História My Baby - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Apostas, Baby Boy, Bangtan Boys, Bangtan Sonyeondan, Bts, Daddy, Daddy Kink, Jungkook, Sexting, Stherchannn, Taehyung, Taekook, Texting, Vkook
Exibições 334
Palavras 3.838
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello~~ ^.^/
GENTENEY, aqui está o tão esperado lemon!
Vou avisar uma coisa pra vocês: eu nunca tentei um lemon nesse estilo. Eu tenho uma personalidade meio sádica em alguns aspectos, mas nesse quesito — sexo — eu já sou mais no estilo romântica; se eu for escrever um lemon BDSM, ou eu não vou saber fazer ou eu vou fazer eles transarem e no final alguém morre por perda de sangue ou o relacionamento acaba ;--;
Repito: eu nunca tentei um lemon nesse estilo.
Entrei no mundo do lemon faz pouco tempo, por isso não sei muita coisa e fica meio bugante.

Eu não beto os capítulos — sou solitária ;--; minha beta reader não me acompanha nos lemons, sabe... ._. — e esse deve estar cheio de erros por ter sido, até agora, o maior capítulo de toda a fic — talvez o próximo seja um pouco menor, ou muito maior, não sei.
Vou parar de enrolar e vou deixar vocês lerem.
Estou postando por celular, amanhã quando eu estiver com o computador, eu vou ajeitar os erros de formatação que tiverem.
Beijooooososososo
Nos vemos nos comentários :3

Capítulo 19 - 19


Fanfic / Fanfiction My Baby - Capítulo 19 - 19

[Leiam as notas iniciais, please]

Bufei pela terceira vez ao não conseguir prender aquela maldita cinta-liga. Na quarta tentativa eu consegui, abrindo um sorriso divertido enquanto me olhava no espelho, admirando-me.

Eu estava vestindo uma saia rosa com linhas brancas na barra. Uma cinta-liga se prendia no pequeno short que eu usava por baixo, por cima da calcinha de renda branca. Um moletom rosa alguns tamanhos acima do meu e um all star branco para quebrar o estilo. Meu cabelo, recém-pintado de loiro, estava com uma pequena tiara com orelhas de gatinho.

Ouvi batidas na porta na mesma hora em que meu celular apitou informando que uma mensagem havia chegado. Abri a mensagem e um sorriso surgiu em meus lábios.

Sai correndo do quarto, me sentindo livre por poder utilizar aquele tipo de roupa fora do quarto. A verdade era que, mesmo antes da festa do Jimin, eu já era um baby. Eu já né vestia daquela maneira fazia muito tempo.

— Daddy? — perguntei antes de abrir a porta, apenas para confirmar.

— Sim, Tae... Sou eu. — sua voz me causou arrepios, mas eu só abri uma fresta na porta de mogno, puxando-o para dentro e a fechando em seguida. — Ué, o que foi?

— Vizinhos. Se virem eu usando isso, vou ser queimado em praça pública. — resmunguei me sentindo um pouco desconfortável por estar daquele jeito na sua frente. — São muito religiosos, sabe... E fofoqueiros.

— Então não vamos deixar que eles te vejam assim, apenas eu posso. — JungKook me prendeu contra a porta, seus olhos tinham um brilho diferente e eu logo reconheci esse brilho como excitação. — Eu juro que vim o caminho todo pensando em como me segurar para não parecer um louco que está a meses sem sexo...

— O problema, Jeon... É que eu sou um louco que está a meses sem sexo. — foi a única coisa que eu falei antes de quebrar a distância entre nossos lábios e puxa-lo para um beijo sedento.

Senti-o rir em meus lábios e logo aprofundamos o beijo, suas mãos foram para minha cintura e a apertaram, descendo mais um pouco para apertar meu bumbum. Levei minha mão direita para sua nuca e, com a esquerda tranquei a porta e retirei a chave da fechadura, jogando-a em cima da mesinha ao lado da porta, sem quebrar o contato entre nossos lábios.

— Está com fome? — perguntei quebrando o contato por um instante.

— Sim... Fome de Kim TaeHyung. — ele murmurou com as bochechas coradas e um sorriso sacana nos lábios inchados e avermelhados.

