História My Angel - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Angel, God, Power, Wolf
Exibições 14
Palavras 3.578
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


~foge das pedras~ Olha só quem voltou <3
Eu disse que daria mais atenção à My Angel assim que terminasse Artificial Love, e foi o que eu fiz, já to reescrevendo os outros capítulos e espero que dê tudo certo a partir de agora..
Enfim, capítulo cinco aí <3 <3

Capítulo 5 - Dreams Again..


Fanfic / Fanfiction My Angel - Capítulo 5 - Dreams Again..

~Angeline On~

Mais uma vez o mesmo sonho, já era a quarta vez naquela mesma semana, e o pior de tudo, era com pessoas que eu nunca tinha visto na vida. Como sempre acordei gritando, minha cabeça doía tanto que parecia que estavam martelando-a.

- Shhh – senti um pano quente na minha cabeça e assim que consegui focar em algo, vi a expressão preocupada de Jimin.

- O que está fazendo aqui? – perguntei baixo.

- Cuidando de você, agora fica quieta – no mesmo tom ele me respondeu, acariciando de leve minha cabeça.

- Só foi um sonho, Jimin, não precisa se preocupar – sinto uma forte pontada na cabeça e solto um gemido de dor, Jimin se aproxima mais e me abraça, ainda segurando o pano em minha testa. Uma onda de calor percorre meu corpo e começo a me sentir melhor.

- Vou ficar aqui com você esta noite, só por precaução – seu olhar preocupado era quase palpável.

- Tem certeza? A cama é pequena.

- Não ligo, durmo até no chão, mas não te deixo sozinha, agora deita devagar, pra não sentir nenhuma dor.

E ele realmente ficou, me deu um beijo estalado na bochecha e fez carinho em minha cabeça até que eu pegasse no sono de novo, e dessa vez não tive pesadelos.

 

~Jimin On~

Enquanto acariciava seus cabelos, estava pensando em diversas coisas, entre elas o fato de que eu não deveria criar expectativas com esse relacionamento. Agora que todos sabiam que Hoseok estava vivo, as chances disso chegar aos ouvidos de Angeline eram muitas, e quem ia sair machucado no final seria eu.

Assim que seus olhos fecharam eu pude relaxar, continuei com as carícias, pegando no sono logo em seguida.

 

~YoonGi On~

- Sou contra isso – bufei me jogando na cama.

- Contra o que? Mandá-la para Los Angeles? – assenti – Amor, vai ser melhor pra ela, você sabe disso.

- Sendo bom ou não, eu não concordo. O Jin está se precipitando, só vai deixar todo mundo mais preocupado com ela, como ele pode mandar a garota pra lá desse jeito?

- Ele disse que vai mandar o Kook e o Jimin exatamente para não terem problemas.

- Kook e Jimin no mesmo lugar? Pra não ter problemas? Haha, não vai rolar.

- Também acho, na verdade todos sabem que é uma péssima ideia, mas não somos nós que decidimos isso.

- Era pra ser eu a decidir o que se passa aqui.

- Mas não é, e eu acho ótimo. Primeiro por que você é muito sentimental, segundo por que, já viu o sofrimento que a Catherine passa pra ficar pelo menos dois minutos com o Jin? E o Alex, o coitado só fala com o pai antes de dormir – ouvi ela suspirar e me sentei na cama – Você se sentiria como se ficasse tanto tempo afastado do seu filho?

- Eu surtaria, mesmo que fosse minha obrigação, não aguentaria. Já provei que não consigo ficar longe de você quando desobeci às ordens do Jin e te liguei – sorri.

- Pois bem, então pense antes de querer se colocar no lugar de Jin – se aproximou lentamente de mim e me deu um beijo demorado – Min sentimental Yoongi.

- Calada, Julie Williams – a puxei devagar, fazendo-a sentar em meu colo e voltei a beijá-la.

- Mãe – a voz estridente nos fez encerrar o beijo – Que horror, parem com isso – tampou os olhos e nós rimos.

- Tem que bater na porta antes de entrar, Max, já te ensinei isso.

- O que foi, meu bem? – Julie perguntou ao pequeno enquanto saía do meu colo.

- Me coloca na cama?

- Você já não estava deitado? – ele assentiu.

- Mas quero que a senhora me coloque na cama de novo,

- Está muito mal acostumado, senhor Max.

- Mamãe, posso ter oito anos, mas sempre vou pedir pra senhora me cobrir – ele sorriu e pude ver suas pequenas presas.

