História My Angel - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~idksuckers

Postado
Categorias Barbara Palvin, Cameron Dallas, Chaz Somers, Cher Lloyd, Cody Simpson, Dylan O'Brien, Francisco Lachowski, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Barbara Palvin, Cameron Dallas, Chaz Somers, Dylan O'Brien, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette, Ryan Butler
Tags Drama, Escola, Família, Festa, Luta, Novela, Romance, Shoujo Romântico, Violencia
Visualizações 809
Palavras 2.570
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - Thank you.


Fanfic / Fanfiction My Angel - Capítulo 16 - Thank you.

Eu e Mary estavamos comprando alguma roupa pra levar logo na festa do Bieber, eu não sei se deva contar meu sonho pra Mary, so de lembrar tudo o que eu vi, tudo o que eu imaginei, eu julguei ser real, isso quer dizer que eu QUERIA que fosse real? Não, não pode, ele não, eu não posso fazer isso, não posso me magoar de novo e cometer os mesmos erros duas vezes, ainda por cima o Bieber que passava o tempo em festa, bebendo,  engolindo piranhas, e eu tenho um pressentimento que ele se envolvia em algo, algo perigoso, mas não interessa, hoje tenho que manter a distancia, antes que algo de errado.

Voltando ao assunto será que conto pra Mary? É melhor não, foi só um sonho, depois essa mina começa imaginando e falando demais e eu tenho que dar um tapa nela (to zoando gente). Percorremos o shopping inteiro e encontramos umas roupas bem bonitas, pegamos no carro de Mary e fomos para casa, encomendamos uma pizza, e depois fomos tomar um duche.

Começamos nos arrumando mais cedo um pouco, pois Chris e Chaz tinham passado a tarde na casa do Bieber, então não nos iriam levar, mas sim Mary. Comecei arranjando meu cabelo, encaracolando nas pontas, coloquei uma make arrojada, o vestido que tinha comprado nessa tarde e calcei meus sapatos, me olhei no espelho dando os ultimos retoques, e até estava bem apresentada, passei no quarto da Mary e ela estava pronta apenas no celular, me esperando penso eu, descemos e fomos pro carro em direcção a casa do Bieber, não era muito longe, só uns quarteirões em frente.

Logo chegamos, toda vez me espantava com o tamanho da sua casa, já pra não falar na enorme quantidade de segurança que tinha em volta dela, da casa não,  palácio, eu podia ir la um milhão de vezes, mas iria ficar sempre olhando,  aquela casa me fascinava, era simplesmente linda.  

O segurança já nos conhecia por isso nem perguntou, nos deixando entrar de seguida.  Entramos e estava cheio, todo mundo dançando e alguns conversando e bebendo, logo passei pelo meio de toda a confusão e fomos ter com Chris e Chaz, estavam com o grupo de Bieber, com piranhas grudando neles, logo eu e Mary nos olhamos e rolamos os olhos, estes meninos não querem outra, só beber e transar mesmo. Logo comprimentamos todo mundo, e Mary já ficou falando com Jack e foi logo dançar, eu comprimentei todo mundo até mesmo as piranhas, tentando fazer boa cara, o que não deve ter dado resultado porque eu nem consigo ouvir elas falando sem querer afogar elas, até que chegou na vez de comprimentar o Bieber, cheguei perto dele e o comprimentei rápido, sem qualquer emoção.

— Eai bravinha.— disse ele me comprimentando e sorrindo.

— Oi.— disse seca saíndo logo me dirigindo pra mesa que estava lá, me sentei e um moço me perguntou o que eu iria beber, então pedi, logo ele me deu a bebida e eu fiquei olhando todo mundo e ouvindo a música.

 Meu olhar se desviou pro Bieber, estava dançando (lê-se roçando) numa piranha que estava dando sorrisinhos e dando em cima dele sem vergonha na cara, eu não suporto estas minas, não entendo o que elas ganham com isso, pra se divertir não precisa de andar ai transando com tudo o que anda né?

