História My Anonymous - Imagine Jungkook - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Black Pink, Got7
Personagens G-Dragon, Jackson, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jisoo, Jungkook, Lisa, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Rosé, Suga, Taeyang, V
Tags Drama, Escolar, Imagine Jungkook, Jimin, Jin, Jungkook, Mistério, Rap Monster, Romance, Suga, Suspense, Yaoi
Visualizações 125
Palavras 1.693
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ooie amores! ♡♡

Desculpem a demora, eu estava em semana de provas e então fiquei sem tempo para escrever.

Bom, acabei desistindo do capítulo especial ksksk

Capítulo lido apenas uma vez, então perdoem os erros ortográficos -'

Capítulo 3 - Culpada


Fanfic / Fanfiction My Anonymous - Imagine Jungkook - Capítulo 3 - Culpada

 

S/N esperava ansiosa por notícias, fazia alguns minutos desde que a diretora puxara Jungkook e Mark para dentro da sua sala. Ela não aguentava mais, se sentia culpada, Jeon poderia pegar uma suspensão por causa dela.

 

Puxou alguma fios do seu cabelo e suspirou, ficou andando em círculos pelo corredor por um bom tempo, até que ouviu a porta da diretoria ser aberta.

 

Se virou e viu Jungkook sair da sala com as mãos nos bolsos, sua cara não era nada boa, isso fez a garota sentir um aperto no coração.

 

– Jungkook, eu... – parou de falar no meio da frase quando viu ele dar as costas e sair andando, sem virar uma vez sequer para trás.

 

 

[...]

 

 

 

S/N POV on

 

A semana passou rápido, desde o primeiro dia de aula tenho ignorado Jungkook asism como ele estava me ignorando, eu me sentia culpada.

 

Bom, esse sábado estava sendo um dia daqueles. Tudo o que poderia dar errado, até agora, deu errado.

 

Começou quando meu despertador não tocou e eu dormi mais do que devia, e por causa disso me atrasei para pegar o ônibus que passava perto do meu apartamento, seu destino era o centro de Seul, o lugar aonde eu trabalho.

 

Eu estava em uma cadeira no fundo, perto da janela, ouvindo música, a viagem não duraria nem 15 minutos se não fosse por um imprevisto. Em instantes o ônibus foi tomado por um forte cheiro de queimado, e vendo o desespero dos passageiros, o motorista declarou encerrada a viagem.

 

E depois o problema revelou-se nada muito sério, era apenas o motor superaquecido, mesmo assim o motorista tinha que esperar um mecânico qualquer da empresa chegar para consertá-lo.

 

Apesar de que houve muito empurra-empurra e pessoas me acotovelando, consegui sair do ônibus sem nenhum arranhão. E junto de varias reclamações de minha parte, fui deixada na calçada gelada por mais ou menos meia hora, enquanto aguardava outro onibus. Para piorar nuvens cinzentas pairavam pelo local, denunciando a forte chuva que estava por vir.

 

Uma hora eu perdi a paciência e me levantei, peguei minha bolsa e sai andando, se continuasse desse jeito o meu chefe ficaria uma fera, mais do que ele já deveria estar.

 

Soltei um suspiro quando observei a lanchonete de longe, vi também que meu chefe estava na porta olhando para os lados com os braços cruzados e a expressão séria.

 

– Aish... – murmuro. – Vou ter que dar a volta.

 

Olho para os lados rapidamente e entro em um beco, agora eu sei o porquê das pessoas me chamarem de louca. Começo a correr enquanto segurava minha bolsa, dei a volta no quarteirão e entrei pelos fundos. Abri a porta e adentrei o local.

 

– S/N! Aonde você estava? – minha colega de trabalho, Ray, perguntou enquanto se aproximava. – O chefe está uma fera!

 

Ray tinha a mesma idade que eu, 16 anos, era dois meses mais velha, estudava em outra escola. Quando nos reuniamos junto de Sory, viramos o "Trio Fantástico", coitada das pessoas que ficam envolta da gente nesse momentos, ri com meu pensamento.