- Amor – sussurrei pra Julie e ela me olhou – Olha ali – apontei para os meus próprios dentes e depois indiquei o Max com a cabeça.

- Vamos lá, vampirinho, vou te por na cama – ela pegou o menor no colo com um pouco de dificuldade.

- Mãe, olha, já consigo controlar minhas presas – ele sorriu mostrando as mesmas desaparecendo e aparecendo novamente.

- Então deixe elas bem guardadas, tudo bem? – riu saindo do quarto e ele assentiu.

- Boa noite, pai – gritou do corredor e eu apenas gritei de volta, deitando na cama novamente.

- Me sinto um ótimo pai – falei assim que vi a figura feminina entrar no quarto e fechar a porta.

- Por que?

- Por ter conseguido ensinar ele a controlar com essa idade, a maioria das crianças só aprendem com dez ou onze anos.

- Sorte nossa que ele aprendeu rápido – ela deitou ao meu lado – Lembra o sacrifício que foi pra Cath ensinar o Alex? E olha que ela nem tem presas.

- Fico impressionado com o tanto de coisa que o Jin perde, principalmente o crescimento do filho dele. Será que ele se sente mal?

- Não sei, deve se sentir. Ele pode parecer um idiota, mas creio que tenha sentimentos.

- Você acha que ele sentiu alguma coisa por...

- Não quero falar sobre o passado, Yoongi, por favor – disse me interrompendo e eu me calei.

- Desculpa, não falo mais nada – dei um beijo leve em sua testa antes de abraçar o corpo um pouco menor que o meu.

- Tudo bem, só vamos dormir, ok? – tenho certeza de que ela notou meu sorriso malicioso, pois suas bochechas aderiram uma coloração forte.

- Não pretendia dormir agora – uma risada baixa se desprendeu de sua garganta e em seguida recebi um beijo calmo.

- Não estou com cabeça pra isso, amor.

- Não precisa estar com cabeça, você não vai usá-la pra nada.

Nem preciso dizer como minha noite terminou, tive Julie de corpo e alma novamente, como em tantas outras noites, mas dessa vez fiz questão de demonstrar o quanto a amava, através de cada toque.

Adormecemos logo depois, com as respirações pesadas e um sorriso bobo no rosto de nós dois.

 

X Uma semana depois X

 

~Angeline On~

Estava terminando de colocar minhas malas no carro quando Jimin se aproximou de mim.

- Está tudo bem? – Perguntou me abraçando por trás e eu apenas assenti – Tem certeza?

- Não tem como ficar bem sabendo que em algumas horas estarei longe daqui, mas estou tentando – sorri sem humor e ele me apertou mais – Jimin, se não quiser ir, eu vou entender, vai ser menos um peso pra você. Eu sei me virar, você sabe disso mais do que ninguém, e...

- Vou entrar pra pegar minhas malas e fingir que eu não ouvi isso – Me interrompeu e se afastou, me olhando com seriedade – Se você acha que eu sou capaz de te deixar sozinha nas mãos daquele otário, está muito enganada.

- Falando de mim de novo? Cansa não, Jimin? – Kook chegou com uma caixa na mão e a colocou no porta-malas do carro.

- Eu disse otário, mas não disse quem era, se você se ofendeu, a carapuça serviu – ele sorriu cínico e eu dei uma leve cotovelada em seu braço, fazendo ele me olhar.

- Se for pra você continuar com essas provocações infantis, prefiro que fique aqui – falei andando em direção à porta de entrada da casa.

- Angel, espera – Kook deu uma risada baixa quando nos afastamos, mas eu ouvi – Desculpa, você sabe que com o Jungkook eu não tenho muita paciência.

- Só com ele? – Sua expressão incrédula quase me fez rir – Enfim, é melhor você aprender a ser paciente, ou eu vou e te deixo aqui.

- E vai sozinha?

- Não, vou com ele – apontei pro Kook que vinha logo atrás de nós.

- Eu não sou louco de te deixar ir com isso pro outro lado do mundo.

- O recado está dado – pisquei pra ele e entrei em casa, encontrando todos na sala.

- Já estão indo? – Julie perguntou e teve uma confirmação de Jimin, que pegava o resto de suas coisas e levava pra fora – Um dia eu tento ir visitar vocês, mas não prometo nada, ok? – ela sussurrou em meu ouvido enquanto ria e me abraçava.

- Tudo bem, só não esqueça da minha existência – sorri.

Todos os outros vieram se despedir de mim e dos meninos, os últimos da fila eram Namjoon e Taehyung.