Farta de ficar ali olhando todo mundo se comendo ou vomitando decidi ir no banheiro, fui subindo as escadas olhando por todas as portas tentando encontrar o banheiro que ficava no fundo de um corredor, entrei e me olhei no espelho, e fiquei pensando se me mudar pra cá foi a melhor decisão, e se eu tiver vindo pra cá e der errado? Eu não sei, neste momento eu tô precisando me divertir e esquecer tudo, lavei minha cara, limpei as mãos e sai, e comecei andando pelo vasto corredor, olhando pro chão até que fui batendo contra alguém.

Olhei pra cima e era um rapaz, ele parecia bastante bêbado, tentei me desviar dele e continuar andando mas ele sorriu, me olhou de cima abaixo e começou me agarrando, comecei ficando com medo e tentando sair mas ele me puxava de tal maneira que eu sentia meus braços queimando, ele começou tentando me beijar mas eu desviava a cara.

— ME LARGA IDIOTA, ME LARGA.— comecei entrando em pânico, pensando que com  a música ninguém ia ouvir meus gritos, comecei chorando a medida que ele me empurrava contra a parede e começou beijando meu pescoço deixando marca.

— ALGUÉM ME AJUDE POR FAVOR, ME LARGA, POR FAVOR ME LARGA.— disse já chorando entrando em pânico.

— Tá caladinha menina, eu não vou fazer mal pra você, vou fazer muito bem até.— disse ele sorrindo, e continuando me agarrando contra parede e me beijando o pescoço.

Continuei gritando chamando por ajuda e tentando sair dali, me debati muito tentando chutar, nada funcionava, eu não parava então ele me deu um tapa muito forte, senti minha bochecha latejando, e queimando muito.

— TÁ CALADO CARALHO. JÁ DISSE QUE DAQUI NÃO SAI.— gritou ele bem perto de mim batendo com minha cabeça na parede com bastante força me fazendo ficar tonta, continuei chorando e com os olhos fechados até que sinto meu corpo falecer no chão.

Olhei pra cima e vejo alguém dando socos e chutando o rapaz que me estava agarrando, minha visão começou ficando turba mas eu ainda conseguia ver alguém batendo muito enquanto o rapaz já sangrava, até que por fim senti meus olhos pesarem e tudo ficar preto.

 

Justin’s pov on

Estava dançando com uma gata e desviei meu olhar vendo Emma me olhando então decido provocar, começando dançando mais junto da piranha, passado um tempo a deixei de ver. Comecei olhando por todo lado e não a encontrava, empurrei a piranha que tava se roçando em mim e fui subindo as escadas procurando ela, olhei em todos os quartos e não a encontrava.

— Onde carai essa idiota se meteu?— comecei me dirigindo Emma corredor, até que ouço alguém chorando e algo alguém gritando, uma voz masculina.

Comecei correndo olhando em cada quarto tentando perceber de onde vinha até que vejo emma sendo agarrada contra uma parede e chorando muito, se debatendo e um rapaz gritando com ela enquanto a agarrava e batia nela com muita força. Corri em sua direcção e comecei batendo nele, sem pensar comecei dando socos nele e chutando, eu só vi a raiva se apoderando de mim naquele momento e não sabia explicar o porque, eu nunca me importo com ninguém, não sou propriamente o rapaz de ir salvar a donzela e ficar dando carinho.

Ele tentava se defender mas eu não dava nem tempo pra isso, pois minha raiva so aumentava, continuei chutando ele e dando socos até que vi emma, seu corpo descendo pela parede, como seu corpo pesasse, logo deixei ele no chão e corri pra ela.

— EMMA, EMMA, ACORDA EMMA, CARALHO ACORDA.— comecei abanando um pouco ela e gritando já entrando em desespero, peguei nela e a levei pro meu quarto, e fechei a porta.

Corri lá em baixo e pedi pro Lil Za mandar todo mundo embora, todo mundo ficou bufando mas logo todos saíram, corri pro meu quarto e fui na casa de banho pegar uma toalha, molhei ela e corri para ela e coloquei a toalha.

O que aconteceu, eu não sei o que fazer, se acontecer alguma coisa com ela, eu mato aquele filho da puta, eu mato ele. Me levantei e comecei andando dum lado pro outro com minhas mãos na cabeça, eu não sabia o que fazer, eu não posso ligar pros socorristas, eles não podem entrar aqui, iria chamar atenção e eu ia acabando com a policia no meu pé.