— Então vamos combinar nossas fomes. Sinto fome de Jeon JeongGuk. — assim que terminei minha frase ele me beijou novamente e desceu minhas mãos para minhas coxas, pedindo para que eu pulasse em seu colo, coisa que fiz com certo entusiasmo.

Kookie me levou pelo corredor seguindo as instruções mal dadas que eu dava. Assim que chegamos em meu quarto, fiz a mesma coisa que havia feito antes, na porta de fora, e logo fui jogado na cama, com Jeon por cima de mim.

— Não tive tempo de dizer o quanto você está lindo com essa roupa... — ele murmurou enquanto me fitava com desejo. — Pena que eu vou tira-la agora....

— O que está esperando? Eu vou me vestir assim mais vezes, só pra você... Então anda logo com isso porque eu tô duro pra caralho. — minha voz como um grunhido manhoso, enquanto eu levava minha mão para a saia, massageando meu membro de leve, buscando um alívio.

Um sorriso surgiu em seus lábios ao mesmo tempo em que ele se afastava e pegava dois cintos de couro rosa, voltando para a cama com um olhar repreensivo.

— Quem disse que podia se tocar? — perguntou.

— Vai me punir, Daddy? — minha voz saiu como um miado pois eu continuava a me tocar daquela maneira.

— Sim, Baby... Eu vou. — ele retirou minha mão de cima do meu membro e as prendeu com os cintos, o que me causou um pouco de dor por não ser o objeto correto para se colocar ali, porém daquela maneira era mais legal do que pegar as algemas dentro da gaveta ao lado da cama.

Kookie me prendeu as mãos na cabeceira da cama depois de retirar meu moletom, me deixando sem a peça e sorrindo malvado sabendo que eu não podia me tocar. Por causa disso um bico surgiu em meus lábios, eu queria me tocar, eu queria toca-lo.

Suas mãos começaram a passear por meu corpo, me trazendo arrepios. Seus beijos começaram a descer de meus lábios para o pescoço, onde ele trabalhou com altivez para deixar marcas vermelhas e roxas por ali.

A cada chupão ou mordida deixada em meu pescoço, um gemido baixo escapava de meus lábios e isso me trouxe a uma realidade: eu estava fácil demais. E isso estava se tornando meio chato.

Sorrindo arteiro, comecei a aprender meus gemidos — com muita dificuldade, é claro — e ele parou o que fazia apenas para me olhar com uma sobrancelha erguida e um sorriso safado.

— Vai me privar desses gemidos? Mesmo? — ele perguntou enquanto dedilhava meu corpo com os dedos, chegando ao cós da saia. — Vamos ver se aguenta ficar segura-los depois disso...

Sua mão me arrancou a saia com facilidade, me fazendo arfar em surpresa ao ver a saia do outro lado do quarto. Suas mãos miraram o short e soltaram-no da cinta-liga. As meias só não saíram de minha perna com o short pois eram apertadas, então fiquei apenas com a calcinha de renda e a meia calça.

Vi o momento em que ele levou as mãos para as minhas coxas, apertando-as, e isso me fez fechar os olhos para ter uma força a mais para segurar os gemidos.

— Vamos, hyung... Geme pra mim... — senti sua mão chegar na parte interna das minhas coxas e balancei a cabeça em negação.

Quando seus dedos chegaram em meu membro semi ereto por cima da calcinha de renda, não tive outra escolha a não ser soltar os gemidos. O primeiro saiu baixinho, mas isso pareceu anima-lo a continuar o que fazia.

Logo suas mãos estavam puxando a calcinha para baixo com certa tristeza e hesitação, percebi que ele havia gostado dela ali. Assim que ele me deixou apenas de meias e mãos presas, submisso e vulnerável aos seus toques, voltou a beijar meu corpo.

— A-Ah... Q-que injustiça! — gemi manhoso enquanto entrelaçava minhas pernas em sua cintura, encostando meu membro no dele, querendo alívio.

Ele pareceu entender o que eu queria dizer pois parou de deixar chupões em minha barriga e estimular meus mamilos para se afastar, me olhando com aquele típico sorrisinho malicioso. Passou as mãos por minhas pernas cobertas por meias e desenlaçou minha pernas da sua cintura, me fazendo deitar direito na cama. Logo ele estava tirando a camiseta com movimentos lentos e agoniantes.