- Você vai ficar bem? – Tae perguntou me dando um abraço.

- Claro que vou, não precisa se preocupar – baguncei seus cabelos antes de nos soltarmos.

- Já é a segunda vez que a gente se separa. Não vou poder ter minha irmã comigo nunca, é isso mesmo? – Era a vez de Namjoon se despedir.

-Deixa de drama, Nam – o abracei e senti uma lágrima quente descer por meu rosto – Se quiser pode me ligar, eu sempre irei atender as suas ligações – acariciei seu cabelo – Eu te amo, e espero que fique bem sem sua irmã preferida.

- Só tenho voê de irmã, tinha que ser preferida mesmo – Nós rimos e nos afastamos devagar – Vou sentir sua falta, pirralha, e da minha sobrinha também.

- Você nem sabe se é menino ou menina, não especifique o sexo da criança antes da hora – sorri enquanto ele acariciava minha barriga.

- Eu quero que seja menina, e vai ser, então não discute comigo – Ele me deu um beijo demorado na testa e andou comigo até o carro – Boa viagem e mandem notícias.

Durante todo o caminho para o aeroporto ficamos em silêncio, eu só aproveitava as carícias do Jimin em minha barriga e vez ou outra em minha cabeça. Estava preparando meu psicológico pra essa viagem.

 

~Jimin On~

- Acho que em breve eu mando vocês de volta, mas enquanto estiverem lá – Ele fez uma pausa e lançou um olhar cansado pra mim – Se cuidem, por favor.

- Pode ficar tranquilo, vamos ficar bem – Angel disse sorrindo.

- E nós ajudamos com o bebê, não se preocupe, Jin – Falei m indiferença.

- Então tudo bem, até breve e , me mantenham informado – Ele  o Kok e sussurrou algo em seu ouvido, abraçou Angeline e lhe deu um beijo na bochecha, quando se virou pra mim apenas desejou boa viagem.

Eu agradeci aos céus por ele não ter me dado um abraço ou até mesmo um aperto de mão, juro que se eu fosse louco o bastante, ajoelharia no chão do aeroporto, ou então subiria em uma das cadeiras e gritaria uma explosão de agradecimentos, mas, eu ainda tenho senso e noção do ridículo pra não fazer isso.

- Jin, vou poder ao menos entrar em contato com alguém daqui? – Angel perguntou enquanto me abraçava de lado.

- Pode sim, sempre que quiser, pode ligar – Sorriu.

Ouvimos a moça do balcão anunciar o nosso voo e demos um último adeus para Jin, fomos em direção ao avião logo em seguida.

- São essas três – Kook apontou para três poltronas à nossa frente.

- Se vocês não se incomodam, eu vou sentar na ponta – ela sentou e eu analisei minha situação.

- Você ta louca? Não vou viajar pro outro lado do mundo com ele do meu lado – apontei pro Kook que se acomodava na cadeira do canto.

- Eu já sentei no canto pra não te impedir de ficar do lado dela, então para de reclamar.

- Jimin, faça que nem o Kook, se for reclamar, faça isso mentalmente.

- Mas eu não estou reclamando – Kook falou com um biscoito na boca.

- Até eu to reclamando, Kook – ela riu e tocou a cabeça dele com o indicador – Mentalmente.

- Não acredito nisso – Sentei na poltrona do meio e tentei dormir sem me preocupar com a Angel e me segurando pra não matar o Kook por estar fazendo tanto barulho com o saco de biscoitos.

 

~Jungkook On~

Terminei de comer os biscoitos e liguei o celular, tinha quase 30 mensagens do Jin, comecei a olhar algumas delas e vi que não era nada importante, mas continuei lendo-as, até que senti alguém empurrar minha poltrona.

- Desculpa o incômodo, mas eu to tentando me concentrar aqui, tem como parar de empurrar minha poltrona? – Falei virando pra trás e vendo uma criança.

- Ah, desculpa, isso não vai se repetir – A mulher com aparência jovem ao lado do menino se desculpou e pediu pra ele parar de chutar.

- Muito obrigado – Sorri pra ela, que por sinal era muito bonita, e me sentei novamente.

Olhei para o lado e vi Jimin e Angel dormindo, então decidi ir ao banheiro. Quando estava chegando à porta do mesmo, esbarrei em alguém.

- Olha por onde anda, garoto – ela olhou pra mim e arregalou os olhos – Você de novo?

- Se eu pedir desculpas, nós ficamos quites? – sorri nervoso e ela retribuiu o sorriso, confirmando – Desculpa.