— O que eu vou fazer caralho, ai Emma acorda porra. — comecei desesperando sem saber o que fazer. — EU VOU MATAR AQUELE FILHO DA PUTA, VOU CORTAR SEUS DEDOS PRA ELE NÃO PODER TOCAR NUMA MULHER ASSIM, CORTAR SEU PINTO TAMBÉM PRA ELE NÃO PODER MAIS TRANSAR E DEPOIS VOU DEIXAR ELE QUEIMANDO, EU JURO QUE VOU...— tava já gritando e esfregando meu cabelo, quando ouço um barulho vindo da cama, logo olhei e vi Emma abrindo seus olhos e tentando se sentar, corri pra ela em pânico.

— Emma você está bem? O que aconteceu? O que ta doedo?— fiz tantas perguntas, de tão nervoso que estava.

— Justin se acalma eu est... AH!— emma tentava se mexer mas parecia que seu corpo não deixava, fui pegando nela e ajudando ela se deitar.

— Não, não está, eu vou matar aquele filho da puta, se deite agora vai ficar ai descansando, não vou deixar voce sair daí até  estar completamente bem.— disse me sentando no lado dela.

— Justin...— ela disse me olhando, dava pra ver nos seus olhos que ela estava forçando pra não chorar.

— Sim?

— Obrigada.— ela disse, peguei em sua cabeça e deitei ela no meu colo, afagando seus cabelos, até ela adormecer.

Eu não sei, eu não costumo em importar mas há algo nela que mexe comigo, ver ela sorrir me faz sentir bem ou ver ela brava comigo, e hoje ver ela chorando, senti meu mundo desabar, eu não sei o que tá acontecendo comigo, será que.. não Justin NÃO, justin não se apaixona, justin não ama, justin não se importa.

Fiquei pensando nisso, mas de qualquer maneira ninguém tem direito em tocar em mulher daquele jeito, eu ia matar aquele cara, vou falar pro Lil Za, encontrar ele e o levar pro porão, o que não deve ser dificil, pois duvido depois do quanto eu bati nele ele tenha saido de lá,  eu iria dar pra ele uma lição que nunca iria esquecer, fiquei mexendo no cabelo da emma, me deitei a seu lado e acabei caindo no sono.

 

Emma's pov on

Acordei com uma dor de cabeça dos infernos e sentindo um peso em cima de mim, abri meus olhos e vi um braço grudado em mim, comecei tentando perceber onde estava, este não era meu quarto, onde eu estou, fiquei olhando aquele quarto enorme e muito bonito por sinal que me era familiar até que viro a cara e vejo ele dormindo do meu lado apenas de boxer, fiquei olhando pro seu corpo vendo seus abdominais (não julga não, você nem imagina), meu deus ele me quer matar mesmo.

Ele ainda estava com o braço por cima de mim me impossibilitando de mover, eu não tava acreditando ele me ajudou ontem, eu posso não querer estar perto dele, mas não posso negar o que ele fez por mim, nem posso negar que ele continuava mexendo comigo de uma maneira que nenhum rapaz me fez sentir, ver ele dormindo me fazia sorrir sem eu mesmo pedir por isso, ele parecia um anjo, como uma pessoa que parece um anjo pode ter tantos segredos e mistérios obscuros.

Fiquei olhando ele por um tempo, e depois me levantei tentando não o acordar, fui no banheiro e tomei um banho ainda me contorcendo pelos socos dados no estômago, coloquei uma toalha e fui ao seu closet tentando procurar algo pra vestir, pois não ia vestir a roupa de ontem, comecei mexendo e encontrei um boxer e uma t-shirt, as vesti, e fui olhando pra cama enquanto ele continuava dormindo, fui descendo as escadas sem fazer barulho, comecei procurando nos seus armários da cozinha por comida pra fazer o pequeno almoço pois tava com uma fome desgraçada.