 

– Sinto muito, Ray! Meu despertador não tocou e eu tive alguns probleminhas no caminho. – digo e coço levemente minha bochecha com o dedo indicador.

 

– Eu enrolei ele, disse que você tinha ido no meu lugar no mercadinho para comprar algumas coisinhas. – Ray disse.

 

– Hum...

 

– É o mínimo! – ela exclamou. – Te dei cobertura, lembra? Por favor!

 

Dei de ombros enquanto cruzava meus braços, era melhor isso do que ter que ouvir sermão dele. Peguei o dinheiro encima da bancada e sai pela porta dos fundos, eu tinha que ser rápida. Olhei para os dois lados e atravessei a rua correndo mesmo, sem me importar.

 

"– Antes de atravessar, tem que olhar para os dois lados! – minha mãe passava algumas regras. 

 

– E nunca atravesse correndo! – meu pai, que até agora pouco estava lendo um jornal, direcionou seu olhar para mim.

 

– Não se preocupem tanto. Eu já sei disso, só irei dormir na casa da Sory. – digo e coloco a mochila nas costas. 

 

– Desculpe-nos, meu bem. – ela disse sorrindo e segurou meu rosto, para em seguida depositar um selar carinhoso em minha testa. – Estamos acostumados a dizer essas coisas, até esquecemos que já és uma mocinha.

 

– Tudo bem. Até amanhã. – eu disse e esbanjei um sorriso para depois abrir a porta.

 

– Vá com Deus, querida. Não se esqueça de ligar quando chegar.  minha mãe falou e eu ri."


 

Sem perceber, eu já estava na frente do mercado. Adentrei o mesmo enquanto olhava envolta. Peguei o primeiro carrinho que vi e sai o empurrando rapidamente enquanto pegava as coisas sem parar, de vez em quando desviando as pessoas com dificuldade.

 

[...]

 

 

Entrei pelos fundo com as algumas sacolas no braço. Várias pessoas me pararam para ajudar, recusei todas as vezes, a maioria delas disse que eu podia pegar um carrinho e devolver depois. Mas fiquei com preguiça de voltar para pegar.

 

– Você sabe que poderia ter pego um carri... – Ray começa a falar enquanto pegava as sacolas e eu a interrompi.

 

– Pego um carrinho e ter devolvido depois, eu sei. – digo manhosa fazendo bico. – Já me falaram isso muitas vezes.

 

Ela deu de ombros rindo e começou a arrumar as coisas. Peguei meu uniforme que estava na bolsa e fui para o banheiro. Troquei de roupa e com o bloco de anotações na mão fui atender os clientes.

 

O tempo passou tão rápido, quando vi já era hora do almoço, o momento no dia em que a lanchonete fica mais movimentada.

 

– Esse prato é na mesa três. – Ray disse enquanto me entregava um prato fundo cheio de sopa. – Só dessa vez irei deixar você ficar com o resto de sopa que sobrou na panela.

 

– Obrigada, Unnie. – eu disse e depositei um beijo em sua bochecha, realmente gostava da comida dela. – Você é um amor de pessoa!

 

Ela revira os olhos com um sorriso de canto enquanto esfregava a bochecha com sua mão, me viro e ando rapidamente até a mesa três, eu não conseguia ver o rosto do garoto já que estava de costas para mim.

 

– Aqui está o pedi... - deixei o resto da frase no ar e arregalei levemente meus olhos quando vi quem era o cliente, Jeon Jungkook.

 

Ele olhou no fundo dos meus olhos, me perdi em meio ao seu olhar e senti um calor subir em minhas bochechas, eu deveria estar corada. Isso não era bom.

 

– S/N? Eu não sabia que você trabalhava aqui. – Jungkook se pronunciou e eu entreguei o pratos sem dizer nada.

 

– Obrigada! – Jungkook disse baixinho, percebi que ele só estava de corpo ali na minha frente, seus pensamentos estavam em outro lugar.