Minhas mãos coçavam, pedindo para que eu mesmo fizesse aquilo, porém os cintos faziam seu trabalho e não me deixavam soltar-me. Me debati um pouco e consegui que ele terminasse de se despir rapidamente, ficando apenas de cueca.

Suas mãos foram novamente para a parte interna das minhas coxas, abrindo minhas pernas para lhe dar uma visão total e vulnerável do que tinha ali, e isso me fez corar estupidamente rápido enquanto eu agia por impulso e fechava as pernas, me arrependendo da ação em seguida.

Kookie me olhou com reprovação e se afastou. Abriu a gaveta da cômoda — em uma das nossas conversas, eu havia comentado que guardava tudo ali, me admirei, na verdade, quando ele me prendeu com cintos — e retirou um tubo de lubrificante, um vibrador rosa brilhoso, camisinha e um outro cinto, dessa vez preto, mas ainda de couro.

— Menino mal. — murmurou enquanto me abria as pernas novamente e me colocava em posição de parto.

Enquanto eu tentava entender o que ele estava fazendo, JungKook soltou o cinto da cabeceira da cama, ainda sem me soltar os pulsos, e fui virado de costas enquanto sentia-o me colocar de quatro, arranhando minhas coxas de propósito e me arrancando vários gemidos no processo — eu já havia desistido da ideia de conte-los.

— Daddy~ o que vai fazer? — perguntei em um miado baixo, completamente excitado.

— Te punir. — ele respondeu enquanto se afastava novamente.

Como ele havia me colocado de costas, não pude ver o que ele estava fazendo, porém ouvia seus passos pelo quarto andando atrás de alguma coisa; e essa "cegueira" só piorou quando ele se aproximou de mim e me colocou uma venda. Logo senti a cama afundar novamente e ele se posicionar atrás de mim, segurando alguma coisa. Ouvi o barulho de um zíper e lembrei que ele estava com uma bolsa quando chegou aqui.

Senti um tapa ser desferido em minha nádega direita e isso me fez gemer baixinho, tanto pela dor quanto pela excitação causada. Algo gelado e macio me sujou a pele das costas e, pelo cheiro, eu tinha quase certeza que era chantilly.

Ele deitou por cima de mim, lambendo todo o doce das minhas costas. Senti seu membro encostar em minha bunda, me fazendo ficar mais empinado, na esperança de que aquilo entrasse logo em mim.

Gemidos altos escapavam de minha boca e eu só agradecia a Deus por meus pais não estarem em casa, ou eu estava lascado por causa do "barulho".

Jeon se afastou de mim e senti algo fino e doloroso me alcançar as nádegas, me fazendo gemer ao ouvir o estalo que o cinto deixou ao se chocar com minha bunda. A dor me fez arquear as costas e fraquejar, a surpresa fazendo cair na cama gemendo tanto de dor quanto de prazer.

— Quem disse que podia deitar? — JungKook perguntou, a voz baixa e dura, como se estivesse falando com um qualquer.

Ele segurou minha cintura e me fez empinar a bunda de novo, desferindo mais dois golpes com o cinto em minha bunda. Os dois golpes eram esperados, por isso não houve surpresa ou gemido de dor, somente o prazer que eu sentia ao estar submisso daquela maneira; eu nunca havia ficado tão submisso com ninguém, era sempre eu quem comandava tudo, mesmo que eu ficasse por baixo.

Senti a pele da minha bunda arder de encontro com sua mão direita. Eu estava sem enxergar nada, portanto eu estava apenas sentindo. Cada tapa desferido em mim, cada beijo, cada toque e cada arrepiar que ele me causava; tudo ficava mais intenso por eu me concentrar apenas na sensação e não na imagem.

— Agora você vai fazer um trabalhinho pra mim. — sua voz soou divertida, mas mais rouca e arrastada que o normal.

— Tudo o que quiser, Daddy... — murmurei, gemendo com um aperto em minha nádega esquerda, ocasionado por sua mão.

— Gosto de chantilly? — perguntou enquanto se posicionava na minha frente e retirava minha venda, me fazendo piscar algumas vezes para voltar a me acostumar com a luz do quarto.

