarar sua futura "vítima", podendo perceber uma beleza surpreendente.

 

— Olá, Taehyung. – Cumprimentou com um sorriso malicioso nos lábios, aproximando-se do garoto. – Sabe, a única coisa que deveria fazer nesse momento é lhe agredir, mas você se tornou muito gostoso pelo que pude ver e deveria aproveitar-me um pouco disso, o que acha? – Mordeu os lábios, acariciando levemente seus cabelos castanhos.

— Fique longe, por favor. – Implorou em um sussurro, fazendo o sorriso de Jackson apenas se alargar mais. Taehyung simplesmente desconhecia o lugar onde sua coragem havia se concentrado, dando lugar apenas para o medo em excesso. Naquele momento, a única coisa que desejava era Jimin consigo. Todavia, recordar de seu ex-namorado só lhe fez lembrar de mais coisas até então esquecidas. – Jackson Wang? – Perguntara, já sentindo seus olhos marejarem novamente.

— Pensei que não iria se lembrar de mim, até porque estou um pouco irreconhecível, não? – Ergueu uma de suas sobrancelhas, descendo suas mãos pelo o abdômen do outro. – Se recorda daqueles dias onde meu único desejo era estar com você, mas somente o que recebia eram imagens suas com Jimin? – Provocou, aproximando seus lábios do pescoço do menor e distribuindo leves mordidas. – Pois é, quem imaginaria que atualmente o assassinado seria ele e não eu.

— Eu nunca tive culpa dos seus sentimentos e muito menos imaginava que nutria algo por mim. Nunca pensei em ter uma relação com você que fosse algo além de nossa própria amizade e sempre acreditei que pensasse da mesma forma. – Respondeu, decidindo lutar com todas as suas forças para mantê-lo longe de si.

— Não adianta se debater, amor. Você está amarrado, não irá conseguir. – Soltou um risinho baixo, mordendo o lábio inferior de Taehyung. – Não grite e muito menos negue nada do que lhe fizer ou ordenar. Saiba que se me desafiar ou qualquer coisa do tipo, irá se arrepender amargamente, sem contar que não irei fazer nada do que não goste.

 

E então, sem ao menos ter tempo para pensar em uma resposta concreta, Taehyung sentiu os lábios de Jackson brutalmente pressionar os seus, enquanto as mãos grandes do mais alto agarravam sua cintura de maneira forte. Sem esperar, um tapa bruto fora desferido em sua coxa direita, logo sendo seguido por um soco no estômago. Novamente Taehyung tentara se debater como forma de impedir qualquer ato contra sua vontade, mas suas forças se tornaram falhas. Em questão de segundos, Jackson retirou toda a roupa do outro, distribuindo chupões possessivos por todo o seu corpo. O Kim tentara gritar, mas fora impedido pelas mãos de Wang em sua boca, na mesma hora que sentira mais três socos serem deixados em seu braço esquerdo. Já havia perdido a conta de todas as lágrimas que derrubara naquele momento e de todas as vezes que tentara empurrar o outro para longe. Mas, infelizmente, todas as suas tentativas não deram certo, concluindo o que menos desejava acontecer.


Notas Finais


Eu sei que vocês devem estar com muita raiva do Jackson [@Marking: tô com raiva de você, isso sim] – que aliás, para quem não sabe, é o Jackson Wang do got7 – mas em breve irei explicar melhor sobre o seu passado, que como sabem, envolve Taehyung e Jimin.

peço perdão por estar postando nesta hora da noite, mas irei ficar fora por algum tempo – pouco – e realmente precisava postar.

[Resolvi não detalhar muito a cena do estupro entre Jackson e Taehyung, pois não quero que o primeiro "lemon" da história seja desta forma, principalmente com os dois interpretando, sem contar que isso é um assunto muito tenso. Mas outra coisa que quero deixar claro é que sei que Taehyung tem se mostrado bastante corajoso, mas entendam que por fora, uma pessoa pode se mostrar do jeito que preferir, enquanto por dentro também pode ser outra coisa totalmente diferente da presenciada.]

Ah, e antes de tudo, recomendo MUITO uma oneshot VKOOK que minha esposa (vulgo Tsukira_KM) escreveu, e sério, é muito linda, vocês não vão se arrepender, no mínimo só vão querer matá-la mesmo ♥ – https://spiritfanfics.com/historia/atitudes-inconsequentes-7074649


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...