 

Me curvei e voltei rapidamente para a cozinha, eu queria perguntar para Jungkook o porquê dele estar daquele jeito, porém eu não tinha tomado meu café da manhã e por isso estava morrendo de fome.

 

– Cadê minha sopa? – perguntei e comecei a tirar a tampa das panelas.

 

– Eu já coloquei em um prato, está encima na pia. – Ray disse alto, já que estava dentro do banheiro.

 

Me aproximei e peguei o prato, olhei Jungkook e o vi sozinho, ainda com a expressão triste. Naquela hora me deu uma vontade de pega-lo e colocá-lo em um potinho. Vi nisso uma oportunidade de pedir desculpas.

 

Não custa nada fazer companhia a ele, certo?

 

Me aproximei e coloquei o prato na mesa, Jeon me olhou com a expressão confusa e uma de suas sobrancelhas levantada.

 

– Posso me sentar aqui?

 

Sua expressão mostrava com clareza o quão surpreso ele ficou com a minha pergunta, confirmou rapidamente com a cabeça de um jeito desengonçado e fofo, fazendo-me rir. Me sentei na sua frente e com o dedo indicador empurrei seu óculos, que estava na ponta do seu nariz, até encostar em sua testa.

 

– Fofo! – digo.

 

O meu sorriso aumenta mais quando vejo suas bochechas ficarem em um tom avermelhado e ele desvia seu olhar para a comida. Faço o mesmo e pego uma colher. A lanchonete inteira ficou em silêncio, só era ouvido o barulho dos talheres.

 

Eu me coçava para perguntar o porquê dele ter me ignorado, apesar de tê-lo conhecido a pouco tempo, já sentia um carinho grande por ele. Não gostava de vê-lo afastado sem poder dizer um simples "oi".

 

– Por que você me ignorou quando saiu da diretoria? – perguntei rapidamente. – Eu sei que foi minha culpa você ter ido lá, mas...

S/N POV off

 

 

Jungkook POV on

Naquele dia, eu não me importei com nada. Eles poderiam até chamar a polícia, mas ninguém iria me parar.

 

Ninguém toca na minha S/N a força e sai ileso.

 

Mas, eu fiquei realmente chateado, o rosto assustado dela vai me assombrar pelo resto da vida. E se eu não tivesse ido atrás dela? O que teria acontecido?

 

Coloquei a colher na sopa e respirei fundo. Eu me perguntava se deveria falar para ela o quão especial é para mim, como eu fico alegre ao vê-la se aproximar de mim sorrindo, ou como fico triste quando acabam às aulas e tenho que a ver só no dia seguinte.

 

– Eu... – comecei a falar e perdi a coragem. Não vou me declarar hoje, não vou.

 

– Jungkook Oppa? Que coincidência. 

 

Ouvi uma voz fina e irritante. Vi S/N olhar alguém atrás se mim com o cenho franzido, me virei e dei de cara com Jennie. Era só o que me faltava.

 

– Ah, oi Jennie. – me levantei e S/N fez o mesmo, ela pegou meu prato e foi para a cozinha em silêncio.

 

– Se ela é sua namorada, por que vocês se tratam como se fossem desconhecidos? –Jennie perguntou.

 

– Não nos tratamos como desconhecidos. – falei e dei de ombros, vendo S/N voltar a se aproximar.

 

– Na sala vocês não fazem nada, como simples amigos, e eu não vi vocês trocarem carícias e nem se beijarem até agora. - ela falou. – Se vocês confirmarem que estão namorando, juro que nunca mais dou encima de você. 

 

Eu e S/N nos olhamos e ela balançou a cabeça positivamente, corada e constrangida. Me aproximei e coloquei minhas mãos na sua cintura, então a puxei para mais perto sentindo sua respiração ficar descompassada e as batidas do seu coração aceleradas.

Jungkook POV off

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Vish e.e

Então, eu faço eles se beijarem ou não? Me digam o que querem nos comentários u.u

Juro que vou fazer um capítulo maior na próxima :')

Até o próximo capítulo! ♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...