— Sim, Daddy.... Gosto... — eu já sabia o que ele queria, portanto me sentei melhor que pude nas minhas pernas, com a bunda ardendo por causa dos golpes ali desferidos.

Ele apenas sorriu pequeno e massageou seu membro por cima da cueca, mas fazendo salivar apenas com a visão. Jeon parece ter entendido que eu apenas esperava seu consentimento, pois levantou na cama, ficando com o membro na altura do meu rosto, retirando a cueca boxer em seguida.

Meus lábios se abriram sem surpresa, eu, mesmo que já tivesse tentando imaginar o tamanho daquilo, havia ficado surpreso. O olhei com assombro e levei minha boca para mais perto, deixando um beijo na glande molhada.

— Daddy... Isso cabe em mim? Tem certeza? — engoli em seco com a imagem da minha entrada completamente preenchida por seu membro pulsante e cheio de veias. — É-É grande e g-grosso demais...

— Cabe, sim... Mas fica muito apertado, Tae... Deve ser por isso que você gozou mais de uma vez naquele dia... — seu sorriso meio sádico me fez sentir uma pinicada no meu baixo ventre.

Jeon parecia querer me deixar muito excitado pois ele despejou muito chantilly por todo seu falo e glande, tornando seu membro mais gostoso do que já era antes.

Balancei a cabeça em entendimento e voltei a aproximar minha boca de seu pênis. Deixei beijos na glande e no falo, me deliciando com o sabor do chantilly misturado com o dele, trabalhando com as mãos de vez em quando já que era difícil utiliza-las por estarem amarradas juntas com um só cinto e isso não me dar uma boa mobilidade.

Coloquei apenas a glande em minha boca, sugando-a com avidez enquanto massageava o falo com as duas mãos e minha boca estar completamente suja e lambuzada de chantilly. A felação não tinha começa direito, pois eu ainda estava incomodado com aquele tamanho. Assim que tomei suas bolas em minhas mãos, massageando-as, introduzi mais de seu membro em minha boca.

Mesmo antes de eu chegar no fim de seu membro e coloca-lo todo na boca, senti-o tocar minha garganta, me fazendo quase engasgar, por isso tirei-o rapidamente, voltando a fazê-lo em seguida, fitando as expressões faciais de JungKook.

Comecei uma felação lenta, sem ritmo por causa do incômodo, mas logo alcancei um ritmo que não me deixaria desconfortável e lhe traria prazer, sugando a glande e raspando meus dentes no falo.

Em um determinado momento, quando eu senti ele pulsar mais forte, suas mãos foram para os meus cabelos, ditando o ritmo que ele queria. Este que me fez engasgar uma vez por estar fundo em minha garganta. Eu tinha quase certeza de que ficaria pelo menos com dor de garganta ou rouco no dia seguinte.

Quando o gosto cítrico do pré-gozo me invadiu a boca e ultrapassar o gosto doce do chantilly, o ritmo aumentou, mas, antes que ele pudesse gozar ali, o mesmo se afastou, gemendo alto, assim como ficou durante toda a felação. Quando ele se afastou, eu finalmente percebi o quanto meus lábios doíam por terem sido forçados ao redor de seu membro.

Senti-o colocar uma mão na minha cintura e me puxar para o seu colo, me deitando na cama em seguida, para se colocar entre as minhas pernas, com um sorriso safado ao cubo enquanto me fitava daquela maneira.

Suas mãos voltaram a me prender na cabeceira da cama, distribuindo beijos por meu pescoço. Eu sentia o sangue se juntando nos locais onde ele chupava. Minhas pernas voltaram a se entrelaçar em sua cintura.

— Baby... Eu vou te foder agora. — foi a única coisa que eu ouvi antes dele se afastar bruscamente e suas mãos me fizessem virar novamente de costas para ele. Msus ombros reclamaram tanto quanto meus pulsos por causa da pressão submetida nos músculos.

Suas mãos apertaram minhas nádegas e me fizeram gemer baixinho, enfiando meu rosto em meu travesseiro, tentando abafar os gemidos que vieram em seguida quando ele abriu minhas nádegas com as mãos, tendo uma visão quase que "privilegiada" da minha entrada.