- Não tem problema – continuamos parados olhando um pra cara do outro, saí do transe quando ela pigarreou – Qual o seu nome, mesmo?

- Jeon Jungkook, mas pode chamar de Kook – estiquei a mão pra ela, que apertou a mesma – E o seu?

- Alicia White, e, não tenho nenhum apelido – ela riu e soltou minha mão.

- Muito prazer.

- O prazer é todo meu, agora tenho que voltar pro meu lugar, até logo – acenou e voltou pro seu lugar. Entrei no banheiro em seguida e me olhei no espelho.

- Pelo amor de deus, eu to horrível – arrumei meu cabelo e joguei água no rosto, que estava coberto de farelos de biscoito.

Voltei ao meu lugar depois que terminei de dar um jeito na minha aparência e vi que Angeline havia acordado.

- Onde você estava? – perguntou quando me aproximei.

- Fui ao banheiro, por quê?

- Preciso de ajuda, tentei acordar essa pedra, mas é impossível – ela olhou pro Jimin, furiosa.

- Calma, me diz o que você quer – ri de sua expressão e me inclinei pra ajuda-la a levantar.

- Eu quero melancia – um bico de formou em seus lábios.

- Aah, desejo uma hora dessas? – Olhei pro banco de trás e Alicia me encarava com uma expressão de dúvida.

- É meu primeiro desejo, idiota, me ajuda a sair daqui pra gente procurar uma aeromoça – ela sussurrou, brigando comigo.

- Ta bom, mas, você viu pra onde a aeromoça foi?

- Existem várias delas aqui, quer mesmo que eu saiba pra onde todas elas foram?

- Uma delas foi pra lá – Alicia falou e eu e Angel viramos para olhá-la – Ah, vocês são um casal? – perguntou e eu só entendi o por que da pergunta quando percebi que estava abraçando a Angeline.

- Claro que não, ele é meu cunhado – ela riu – Obrigada pela informação.

- Por nada e, boa sorte – Senti uma mão me puxar e quase caí no processo.

- Você estava quase babando – Angeline disse quando chegamos à uma espécie de copa.

- Eu sou um cachorro, o que você esperava? – nós rimos baixo.

- Idiota, eu estou falando sério, ela é bem bonita, não acha?

- Ah, achei bonita sim, mas não faz meu tipo. O nome dela é Alicia.

- Então vocês já se conhecem.

- Não exatamente, tivemos uma conversa, que foi bem estranha já que eu não parava de sorrir, tava parecendo um babaca.

- O que é normal, né? – ela riu e eu a olhei sério, estava pronto para revidar, mas uma das aeromoças chegou e finalmente conseguimos saciar a vontade de Angeline.

Voltamos aos nossos lugares e Jimin continuava apagado.

- Ele morreu? – Perguntei assim que Angeline sentou.

- Acho que deve ter morrido – ela riu cutucando a bochecha dele - ele disse que prefere dormir a ter que ficar acordado lembrando que está dentro de um avião.

- Ele tem medo? – Perguntei e ela confirmou ainda rindo.

- Vocês não respeitam não o sono alheio? – ele abriu os olhos de repente e eu tive que me segurar na poltrona pra não cair com o susto – Acho ótimo quando as pessoas riem da minha desgraça.

- Vai matar outro do coração – Angel disse piscando freneticamente.

- Desculpe, mas foi inevitável. Onde vocês dois tinham ido?

- Pegar melancia – Ela apontou pra vasilha com alguns pedaços da fruta.

- Precisava ter ido os dois?

- Era o primeiro desejo dela, eu estava acordado e fui ajudar a procurar alguém.

- E por que vocês não me acordaram?

- Parecia que alguém tinha te dopado, eu tentei te acordar, mas você não mexeu um músculo.

- Que droga – ele bufou e eu voltei a rir baixo.

 

Chegamos ao aeroporto de Los Angeles no dia seguinte, estávamos aguardando nossas bagagens quando alguém cutucou meu braço.

- Vai ficar aqui em L.A também?

- Ah, oi Alicia, vou sim, tenho que cuidar dela pro meu irmão – apontei pra Angel, que estava toda atrapalhada com as malas um pouco longe deles.

- Mas seu irmão não é aquele ali? – Apontou pro Jimin e eu ri.

- Ta amarrado, eu não gostaria que ele fosse meu irmão nunca – ela riu também.

Uma corrente um pouco forte de vento bateu onde estávamos, e eu senti um cheiro conhecido, aquele cheiro que sempre sentia em casa, até que a ficha caiu e eu olhei pra Alicia.

