História My angelic love - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~madu2004

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Revelaçao
Exibições 3
Palavras 1.650
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Colegial, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Suspense

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá meus amores, como vai?
Já estava com saudades♡♡

Capítulo 4 - Quem você pensa que é?


Fanfic / Fanfiction My angelic love - Capítulo 4 - Quem você pensa que é?

POV:DUDA

Ai que raiva. Entrego o dinheiro para a bia, o Luke começa a falar mais não presto atenção pois estou pensando em como matar a minha linda irmã(só para avisar, estou sendo sarcástica).

-Não sei porque continuo a apostar

-Ora eu sei, é para perder pra mim- eu tenho quase certeza que tava saindo fumaça do meu ouvido

-Ora sua...-ia chingar de um nome tão bonito mas luke me interrompeu, já que ele me conhece, mas eu estava com tanta vontade de chamar ela de filhote de cruz credo com catupri(acabei de inventar).

-Temos uma missão para vocês e é diferente de tudo que vocês já viram.

Eu começo a me interessar pelo assunto, eu sempre amei o que faço, de todas as missões, de todos os demônios que já matei, muitos caçadores vêem isso como um trabalho mas eu vejo como uma diversão

-Conte nos mais Luke

-Em uma escola até perto de vocês, está havendo acontecimentos demoníacos envolvendo a morte de várias crianças e o trabalho de você é encontrar este demônio e restaurar-lhe a bondade ou mata-lo

Quando ele fala que envolvem mortes principalmente de crianças vejo que tenho a obrigação de impedir mais mortes

-Certo temos bastante trabalho! Quando começamos?- vejo que bia revira o olho e laço-lhe um olhar mortal

-Bem vocês podem começar...agora

Do nada vem uma luz forte e fecho os olhos e quando abro os olhos estamos em frente a escola. Odeio quando o Luke usa magia, eu fico tonta e olho para baixo e vejo que estou com uma blusa de unicórnio, eu tenho ódio mortal por unicórnios, mas quando olho para bia ela está vom um vestido preto, e eu sei muito bem que ela odeia roupas pretas, até o uniforme de nephilim ela reclama por ser preto, então sei que ela vai reclamar em 3,2,1. Começou a falar, eu não disse.

-Beatriz, foco por favor-disse só pra poder perturbar ela.

E como esperado ela começa a fazer um escândalo, aí meu pai que vergonha alheia. Abaixo um pouco a aba do boné, vai que alguém ne reconheça e depois me zoe por conhecer uma maluca. Depois do escândalo, aquela luz que eu odeio vem e quando olho estava com o vestido preto, amo roupas pretas!

O sinal toca e vamos na secretaria para pegar nosso horário e por falta de sorte a primeira aula é de português, e eu não gosto nem um pouco de português, quando a professora entra e vejo que é uma velha, que tenho certeza que nem o marido aguenta, o meu ódio aumenta muito mais. Glória ao pai a aula passou rápido e logo veio matemática, a matéria que mais amo no mundo. E adivinha? Tem teste surpresa. AMO. (aí meu Pai amado, Jesus de Nazaré, to ficando doida igual a Beatriz. Ai por favor me matem). Ainda bem que dei uma olhada justo na matéria de matemática e eu sabia tudo. A bia se levanta pra falar com a professora mas ela leva um fora bonito. Sorrio para ela sarcástica e ela me dá língua e como sou uma menina educada retribuo. 

~ quebra tempo ~

Estava andando pelo corredor da minha linda escola, só que não, ouvindo minha irmã resmungar no meu ouvido que tinha ido mal na prova de matemática, e só pra fazer o que mais amo na vida, perturbar a bia disse:

-Eu até acho que fui bem!-dou um sorriso tipo " sou melhor que você"

-O que? Mas você nem sabia a matéria

-É mas antes da aula começar quando fui pegar nossos livros dei uma olhada no que íamos estudar. 

-Ah mas isso é trapaça

-Não é trapaça se eu sou mais inteligente que você- enquanto ela dá um pití eu penso " aí como eu sou bandida"

Ouço alguém nos chamando e quando olho na direção do barulho vejo um menino loiro, eu lembro dele, e vai por mim não tive uma boa primeira impressão quando vi ele na sala pela primeira vez. 

-Aqui- diz nos chamando com as mãos

Chegamos perto dele mas só quando chegamos perto vimos que tinha mais cinco meninos com ele

-Meu nome é Leonardo e esses são Diego, Rafael, Matheus e Lucas- quase que eu viro para ele e digo: dane-se. Continua falando- bem queríamos agradece-las pela cola

-Cola?- olho pra ele arqueando as sobrancelha

-Sim a cola no teste surpresa-diz um ruivo que se eu não me engano se chama Rafael

-Eu ia colar da outra garota-diz o de cabelos pretos-porém percebi que não era inteligente e que a maioria das respostas estavam erradas

-Ei!! Mas eu nem sabia a matéria! E se você fosse tão inteligente não precisaria de cola

Enquanto eles discutiam vi que esse tal de de Leonardo me encarava e encarei ele também e ainda por cima arqueei uma sobrancelha, e por incrível que pareça ele sorriu de lado para mim. Quando olhei pra bia de novo o Lucas, acho que esse é o nome dele, estava prestes a encostar nela

-Não encosta nela!!!- quando tentam fazer coisas com a bia que ela não queira eu me estresso tanto, que ser for preciso eu bato, nem que depois eu sofra duplicado. 