De repente me senti ser invadido por seus dedos grossos, sem nada para facilitar a penetração, no seco. Um gemido meio dolorido escapou de meus lábios e eu tive que enfiar minha cara no travesseiro novamente, mas logo senti uma onda de prazer me invadir quando ele começou a selar minhas costas enquanto enfiava outro dedo.

JungKook pareceu cansar de "brincar" já que, mais de repente ainda, ele retirou seus dedos de dentro de mim e pegou o tubo de lubrificante, derramando o líquido frio e viscoso em minhas nádegas como se fosse água.

Senti suas mãos se afastarem de mim e logo minha entrada foi preenchida por algo bem grosso e, apenas o pensamento de que fosse ele ali, me proporcionando tanto prazer, foi o suficiente para que eu empinasse mais minhas bunda, atrás de mais contato, mas....

— JungKook! — reclamei. — Eu quero você dentro de mim, não esse maldito vibrador! Caralho!

Ele havia me penetrado com o vibrador ao invés de si mesmo, e isso me deixou puto pois eu já estava cansando daquelas preliminares. Só que, antes que eu pudesse começar a reclamar, o maldito ligou o vibrador dentro de mim e os meus gemidos recomeçaram, me fazendo esquecer das reclamações.

Meus dedos dos pés se contorciam em prazer e meus gemidos eram tão manhosos quanto os miados de um gato.

— Ia falar alguma coisa, Baby? — eu quase podia "ouvir" seu sorriso sádico.

— A-Ah... D-Daddy... Por favorzinho... H-Hm... M-Me fode l-logo! — minha voz era apenas uma sombra do que era no dia a dia.

— Hm... Então você me quer dentro de você, te fodendo o mais fundo que eu puder nessa sua bunda apertada, Baby? — ele perguntou com aquela voz grave no pé do meu ouvido e eu senti seu membro entrar em contato com a minha bunda, por cima do vibrador, o que me fez gemer mais alto.

— S-Sim, Daddy... O-O mais fundo que conseguir! M-Me fode com força! — minha voz saiu trêmula e eu dei graças por ela não ter morrido no meio das frases.

Eu sentia os músculos dos meus ombros doerem, pedindo clemência por estarem sendo forçados havia tempos mas não reclamei pois JungKook parecia motivado a me torturar já que começou a retirar o vibrador de mim com lentidão, sem desliga-lo. Com um pouco de impaciência, me afastei um pouco e isso fez o vibrador sair de mim rapidamente, mas ele pareceu não ter gostado disso.

— Porque fez isso? — ele perguntou enquanto separava minhas nádegas e enfiava um dedo na minha entrada, retirando-o em seguida.

— A-Ah... Daddy... Só me fode rápido; eu não aguento mais! — empinei minha bunda, deixando minha entrada exposta por minhas pernas estarem abertas. — Enfia esse seu pauzão aí... Rápido...

— Você foi um mal menino. Acha que vai ter o que queria fácil desse jeito? Hahá. — senti suas mãos irem para a minha cintura, me forçando a empinar a bunda ao máximo, enquanto minha barriga encostava na cama. — Só pra constar: você vai ter que gozar sem que eu te toque no membro.

Antes que eu pudesse reclamar, uma tapa na banda direita da bunda me fez arfar, sua mão era pesada. Veio outro tapa em seguida, me fazendo gemer pela surpresa e uma mordida na nádega direita, me fazendo retesar meu corpo e se afastar do dele. Isso rendeu mais punições ainda.

Kookie acertou mais um monte de tapas na minha bunda, me fazendo enfiar a cabeça no travesseiro por saber que minha bunda já devia estar cheia da marca de seus dedos. Senti o cinto duas vezes e as lágrimas não vieram, mesmo que eu sentisse muita dor, eu sentia prazer.

— JungKook... Só me fode. Agora... — murmurei baixinho e isso foi o suficiente para que ele parasse com os tapas e me penetrasse de uma vez.

Seu membro era bem maior e mais grosso que o vibrador por isso teve uma pequena ardência quando ele entrou e isso me fez sibilar enquanto eu empinava minha bunda, procurando por mais.