- Ta me olhando assim por quê?

- Você não é mortal, é? – ela desfez o sorriso e sua mão tremeu levemente.

- Não sei do que você está falando – tentou disfarçar e deu um passo pra trás.

- No avião eu não senti por que não tinha vento, mas agora dá. A não ser que esse cheiro não seja seu – eu estava praticamente sussurrando.

- Como você sabe disso? – Peguei minha mala com uma mão e com a outra segurei Alicia pelo pulso, levando-a pra um lugar mais afastado das pessoas – O que está fazendo?

- Olha – abri a boca e deixei que meus caninos aparecessem.

- Bom, hoje tem lua cheia, e está anoitecendo – ela disse com os olhos arregalados.

- Eu não me transformo na lua cheia, eu consigo controlar, aprendi com meu irmão.

- Esse seu irmão... Por que vocês não estão juntos? Ouvi falar que lobos não se separam da matilha.

- Meu irmão morreu há algum tempo – menti

- Ah, me desculpa.

- Não tem problema – sorri – mas e aí, o que você é, afinal?

- Sua vez de vir comigo – ela sorriu e me puxou pelo braço até a cantina do aeroporto.

- Espera, cadê seu sobrinho?

- Com a mãe dele, ela veio buscá-lo e já foi embora.

- Nem te esperou?

- Nós não somos muito próximas, ela me odeia por que eu não sou mortal.

- Ué, como assim?

- É hereditário, mas só eu fiquei com os poderes da nossa mãe.

- Ah, entendi – Sentamos em uma das mesas e ela pediu para o garçom trazer um copo d'água – O e vai fazer?

- Espera um pouco – Quando a água chegou ela ficou encarando o copo como se fosse uma coisa de outro mundo e eu continuei calado, apenas esperando – Olha.

Ela mexeu um pouco as mãos e a água do copo começou a subir, à medida que seu dedo indicador se movia, a água fazia os mesmos movimentos.

- Você controla a água - falei baixo.

- Não só isso – pegou um guardanapo que estava sob a mesa e com um simples olhar, o papel pegou fogo, se transformando em cinzas instantes depois.

- Todos os elementos...

- Exatamente – sorriu me encarando com expectativa.

- Olha, devo admitir que estou impressionado, faz anos que não ouço falar de dominantes dos quatro elementos – meus olhos ainda estavam arregalados.

- Existem mais dois, ou três dominantes hoje em dia, era por isso que estava na Coréia, pra conhecer os outros – ela ainda brincava com a água.

- Minha família toda tem poderes.

- Pensei que só tivesse seu irmão e sua cunhada, de família

- De sangue é só meu irmão e minha mãe. Mas tem as pessoas com quem eu moro, que ficaram lá. Cada um deles tem um poder diferente – sorri – Depois te conto mais sobre eles.

- Ah, tudo bem – seus olhos se fixaram em um ponto da mesa e então ela sorriu – Tem mais uma coisa, mas isso eu não posso te mostrar aqui.

- Sério? – perguntei, surpreso - Me passa seu número e endereço, por favor, sinto que precisamos sair – ri quando ela pegou outro guardanapo e uma caneta e começou a anotar.

- Pronto – peguei o papel dobrado e coloquei dentro do bolso – Se você não me ligar, vou ficar extremamente chateada.

- Não se preocupe com isso, eu ligarei.

- Kook, vamos? – Angeline chegou de repente, me assustando.

- Ah, vamos – levantei da cadeira, indo até a Alicia e dando-lhe um beijo na bochecha – Até logo.

- Até, Kook – ela acenou quando eu me distanciei.

Fui para casa com o Jimin reclamando com o taxista que não conseguia achar o endereço e com Angeline reclamando com o Jimin que não parava de gritar, enquanto eu mesmo só prestei atenção nos prédios e avenidas do lado de fora do carro.

A casa era grande de mais pra três pessoas, mas já estávamos acostumados com lugares grandes. Deixamos tudo literalmente jogado pelos cantos e seguimos para nossos respectivos quartos. Tomei um banho bem demorado, pra tirar todo aquele clima de viagem, e quando deitei não vi mais nada, estava tão cansado que simplesmente apaguei.


Notas Finais


Personagem nova aí <3 Dependendo do andamento da fanfic, vou fazer um jornal falando sobre as inspirações que tive pra fazer essas personagens ^^
Espero que tenham gostado e, até o próximo <3 (Perdoem os erros e, COMENTEM, please)
Kissu~~<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...