Já disse que era enorme, pois até sua cozinha era maior que a casa que eu tinha comprado, encontrei panquecas e comecei fazendo elas, estava cantando enquanto fazia, fui pondo a mesa, e continuei fazendo o resto da comida.

 

Justin’s pov on

 

Acordei sentindo um vazio na cama, esfreguei meus olhos e vi que emma já não estava lá, pensei pra mim que ela já tivesse ido pra casa, me levantei fui tomar um duche, vesti uma camisola e uma calça larga rasgada nos joelhos, e desci.

Comecei ouvindo alguém cantando, uma voz doce, fui em direcção a cozinha e  vi Emma cantando e dançando enquanto cozinhava algo. Me encontrei e fiquei vendo ela, apenas sorrindo sem me perceber  de tal ato. Eu não sei como é possível, o que ela me faz sentir, eu nem a conheço bem, logo fiquei vendo ela cantando e se abanando sua bunda com a minha t-shirt e meu boxer, até que ela se virou.

— AH CARRALHO PORRA.— emma deu um grito colocando as mãos no peito,  não tava nem contando que tivesse alguém vendo ela, comecei rindo muito dela e vi ela me fitando com os olhos.— Porra Bieber, não tô vendo onde está a piada, não sabe avisar?— disse ela brava colocando as panquecas e os ovos em dois pratos.

Não sei explicar mas ela me chamando de "Bieber" me fez sorrir. Ficamos comendo e conversando sempre rindo um do outro, e depois nos fomos sentar no sofá  vendo um filme, e logo  começou dando Bob Esponja, começou me a olhando e rindo.

— Você vê bonequinho?— disse olhando pra ela rindo.

— É Bob Esponja, não é bonequinho não.— disse indignada me olhando, cai na gargalhada e saltei pra ela começando fazendo cócegas.

— BIEBER CÓCEGA NÃO, AI PARA.— ela estava se debantendo e dando gargalhadas muito altas, eu fiquei sorrindo vendo ela.— PARA BIEBER É SÉRIO.— logo parei e fiquei olhando ela que me olhava do mesmo jeito

Comecei me chegando mais perto sentido sua respiração ficando nervosa, fui chegando mais perto e senti meus lábios grudando nos dela, nossas respirações se cruzavam, começou passando sua mão por meu cabelo, enquanto eu agarrava sua cintura e a puxava mais para mim, logo paramos beijo por falta de ar, nos ficamos olhando até que eu me levantei ajeitando e ambos nos sentamos no sofá.

— É..eu acho que vou ligar pra Mary me vir buscar ta ficando tarde.— disse e senti sua voz ficando nervosa.

— Não precisa, eu levo você.— disse a olhando, voce é idiota mesmo, não chega ter feito o que fez ainda da carona pra garota, idiota.

— AI MERDA. ME ESQUECI.— disse colocando as mãos em sua cabeça.

— Que foi?— perguntei não percebendo o que se estava passando.

— A Mary vai viajar hoje pra visitar os pais dela e eu era pra ficar na casa de Chaz e Chris, eu nem liguei pra eles porra.— emma ficou metendo mãos a cabeça enquanto bagunçava os cabelos.

— Você pode ficar aqui se quiser, tem quarto de hóspedes lá em cima, e eu peço pra Maria, minha empregada, arranjar uma roupa pra você vestir.— disse a olhando.

O que eu tou fazendo? Justin não deixa rapariga ficar cá em casa a não ser que seja por outros motivos, Justin o que você tá fazendo? PORRA.

— Mas é claro que pode dormir no meu quarto, é bem melhor.— disse piscando.

— Cala a boca Bieber.— disse ela me olhando. — É melhor eu ir pra casa.

— Fica e acabou, eu mando.— disse e logo ela bufou.

Ficamos assistindo filmes a tarde toda, jantamos e fomos cada um pra seu quarto, eu levei ela pro quarto de hóspedes, bem que tentei a levar pro meu mas nada resultou. Essa garota deve ser idiota mesmo, não tá vendo quem eu sou. Justin o que tá acontecendo, você não fica mole não, ela ta mesmo mexendo comigo e isso me deixa louco, eu não sei o que tou fazendo mais.

 

 

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...