-Nossa, mas como você é marrentinha-serro os punhos e ele vem em minha direção- deixem elas passarem, mas que vocês tenham entendido o recado quem manda na escola somos nós! Entendeu pimenta? 

Ai que vontade de pegar esse menino ( não pensem merda) e soca tanto ( continuem sem pensar merda) até a cara dele ficar deformada que quando forem enterrar terá que ser com o CAIXÃO FECHADO de tão feio que ele vai ficar. Eles abriram a passagem, e como não sou flor que se cheire quando sai da 'roda' bati no ombro do Leonardo de um jeito que quase fez ele cair e fomos em direção a casa. 

-Idiota@#&*$¥£%₩!!!- chinguei eles de todos os nomes existentes, inexistente até dos impróprios.

-Nossa esse garoto te irrita de um jeito tão fácil kkk...aí-olhei para ela preocupada

-Você segurou a mão do garoto com força não foi!?

-Foi

-Ai cabeça de melão! Sabe que se machucar um humano você também sentirá a dor só que duplicada- era tipo isso que me impedia de quebrar a cara de todo mundo!!!

-Eu sei só que aquele garoto era insuportável...aí!!! Você não tem nada para amenizar a dor? 

-Sim está na minha mochila...perá cadê minha mochila? Eu esqueci preciso voltar

Ela falou alguma coisa mas não ouvi porque estava preocupada, na minha mochila tinham coisas que denunciavam que nós éramos nephilim, se algum demônio ver o nosso plano vai por água abaixo.

-Certo-respondo e saio correndo. 

Quando passo pela porta do prédio do ensino médio paro de correr e me encosto na parede para retomar o ar. Depois de parar um pouco comecei a andar lentamente pelo corredor vazio, chegando na sala já acho a minha mochila e a pego, estava indo em direção ao corredor quando percebi que tinha algo preto na mesa do professor, cheguei mais perto e vi que era sangue de demônio, sabia que tinha sentido cheiro de coisa podre, sentei-me na cadeira do professor e comecei a mecher nas gavetas, mas não achei nada, desisti de procurar e fui a caminho da saída do prédio.

Estava quase saindo do prédio para ir para casa dormir (sim, sou muito preguiçosa), quando uma praga sai de uma sala mas finjo que não vejo e passo reto. 

-Gatinha passando, sinceramente achei você bem gostosinha- disse Leonardo idiota, preciso arranjar um apelido para ele e uma arma pra poder matar esse infeliz, ah é tenho uma espada na minha mochila, então vamos matar agora. Mas eu fiquei com tanta raiva que não me segurei e parei.

-O que foi? A marrenta não gosta de elogios? 

-Olha aqui- virei e fui andando até ele- eu não o tipo de menina que obedece qualquer um, principalmente você.

-Eu acho que você não entendeu o meu recado, quem manda aqui sou eu

-Quem você pensa que é? Aé um idiota e burro que precisa de cola para passar de ano. Me responde uma coisa, você é assim porque: a) em casa você é mandado e aqui na escola quer mandar b) na verdade por dentro você é um menininho com medo e isso é só uma máscara ou c) tem um pintinho tão pequinininho que quer se fazer de machão. É, eu acho que é a letra C.-dei um sorriso sarcástico. 

Sai dali quando vi que ele não falaria nada. Chegando em casa vi que não tinha ninguém mas nem liguei, fui direto para o banheiro e tomei um banho, coloquei meu típico short curto com top e fui dormir, mesmo sendo sete horas, como disse sou preguiçosa. Deitei na minha linda cama e cai no sono.

Acordo três horas da manhã com o mesmo sonho: quando a mãe da bia, que agora também é minha, veio me falar que meus pais tinham morrido, foi o pior dia da minha vida. Me levanto e vou em direção a cozinha mas antes passo no quarto da bia pra ver se ela chegou, quando olho vejo ela roncando igual a um porco, com a metade do corpo para fora da cama e babando muito. Como já disse: não sou flor que se cheire, tiro uma foto e a gravo roncando. 

Vou para cozinha e como um monte de coisa, vou para fora e pego uma escada para subir no telhado, já que aqui não tem sacada. 

Olho para as estrelas e viajo nas memórias, lembro dos meus pais, da minha primeira batalha com a bia, de quando a bia recebeu veneno de demônio e ficou em coma por duas semanas. Quando isso aconteceu eu praticamente enlouqueci fiz greve de fome, não saia do quarto, eu achei que ia perder ela, que ia perder a minha irmã. Do nada vem aquele sorriso de lado em minha mente. 

-AI QUE RAIVA! Esse garoto idiota

Taquei o que estava na minha mão-que no caso era um copo de vidro-logo vi um guarda vindo, sai do telhado correndo e entrei em casa.

Deitei na cama e logo dormi.


Notas Finais


Beijocas!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...