JungKook não começou lento, por isso as coisas só ficavam piores. Eu sentia sua boca em minhas costas, deixando marcas e mais marcas ali enquanto sua cintura se chocava com a minha é nos fazia balançar. O suor escorria de nossos corpos em grandes gotas.

Meus pulsos já estavam doendo bastante e meus ombros pareciam querer renegar meus braços para ficarem livres daquela dor, porém era uma dor gostosa. JungKook enfiou os dedos por entre meus cabelos e os puxou para trás deixando um espaço livre para sua boca deixar mais marcas em meu pescoço, eu já estava cheio delas, mas não me importava.

Senti meu membro pulsar, porém quando Kookie saiu de dentro de mim, um gemido manhoso saiu de meus lábios, porém ele logo foi substituído por um de alívio, já que JungKook soltou minhas mãos dos cintos e me virou de costas para a cama, se posicionando bem pela décima vez entre minhas pernas — ele parecia gostar dali huehuehuehue.

Minhas mãos foram para sua nuca enquanto meus braços lhe abraçavam os ombros e seus lábios vinham de encontro com os meus, em um beijo afobado onde dentes se encontravam e risos ecoavam junto com o som erótico de nossas peles se chocando.

Foi exatamente como JungKook me falou: eu iria gozar sem me tocar.

Meu corpo estremeceu todo enquanto meu interior se contraía em JungKook é eu logo senti o jato morno que saiu de meu pênis sem que eu o tocasse uma vez sequer. JungKook gozou em seguida, dentro de mim.

— N-Não usamos camisinha... — ele murmurou enquanto dava as últimas estocadas antes de sair de mim.

— E-Eu não engravido... N-Nem tenho d-doenças... A-Acho que não t-tem problema... — minha voz saiu trêmula enquanto JungKook retirava os cintos e as outras coisas de perto de nós e me cobria com o cobertor, com um sorriso visivelmente satisfeito em seus lábios, mas um tanto quanto culpado.

— Me desculpa... Eu te machuquei? — e perguntou enquanto via meus pulsos vermelhos e bem marcados pelo cinto.

— Relaxa... Isso foi perfeito... — murmurei enquanto segurava suas mãos e o puxava para a cama, meio sonolento. — Exatamente como eu queria que fosse...

Kookie deitou do meu lado, se cobrindo com a mesma coberta que a minha segurando meus pulsos e deixando beijos nas marcas vermelhas; logo eu já estava com a cabeça em seu braço e a testa em seu peito, meus olhos permaneciam fechados por conta do cansaço que eu sentia.

— Então... Vamos dormir? Meu namorado precisa de descanso pois eu avisei demais do corpo dele e–

— Namorado? — cortei-o e abri meus olhos, fitando seu rosto angelical completamente suado.

— Hm, sabia que tinha esquecido alguma coisa... O pedido era pra ter sido feito qhabdo eu chegasse aqui, mas... Né... Não deu.. — ele me fitava nos olhos, também. — Então agora eu peço: Kim TaeHyung, amor da minha vida, razão do meu viver, meu Baby... Você, por acaso, quer namorar comigo? Um garoto estranho que gosta de espancamento dursnte o sexo?

— Pra que tudo isso? — franzi o cenho, confuso.

— Acredite: era bem maior, mas eu esqueci de muitos dos termos que matutei enquanto vinha pra cá. — ele riu.

— Oxe... — ri baixinho e selei nossos lábios de forma casta. — Bobão, é claro que eu aceito...

— Hm. Que bom, ou eu teria que dar mais tapas em sua bunda branca e macia. — seu sorriso arteiro nunca sairia dali, e isso ne fez rir de novo, mais alto dessa vez.

— Só uma observação: eu vou ter que usar gola alta e pulseiras por um bom tempo, nossa sorte é que está chegando no inverno e a neve já já começa a se acumular...


Notas Finais


Soooo...?
Gente! Não peguem leve, okay? Podem me criticar, eu vou entender se tiver ficado ruim, tá? Podem falar comigo por mensagem privada se sentirem melhor assim, mas se não tiverem gostado, quero que sejam sinceros! ._.

Ps: Gente... Eu tô surtando! Mais de 170 favoritos! Vocês são incríveis! Incríveis mesmo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...